Bom Dia Queridas Alunas! Tudo bem?

A última postagem de Sociologia da Educação 3 diz respeito ao ranking do Brasil no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos). Segundo reportagem da Uol de 2010, a cidade de Xangai, na China, que participou pela primeira vez, obteve a melhor pontuação em leitura do exame. O Brasil ficou na 53ª posição. O exame, feito pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), avaliou em 2009 o conhecimento de cerca de 470 mil estudantes em leitura, ciências e matemática de 65 países. Neste ano, a área que teve ênfase na avaliação foi a de leitura. A pergunta para o comentário é a seguinte: por que, apesar de todo o esforço das políticas públicas, PCNs, RCMEIs, ENEM, SAEB, investimentos, etc., o Brasil está na 53ª posição no ranking do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos)?

Saudações, Prof. FFV.

OBS. Para ajudar na reflexão vcs podem acessar os seguintes links:

Campanha “Fechar Escola é Crime”: http://www.cecmundorural.com.br/?p=235

Documentários: “Destino: Educação”

Sinopse do documentário: “Destino: Educação”

Vamos começar com uma pergunta: como fazer para a educação de qualidade chegar a todas as crianças? Para responder, nada melhor do que quem vive o dia-a-dia da educação nos países que são exemplo em educação. Vamos entrar na sala de aula, nos aproximar dos alunos, falar com os professores, ir até a casa dos estudantes para mostrar sua rotina de estudos e conversar com seus pais. Tudo para entender como em cenários tão distintos quanto a Finlândia, a Coréia, o Chile, Xangai, o Canadá e o Brasil a educação chega até quem mais interessa. O aluno. Todo aluno.
Qual a preocupação dos governos com o ensino? O que eles têm feito? E como isso se percebe na realidade e no aprendizado destes alunos? Como valorizar e capacitar o elemento-chave nesse processo, o professor? Como lidar com os sindicatos e a qualidade da educação? Quem são as pessoas que estão por trás dos bons resultados do PISA? A família tem realmente papel decisivo na educação? Por quê? Vale tudo para melhorar a aprendizagem? Qual o limite?

A série “Destino: Educação”:

http://www.futura.org.br/blog/2011/09/28/nova-serie-investiga-desempenho-dos-paises-lideres-em-educacao/

Vídeos:

Geral:
http://www.youtube.com/watch?v=AZu9QFufWaw&feature=related

Brasil:
http://www.youtube.com/watch?v=qhD1V1gqwP8

Prancha elaborado pelo arquiteto Hamilton Foz para o Assentamento Reunidas – Promissão – SP – Brasil (Fonte: Juliana Foz: http://malemolencia-juh.blogspot.com.br/)

Boa noite amig@s do Mutirão! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para o curso de extensão temático: “Educação do Campo, Novas Tecnologias e Cultura Ambiental em Assentamentos de Reforma Agrária”. O curso tem carga horária: 16 (dezesseis) horas/aula, sendo 04 (quatro) horas de aulas teóricas e 12 (doze) horas de aula-prática (haverá excursão didática ao Assentamento Reunidas em Promissão – SP). O número de vagas é mínimo de 05 (cinco) e máximo de 40 (quarenta),  público-alvo: alunos do IBILCE/UNESP e comunidade em geral. Até lá! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Objetivo do curso: O estudo dos assentamentos de reforma agrária adquire cada dia maior importância nos dias de hoje, especialmente no estado de São Paulo, pois trata-se de um espaço para onde convergem diversos fatores, tais como: conhecimentos populares, hábitos, usos e costumes que distinguem determinada comunidade. Trata-se de um patrimônio material e imaterial acumulado e que com o passar do tempo, poderá auxiliar no desenvolvimento de novas experiências de assentamentos de reforma agrária. A preservação dessas tradições poderá manter-se ou desaparecer em função das políticas aplicadas. O objetivo deste curso é elaborar estratégias de preservação dessas tradições através da capacitação de promotores da cultura ambiental de assentamentos de reforma agrária. Os objetivos específicos são: 1 – realizar uma análise da situação da cultura ambiental de uma comunidade, o Assentamento Reunidas, em Promissão – SP, 2 – formar promotores culturais, 3 – elaborar estratégias de preservação a cultura ambiental ao nível da comunidade, 4 – gerenciar estratégias de preservação da cultura ambiental através do uso das novas tecnologias aplicadas à educação do campo, especificamente o blog Centro de Estudos e Culturas do Mundo Rural (www.cecmundorural.com.br), do proponente deste curso.

Conteúdo Programático:

1 – Conceitos Fundamentais sobre educação do campo, novas tecnologias e cultura ambiental.

2 – Aspectos Teórico-Metodológicos da cultura ambiental do promotor cultural ao nível comunitário.

3 – Capacitação ambiental para o promotor cultural de assentamentos de reforma agrária.

4 – Estratégias de preservação da cultura ambiental através do uso das novas tecnologias aplicadas à educação do campo.

Câmpus de São José do Rio Preto

INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS – STA

Rua Cristóvão Colombo, 2265, Jardim Nazareth, CEP. 15054-000, São José do Rio Preto/SP

Tel. (0xx17) 3221-2428 / (0xx17) 3221-2318 e-mail: sta@ibilce.unesp.br / www.ibilce.unesp.br

Executores: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela – coordenador e ministrante (16 horas) – IBILCE/UNESP.

Período e local de realização: Aulas teóricas: 03 e 10 de dezembro de 2012 (segundas-feiras) das 17h às 19h no Laboratório de Ensino da Pedagogia. Aula prática: 16 de dezembro de 2012 (domingo) excursão didática ao Assentamento Reunidas em Promissão – SP. Local de inscrição: Seção Técnica de Comunicações do IBILCE/UNESP.

ATENÇÃO PARA O PERÍODO DE INSCRIÇÕES

Período de Inscrição:

De 19 a 23 de novembro de 2012 – inscrições exclusivas para graduandos do Curso de Pedagogia do IBILCE/UNESP.

De 26 a 27 de novembro de 2012 – inscrições abertas para demais alunos do IBILCE/UNESP.

De 28 a 30 de novembro de 2012 – inscrições abertas para a comunidade em geral.

Condições para inscrição: Para os alunos de graduação do IBILCE/UNESP será necessária a apresentação de xerox do histórico escolar no ato da inscrição. Documentos necessários para inscrição: Cópia do RG, ficha de inscrição a ser preenchida na Seção Técnica de Comunicações da UNESP/IBILCE, recolhimento da taxa regulamentar da UNESP e documento que comprove atendimento ao item “Condições para inscrição”.

Custo: Será cobrada apenas a taxa regulamentar da UNESP, vigente à época das inscrições, a ser paga na Seção Técnica de Finanças do IBILCE/UNESP. Bolsas: Não há necessidade de bolsas, uma vez que o curso não prevê pagamento de mensalidades. Frequência mínima obrigatória: mínimo 70%. Maiores informações: Telefones (17) 3221-2320 ou 3221-2318.

Seção Técnica Acadêmica do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas do Câmpus de São José do Rio Preto, 18 de outubro de 2012.

Imagem do projeto Biota Cerrado – USP – Assentamento Reunidas – Promissão – SP

APOIO: Instituto Cultural Lyndolpho Silva

http://www.iclyndolphosilva.net

Curso de Extensão: Arte, Cinema e Educação do Campo na Unesp de Rio Preto

On outubro 16, 2012, in Gepedoc, by Fábio Fernandes Villela

(Foto: W. Guimarães)

Bom Dia Car@s Amig@s do Mutirão! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para o curso de extensão temático: “Arte, Cinema e Educação do Campo”, com carga horária de 08 (oito) horas/aula e número de vagas: mínimo de 05 (cinco) e máximo de 40 (quarenta). O curso tem como público-alvo os alunos do IBILCE/UNESP e a comunidade em geral. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Objetivos do curso: A vivência da linguagem visual é uma questão central para a formação de pessoas capacitadas a lidar com a interface arte, cinema e educação do campo. Os educadores são porta-vozes de visões de mundo, transmissores de comportamentos, interferindo direta e ativamente nos modos de socialização dos indivíduos e a vivência prática da linguagem visual é um pressuposto básico no cotidiano destes educadores. O objetivo principal deste curso é oferecer aos alunos do IBILCE/UNESP, especialmente os de Pedagogia, e a comunidade em geral, a possibilidade de adquirir uma vivência de linguagem visual na área de cinema e educação do campo. Os objetivos específicos do curso são:

1.Desenvolver um conjunto de conhecimentos que possibilitam a criação de propostas pedagógicas que tenham a arte, o cinema e a educação do campo como eixo que permeia e integra as diversas áreas do currículo escolar,

2. Propor maneiras de aperfeiçoar a qualidade educativa do ensino e aprendizagem das Artes Visuais na escola,

3. Compreender a educação do campo, sua pedagogia, seu “método” de ensino-aprendizagem, especialmente aplicado ao campo das Artes Visuais (Cinema),

4. Capacitar os alunos para trabalhar com as Artes Visuais tendo a filmografia sobre Educação do Campo como suporte teórico-prático.

Conteúdo:

1 – Conceitos Fundamentais de Arte e Educação.

2 – Aspectos Teórico-Metodológicos da Interface Cinema e Educação do Campo.

3 – Análise da Filmografia sobre Educação do Campo.

Executores: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela – coordenador e ministrante (08 horas) – IBILCE/UNESP.

Período e local de realização: de 05 a 26 de novembro de 2012, às segundas-feiras das 17h às 19h, no Laboratório de Ensino da Pedagogia do IBILCE/UNESP.

Local de inscrição: Seção Técnica de Comunicações do IBILCE/UNESP. Câmpus de São José do Rio Preto

INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS – STA

Rua Cristóvão Colombo, 2265, Jardim Nazareth, CEP. 15054-000, São José do Rio Preto/SP

Tel. (0xx17) 3221-2318 / e-mail: sta@ibilce.unesp.br / www.ibilce.unesp.br

ATENÇÃO PARA O PERÍODO DE INSCRIÇÕES:

De 15 a 22 de outubro de 2012 – inscrições exclusivas para graduandos do Curso de Pedagogia do IBILCE/UNESP.

De 23 a 26 de outubro de 2012 – inscrições abertas para demais alunos do IBILCE/UNESP.

De 29 a 31 de outubro de 2012 – inscrições abertas para a comunidade em geral.

Condições para inscrição: para os alunos de graduação do IBILCE/UNESP será necessária a apresentação de xerox do histórico escolar no ato da inscrição. Documentos necessários para inscrição: Cópia do RG, ficha de inscrição a ser preenchida na Seção Técnica de Comunicações da UNESP/IBILCE, recolhimento da taxa regulamentar da UNESP e documento que comprove atendimento ao item “Condições para inscrição”.

Custo: será cobrada apenas a taxa regulamentar da UNESP, vigente à época das inscrições, a ser paga na Seção Técnica de Finanças do IBILCE/UNESP.

Bolsas: não há necessidade de bolsas, uma vez que o curso não prevê pagamento de mensalidades.

Frequência mínima obrigatória: mínimo 70%.

Maiores informações: Telefones (17) 3221-2318.

Seção Técnica Acadêmica do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas do Câmpus de São José do Rio Preto, 15 de outubro de 2012.

APOIO: Instituto Cultural Lyndolpho Silva

http://www.iclyndolphosilva.net

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Gostaria de partilhar com todos que nosso Projeto de Extensão, desenvolvido no Distrito de Talhado em São José do Rio Preto – SP – Brasil, foi apresentado no Programa “Nosso Campo” da TV TEM.  O objetivo central do projeto, em 2011, foi desenvolver tópicos da área de Ciências Humanas e suas Tecnologias, através do Blog de Aula – Mutirão de Sociologia, para alunos que manifestarem interesse, regularmente matriculados, na escola pública Prof. Dr. João Deoclésio da Silva Ramos, situada no distrito de Talhado, em São José do Rio Preto (SP), de forma experimental, e depois estender a experiência para outras escolas estaduais que tiverem interesse. Vc podem assistir a reportagem através do link abaixo.

Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Acesse a reportagem sobre o Blog de Aula – Mutirão de Sociologia no Programa “Nosso Campo” da TV TEM:

http://www.youtube.com/watch?v=a3eYOhobHD8

José Antonio da Silva – Bois – 22 x 30 cm – guache sobre papel – 1985

Bom Dia Amigos da Coopec! Tudo bem?

Este é o local da atividade da oficina de leitura do livro “Boi, Boiada, Boiadeiro” de Ruth Rocha e José Antonio da Silva. Vamos produzir um pequeno texto na categoria “Educação Cooperativa” do Blog de Aula – Mutirão de Sociologia do Prof. Fábio Fernandes Villela (Unesp – Rio Preto). O livro Boi, Boiada, Boiadeiro, “tem boi, gosto de goiaba, de cana, de jabuticaba; tem música, festa, alegria e tristeza também, tudo feito com a poesia de Ruth Rocha e quadros de José Antonio da Silva”. A ideia central desta oficina é oferecer atividades que oportunizam a vivência de atitudes e valores de cooperação e cidadania. A pergunta que gostaria que respondessem no blog é a seguinte: o que vcs consideram mais importante no trabalho de cooperação destes 2 grandes artistas brasileiros: Ruth Rocha e José Antonio da Silva?  Um grande abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

O Curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto

On abril 11, 2012, in Coord, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Futuros Alunos da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto!

Tenho recebido diversos pedidos de informações sobre o curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto. Segue abaixo algumas informações gerais sobre nosso curso.  Alguns sites importantes da Unesp são:

1) A página do Departamento de Educação do Ibilce – Unesp – Rio Preto:

http://www.ibilce.unesp.br/#156,156

2) A página com informações sobre a Estrutura Curricular:

http://www.ibilce.unesp.br/#1450,1451

3) A página do nosso Instituto - Ibilce –  Unesp  – Rio Preto com mais informações:

http://www.ibilce.unesp.br/

4) O Portal da Unesp:

http://www.unesp.br/

Acredito que nesses sites vcs encontrarão todas as informações que buscam sobre a nossa Universidade. Um grande abraço a tod@s! A gente se vê na Pedagogia – Ibilce – Unesp! Prof.  Fábio Fernandes Villela.

Informações Gerais sobre a Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto é gratuito e ministrado no período noturno. Teve seu início em 2004 e compreende diferentes áreas do conhecimento, concentrando-se nos estudos referentes à educação, com atividades teóricas e práticas. Integram o currículo disciplinas como: Filosofia, Psicologia, História, Sociologia, Didática, Metodologias do Ensino Fundamental e Médio, Alfabetização, Métodos e Técnicas de Pesquisa, Estágios Supervisionados, entre outras. A profissão é regulamentada pela Lei de Diretrizes e Bases 5.692, de 1971 e por estatutos estaduais do magistério.

O papel do pedagogo, hoje, é bastante amplo. Cabe a ele, por exemplo, atuar na formação de professores e no planejamento e funcionamento de cursos, escolas e instituições de ensino de uma forma geral. É o único profissional habilitado – por lei e formação – a preparar, administrar e avaliar currículos, orçamentos e programas escolares, além de poder atuar em atividades de pesquisa.

O mercado de trabalho para o pedagogo é amplo. Ele pode trabalhar em escolas públicas e particulares de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, empresas – no treinamento de pessoal – clínicas psicopedagógicas, Delegacias de Ensino e escolas para alunos especiais. Se quiser preparar-se para o Ensino Superior, o pedagogo pode realizar cursos de pós-graduação em Educação, Psicologia da Educação, Educação Especial e demais áreas das Ciências Humanas.

O curso de Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto tem uma estrutura curricular abrangente, capaz de abordar todas as teorias pedagógicas que fazem parte da Educação. Os profissionais graduados nessa área podem atuar na pré-escola, primeiros anos do Ensino Fundamental e também nos programas de alfabetização de adultos.

Com duração de quatro anos, o curso de Pedagogia da Unesp do Rio Preto  tem sua importância reconhecida pela LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e prepara de forma conceituada os estudantes para a docência. O mercado de trabalho do pedagogo não se restringe a sala de aula, ele também pode ocupar cargos de coordenar ou diretor da escola, assumindo assim atividade de supervisão e administração.

A Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto já ficou em 2ª lugar no ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes do MEC), um formador de educadores focado nos mecanismos de aprendizagem e na didática das aulas. Ao longo dos anos de faculdade, o estudante faz estágios para colocar em prática os conhecimentos teóricos e desenvolve dinamismo em contato com as crianças. O curso de pedagogia é oferecido pelos campus de Araraquara, Bauru, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro e São José do Rio Preto (a maioria no período noturno).

Entre as inovações propostas pela Unesp nos últimos anos, destaca-se o curso de pedagogia da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo). A graduação a distância nessa área é possível devido a moderna estrutura didática da Univesp. A plataforma de aprendizagem é adepta a tecnologias inovadoras, fornecendo desse modo materiais modernos para complementar as aulas.

Em 2012, serão preenchidas aproximadamente 1.500 vagas para o curso a distância de pedagogia Unesp, sendo que os pólos para as aulas estão distribuídos em 21 cidades paulistas. Com duração de três anos, o curso conta com o apoio do Governo e visa habilitar os professores da educação infantil. Para se tornar um aluno do curso a distância é necessário ser aprovado no processo seletivo.

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Gostaria de convidar a todos para a palestra: “Poética da Oralidade: Moda Caipira” com o Prof. Dr. Romildo Sant’Anna.  Será dia 22/03/2012 – 19h30min. no Auditório A do Ibilce – Unesp de Rio Preto, Rua Cristovão Colombo, 2265, Jd. Nazareth., S. J. Rio Preto – SP, tel. (17) 3221 -2318. Trata-se de um atividade organizada pela Coordenação de Curso da Pedagogia em parceria com o Caped – Centro Acadêmico “Wilson Cantoni” da Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto, Gestão Demerval Saviani 2011-2012. As inscrições serão feitas no dia da palestra. Haverá um coffee-break no final. Quem quiser um certificado deverá colaborar com R$5,00 para impressão do certificado. Esta é  uma atividade em comemoração ao aniversário de 160 anos da cidade de São José do Rio Preto – SP , que acontece dia 19 de março e de fundação do Caped – Centro Acadêmico “Wilson Cantoni” da Pedagogia do Ibilce – Unesp – Rio Preto.

Poética da Oralidade: Moda Caipira

O Prof. Dr. Romildo Sant’Anna irá apresentar seu extenso trabalho de pesquisa “A Moda é Viola”. A pesquisa originou o livro que teve uma primeira edição em 2000, quando comemoravam-se os 500 anos de descobrimento do Brasil. Desde então, de acordo com o professor, não deixou de mexer e remexer nos escritos. O resultado está na ampliação de mais de cem páginas para a segunda edição. “Lancei a primeira edição em um programa da Inezita Barroso, ‘Viola, minha viola’, na TV Cultura. Durante esse período de mais de oito anos não teve um dia que não mudei algo do que estava escrito. Foram acrescentados dez novos capítulos e atualizadas informações nos que já existiam”, explica o autor.

Para o primeiro lançamento, Sant’Anna buscou cerca de 700 músicas e as transcreveu. Trabalho que custou ao professor dois anos de empenho, uma vez que as letras de músicas caipiras trazem um dialeto muitas vezes regionalizado e expressões típicas desse estilo. Tal mergulho no universo a que se propôs estudar criou uma familiaridade com o universo pesquisado e possibilitou o traçado de uma configuração poética própria do cantar caipira. “Pesquisei bibliotecas nacionais e espanholas atrás das origens do que é a base da música brasileira.”

A origem comum da música nacional está no cancioneiro ibérico. Portanto, a pesquisa do professor tem início em documentos do século 12. O instrumento e a configuração das letras contam em sua evolução como a música caipira se construiu ao longo dos séculos. Um dos aspectos acrescentados à nova edição que tem impacto sensível até hoje nas letras de músicas caipiras é o uso do ‘nheengatu’, dialeto próprio do Brasil poucos anos após o descobrimento e a colonização portuguesa.

“Não se falava a língua portuguesa. Ela era usada apenas em documentos oficiais. A língua utilizada pelo povo, pelos índios e padres da Companhia de Jesus era uma mistura do tupinambá com o português. Desse dialeto vêm as frases tão utilizadas nas modas de viola como ‘muié linda de oiá’, ‘cantá e sofrê’, ‘mé de abeia’”, conta o professor. Uma das descobertas incluídas na edição lançada hoje é o primeiro tratado de língua mais utilizada no Brasil, no caso o nheengatu, escrito pelo padre José de Anchieta. “Como se tornou a Língua Geral, instaurando a prevalência do vencido sobre o vencedor, o nheengatu foi proibido em 1734, sob penas de prisões e açoites”, conta o autor no livro.

Dessa forma, percorrendo o desenvolvimento do instrumento e da língua, o professor conta também um pouco da história do próprio povo brasileiro. E enfoca um personagem que, de acordo com ele, já foi muito negligenciado, inclusive, pela literatura: o caipira.

Com a migração da população rural para o ambiente urbano, Sant’Anna afirma que houve uma perda dos valores do caboclo, cuja imagem foi cercada de preconceitos. Assim, as pessoas que carregam em si uma memória afetiva do campo, sentem-se perdidas em meio ao ambiente urbano. É o sentimento de perda das raízes, que se reflete nas composições sertanejas que, erroneamente e preconceituosamente, na opinião do pesquisador, são rotuladas de canções de “dor de cotovelo”.

“A História do Brasil pode ser contada por meio da história da viola e o caipira tem papel importante nesse cenário. A cultura não tem delimitação geopolítica e a viola está profundamente arraigada nas nossas origens. É preciso considerá-la, e à música caipira sob o ponto de vista estético, como arte e não apenas mero elemento folclórico e de segunda linha”, enfatiza o escritor. (Texto retirado e reelaborado a partir da reportagem de Ariana Pereira do Diário da Região de 28-10-2009).

Abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

PS. Recomendamos a todos visitar o blog do Prof. Romildo Sant’Anna: http://romildo-sant.blogspot.com/

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

On dezembro 17, 2011, in Miscelan, by Fábio Fernandes Villela

Vasco Fernandes (Grão Vasco) – “Adoração dos Reis Magos” – 1501-6  – Museu de Grão Vasco - Viseu, Portugal.

Bom Dia Caros Alunos!

Gostaria de desejar a todos os alunos e amigos um Feliz Natal e Próspero Ano Novo!  São os sinceros votos do Prof. Fábio Fernandes Villela. PS. Como professor não deixa de professorar, nem nestas horas,  aí vai mais uma de “Arte e Educação”. A pintura acima é o quadro “Adoração dos Reis Magos”, do pintor Vasco Fernandes, foi feito entre 1501 e 1506. Cabral seria o personagem ajoelhado. Talvez seja o seu único retrato verdadeiro. Esta imagem apareceu pela primeira vez no livro “Retratos e Elogios de Varões e Donas”, editado em Lisboa em 1807. Impressa na antiga cédula brasileira de 1000 cruzeiros, tornou-se a face oficial de Pedro Álvares Cabral. Abraços a todos, Prof. FV.

Caros alunos, boa tarde!
O termo curta-metragem começou a ser utilizado nos Estados Unidos na década de 1910, quando boa parte dos filmes começava a ter durações cada vez maiores. O gênero que mais utilizou o formato de curta-metragem foram as animações. Ainda hoje há muitos filmes com ação ao vivo (live-action) e de animação produzidos como curta-metragem, havendo inclusive um premio dos Oscar para cada tipo. Formato bastante difundido e em expansão no Brasil desde os anos 70, a curta-metragem é também adoptada em documentários, filmes de estudantes e filmes de pesquisa experimental. Segundo a Agência Nacional do Cinema (ANCINE) em sua Instrução Normativa 22, anexo I, a definição de Curta-Metragem é dada a filmes de até 15 minutos, Média-Metragem para filmes com tempo acima de 15 minutos e até 70 e Longa para filmes com mais de 70 minutos. Uma sugestão para as férias é ver os curta-metragens produzidos pelos alunos de Pedagogia Ibilce/Unesp (Turma 2008)  no Youtube, sob orientação do Prof. Dr. Humberto Perinelli Neto da disciplina Conteúdo e Metodologia do Ensino de História e Geografia:

Praça Rui Barbosa – São José do Rio Preto – SP – Brasil:

Sociabilidades Rurais: Produções Agropecuárias:

Logradouro Público: Rua Bernardino de Campos:

Estrada de Ferro Araraquarense:

Boas férias a tod@s! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Dia da Consciência Negra no Ibilce – Unesp – Rio Preto

On outubro 23, 2011, in Miscelan, by Fábio Fernandes Villela

“Irmão do Divino” – Fotógrafo: Toninho Cury

Caros alunos, bom dia!

No dia 20 de novembro de 1695 morria o líder do quilombo dos palmares, Zumbi. Atualmente, nesta data é celebrados o dia da Consciência Negra, para marcar a resistência do negro à escravidão, refletir sobre a inserção do negro na sociedade brasileira e destacar a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Por isso o no dia 17 de novembro, será realizado no Ibilce – Unesp – Rio Preto o Dia da Consciência Negra, com apresentações culturais e discussão sobre aspectos da saúde do negro. A proposta é valorizar a cultura que é a base da identidade brasileira. A programação segue abaixo. Até lá! Prof. Fábio Fernandes Villela.

Evento Destaca a História e a Cultura Afro (Ligya Aliberti).

Esta quinta-feira (17/11) será marcada, no Ibilce, pelo Dia da Consciência Negra. De manhã até a noite, serão realizadas diversas atividades que visam destacar a importância da cultura negra para a formação de nossa identidade.

O evento tem início às 10h, no saguão de entrada do prédio principal, com a mostra de painéis “Relação Brasil-França e o negro nas artes”. Às 14h, no Auditório A, será exibido o filme “Kiriku e a feiticeira”.

No início da noite, às 18h, haverá o lançamento do livro “Janela do universo” (HN Editora & Publieditorial), de autoria do servidor Ginaldo Vieira dos Santos, do Departamento de Engenharia de Alimentos. Em seguida, a professora do Departamento de Biologia Claudia Bonini, acompanhada por alunos de seu grupo de pesquisa, irão oferecer orientação sobre anemias na população negra.

Após essas atividades, as artes vão dominar o evento. Às 19h, há apresentação do Grupo de Maracatu “Pedra de Raio”, seguida de apresentação do coral do câmpus, com músicas afro, e do grupo de capoeira da Unati (Universidade Aberta à Terceira Idade). A professora de literatura Susanna Busato, acompanhada por instrumentos de percussão, recitará a poesia “Navio negreiro”, de Castro Alves. Os grupos de balé clássico e de dança de salão do Ibilce também farão apresentações, fechando a noite.

 De acordo com a vice-diretora do câmpus, Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira, a proposta do evento é demonstrar a importância da cultura negra e resgatar e valorizar a sua história. A entrada é franca.

Celebração nacional

Nacionalmente, o Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro (domingo), mas a Unesp fará a celebração no dia 17 (quinta-feira). A data nacional foi escolhida em referência à morte de Zumbi dos Palmares em 20 de novembro de 1695.