Módulo 1 – Sociologia da Educação 1 – O Conhecimento Sociológico

On setembro 11, 2012, in SocioEdu1, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?
O módulo 1 da disciplina Sociologia da Educação 1 aborda o “Conhecimento Sociológico”. Gostaria que vcs fizessem um comentário sobre a seguinte questão: “Por que para Durkheim os “fatos sociais” tem um caráter impositivo?”.  Sugiro duas atividades complementares para auxiliar a reflexão: (1) assistir ao documentário “Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância” e (2) visitar o site do Instituto Alana.

O documentário “Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância”, lançado em dezembro de 2008 pela MEF (Media Education Foudantion), nos EUA, aborda o problema do consumismo infantil naquele país. Sem dúvida faz par como o filme “Criança, A Alma do Negócio” . O filme trabalha numa perspectiva de alerta geral sobre a publicidade e as estratégias de marketing das grandes empresas no intuito de transformar as crianças e a própria infância num grande buraco negro de consumo e eixo de influência da família. O estudo demonstra o enorme volume de gastos com pesquisas e produções midiáticas direcionadas ao público infantil, comerciais e animações, fast-food, automóveis, celulares etc., que são cada vez mais, feitos olhando a criança como principal consumidora ou “aliciadora” da família, no sentido de convencer os pais sobre como e no que gastar.  Ficha técnica. Direção: Adriana Barbaro / Jeremy Earp. Lançamento: 2008. Duração:66 min.

(1) Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância:

http://www.youtube.com/watch?v=mLuRH7nmhy4

(2) Instituto Alana:

http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/Home.aspx

Bom trabalho a tod@s! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para a IV Jornada de Estudos Pedagógicosda Faculdade Aldete Maria Alves (Fama) de Iturama – MG  cujo tema será: “Educação Informal, Formal e Não-Formal e a Atuação do Pedagogo”. O evento será realizado nos dias 04 e 05 de junho.  A IV Jornada de Estudos Pedagógicos é um evento organizado pelo Prof. Esp. Anderson José de Paula e coordenado pela Profa. Mestranda Naime Souza Silva. O evento ocorrerá no Sindicato Rural (SPRI) e na Faculdade FAMA. A realização do evento parte das experiências vividas pelas alunas do 7º semestre de Pedagogia da FAMA a partir da disciplina “Educação em espaços não escolares” ministrada pelo Prof. Anderson José de Paula.

As inscrições poderão ser realizadas na FAMA com as alunas do 7º semestre de Pedagogia ou na data do evento, no local de realização. Valor de inscrição: R$ 15,00, Certificado: 10 horas. Mais informações no (34) 3411-9700 com Naime Souza Silva.

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

Local da Apresentação Musical e das Palestras: SPRI – Sindicato Rural

Data – 04/06/12 às 19h

Apresentação Musical: Grupo Coral: “Quem canta seus males espanta” (Alunos da Faculdade Aldete Maria Alves – FAMA e convidados)

Data – 04/06/12 às 19h30m

Tema: Educação Informal, Formal e Não-Formal e a atuação do Pedagogo: caminhos possíveis

Palestrante: Prof. Dr. Fábio Fernandes Vilella (UNESP – Ibilce – São José do Rio Preto)

Data – 04/06/2012 às 21h

Tema: Atuação do Coordenador Pedagógico no Terceiro Setor e na Educação Formal: desafios

Palestrante Pedagoga Esp. Adriana Barbosa O. Marrega (Fundação Credirama Viva / Anglo)

Local dos Relatos: sala 6, 7 e 10 – Escola Municipal Dalva Barbosa Garrido

Relato de experiência

Relatoras: Graduandas do 7º Semestre de Pedagogia

Data – 05/06/12 às 19h

I.E.P. – “Saúde e Qualidade de Vida” (Pedagogia Comunitária – Sala 06)

Casa da Memória – “Resgate histórico ituramense” (Pedagogia Social – Sala 07)

Data – 05/06/12 às 21h

C.V.T. e Projeto Pérola “Eu faço a diferença” (Jornada Ampliada – Sala 06)

CRAS – Projovem – “Combatendo a violência escolar” (Pedagogia Social – Sala 07)

Biblioteca Municipal e Projeto Pequeno Jardineiro – “Leitura em ação” (Jornada Ampliada – Sala 10)

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Segue abaixo divulgação do VIII Seminário do Trabalho. Abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Local: UNESP – Marilia

De 25 a 28 de junho de 2012

Promoção:
RET – Rede de Estudos do Trabalho

Apoio:
Universidade Estadula Paulista “Julio de Mesquita Filho” – UNESP – Marilia
Grupo de Pesquisa “Estudos da Globalização” – GPEG
Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais (Mestrado e Doutorado) – Unesp- Marilia
Departamento de Sociologia e Antropologia – DSA

Inscrições Abertas de 28 de março a 25 de maio de 2012 clique aqui

Programação Científica

Dia 25 de junho de 2012 – Segunda-feira

Tarde
Pré-Abertura

13:30
Exibição do Filme “PEÕES”, de Eduardo Coutinho
15:30
Projeto Tela Crítica
Análise Critica do Filme
Expositor: Giovanni Alves (UNESP)
Debatedores
Ariovaldo Santos (UEL)
Henrique Amorim (UNIFESP)

18:00
VII Mostra CineTrabalho
Abertura: Gabriela Golder
(Universidade Nacional Três de Febrero) – Argentina

19:30
Solenidade de Abertura
Giovanni Alves (UNESP) – Coordenador-geral da RET
Lançamento de Livros

Abertura
Coordenação: Fábio Ocada (UNESP)
Conferencista:
Kevin Doogan (Universidade de Bristol) – Inglaterra

Dia 26 de junho de 2012 – terça-feira

Manhã
9:00
“Trabalho, sociabilidade e políticas sociais”
Coordenação: Fábio Ocada (UNESP)

Adalberto Cardoso (UERJ)
José Dari Krein (UNICAMP)
Raquel Raichelis (PUC-São Paulo)
Graça Druck (UFBA)

Tarde
14:00
Sessão de comunicações

18:00
VII Mostra CineTrabalho

Noite
19:30
O Trabalho no Capitalismo Global
Coordenação: Marcos Del Roio (UNESP)

Carlos Taibo (UAM) – Espanha
Elísio Estanque (UC-CES) – Portugal
Sergio Bologna – Itália
Guy Standing – Reino Unido

Dia 27 de junho de 2012 – quarta-feira

Manhã
9:00
Trabalho, Educação e Políticas Sociais
Coordenação: Roberto Batista (UNESPAR)

Ricardo Lara (UFSC)
Potyara Amazoneida Pereira (UnB)
Ramon de Oliveira (UFPE)
João dos Reis Silva Jr (UFSCar)

Tarde
14:00
Sessões de Comunicações de Pesquisa

18: 00
VII Mostra CineTrabalho

Noite
19:30
Estado, sindicalismo e políticas sociais
Coordenação: Daniel Mota (RET/ADESAT)

Luiz Salvador (ALAL)
Rafael Gomes (Procurador do Trabalho)
Artur Henrique da Silva Santos – Presidente da CUT (A confirmar)
Representante da CONLUTAS (A confirmar)

Dia 28 de junho de 2012 – quinta-feira

Manhã
9:00
Trabalho e política sociais na América Latina
Coordenação: Henrique Novaes (UNESP)

Adrian Sotelo Valencia (UAM) – México
Hector Lucena – Venezuela
Juan Carlos Celis Ospina – Colômbia
Juan Montes Cató – Argentina

Tarde
14:00
Projeto CineTrabalho
Por uma etnografia visual do trabalho
Debate:
Giovanni Alves (UNESP)
Vera Navarro (USP)
Antonio Thomaz Jr. (UNESP)

16:00
Depoimentos do Mundo do Trabalho
Observatório Social do Trabalho
Coordenação: Renan Araújo (UNESPAR)

18:00
VII Mostra CineTrabalho
Entrega Prêmio “Luis Espinal”

Noite
19:30
Conferencias de Encerramento
O Continente do Labor no Capitalismo Global

Úrsula Huws (Inglaterra)
Ricardo Antunes – UNICAMP – Brasil

Programação Sujeita a Alterações

Ilustração “Segunda classe”, de Tarsila do Amaral (1933)

José Antonio da Silva – Bois – 22 x 30 cm – guache sobre papel – 1985

Bom Dia Amigos da Coopec! Tudo bem?

Este é o local da atividade da oficina de leitura do livro “Boi, Boiada, Boiadeiro” de Ruth Rocha e José Antonio da Silva. Vamos produzir um pequeno texto na categoria “Educação Cooperativa” do Blog de Aula – Mutirão de Sociologia do Prof. Fábio Fernandes Villela (Unesp – Rio Preto). O livro Boi, Boiada, Boiadeiro, “tem boi, gosto de goiaba, de cana, de jabuticaba; tem música, festa, alegria e tristeza também, tudo feito com a poesia de Ruth Rocha e quadros de José Antonio da Silva”. A ideia central desta oficina é oferecer atividades que oportunizam a vivência de atitudes e valores de cooperação e cidadania. A pergunta que gostaria que respondessem no blog é a seguinte: o que vcs consideram mais importante no trabalho de cooperação destes 2 grandes artistas brasileiros: Ruth Rocha e José Antonio da Silva?  Um grande abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

O Curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto

On abril 11, 2012, in Coord, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Futuros Alunos da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto!

Tenho recebido diversos pedidos de informações sobre o curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto. Segue abaixo algumas informações gerais sobre nosso curso.  Alguns sites importantes da Unesp são:

1) A página do Departamento de Educação do Ibilce – Unesp – Rio Preto:

http://www.ibilce.unesp.br/#156,156

2) A página com informações sobre a Estrutura Curricular:

http://www.ibilce.unesp.br/#1450,1451

3) A página do nosso Instituto - Ibilce –  Unesp  – Rio Preto com mais informações:

http://www.ibilce.unesp.br/

4) O Portal da Unesp:

http://www.unesp.br/

Acredito que nesses sites vcs encontrarão todas as informações que buscam sobre a nossa Universidade. Um grande abraço a tod@s! A gente se vê na Pedagogia – Ibilce – Unesp! Prof.  Fábio Fernandes Villela.

Informações Gerais sobre a Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto é gratuito e ministrado no período noturno. Teve seu início em 2004 e compreende diferentes áreas do conhecimento, concentrando-se nos estudos referentes à educação, com atividades teóricas e práticas. Integram o currículo disciplinas como: Filosofia, Psicologia, História, Sociologia, Didática, Metodologias do Ensino Fundamental e Médio, Alfabetização, Métodos e Técnicas de Pesquisa, Estágios Supervisionados, entre outras. A profissão é regulamentada pela Lei de Diretrizes e Bases 5.692, de 1971 e por estatutos estaduais do magistério.

O papel do pedagogo, hoje, é bastante amplo. Cabe a ele, por exemplo, atuar na formação de professores e no planejamento e funcionamento de cursos, escolas e instituições de ensino de uma forma geral. É o único profissional habilitado – por lei e formação – a preparar, administrar e avaliar currículos, orçamentos e programas escolares, além de poder atuar em atividades de pesquisa.

O mercado de trabalho para o pedagogo é amplo. Ele pode trabalhar em escolas públicas e particulares de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, empresas – no treinamento de pessoal – clínicas psicopedagógicas, Delegacias de Ensino e escolas para alunos especiais. Se quiser preparar-se para o Ensino Superior, o pedagogo pode realizar cursos de pós-graduação em Educação, Psicologia da Educação, Educação Especial e demais áreas das Ciências Humanas.

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto tem uma estrutura curricular abrangente, capaz de abordar todas as teorias pedagógicas que fazem parte da Educação. Os profissionais graduados nessa área podem atuar na pré-escola, primeiros anos do Ensino Fundamental e também nos programas de alfabetização de adultos.

Com duração de quatro anos, o curso de Pedagogia da Unesp do Rio Preto  tem sua importância reconhecida pela LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e prepara de forma conceituada os estudantes para a docência. O mercado de trabalho do pedagogo não se restringe a sala de aula, ele também pode ocupar cargos de coordenar ou diretor da escola, assumindo assim atividade de supervisão e administração.

A Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto já ficou em 2ª lugar no ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes do MEC), um formador de educadores focado nos mecanismos de aprendizagem e na didática das aulas. Ao longo dos anos de faculdade, o estudante faz estágios para colocar em prática os conhecimentos teóricos e desenvolve dinamismo em contato com as crianças. O curso de pedagogia é oferecido pelos campus de Araraquara, Bauru, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro e São José do Rio Preto (a maioria no período noturno).

Entre as inovações propostas pela Unesp nos últimos anos, destaca-se o curso de pedagogia da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo). A graduação a distância nessa área é possível devido a moderna estrutura didática da Univesp. A plataforma de aprendizagem é adepta a tecnologias inovadoras, fornecendo desse modo materiais modernos para complementar as aulas.

Em 2012, serão preenchidas aproximadamente 1.500 vagas para o curso a distância de pedagogia Unesp, sendo que os pólos para as aulas estão distribuídos em 21 cidades paulistas. Com duração de três anos, o curso conta com o apoio do Governo e visa habilitar os professores da educação infantil. Para se tornar um aluno do curso a distância é necessário ser aprovado no processo seletivo.

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para a Semana de Recepção dos Calouros do Ibilce / Unesp – Rio Preto 2012. Cabe destacar na programação a Aula Aberta sobre “O Vôo de Minerva” (10:00H no Laboratório de Ensino da Pedagogia) e a palestra “Universidade, Educação e Sociedade” (14:30H no Auditório A) com o Prof. Antonio Carlos Mazzeo da Unesp de Marília, dia 23-02, durante as atividades da Semana 2012.

O Prof. Antonio Carlos Mazzeo é livre-docente em Teoria Política pela Faculdade de Filosofia e Ciência da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Marília, onde leciona. Mestre em Sociologia e doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), fez pós-doutorado em Filosofia Política pela Università di Roma e atualmente preside o Instituto Caio Prado Jr. Publicou, entre outros, os livros Estado e burguesia no Brasil – origens da autocracia burguesa (Cortez, 1997), Sinfonia inacabada – a política dos comunistas no Brasil (Boitempo, 1999), organizou Corações vermelhos – os comunistas brasileiros no século XX (Cortez, 2003) e O vôo de Minerva (Boitempo, 2009).

A Coruja de Minerva 

Alguns podem estar se perguntando: por que a coruja é o símbolo da sabedoria e está sempre atrelada a filosofia? Se pensarmos um pouco na cultura grega, ou mais precisamente na sua mitologia, veremos que a coruja sempre acompanha a deusa Athena. Athena (Αθηνά), Palas Athená ou ainda Minerva para os romanos, é a deusa da sabedoria e da justiça, filha do poderoso Zeus e Métis, deusa da prudência e a primeira esposa de Zeus. As aves são os seres mais próximos dos céus, logo, mais próximos dos deuses. Também é comum ver a soberana águia acompanhando sempre o portentoso Zeus, o mais poderoso dos deuses gregos.

A coruja demonstra uma alerta constante, é símbolo da vigilância, está sempre apta para sobreviver na noite e sempre atenta aos perigos da escuridão. Nas moedas mais antigas da Grécia é muito comum encontrarmos a figura desse animal tão prudente, talvez mostrando com isso que a cultura grega antiga estava sempre vigilante e a frente dos outros povos. Em grego coruja é gláuks “brilhante, cintilante”. Um dos epítetos da deusa Athena é “a de olhos gláucos”, ou seja, a que enxerga além do que todos vêem.

O filósofo alemão Friedrich Hegel em sua obra Filosofia do Direito ilustra muito bem a harmoniosa relação entre a coruja e a filosofia. Escreve ele: “A coruja de Minerva alça seu vôo somente com o início do crepúsculo”. O papel da filosofia é justamente elucidar o que não é claro ao senso comum, é alertar acerca da vida. O crepúsculo é o limiar do dia pra coruja, enquanto cessamos nossas obras e nos recolhemos em nossos lares, a coruja “alça seu vôo” a trabalho. É a noite que a fascina, por isso seu nome em latim: Noctua, “ave da noite”. Não é a beleza o seu destaque, mas é a capacidade de ver o que aves diurnas não conseguem ver. Seu pescoço gira 360º, dando-lhe uma visão completa capacitando-a a ver o todo. É também uma ave de rapina, rápida na escolha, e que por vê a presa e não ser vista, sempre tem sucesso na caça, apanhando os despreparados e desprovidos que se arriscam na noite escura.

São essas as características que um filósofo deve possuir. Enxergar o que outras pessoas não conseguem ver, ter uma visão do todo, ou seja, uma visão que abarque todos os ângulos da realidade. Deve ser capaz de articular os pensamentos contra seus adversários. É preciso raptar as bases dos argumentos dos oponentes. Também, deve-se raptar aqueles que estão se enveredando por caminhos de erros e por enxergarmos na noite quando outros não vêem, podemos ajuda-los e conduzi-los (pelo argumento) a desfechos virtuosos.

Sócrates é um fiel representante dessa relação coruja-filosofia, acusado de “raptar” jovens atenienses – pois enxergava a frente de seu tempo – foi condenado a morte. Diferente de Platão, também não era sua beleza que o projetava, mas sim sua inigualável sabedoria. Sócrates era mestre na argumentação, conduzia as pessoas a “darem a luz suas ideias”, ensinava nas praças e ruas, era um homem livre para expor seus argumentos que por muitas vezes ironizava o oponente. Era de fato uma figura “corujesca”, feia como uma coruja á luz do dia, mas sagaz como na noite. Que logo se levante homens de sabedoria alçando vôo na necessidade, que logo a Coruja de Minerva com seus olhos glaucos enxergue nesses dias de trevas soluções para uma vida voltada ao bem. Essa é uma das diversas correlações entre a coruja e a filosofia. (Texto de Marcos R. Damasio).

Presença obrigatória para tod@s! Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

On dezembro 17, 2011, in Miscelan, by Fábio Fernandes Villela

Vasco Fernandes (Grão Vasco) – “Adoração dos Reis Magos” – 1501-6  – Museu de Grão Vasco - Viseu, Portugal.

Bom Dia Caros Alunos!

Gostaria de desejar a todos os alunos e amigos um Feliz Natal e Próspero Ano Novo!  São os sinceros votos do Prof. Fábio Fernandes Villela. PS. Como professor não deixa de professorar, nem nestas horas,  aí vai mais uma de “Arte e Educação”. A pintura acima é o quadro “Adoração dos Reis Magos”, do pintor Vasco Fernandes, foi feito entre 1501 e 1506. Cabral seria o personagem ajoelhado. Talvez seja o seu único retrato verdadeiro. Esta imagem apareceu pela primeira vez no livro “Retratos e Elogios de Varões e Donas”, editado em Lisboa em 1807. Impressa na antiga cédula brasileira de 1000 cruzeiros, tornou-se a face oficial de Pedro Álvares Cabral. Abraços a todos, Prof. FV.

Blog de Aula – Mutirão de Sociologia no Programa “Nosso Campo” da TV TEM

On dezembro 6, 2011, in RP-CE, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Gostaria de partilhar com todos que nosso Projeto de Extensão, desenvolvido no Distrito de Talhado em São José do Rio Preto – SP – Brasil, foi apresentado no Programa “Nosso Campo” da TV TEM.  O objetivo central do projeto, em 2011, foi desenvolver tópicos da área de Ciências Humanas e suas Tecnologias, através do Blog de Aula – Mutirão de Sociologia, para alunos que manifestarem interesse, regularmente matriculados, na escola pública Prof. Dr. João Deoclésio da Silva Ramos, situada no distrito de Talhado, em São José do Rio Preto (SP), de forma experimental, e depois estender a experiência para outras escolas estaduais que tiverem interesse. Vc podem assistir a reportagem através do link abaixo.

Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Blog de Aula – Mutirão de Sociologia no Programa “Nosso Campo” da TV TEM:

http://www.temmais.com/nossocampo/interna_detalhe.aspx?editoria_id=6371&menu_id=33

Caros alunos, boa tarde!
O termo curta-metragem começou a ser utilizado nos Estados Unidos na década de 1910, quando boa parte dos filmes começava a ter durações cada vez maiores. O gênero que mais utilizou o formato de curta-metragem foram as animações. Ainda hoje há muitos filmes com ação ao vivo (live-action) e de animação produzidos como curta-metragem, havendo inclusive um premio dos Oscar para cada tipo. Formato bastante difundido e em expansão no Brasil desde os anos 70, a curta-metragem é também adoptada em documentários, filmes de estudantes e filmes de pesquisa experimental. Segundo a Agência Nacional do Cinema (ANCINE) em sua Instrução Normativa 22, anexo I, a definição de Curta-Metragem é dada a filmes de até 15 minutos, Média-Metragem para filmes com tempo acima de 15 minutos e até 70 e Longa para filmes com mais de 70 minutos. Uma sugestão para as férias é ver os curta-metragens produzidos pelos alunos de Pedagogia Ibilce/Unesp (Turma 2008)  no Youtube, sob orientação do Prof. Dr. Humberto Perinelli Neto da disciplina Conteúdo e Metodologia do Ensino de História e Geografia:

Praça Rui Barbosa – São José do Rio Preto – SP – Brasil:

Sociabilidades Rurais: Produções Agropecuárias:

Logradouro Público: Rua Bernardino de Campos:

Estrada de Ferro Araraquarense:

Boas férias a tod@s! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Ficheiro:Joaquín Torres García - América Invertida.jpg

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Esta é a postagem final da disciplina Trabalho e Educação referente ao Módulo 5.  O desenho acima do artista uruguaio Joaquín Torres-García trabalha com uma representação diferente da usual da Nossa América Latina. Em artigo publicado em 1941, em que apresenta a imagem e trata do assunto, Joaquín afirma: “Quem e com que interesse dita o que é o norte e o sul? Defendo a chamada Escola do Sul por que na realidade, nosso norte é o Sul. Não deve haver norte, senão em oposição ao nosso sul. Por isso colocamos o mapa ao revés, desde já, e então teremos a justa ideia de nossa posição, e não como querem no resto do mundo. A ponta da América assinala insistentemente o sul, nosso norte”. (TORRES-GARCÍA, J. Universalismo constructivo. Buenos Aires: Poseidón, 1941, com adaptações). A partir dos textos da bibliografia básica citados abaixo (todos os textos estão disponíveis para download na internet e na nossa lista de discussão no Yahoo Grupos), aponte quais as perspectivas da educação e trabalho no início do milênio para Nossa América Latina. Bom trabalho a todos e parabéns aos formandos! Prof. Fábio Fernandes Villela.

[24] FRANCO, Maria A. Ciavatta e TREIN, Eunice. O percurso teórico e empírico do GT Trabalho e Educação: uma análise para debate. In: Revista Brasileira de Educação. n. 24. Set /Out /Nov /Dez, 2003.

[25] RODRIGUES, José; REIS, Ronaldo R. Nós, os educadores que amávamos a Revolução: Origens, desenvolvimento e crise do campo trabalho-educação no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 170-191, abr. 2011.

[26] SAVIANI, Dermeval. Marxismo e pedagogia. Intervenção na Mesa IV – Teoria Marxista e Pedagogia Socialista, integrante da programação do III EBEM (Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo). Salvador, 14 de novembro de 2007.

[27] TAFFAREL, C. N. Z.. Marxismo e educação: contribuição ao debate sobre a teoria educacional e a transição. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 257-270, 2011.