Atividade do CCI – PEJA – UNESP – SJRP

On outubro 31, 2013, in EduCoop, by Fábio Fernandes Villela

Bom dia querid@s alun@s do PEJA! Tudo bem?

“Lembro-me de muitas brincadeiras da minha infância. Tinham as brincadeiras de meninas e as dos meninos e, algumas, em que todos brincavam juntos. O melhor mesmo era brincar, rir e nem ver o tempo passar.”

Nesta atividade, escreva um pequeno texto sobre como eram as brincadeiras e os brinquedos na sua infância. Não se esqueça de contar os detalhes para que as crianças de hoje possam entender as brincadeiras e perceber como eram divertidos os brinquedos antigos. Você pode, também, explicar como era sua brincadeira favorita ou contar a história de um brinquedo de que gostava muito. Use links de imagens ou de vídeos, disponíveis na internet, para ilustrar o texto. Um grande abraço a tod@s da Equipe do PEJA – CCI – IBILCE – UNESP – SJRP.

Bom dia car@s alun@s! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para a XII Semana de Pós-Graduação em Ciências Sociais, de 22 a 24 Outubro de 2013 – Unesp – Araraquara – SP.  Destaco na programação que segue abaixo os seguintes mini-cursos:

- Métodos e técnicas de Pesquisa Social – 14:00hs às 17:30hs
23/10 – Bruno Souza – Sala 34
24/10 – Adriana Marcela Bogado – sala 33

-  Pesquisa em Educação nas Ciências Sociais 14:00hs às 17:30hs
23/10 – Prof. Dr Fábio Fernandes Villela – Sala 38
24/10 – Claudete Pereira Basaglia e Fernanda Feijó – Sala 37

Até lá! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Esta é a área para a primeira postagem da disciplina Trabalho e Educação – A Centralidade do Trabalho na Teoria Sociológica. O aluno deve comentar as principais relações entre o trabalho e a educação nos dias de hoje, a partir dos textos e documentários abaixo. Bom trabalho, Prof. Fábio  Fernandes Villela.

1 – Documentário: Diálogos (Direção: Beto Novaes / UFRJ e Eliane Ribeiro / UNIRIO e UERJ)

O documentário apresenta um painel diversificado de rostos, trajetórias, demandas e reflexões de jovens de seis países da América do Sul. São jovens que narram suas experiências de vida, marcadas pelas rápidas mudanças no mercado de trabalho e pela defasagem dos currículos escolares. Descrevem as distintas formas de violência física e simbólica que os(as) atingem como jovens, mulheres, negros(as), indígenas, moradores(as) de áreas rurais e de periferias urbanas. Questões sobre diferentes orientações sexuais e sobre drogas também fazem parte de um rico debate entre jovens que buscam caminhos para fazer valer seus direitos perante a sociedade e o Estado. Apoio: IDRC – International Development Research Centre – Canadá. IBASE/POLIS.

Link no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=IcZxjR4Y6vM

2- Roda Viva com Ricardo Antunes

O professor Ricardo Antunes, titular de Sociologia no IFCH da Unicamp, autor de livros que abordam a temática tais como Adeus ao trabalho? (São Paulo, Cortez, 1995), Os sentidos do trabalho (São Paulo, Boitempo, 1999) e O caracol e sua concha (São Paulo, Boitempo, 2005) e ), entre outros,  afirma que:

[...] Sabemos que o trabalho, concebido como atividade vital, nasceu sob o signo da contradição. Desde o primeiro momento, foi capaz de plasmar a própria sociabilidade humana, por meio da criação de bens materiais e simbólicos socialmente vitais e necessários. Mas também trouxe dentro dele, desde seus primeiros passos, a marca do sofrimento, da servidão e da sujeição. Ao mesmo tempo em que expressa o momento da potência e da criação, o trabalho também se originou nos meandros do “tripalium”, instrumento de punição e tortura. Se era, para muitos, dotado de uma ética positiva (ver as análises de Weber), própria do mundo dos negócios (cujo significado etimológico é negar o ócio), para outros, ao contrário, tornou-se um não valor, estampado na magistral síntese de Marx: “Se pudessem, os trabalhadores fugiriam do trabalho como se foge de uma peste! [...].

[...] Mas o século 20 moldou-se pela estruturação da chamada sociedade do trabalho, em que desde muito cedo fomos educados para o princípio fundante do trabalho. Esse cenário começou a ruir, no entanto, a partir dos últimos 20 anos. Tragicamente, quanto mais a população vem aumentando, menor é a capacidade de incorporar os jovens ao mercado de trabalho. Esta é a situação que vivenciamos hoje: não encontramos empregos para aqueles que dele necessitam para sobreviver e os que ainda estão empregados em geral trabalham muito e não ficam um dia sem pensar no risco do desemprego. Esse medo ocorre não só na base dos assalariados, pois essa tendência cada vez mais avança na ponta da pirâmide social, chegando até os gestores.  [...] (Revista Cult, 139, 2010).

No Roda Viva de 03/09/2012,  o Prof. Ricardo Antunes discutiu com os convidados o mundo do trabalho. O professor, um dos mais destacados sociólogos da atualidade, apresentou  o tema do “trabalho” e suas novas formas de relação dentro do mundo capitalista contemporâneo. O programa pode ser acessado no seguinte link:

Roda Viva | Ricardo Antunes | 03/09/2012: https://www.youtube.com/watch?v=CcBF1DpuePU

3 – Documentário: Pequeno Grão de Areia

No documentário “Granito de Arena” (México, 2005) de Jill Freidberg retrata a história da organização e luta dos professores em defesa da escola pública, assim como por melhores condições de vida e preservação da identidade cultural das comunidades indígenas mexicanas, a partir da mobilização dos trabalhadores do ensino, dos estudantes e seus pais contra a destruição da Escola Normal Rural MACTUMACTZA – localizada em Tuxtla Gutierrez, Chiapas – México.

Jill Freidberg, diretor estadunidense independente (de Seattle), passou dois anos no sul do México para documentar os esforços dos mais de 100.000 professores, pais, estudantes que lutam para defender o sistema de educação pública do país dos devastadores impactos da política imperialista (da chamada “globalização econômica”). No filme, Freidberg combina imagens de greves e ações diretas com imagens inéditas de 25 anos de arquivo para oferecer um registro desta altiva e inquietante história de resistência, repressão, dedicação e solidariedade.

Os depoimentos de lideranças sindicais, professores, estudantes, pais de estudantes e pesquisadores da área da educação, revelam o processo de precarização e tentativa de privatização da educação pública no México, assim como, de precarização das condições de trabalho dos professores.

São denunciados também os diversos acordos estabelecidos entre o governo mexicano, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), nas últimas décadas, que acarretaram a degradação e destruição de inúmeras escolas públicas e que significaram concretamente a transformação da educação pública em serviço mercantil, limitando o acesso do povo mexicano à educação pública garantida como direito. Direito conquistado desde a revolução mexicana em 1910. Acordos que implicaram também no avanço das políticas de privatização, de baixos salários dos professores, de saturação de alunos por sala, de pouco investimento na educação, de estímulo à competição entre os professores, de redução do número de vagas e, através de “Programas de Qualidade”, da adequação dos currículos escolares aos interesses de empresas privadas como a Ford, Coca-cola, entre outras.

O filme resgata a história de resistência do povo e dos trabalhadores da educação do México a este processo e mostra as raízes das lutas populares recentes na área de ensino e da criação da Coordenadoria Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE). Reveja o documentário no youtube:

Granito de Arena (Pequeno grão de areia)

México, 2005 Diretor: Jill Freidberg

Premiado documentário sobre a luta dos professores, alunos e comunidade, com depoimentos de Eduardo Galeano, Maude Barlow.

Duração: 59 minutos

Link: https://www.youtube.com/watch?v=mHbY0MZ31mI

Módulo 14 – Escola e Sociologia da Educação

On agosto 8, 2013, in SocioEdu2, by Fábio Fernandes Villela

Bom dia car@s alun@s! Tudo bem?

“Peço licença a esse povo / Pois quero aqui contar / Minha história, minha vida / Na necessidade de narrar / Sou conhecido por muitos / Criticado por burgos / Mas não me impedem de sonhar”, os versos de Isaias Torres, do poema “Sou o MST”, compõem o “Pé de Poesia”, livro de poesias organizado pelo Coletivo de Juventude do MST, junto com os Setores de Comunicação e Cultura do Movimento em Alagoas. Esta é a área para a postagem do Módulo 14 – textos 21 e 22. As questões centrais dos textos são: a Educação Escolar e a Identidade Cultural de Jovens Rurais; Trabalho Rural e Educação; a Educação Infantil e a Educação do Campo; a Educação em Assentamentos e as contribuições da Sociologia da Educação. Gostaria que vcs abordassem essas relações em um comentário final para a disciplina Sociologia da Educação 2. Um grande abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Português, Literatura e Redação: Análise crítica de charge sobre Educação

Bom Dia Querid@s Alun@s! Tudo bem?

Esta é a área para postagem do texto final da disciplina Sociologia da Educação 3 (Produção de Textos = PT). Conforme a reportagem da UOL de 03-12-2019, o Brasil continua com desempenho ruim e aparece entre as 20 piores colocações no ranking das três áreas analisadas pelo Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), principal avaliação da educação básica no mundo. A reportagem informa que alunos da elite brasileira tem performance pior em leitura do que pobres de outros países.

Em 2010, uma reportagem da Uol informou que a cidade de Xangai, na China, que participou pela primeira vez, obteve a melhor pontuação em leitura do exame. O Brasil ficou na 53ª posição. O exame, feito pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), avalia conhecimento de estudantes em leitura, ciências e matemática de 79 países. A pergunta para o comentário é a seguinte: por que, apesar de todo o esforço das políticas públicas, PCNs, RCMEIs, ENEM, SAEB, investimentos, etc., conforme apresentado no livro: “Nova Pedagogia da Hegemonia” (Lúcia Neves org.), o Brasil está na 42 de 77 posições no ranking do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos)?

Saudações, Prof. Fábio Villela.

OBS. Para ajudar na reflexão vcs podem acessar os seguintes links:

PISA 2019 na UOL 1: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/12/alunos-de-elite-do-brasil-tem-performance-pior-em-leitura-do-que-pobres-de-outros-paises.shtml

PISA 2019 na UOL 2: https://educacao.uol.com.br/noticias/2019/12/03/pisa-brasil-fica-entre-piores-mas-a-frente-da-argentina-veja-ranking.htm

Campanha “Fechar Escola é Crime” (2011): http://www.cecmundorural.com.br/?p=235

Documentários: “Destino: Educação”

Sinopse do documentário: “Destino: Educação”

Vamos começar com uma pergunta: como fazer para a educação de qualidade chegar a todas as crianças? Para responder, nada melhor do que quem vive o dia-a-dia da educação nos países que são exemplo em educação. Vamos entrar na sala de aula, nos aproximar dos alunos, falar com os professores, ir até a casa dos estudantes para mostrar sua rotina de estudos e conversar com seus pais. Tudo para entender como em cenários tão distintos quanto a Finlândia, a Coréia, o Chile, Xangai, o Canadá e o Brasil a educação chega até quem mais interessa. O aluno. Todo aluno.
Qual a preocupação dos governos com o ensino? O que eles têm feito? E como isso se percebe na realidade e no aprendizado destes alunos? Como valorizar e capacitar o elemento-chave nesse processo, o professor? Como lidar com os sindicatos e a qualidade da educação? Quem são as pessoas que estão por trás dos bons resultados do PISA? A família tem realmente papel decisivo na educação? Por quê? Vale tudo para melhorar a aprendizagem? Qual o limite?

A série “Destino: Educação”: http://www.futuraplay.org/serie/destino-educacao/

Vídeos:

Geral:
http://www.youtube.com/watch?v=AZu9QFufWaw&feature=related

Brasil:
https://www.youtube.com/watch?v=jp8ZVWU1gl8

(Revista Sociologia Ciência & Vida, Edição nº 15, 2013)

Bom Dia Car@s Alun@s de Sociologia da Educação 1 – 2013! Tudo bem?

A presença marcante da disciplina Sociologia nos diversos cursos no Brasil, especialmente na área de Educação, se caracteriza pela sua intermitência, conforme foi apresentado nos DVDs da série “Sociologia no Ensino Médio” *, pelos professores Amaury Cesar Moraes e Nelson Tomazi. Essa intermitência é dada, ora por motivos políticos, ora pela tentativa de integrá-la nos conteúdos de outras disciplinas. O que fica claro atualmente é que ela desempenha um papel educativo singular. E agora, com a obrigatoriedade da sua presença no Ensino Médio, apresenta-se um enorme desafio aos educadores, diretores e gestores em torno dos fundamentos, da forma, conteúdos e temas a serem trabalhados. Quais os principais “temas” que podem ser transformados em “temas sociológicos”? Bom trabalho a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

* Vcs podem ver alguns vídeos sobre a disciplina sociologia e seus temas, a partir do seguinte link do Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=UEMT5UiG6rE

Saudações, Prof. FFV.

Curso de Extensão: Arte, Cinema e Educação do Campo na Unesp de Rio Preto

On outubro 16, 2012, in Gepedoc, by Fábio Fernandes Villela

(Foto: W. Guimarães)

Bom Dia Car@s Amig@s do Mutirão! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para o curso de extensão temático: “Arte, Cinema e Educação do Campo”, com carga horária de 08 (oito) horas/aula e número de vagas: mínimo de 05 (cinco) e máximo de 40 (quarenta). O curso tem como público-alvo os alunos do IBILCE/UNESP e a comunidade em geral. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Objetivos do curso: A vivência da linguagem visual é uma questão central para a formação de pessoas capacitadas a lidar com a interface arte, cinema e educação do campo. Os educadores são porta-vozes de visões de mundo, transmissores de comportamentos, interferindo direta e ativamente nos modos de socialização dos indivíduos e a vivência prática da linguagem visual é um pressuposto básico no cotidiano destes educadores. O objetivo principal deste curso é oferecer aos alunos do IBILCE/UNESP, especialmente os de Pedagogia, e a comunidade em geral, a possibilidade de adquirir uma vivência de linguagem visual na área de cinema e educação do campo. Os objetivos específicos do curso são:

1.Desenvolver um conjunto de conhecimentos que possibilitam a criação de propostas pedagógicas que tenham a arte, o cinema e a educação do campo como eixo que permeia e integra as diversas áreas do currículo escolar,

2. Propor maneiras de aperfeiçoar a qualidade educativa do ensino e aprendizagem das Artes Visuais na escola,

3. Compreender a educação do campo, sua pedagogia, seu “método” de ensino-aprendizagem, especialmente aplicado ao campo das Artes Visuais (Cinema),

4. Capacitar os alunos para trabalhar com as Artes Visuais tendo a filmografia sobre Educação do Campo como suporte teórico-prático.

Conteúdo:

1 – Conceitos Fundamentais de Arte e Educação.

2 – Aspectos Teórico-Metodológicos da Interface Cinema e Educação do Campo.

3 – Análise da Filmografia sobre Educação do Campo.

Executores: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela – coordenador e ministrante (08 horas) – IBILCE/UNESP.

Período e local de realização: de 05 a 26 de novembro de 2012, às segundas-feiras das 17h às 19h, no Laboratório de Ensino da Pedagogia do IBILCE/UNESP.

Local de inscrição: Seção Técnica de Comunicações do IBILCE/UNESP. Câmpus de São José do Rio Preto

INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS – STA

Rua Cristóvão Colombo, 2265, Jardim Nazareth, CEP. 15054-000, São José do Rio Preto/SP

Tel. (0xx17) 3221-2318 / e-mail: sta@ibilce.unesp.br / www.ibilce.unesp.br

ATENÇÃO PARA O PERÍODO DE INSCRIÇÕES:

De 15 a 22 de outubro de 2012 – inscrições exclusivas para graduandos do Curso de Pedagogia do IBILCE/UNESP.

De 23 a 26 de outubro de 2012 – inscrições abertas para demais alunos do IBILCE/UNESP.

De 29 a 31 de outubro de 2012 – inscrições abertas para a comunidade em geral.

Condições para inscrição: para os alunos de graduação do IBILCE/UNESP será necessária a apresentação de xerox do histórico escolar no ato da inscrição. Documentos necessários para inscrição: Cópia do RG, ficha de inscrição a ser preenchida na Seção Técnica de Comunicações da UNESP/IBILCE, recolhimento da taxa regulamentar da UNESP e documento que comprove atendimento ao item “Condições para inscrição”.

Custo: será cobrada apenas a taxa regulamentar da UNESP, vigente à época das inscrições, a ser paga na Seção Técnica de Finanças do IBILCE/UNESP.

Bolsas: não há necessidade de bolsas, uma vez que o curso não prevê pagamento de mensalidades.

Frequência mínima obrigatória: mínimo 70%.

Maiores informações: Telefones (17) 3221-2318.

Seção Técnica Acadêmica do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas do Câmpus de São José do Rio Preto, 15 de outubro de 2012.

APOIO: Instituto Cultural Lyndolpho Silva

http://www.iclyndolphosilva.net

Tópicos da Área de Ciências Humanas e suas Tecnologias 2

On outubro 11, 2012, in Miscelan, RP-CE, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Car@s Alun@s! Tudo bem?

Esta postagem procura desvendar o que o trabalho está sendo. O professor Ricardo Antunes, titular de Sociologia no IFCH da Unicamp, autor de livros que abordam a temática tais como Adeus ao trabalho? (São Paulo, Cortez, 1995), Os sentidos do trabalho (São Paulo, Boitempo, 1999) e O caracol e sua concha (São Paulo, Boitempo, 2005) e ), entre outros,  afirma que:

[...] Sabemos que o trabalho, concebido como atividade vital, nasceu sob o signo da contradição. Desde o primeiro momento, foi capaz de plasmar a própria sociabilidade humana, por meio da criação de bens materiais e simbólicos socialmente vitais e necessários. Mas também trouxe dentro dele, desde seus primeiros passos, a marca do sofrimento, da servidão e da sujeição. Ao mesmo tempo em que expressa o momento da potência e da criação, o trabalho também se originou nos meandros do “tripalium”, instrumento de punição e tortura. Se era, para muitos, dotado de uma ética positiva (ver as análises de Weber), própria do mundo dos negócios (cujo significado etimológico é negar o ócio), para outros, ao contrário, tornou-se um não valor, estampado na magistral síntese de Marx: “Se pudessem, os trabalhadores fugiriam do trabalho como se foge de uma peste! [...].

[...] Mas o século 20 moldou-se pela estruturação da chamada sociedade do trabalho, em que desde muito cedo fomos educados para o princípio fundante do trabalho. Esse cenário começou a ruir, no entanto, a partir dos últimos 20 anos. Tragicamente, quanto mais a população vem aumentando, menor é a capacidade de incorporar os jovens ao mercado de trabalho. Esta é a situação que vivenciamos hoje: não encontramos empregos para aqueles que dele necessitam para sobreviver e os que ainda estão empregados em geral trabalham muito e não ficam um dia sem pensar no risco do desemprego. Esse medo ocorre não só na base dos assalariados, pois essa tendência cada vez mais avança na ponta da pirâmide social, chegando até os gestores.  [...] (Revista Cult, 139, 2010).

No Roda Viva de 03/09/2012,  o Prof. Ricardo Antunes discutiu com os convidados o mundo do trabalho. O professor, um dos mais destacados sociólogos da atualidade, apresentou  o tema do “trabalho” e suas novas formas de relação dentro do mundo capitalista contemporâneo. O programa pode ser acessado no seguinte link:

http://tvcultura.cmais.com.br/rodaviva/roda-viva-discute-o-mundo-do-trabalho-com-ricardo-antunes

A pergunta para o comentário é a seguinte: o que o trabalho está sendo nesse começo de século XXI? Bom trabalho, Prof. Fábio  Fernandes Villela.

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Neste módulo da disciplina Sociologia da Educação 3, que diz respeito aos impactos da Reestruturação Produtiva na sociedade e na educação, assistimos ao filme “Billy Elliot”. O filme é ambientado nos anos em que Margaret Thatcher esteve no governo da Inglaterra. O filme tem como pano de fundo as lutas grevistas dos mineiros ingleses. Obrigado pelo pai a treinar boxe, Billy fica fascinado com a magia do balé, com o qual tem contato através de aulas de dança clássica que são realizadas na mesma academia onde pratica boxe. Incentivado pela professora de balé, que vê em Billy um talento nato para a dança, ele resolve então pendurar as luvas de boxe e se dedicar de corpo e alma à dança, mesmo tendo que enfrentar a contrariedade de seu irmão e seu pai à sua nova atividade. As perguntas deste módulo giram em torno da temática do filme: a implantação do modelo neoliberal e a resistência dos trabalhadores. Billy Elliot é um símbolo da resistência contra a implantação do modelo neoliberal (“Terceira Via”). As perguntas para o comentário são as  seguintes: como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise? De acordo com Neves (2005)*, em “A nova pedagogia da hegemonia”, quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos que se opõem à educação para o consenso? Bom trabalho a todos! Prof. Fábio Fernandes Villela.

*NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.) A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

Bom Dia Car@s Alun@s de Sociologia da Educação 1! Tudo bem?

A presença marcante da disciplina Sociologia nos diversos cursos no Brasil, especialmente na área de Educação, se caracteriza pela sua intermitência, conforme foi apresentado nos DVDs da série “Sociologia no Ensino Médio” pelos professores Amaury Cesar Moraes e Nelson Tomazi. Conforme afirmam os autores, ora por motivos políticos, ora pela tentativa de integrá-la nos conteúdos de outras disciplinas. O que fica claro atualmente é que ela desempenha um papel educativo singular. E agora, com a obrigatoriedade da sua presença no Ensino Médio, apresenta-se um enorme desafio aos educadores em torno dos fundamentos, da forma, conteúdos e temas a serem trabalhados. Quais os principais “temas”, vinculados ao pensamento sociológico clássico e presentes no filme “Koyaanisqatsi – Uma Vida Fora de Equilíbrio” (1982) do diretor Godfrey Reggio, que podem ser transformados em “temas sociológicos”? Bom trabalho a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.