Tópicos da Área de Ciências Humanas e suas Tecnologias 2

On outubro 11, 2012, in Miscelan, RP-CE, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Esta postagem procura desvendar o que o trabalho está sendo. O professor Ricardo Antunes, titular de Sociologia no IFCH da Unicamp, autor de livros que abordam a temática tais como Adeus ao trabalho? (São Paulo, Cortez, 1995), Os sentidos do trabalho (São Paulo, Boitempo, 1999) e O caracol e sua concha (São Paulo, Boitempo, 2005) e ), entre outros,  afirma que:

[...] Sabemos que o trabalho, concebido como atividade vital, nasceu sob o signo da contradição. Desde o primeiro momento, foi capaz de plasmar a própria sociabilidade humana, por meio da criação de bens materiais e simbólicos socialmente vitais e necessários. Mas também trouxe dentro dele, desde seus primeiros passos, a marca do sofrimento, da servidão e da sujeição. Ao mesmo tempo em que expressa o momento da potência e da criação, o trabalho também se originou nos meandros do “tripalium”, instrumento de punição e tortura. Se era, para muitos, dotado de uma ética positiva (ver as análises de Weber), própria do mundo dos negócios (cujo significado etimológico é negar o ócio), para outros, ao contrário, tornou-se um não valor, estampado na magistral síntese de Marx: “Se pudessem, os trabalhadores fugiriam do trabalho como se foge de uma peste! [...].

[...] Mas o século 20 moldou-se pela estruturação da chamada sociedade do trabalho, em que desde muito cedo fomos educados para o princípio fundante do trabalho. Esse cenário começou a ruir, no entanto, a partir dos últimos 20 anos. Tragicamente, quanto mais a população vem aumentando, menor é a capacidade de incorporar os jovens ao mercado de trabalho. Esta é a situação que vivenciamos hoje: não encontramos empregos para aqueles que dele necessitam para sobreviver e os que ainda estão empregados em geral trabalham muito e não ficam um dia sem pensar no risco do desemprego. Esse medo ocorre não só na base dos assalariados, pois essa tendência cada vez mais avança na ponta da pirâmide social, chegando até os gestores.  [...] (Revista Cult, 139, 2010).

No Roda Viva de 03/09/2012,  o Prof. Ricardo Antunes discutiu com os convidados o mundo do trabalho. O professor, um dos mais destacados sociólogos da atualidade, apresentou  o tema do “trabalho” e suas novas formas de relação dentro do mundo capitalista contemporâneo. O programa pode ser acessado no seguinte link:

http://tvcultura.cmais.com.br/rodaviva/roda-viva-discute-o-mundo-do-trabalho-com-ricardo-antunes

A pergunta para o comentário é a seguinte: o que o trabalho está sendo nesse começo de século XXI? Bom trabalho, Prof. Fábio  Fernandes Villela.

(Ceceña e Yedra, 2009)

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

A postagem do módulo 3 de Trabalho e Educação diz respeito ao processo de recolonização da América Latina.  Conforme mostra Ceceña e Miranda  (2009)*, há um conjunto de fatos que “[...] permite concluir que está em curso um projeto de recolonização e disciplinamento completo do continente”. (Cecenã e Yedra, 2009).  Gostaria que vcs apontassem quais são o “conjunto de fatos” que caracterizam o processo de “Recolonização” da América Latina, segundo a professora mexicana Ana Esther Ceceña. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

*(Ceceña, Ana Esther; Miranda, Humberto. ¡Yankees go home! Nueva ofensiva de los Estados Unidos sobre los pueblos de América. Revista Herramientas n° 42, octubre 2009. Disponível em:< http://www.herramienta.com.ar/revista-herramienta-n-42/yankees-go-home-nueva-ofensiva-de-los-estados-unidos-sobre-los-pueblos-de-a >. Acesso em: 05 de out. 2012.

(Fonte: Site da campanha “O Nióbio é nosso”.)

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Neste módulo da disciplina Sociologia da Educação 3, que diz respeito aos impactos da Reestruturação Produtiva na sociedade e na educação, assistimos ao filme “Billy Elliot”. O filme é ambientado nos anos em que Margaret Thatcher esteve no governo da Inglaterra. O filme tem como pano de fundo as lutas grevistas dos mineiros ingleses. Obrigado pelo pai a treinar boxe, Billy fica fascinado com a magia do balé, com o qual tem contato através de aulas de dança clássica que são realizadas na mesma academia onde pratica boxe. Incentivado pela professora de balé, que vê em Billy um talento nato para a dança, ele resolve então pendurar as luvas de boxe e se dedicar de corpo e alma à dança, mesmo tendo que enfrentar a contrariedade de seu irmão e seu pai à sua nova atividade. As perguntas deste módulo giram em torno da temática do filme: a implantação do modelo neoliberal e a resistência dos trabalhadores. Billy Elliot é um símbolo da resistência contra a implantação do modelo neoliberal (“Terceira Via”). As perguntas para o comentário são as  seguintes: como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise? De acordo com Neves (2005)*, em “A nova pedagogia da hegemonia”, quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos que se opõem à educação para o consenso? Bom trabalho a todos! Prof. Fábio Fernandes Villela.

*NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.) A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

Bom Dia Car@s Alun@s de Sociologia da Educação 1! Tudo bem?

A presença marcante da disciplina Sociologia nos diversos cursos no Brasil, especialmente na área de Educação, se caracteriza pela sua intermitência, conforme foi apresentado nos DVDs da série “Sociologia no Ensino Médio” pelos professores Amaury Cesar Moraes e Nelson Tomazi. Conforme afirmam os autores, ora por motivos políticos, ora pela tentativa de integrá-la nos conteúdos de outras disciplinas. O que fica claro atualmente é que ela desempenha um papel educativo singular. E agora, com a obrigatoriedade da sua presença no Ensino Médio, apresenta-se um enorme desafio aos educadores em torno dos fundamentos, da forma, conteúdos e temas a serem trabalhados. Quais os principais “temas”, vinculados ao pensamento sociológico clássico e presentes no filme “Koyaanisqatsi – Uma Vida Fora de Equilíbrio” (1982) do diretor Godfrey Reggio, que podem ser transformados em “temas sociológicos”? Bom trabalho a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Mészáros e Antunes (2007).

Bom Dia Car@s Alun@s Tudo bem?!

Esta é a área para a primeira postagem de Sociologia da Educação 3. A questão é a seguinte: quais as dimensões da Reestruturação Produtiva ante a crise estrutural do capital?  Utilizar para referenciar o comentário os seguintes textos trabalhados em sala de aula:

MESZAROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2000.

Como atividade complementar vcs podem assistir o Roda Viva com o István Mészáros no seguinte link do Youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=6Lh5ZSNo1Hc

Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Módulo 1 – Sociologia da Educação 1 – O Conhecimento Sociológico

On setembro 11, 2012, in SocioEdu1, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?
O módulo 1 da disciplina Sociologia da Educação 1 aborda o “Conhecimento Sociológico”. Gostaria que vcs fizessem um comentário sobre a seguinte questão: “Por que para Durkheim os “fatos sociais” tem um caráter impositivo?”.  Sugiro duas atividades complementares para auxiliar a reflexão: (1) assistir ao documentário “Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância” e (2) visitar o site do Instituto Alana.

O documentário “Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância”, lançado em dezembro de 2008 pela MEF (Media Education Foudantion), nos EUA, aborda o problema do consumismo infantil naquele país. Sem dúvida faz par como o filme “Criança, A Alma do Negócio” . O filme trabalha numa perspectiva de alerta geral sobre a publicidade e as estratégias de marketing das grandes empresas no intuito de transformar as crianças e a própria infância num grande buraco negro de consumo e eixo de influência da família. O estudo demonstra o enorme volume de gastos com pesquisas e produções midiáticas direcionadas ao público infantil, comerciais e animações, fast-food, automóveis, celulares etc., que são cada vez mais, feitos olhando a criança como principal consumidora ou “aliciadora” da família, no sentido de convencer os pais sobre como e no que gastar.  Ficha técnica. Direção: Adriana Barbaro / Jeremy Earp. Lançamento: 2008. Duração:66 min.

(1) Crianças do Consumo (ou Consumindo Crianças) – A Comercialização da Infância:

http://www.youtube.com/watch?v=mLuRH7nmhy4

(2) Instituto Alana:

http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/Home.aspx

Bom trabalho a tod@s! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Boa Tarde Car@s Alun@s! Tudo bem?

O Roda Viva discute o mundo do trabalho com Ricardo Antunes nesta segunda-feira (03/09). O professor Ricardo Antunes, um dos mais destacados sociólogos marxistas da atualidade, cujos estudos se direcionam para o tema trabalho e suas novas formas de relação dentro do mundo capitalista contemporâneo. O programa da TV Cultura vai ao ar às 22h.

Com as mudanças relativamente recentes no sistema de trabalho, que vão desde a terceirização de serviços, o aumento na procura pelos concursos públicos, a contratação de PJs, o trabalho por tarefa até o uso de celulares e e-mails no trabalho, Antunes deve analisar as transformações ocorridas nesse universo e as consequentes implicações nos planos social e político.

Ricardo Antunes é professor titular de sociologia do trabalho na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador da coleção Mundo do Trabalho, da Boitempo Editorial. É autor dos livros O continente do labor, Os sentidos do trabalho e O caracol e sua concha, e coorganizador de Infoproletários, Riqueza e miséria do trabalho no Brasil, Neoliberalismo, trabalho e sindicatos e Lukács: um Galileu no século XX.

Apresentado pelo jornalista Mario Sergio Conti, o Roda Viva conta, nesta edição, com os seguintes entrevistadores convidados: Liliana Segnini (professora titular em Sociologia do Trabalho da Universidade Estadual de Campinas); Leny Sato (professora titular do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo); Eleonora de Lucena (repórter especial do jornal Folha de S. Paulo); Mônica Manir (editora do Caderno Aliás do jornal O Estado de S. Paulo); Alexandre Teixeira (jornalista e escritor). O Roda Viva também conta com a participação do cartunista Paulo Caruso.

Roda Viva entrevista Ricardo Antunes

03/09 | segunda-feira | às 22h | Roda Viva | TV Cultura

Com Mario Sergio Conti, Liliana Segnini, Leny Sato, Eleonora de Lucena, Monica Manir, Alexandre Teixeira e Paulo Caruso.

Para quem não viu ao vivo, já tem online:

http://tvcultura.cmais.com.br/rodaviva/roda-viva-discute-o-mundo-do-trabalho-com-ricardo-antunes

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Segue abaixo divulgação do VIII Seminário do Trabalho. Abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Local: UNESP – Marilia

De 25 a 28 de junho de 2012

Promoção:
RET – Rede de Estudos do Trabalho

Apoio:
Universidade Estadula Paulista “Julio de Mesquita Filho” – UNESP – Marilia
Grupo de Pesquisa “Estudos da Globalização” – GPEG
Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais (Mestrado e Doutorado) – Unesp- Marilia
Departamento de Sociologia e Antropologia – DSA

Inscrições Abertas de 28 de março a 25 de maio de 2012 clique aqui

Programação Científica

Dia 25 de junho de 2012 – Segunda-feira

Tarde
Pré-Abertura

13:30
Exibição do Filme “PEÕES”, de Eduardo Coutinho
15:30
Projeto Tela Crítica
Análise Critica do Filme
Expositor: Giovanni Alves (UNESP)
Debatedores
Ariovaldo Santos (UEL)
Henrique Amorim (UNIFESP)

18:00
VII Mostra CineTrabalho
Abertura: Gabriela Golder
(Universidade Nacional Três de Febrero) – Argentina

19:30
Solenidade de Abertura
Giovanni Alves (UNESP) – Coordenador-geral da RET
Lançamento de Livros

Abertura
Coordenação: Fábio Ocada (UNESP)
Conferencista:
Kevin Doogan (Universidade de Bristol) – Inglaterra

Dia 26 de junho de 2012 – terça-feira

Manhã
9:00
“Trabalho, sociabilidade e políticas sociais”
Coordenação: Fábio Ocada (UNESP)

Adalberto Cardoso (UERJ)
José Dari Krein (UNICAMP)
Raquel Raichelis (PUC-São Paulo)
Graça Druck (UFBA)

Tarde
14:00
Sessão de comunicações

18:00
VII Mostra CineTrabalho

Noite
19:30
O Trabalho no Capitalismo Global
Coordenação: Marcos Del Roio (UNESP)

Carlos Taibo (UAM) – Espanha
Elísio Estanque (UC-CES) – Portugal
Sergio Bologna – Itália
Guy Standing – Reino Unido

Dia 27 de junho de 2012 – quarta-feira

Manhã
9:00
Trabalho, Educação e Políticas Sociais
Coordenação: Roberto Batista (UNESPAR)

Ricardo Lara (UFSC)
Potyara Amazoneida Pereira (UnB)
Ramon de Oliveira (UFPE)
João dos Reis Silva Jr (UFSCar)

Tarde
14:00
Sessões de Comunicações de Pesquisa

18: 00
VII Mostra CineTrabalho

Noite
19:30
Estado, sindicalismo e políticas sociais
Coordenação: Daniel Mota (RET/ADESAT)

Luiz Salvador (ALAL)
Rafael Gomes (Procurador do Trabalho)
Artur Henrique da Silva Santos – Presidente da CUT (A confirmar)
Representante da CONLUTAS (A confirmar)

Dia 28 de junho de 2012 – quinta-feira

Manhã
9:00
Trabalho e política sociais na América Latina
Coordenação: Henrique Novaes (UNESP)

Adrian Sotelo Valencia (UAM) – México
Hector Lucena – Venezuela
Juan Carlos Celis Ospina – Colômbia
Juan Montes Cató – Argentina

Tarde
14:00
Projeto CineTrabalho
Por uma etnografia visual do trabalho
Debate:
Giovanni Alves (UNESP)
Vera Navarro (USP)
Antonio Thomaz Jr. (UNESP)

16:00
Depoimentos do Mundo do Trabalho
Observatório Social do Trabalho
Coordenação: Renan Araújo (UNESPAR)

18:00
VII Mostra CineTrabalho
Entrega Prêmio “Luis Espinal”

Noite
19:30
Conferencias de Encerramento
O Continente do Labor no Capitalismo Global

Úrsula Huws (Inglaterra)
Ricardo Antunes – UNICAMP – Brasil

Programação Sujeita a Alterações

Ilustração “Segunda classe”, de Tarsila do Amaral (1933)

José Antonio da Silva – Bois – 22 x 30 cm – guache sobre papel – 1985

Bom Dia Amigos da Coopec! Tudo bem?

Este é o local da atividade da oficina de leitura do livro “Boi, Boiada, Boiadeiro” de Ruth Rocha e José Antonio da Silva. Vamos produzir um pequeno texto na categoria “Educação Cooperativa” do Blog de Aula – Mutirão de Sociologia do Prof. Fábio Fernandes Villela (Unesp – Rio Preto). O livro Boi, Boiada, Boiadeiro, “tem boi, gosto de goiaba, de cana, de jabuticaba; tem música, festa, alegria e tristeza também, tudo feito com a poesia de Ruth Rocha e quadros de José Antonio da Silva”. A ideia central desta oficina é oferecer atividades que oportunizam a vivência de atitudes e valores de cooperação e cidadania. A pergunta que gostaria que respondessem no blog é a seguinte: o que vcs consideram mais importante no trabalho de cooperação destes 2 grandes artistas brasileiros: Ruth Rocha e José Antonio da Silva?  Um grande abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

O Curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto

On abril 11, 2012, in Coord, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Futuros Alunos da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto!

Tenho recebido diversos pedidos de informações sobre o curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto. Segue abaixo algumas informações gerais sobre nosso curso.  Alguns sites importantes da Unesp são:

1) A página do Departamento de Educação do Ibilce – Unesp – Rio Preto:

http://www.ibilce.unesp.br/#156,156

2) A página com informações sobre a Estrutura Curricular:

http://www.ibilce.unesp.br/#1450,1451

3) A página do nosso Instituto - Ibilce –  Unesp  – Rio Preto com mais informações:

http://www.ibilce.unesp.br/

4) O Portal da Unesp:

http://www.unesp.br/

Acredito que nesses sites vcs encontrarão todas as informações que buscam sobre a nossa Universidade. Um grande abraço a tod@s! A gente se vê na Pedagogia – Ibilce – Unesp! Prof.  Fábio Fernandes Villela.

Informações Gerais sobre a Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto é gratuito e ministrado no período noturno. Teve seu início em 2004 e compreende diferentes áreas do conhecimento, concentrando-se nos estudos referentes à educação, com atividades teóricas e práticas. Integram o currículo disciplinas como: Filosofia, Psicologia, História, Sociologia, Didática, Metodologias do Ensino Fundamental e Médio, Alfabetização, Métodos e Técnicas de Pesquisa, Estágios Supervisionados, entre outras. A profissão é regulamentada pela Lei de Diretrizes e Bases 5.692, de 1971 e por estatutos estaduais do magistério.

O papel do pedagogo, hoje, é bastante amplo. Cabe a ele, por exemplo, atuar na formação de professores e no planejamento e funcionamento de cursos, escolas e instituições de ensino de uma forma geral. É o único profissional habilitado – por lei e formação – a preparar, administrar e avaliar currículos, orçamentos e programas escolares, além de poder atuar em atividades de pesquisa.

O mercado de trabalho para o pedagogo é amplo. Ele pode trabalhar em escolas públicas e particulares de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, empresas – no treinamento de pessoal – clínicas psicopedagógicas, Delegacias de Ensino e escolas para alunos especiais. Se quiser preparar-se para o Ensino Superior, o pedagogo pode realizar cursos de pós-graduação em Educação, Psicologia da Educação, Educação Especial e demais áreas das Ciências Humanas.

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto tem uma estrutura curricular abrangente, capaz de abordar todas as teorias pedagógicas que fazem parte da Educação. Os profissionais graduados nessa área podem atuar na pré-escola, primeiros anos do Ensino Fundamental e também nos programas de alfabetização de adultos.

Com duração de quatro anos, o curso de Pedagogia da Unesp do Rio Preto  tem sua importância reconhecida pela LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e prepara de forma conceituada os estudantes para a docência. O mercado de trabalho do pedagogo não se restringe a sala de aula, ele também pode ocupar cargos de coordenar ou diretor da escola, assumindo assim atividade de supervisão e administração.

A Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto já ficou em 2ª lugar no ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes do MEC), um formador de educadores focado nos mecanismos de aprendizagem e na didática das aulas. Ao longo dos anos de faculdade, o estudante faz estágios para colocar em prática os conhecimentos teóricos e desenvolve dinamismo em contato com as crianças. O curso de pedagogia é oferecido pelos campus de Araraquara, Bauru, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro e São José do Rio Preto (a maioria no período noturno).

Entre as inovações propostas pela Unesp nos últimos anos, destaca-se o curso de pedagogia da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo). A graduação a distância nessa área é possível devido a moderna estrutura didática da Univesp. A plataforma de aprendizagem é adepta a tecnologias inovadoras, fornecendo desse modo materiais modernos para complementar as aulas.

Em 2012, serão preenchidas aproximadamente 1.500 vagas para o curso a distância de pedagogia Unesp, sendo que os pólos para as aulas estão distribuídos em 21 cidades paulistas. Com duração de três anos, o curso conta com o apoio do Governo e visa habilitar os professores da educação infantil. Para se tornar um aluno do curso a distância é necessário ser aprovado no processo seletivo.