Mais de 11 milhões de brasileiros passaram fome em 2009

On novembro 27, 2010, in Gepedoc, by Fábio Fernandes Villela
Mais de 11 milhões de brasileiros passaram fome em 2009
26 de novembro de 2010


Do UOL Ciência e Saúde

Aproximadamente 30% dos domicílios brasileiros não têm acesso regular e permanente a alimentos de qualidade e em quantidade suficiente. É o que mostra levantamento suplementar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgado nesta sexta-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pesquisa, relativa a 2009, analisou 58,6 milhões de domicílios particulares no país. Desse total, 17,7 milhões (30,2%) apresentam algum grau de insegurança alimentar, o que representa um total de 65,6 milhões de pessoas. Em 2004, a proporção era de 34,9%.

Entre esses domicílios mencionados acima, 18,7% (ou 11 milhões de lares) apresentam situação de insegurança alimentar leve; 6,5% (3,8 milhões) moderada, e 5% (2,9 milhões) grave. Ao todo, 11,2 milhões de pessoas relataram ter passado fome no período investigado.

Em 2004, as prevalências de domicílios com moradores em situação de insegurança alimentar leve, moderada e grave eram, respectivamente, 18%, 9,9% e 7%. Ou seja, houve redução dos percentuais de restrição moderada e grave.

A pesquisa mostra que a prevalência de insegurança alimentar é maior na área rural do que na urbana. Enquanto 6,2% e 4,6% dos domicílios em área urbana apresentavam níveis moderado e grave, respectivamente, na área rural as proporções foram de 8,6% e 7%.

Regiões

O levantamento mostra que a Região Sul é a que apresenta menos problemas. Santa Catarina é a unidade da Federação com maior percentual (85,2%) de domicílios em situação de segurança alimentar, seguida do Rio Grande do Sul (80,8%) e do Paraná (79,6%). A média nacional é de 69,8%.

Já nas regiões Norte e Nordeste, todos os Estados apresentam proporções inferiores à média nacional de segurança alimentar. No Maranhão (35,4%) e no Piauí (41,4%), nem metade dos domicílios conta com alimentação saudável e em quantidade suficiente assegurada. No Centro-Oeste, apenas Goiás está nessas condições.

Perfil dos domicílios

Além de menos bens, os domicílios em situação de insegurança alimentar também são os menos atendidos pela rede coletora de esgoto sanitário. Outra característica é a maior densidade por dormitório: em 4,5% dos domicílios com restrições alimentares graves há três ou mais moradores dormindo no mesmo quarto.

Cerca de 55% dos domicílios em situação de insegurança alimentar moderada ou grave têm renda mensal domiciliar per capita de até meio salário mínimo.

A prevalência de restrições é maior em domicílios em que residem crianças. A pesquisa indica que 8,1% da população de 0 a 17 anos vivem em situação de insegurança alimentar grave. Na faixa etária de 65 anos ou mais, a proporção é de 3,6%.

Do total de 97,8 milhões de moradores pretos ou pardos, 43,4% apresentam algum nível de insegurança alimentar. Entre os brancos (92,4 milhões), a prevalência é de 24,6%.

Em relação à escolaridade, a pesquisa mostra que quanto maior o grau de instrução, menor a prevalência de insegurança alimentar grave ou moderada. Em 2004, 29,2% dos moradores sem instrução ou com menos de um ano estudo apresentavam restrição na quantidade de alimentos moderada ou grave. Em 2009, a proporção caiu para 20,2%.

Retirado de: http://www.mst.org.br/30-dos-domicilios-brasileiros-sofrem-com-restricao-alimentar

Bom Dia Car@s! Tudo bem?
Repasso o convite do Prof. Vanildo, nosso vice-diretor. Abraços, Prof. FFV.
Amanhã e sábado (26 e 27 de novembro), estaremos realizando o Primeiro Encontro  Estadual do Projeto Formador de Formadores de Incubadoras Públicas Municipais de Empreendimentos Solidário, conforme programação abaixo.
Quem tiver interesse, o encontro é aberto a todos e se realizará das 8h00 às 18h00 no Aud.  C, na sexta-feira, e das 8:00 às 13h00, no Aud. B, no sábado.

O evento de sexta também estará sendo transmitido pelo site:

Um abraço, Prof. Vanildo (vice-diretor/Ibilce/Unesp – Rio Preto).

26/11 (Sexta-feira)

8h00                                     Credenciamento

8h30                                     Abertura

Coordenação do Projeto, dirigentes da Unesp, Fundação Banco do Brasil, Unitrabalho e FNPES

9h00                                     Palestra e Debate

O Programa de Trabalho e Cidadania e o apoio à Economia Solidária

                                                               Éder Melo – Fundação Banco do Brasil

1030h às 10h45                 Café

10h45 às 12h30                 Mesa Redonda

Os desafios da Economia Solidária como política pública

- Roberto Marinho – Secretaria Nacional de Economia Solidária/MTE

- Emerson Domingues – Secretário Municipal de Trabalho, Emprego e Renda / São Carlos

- Sonia Marise Coelho/ UNB (Univ. Brasília)

- Mariluce Paes de Souza/UNIR (Univ. Fed. Rondônia)

14h30 às 18h30                 Mini-Curso:        Metodologia de incubação de empreendimentos solidários

- Sonia Marise/UNB

- Mariluce Paes de Souza/UNIR

- Bárbara França/UFF (Univ. Fed. Fluminense)

Dia 27/11 Sábado

8h00 às 10h00   Discussão dos Planos de Trabalho nas Micro-regiões : relação entre Universidade, Prefeituras, Entidades e Empreendimentos

10h00 às 10h15                 Café

10h15 às 12h30 Proposta do Plano Geral de Trabalho / 2011

Museu On-line do Artista Plástico José Antônio da Silva

On novembro 22, 2010, in ArteEdu1, by Fábio Fernandes Villela

José Antonio da Silva

http://www.riopreto.sp.gov.br/PortalGOV/do/subportais_Show?c=35171

Vida e Obra 

José Antônio da Silva nasceu em Sales Oliveira, em 1909; morreu em São Paulo em 1996. Foi pintor, considerado por muitos o maior naïf do Brasil. Criado na roça, José Antônio da Silva chegou a Rio Preto em 1930. 

Semi-alfabetizado, Silva escreveu livros como o “Romance de minha vida”, publicado em 1949, “Maria Clara”, em 1970, e “Sou pintor, sou poeta”, em 1981. 

Expôs no MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo. Recebeu Prêmio de Aquisição do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque. Participou da XXVI Bienal de Veneza. Foi premiado pela II Bienal Hispano-americana de Havana; admirado na Exposição Internacional de Lissone, Milão. Foi mencionado no “The Arts in Brazil”, de Pietro Maria Bardi, Milão; foi referido no “Who´s who in Latin América”, dicionário de personalidades notáveis editado por Wheeler Sammors, de Chicago. 

Além da exposição coletiva Brèsil Arts Popularies Contemporain, organizada pelo Ministério da Cultura e a Maison dês Cultures du Monde da França, fez parte da Sala Especial “Imaginários Singulares” da XIX Bienal de São Paulo. 

Em 1966, Silva criou o Museu Municipal de Arte Contemporânea. Ainda nesse ano, além de coletivas em Moscou e Paris, foi distinguido com “Sala Especial” na Bienal Internacional de Veneza. É citado em dicionários e enciclopédias, referido e estudado em livros de história da arte. 

Há publicações sobre o artista no Brasil e no exterior, além de estudos acadêmicos. 

Sobre o artista foram realizados filme de cinema, grandes reportagens em jornais e revistas, inúmeros programas de televisão e o CD-Rom “José Antônio da Silva”, produzido pela Associação dos Amigos da Pinacoteca e Prefeitura de São Paulo. 

Silva possui quadros em galerias e museus de várias partes do mundo. Na capital paulista, compõe o acervo do MASP, do MAM, do MAC, da Pinacoteca do Estado e do Museu de Arte Sacra.

O Museu On-line do Artista Plástico José Antônio da Silva

No ano em que se comemora o centenário do artista José Antônio da Silva, a Prefeitura de São José do Rio Preto, por meio das Secretarias Municipais de Cultura e Comunicação, lança, no Portal do Cidadão, no endereço wwww.riopreto.sp.gov.br, o Museu On-Line de Arte Primitivista “José Antonio da Silva”. As fotos das telas foram reproduzidas pelo fotógrafo Paulo Henrique Magri, da Secretaria Municipal de Comunicação Social. 

As obras on-line fazem parte do acervo do MAP – Museu de Arte Primitivista “José Antonio da Silva”, que funciona no segundo andar do Centro Cultural Professor Daud Jorge Simão. 

Inaugurado em 19 de julho de 1980, o MAP reúne em seu acervo 67 telas, mais de 60 objetos históricos e várias esculturas de todas as fases da obra de José Antônio da Silva.

Texto retirado de: http://www.riopreto.sp.gov.br/PortalGOV/do/subportais_Show?c=22371

Plano de Aula – Arte e Educação – Surrealismo

On novembro 22, 2010, in ArteEdu1, by Fábio Fernandes Villela

destino disney dali

Boa Tarde Car@s Alun@s!

Vcs podem postar os planos de aula de arte e educação sobre o surrealismo nesta área.

Abraços, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Car@S, confiram as novidades do XV Congresso Brasileiro de Sociologia da Sociedade Brasileira de Sociologia.

http://www.sbs2011.sbsociologia.com.br/

A Sociologia está baseada em uma firme tradição teórica e um consistente legado metodológico, ao mesmo tempo, que lida com questões contemporâneas que estão em permanente mutação. Dessa forma, somos desafiados a refletir de diversas maneiras sobre novos temas e novas formas de pensar que se impõem pela dinâmica da vida social.

O tema do XV Congresso Brasileiro de Sociologia pretende debater esta articulação entre a tradição e as transformações, inerentes ao objeto de estudo da nossa disciplina que são as relações sociais. A Sociologia é uma ciência da atualidade e lida com a articulação entre elementos da vida social, que se mantém ao longo da história de nossas sociedades, e as novas configurações que se impõem pela ação humana. Desse modo, ela se transforma como ciência porque precisa incorporar novas perspectivas e novas formas de compreensão da realidade.

Essa convivência entre o antigo e o novo, entre estruturas e agências, é inerente à própria vida social. Nosso mundo se move entre transformações e continuações…..

A Sociologia espelha seu objeto de estudo, que é a sociedade – em sua tensão entre as permanências e as mudanças.

Ao comemorar seus 60 Anos em 2009, a SBS demonstrou a vitalidade desta ciência disposta a compreender e incorporar novos atores e novas questões, fornecendo as bases objetivas para a comunicação entre seu passado e seu futuro – aqui com a participação de jovens pesquisadores e estudantes. Nossa associação têm sido marcada pela disposição em incorporar contribuições das diferentes gerações de sociólogos, bem como em envolver a Sociologia para além de suas fronteiras disciplinares. Recuperando a história de nossa associação percebemos que sua institucionalização foi fortemente afetada pelos processos sociais e políticos que marcaram o século XX no Brasil, que levou a sua criação e recriação em diferentes momentos demonstrando a capacidade de invenção e resistência da nossa disciplina.

Nesse congresso teremos uma oportunidade de avaliar e refletir sobre a constituição destes novos temas, posto que estaremos abertos para a proposição de GT’s, Mesas, Fóruns e Sessões Especiais que certamente expressam o que tem se produzido de mais expressivo na Sociologia Brasileira. 

Retirado do site: http://www.sbs2011.sbsociologia.com.br/

IV Estágio Interdisciplinar de Vivência – EIV

On novembro 20, 2010, in Miscelan, by Fábio Fernandes Villela

Car@s, convido a tod@s para a   II Oficina de Divulgação na Unicamp sobre o IV Estágio Interdisciplinar de Vivência em Áreas de Reforma Agrária do Estado de São Paulo.

O Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV) é uma ferramenta construída  conjuntamente pelo movimento estudantil e movimentos sociais populares, em que  estudantes de diversas localidades do estado de São Paulo, do Brasil e até de  outros países da América Latina se propõem a um exercício de formação e  vivência nas comunidades de movimentos sociais do campo.

O 4º EIV São Paulo acontecerá entre janeiro e fevereiro de 2011, em datas e  local a serem confirmados.

A segunda oficina na Unicamp acontecerá no dia 25 de novembro, às 18h00 na sala  IB12 no IB.

Mais informações: http://eivsp.wordpress.com/

Enviado por: lucasgespin@yahoo.com.br

Projeto de Extensão – Blog de Aula – Mutirão de Sociologia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

On novembro 11, 2010, in Sem categoria, by Fábio Fernandes Villela

Este é a área do projeto de extensão “Blog de Aula – Mutirão de Sociologia”, cujo objetivo é desenvolver tópicos da área de Ciências Humanas e suas Tecnologias, para alunos que manifestarem interesse, regularmente matriculados em escolas públicas em São José do Rio Preto (SP), de forma experimental, e depois estender a experiência para outras escolas que tiverem interesse.

Saudações, Prof. FFV.

Oportunidade de Estágio CIEE – Pedagogia

On novembro 10, 2010, in Miscelan, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Car@s! Tudo bem?

Segue divulgação de vagas do CIEE.  Atenciosamente,  Prof.  FFV.

Curso: Pedagogia

Sem/Ano: 1º / 4º

Área de Atuação: Orientação Pedagógica

Horário: 4H / 6H

Bolsa-Auxílio:  R$ 343,00 / R$ 490,00

Benefícios: Auxílio Transporte

Quantidade de Vagas: 10

Cidade: São José do Rio Preto – SP

Atendimento a Empresas CIEE São José do Rio Preto

Fone: (17) 3211-2943 Fax: (17) 3211-2940

jessica_lima@cieesp.org.br

http://www.ciee.org.br

Tombadas 7 obras do arquiteto Rino Levi

On novembro 7, 2010, in OPH, by Fábio Fernandes Villela

Residência Castor Delgado / foto: Nilani Goettems/AE

O conjunto do Cine Ipiranga e Hotel Excelsior – na Avenida Ipiranga, no centro de São Paulo -, o Edifício Garagem América – na Rua Riachuelo, também na região central -, a sede do antigo Banco Sul Americano do Brasil – hoje Itaú -, na Avenida Paulista, a residência Castor Delgado Perez – na Avenida 9 de Julho -, a antiga sede do Instituto de Filosofia, Ciência e Letras Sedes Sapientiae, na Consolação, além do Paço Municipal, em Santo André, e a residência Olívio Gomes, na Fazenda Santana do Rio Abaixo, em São José dos Campos, são as sete obras do arq Rino Levi tombadas pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico do Estado de São Paulo, depois de 15 anos de análise técnica. Confira a íntegra da matéria publicada pelo jornal o Estado de S. Paulo no dia 4 de novembro:

A primeira garagem vertical de São Paulo, o conjunto de cinema e hotel que foi o mais luxuoso da capital, um prédio cujo projeto é considerado o mais bem-sucedido da Avenida Paulista. A obra do arquiteto Rino Levi, expoente do modernismo no Brasil, recebeu na semana passada novo reconhecimento: sete construções representativas do arquiteto foram tombadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico do Estado de São Paulo (Condephaat), após 15 anos de análise técnica.

Cinco das sete obras ficam na capital paulista. Com o tombamento das estruturas, qualquer modificação na fachada e nos elementos internos tem de passar pela aprovação do Condephaat.

Entre as obras tombadas está o conjunto do Cine Ipiranga e Hotel Excelsior, na Avenida Ipiranga, no centro, de 1941. “O Cine Ipiranga foi o maior e mais importante cinema da cidade, com projeto inovador, que previu um hotel de 22 andares em cima”, contou o arquiteto Carlos Faggin, conselheiro do Condephaat. “Foi preciso fazer uma ponte entre as estruturas, o que torna seu projeto significativo para a arquitetura de cinema.”

Também foi tombado o Edifício Garagem América, na Rua Riachuelo, região central. Construído entre 1952 e 1958, o prédio passa quase despercebido na rua estreita, mas trata-se do primeiro estacionamento vertical de São Paulo, e também o primeiro a apresentar estrutura metálica aparente do Brasil – são 15 andares com vigas de aço que jamais foram revestidas por concreto.

“Ele já pensava no problema de circulação que se intensificaria. Eram projetos tratados como um todo, não apenas o prédio, mas o lote e o entorno”, disse a pesquisadora Maria Beatriz de Queiroz Aranha, da PUC-Campinas, autora de tese de doutorado sobre o arquiteto.

Outro edifício tombado é a sede do antigo Banco Sul Americano do Brasil (hoje Itaú), na Avenida Paulista, esquina com a Rua Frei Caneca. O prédio, de 1961, é apontado pelo Condephaat como o mais eficiente da via, pois foi colocado “de lado”. “Sua colocação traz amplitude na vista e não faz parte da “muralha” de prédios que isola a avenida”, explicou Maria Beatriz.

Levi também projetou no Jardim América, na zona sul, uma casa em que o próprio quintal serviria de jardim para o bairro todo. Trata-se da residência Castor Delgado Perez, na Avenida 9 de Julho, outra obra protegida.

Também foi tombada a antiga sede do Instituto de Filosofia, Ciência e Letras Sedes Sapientiae, na Consolação. Os dois edifícios, de 1933, têm jardim interno de autoria de Burle Marx e são hoje um dos câmpus da PUC-SP.

Fora da capital. Outras duas construções de Levi que não estão na cidade de São Paulo também foram protegidas. Em São José dos Campos, no interior, foi tombada a residência Olívio Gomes, na Fazenda Santana do Rio Abaixo, também com projeto paisagístico de Burle Marx. Em Santo André, no ABC paulista, foi tombado o Paço Municipal, última obra de Levi, concluída em 1965, após a morte do arquiteto.

QUEM FOI RINO LEVI ARQUITETO, PIONEIRO DO MODERNISMO NO PAÍS

O arquiteto paulistano Rino Levi (1901-1965) tem como marca a integração dos projetos com o entorno. Além de edifícios e residências, se consagrou como projetista de hospitais – como o Albert Einstein, por exemplo.

Notícia retirada de: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101104/not_imp634341,0.php

“Educação do campo sai do anonimato com regulamentação”

On novembro 6, 2010, in Gepedoc, by Fábio Fernandes Villela

“Educação do campo sai do anonimato com regulamentação” 

5 de novembro de 2010


Por Mayrá Lima
Da Página do MST

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, assinou nesta quinta-feira (4/11), um decreto que transforma a educação do campo em política pública.

“O decreto vai possibilitar que a educação do campo saia do anonimato”, avalia Vanderlucia Oliveira, da coordenação do MST e da Via Campesina Brasil.

Vanderlucia, assentada no estado do Ceará, é uma das beneficiadas pelo programa.

A oportunidade de fazer o mestrado acadêmico dentro da Universidade de Brasília veio após a formação dentro dos cursos do Pronera.

“Acabamos de regulamentar uma forma de educação participativa e colaborativa que contribui com a formação da identidade camponesa”, completou.

A solenidade contou com a participação dos ministro da Educação Fernando Haddad, do ministro interino do Desenvolvimento Agrário Daniel Maia e de integrantes da Via Campesina e outros movimentos sociais do campo.

Dentre os programas regulamentados, destaca-se o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).

O programa beneficiou mais de 400 mil trabalhadores rurais, jovens e adultos assentados, seja na alfabetização, ou na formação em cursos de graduação e pós-graduação.

A partir de agora, o governo federal tem a responsabilidade de criar e implementar mecanismos que assegurem a manutenção e o desenvolvimento da educação na área rural.

Dessa forma, terá que colocar em curso medidas para superar a falta de acesso às escolas e enfrentamento de problemas estruturais como o fomento à educação básica, fornecimento de energia elétrica, água potável e saneamento básico.

Ações de inclusão digital também estão previstos no decreto.

Além disso, o documento regulamenta o calendário escolar de acordo com as particularidades das atividades regionais e dos ciclos produtivos; o reconhecimento da relevância da escola multisseriada, que se caracteriza por turmas de alunos de diferentes idades e graus de conhecimento na mesma sala e com um único professor; e a pedagogia da alternância (combina atividades intensivas na sala de aula com práticas na propriedade).

Para receber assistência técnica e as transferências voluntárias de recursos do governo federal, o decreto orienta estados e municípios a incluir a educação no campo nos seus planos estaduais e municipais de educação.

Os planos de que trata o decreto devem ser construídos a partir do Plano Nacional de Educação (PNE), que o governo federal vai encaminhar ao Congresso Nacional. O PNE vai trazer as metas educacionais a serem alcançadas pelo Brasil no período de 2011 a 2020.

Notícia retirada de: http://www.mst.org.br/Educacao-do-campo-sai-do-anonimato-com-regulamentacao