Catarse: Pedagogia, Letras e Biologia

On julho 27, 2020, in SocioEdu1, by Fábio Fernandes Villela

Diagrama representativo da metodologia da Pedagogia Histórico-Crítica (Saviani, 2012).

Prezados alun@s, bom dia! Tudo bem com vcs?

Esta é a área para postagem da Produção de Texto 2 (OTP). Relembrando… o aluno deverá produzir, ao longo do semestre, dois trabalhos escritos sobre o conteúdo programático da disciplina a serem postados no blog de aula, no início e no final do semestre (Prática Social Inicial do Conteúdo e a Catarse (Quesito de avaliação: Organização do Trabalho Pedagógico = OTP). Este texto final diz respeito a “Catarse” proposta pela didática na disciplina. Para Saviani, a educação é entendida como mediação no seio da prática social global. A prática social se põe, portanto, como o ponto de partida e o ponto de chegada da prática educativa. Daí decorre um método pedagógico que parte da prática social onde professor e aluno se encontram igualmente inseridos, ocupando, porém, posições distintas, condição para que travem uma relação fecunda na compreensão e encaminhamento da solução dos problemas postos pela prática social, cabendo aos momentos intermediários do método identificar as questões suscitadas pela prática social (problematização), dispor os instrumentos teóricos e práticos para a sua compreensão e solução (instrumentação) e viabilizar sua incorporação como elementos integrantes da própria vida dos alunos (catarse) (Glossário HISTDBR).

A Catarse diz respeito aos conteúdos incorporados e os processos de sua construção, ainda que de forma provisória, é chegado o momento em que o aluno é solicitado a mostrar o quanto se aproximou da solução dos problemas anteriormente levantados sobre o tema em questão em função das questões anteriormente enunciadas. Agora ele traduz por escrito a compreensão que teve de todo o processo de trabalho. É o momento em que o aluno estrutura, em nova forma, seu pensamento sobre as questões que conduziram à construção do conhecimento. Esta é a nova maneira de entender a prática social. É o momento em que o aluno evidencia se de fato incorporou ou não os conteúdos trabalhados. Este é o momento da avaliação que traduz o crescimento do aluno, que expressa como se apropriou do conteúdo, como resolveu as questões propostas, como reconstituiu seu processo de concepção da realidade social (Portal da Educação). Neste texto para a postagem, o aluno deve explicitar quais conteúdos trabalhados da disciplina incorporou e, também, a compreensão que teve de todo o processo de trabalho da disciplina. Bom trabalho a tod@s!

Referências e Leituras Complementares

Mario Mariano Ruiz Cardoso e Marcos Francisco Martins. A catarse na pedagogia histórico-crítica. Link: https://www.researchgate.net/publication/312660683_A_catarse_na_pedagogia_historico-critica

Newton Duarte: A catarse na didática da pedagogia histórico-crítica. Link: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/183749

Pedagogia Histórico-Crítica. Portal da Educação: https://siteantigo.portaleducacao.com.br/

Glossário “Navegando na História da Educação” do HISTDBR: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/glossario.html

Mateus Henrique Turini e Fábio Fernandes Villela. Fundamentos de uma análise histórico-crítica sobre os desafios do ensino médio para a década de 2020. Link: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/e-mosaicos/article/view/46461

Prática Social Inicial do Conteúdo: Pedagogia, Letras e Biologia

On março 17, 2020, in SocioEdu1, by Fábio Fernandes Villela

Image result for tartaruga indo em direção ao mar tamar

Caros discentes, boa tarde!

Um dos critérios de avaliação da disciplina é a produção de textos. Relembrando o Programa de Curso: o aluno deverá produzir, ao longo do ano, dois trabalhos escritos sobre o conteúdo da disciplina. No início da Unidade 1 e no final da Unidade 3, o aluno deverá produzir os textos sobre a Prática Social Inicial do Conteúdo e a Catarse (Cf. Gasparin, 2013). Conforme apresenta Oliveira e Franco (2014), a Pedagogia Histórico‐Crítica formulada por Saviani, foi didatizada por Gasparin (2013) e divide em cinco momentos o trabalho docente em sala de aula: prática social inicial, problematização, instrumentalização, catarse e prática social final. Dentre as cinco fases descritas a que merecerá nosso enfoque será a prática social inicial, pois se entende que nesta fase a percepção do professor e do aluno sobre o assunto e contribuem de forma significativa para o processo ensino‐aprendizagem. A prática social inicial indica o momento em que o professor apresenta o conteúdo que será trabalhado e seus objetivos aos alunos por meio do diálogo, e neste momento dialógico com os alunos investigará quais os conhecimentos que possuem sobre o assunto, assim como, quais as curiosidades deles sobre o mesmo. Este momento indicará ao professor tanto os saberes dos alunos como também desvelará as expectativas dos discentes. (Para uma leitura completa do artigo consultar: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/1074-0.pdf). A proposta é que o alun@ produza e poste no blog um texto de 3 parágrafos, em primeira pessoa, nos próximos 7 dias, dissertando sobre os conhecimentos que possuem sobre o História, Sociologia e Filosofia bem como, quais as curiosidades deles sobre a disciplina, possibilitando ao professor inferir os saberes dos alunos sobre esses conteúdos como também suas expectativas quanto a disciplina. Bom trabalho! Prof. Fábio Villela.

Sociologia da Educação 2: Produção Final de Texto (PT)

On dezembro 5, 2019, in SocioEdu2, by Fábio Fernandes Villela

Resultado de imagem para saviani"

Boa noite querid@s alun@s! Tudo bem?

Esta é á área para a postagem da produção de texto final (PT) da disciplina Sociologia da Educação 2. A Pedagogia Histórico-Crítica segundo Saviani (2006), é tributária da concepção dialética, especificamente na versão do materialismo histórico, tendo fortes afinidades, no que ser refere às suas bases psicológicas, com a psicologia histórico-cultural desenvolvida pela “Escola de Vigotski”. A educação é entendida como o ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens. Em outros termos, isso significa que a educação é entendida como mediação no seio da prática social global.

A prática social se põe, portanto, como o ponto de partida e o ponto de chegada da prática educativa. Daí decorre um método pedagógico que parte da prática social onde professor e aluno se encontram igualmente inseridos, ocupando, porém, posições distintas, condição para que travem uma relação fecunda na compreensão e encaminhamento da solução dos problemas postos pela prática social, cabendo aos momentos intermediários do método identificar as questões suscitadas pela prática social (problematização), dispor os instrumentos teóricos e práticos para a sua compreensão e solução (instrumentação) e viabilizar sua incorporação como elementos integrantes da própria vida dos alunos (catarse).

A catarse é o momento em que, uma vez incorporados os conteúdos e os processos de sua construção, ainda que de forma provisória, é chegado o momento em que o aluno é solicitado a mostrar o quanto se aproximou da solução dos problemas anteriormente levantados sobre o tema em questão em função das questões anteriormente enunciadas.

O aluno traduz oralmente ou pôr escrito a compreensão que teve de todo o processo de trabalho. Expressa sua nova maneira de ver a prática social. É capaz de entendê-la em um novo patamar, mais elevado, mais consistente e estruturado. É a síntese que o aluno efetua, marcando sua nova posição em relação ao conteúdo e à forma de sua construção no todo social. O aluno mostra que de uma síncrese inicial sobre a realidade social do conteúdo que foi trabalhado, chega agora a uma síntese, que é o momento em que ele estrutura, em nova forma, seu pensamento sobre as questões que conduziram à construção do conhecimento. Esta é a nova maneira de entender a prática social. É o momento em que o aluno evidencia se de fato incorporou ou não os conteúdos trabalhados.

Na catarse o aluno mostrará que a realidade que ele conhecia antes como “natural”, não é exatamente desta forma, mas é “histórica”, porque produzida pelos homens em determinado tempo e lugar, com intenções políticas implícitas ou explícitas. Este é o momento da avaliação que traduz o crescimento do aluno, que expressa como se apropriou do conteúdo, como resolveu as questões propostas, como reconstituiu seu processo de concepção da realidade social e, como, enfim, passou da síncrese à síntese. (Trechos retirados de diversas fontes).

Relembrando os conteúdos da disciplina Sociologia da Educação 2: A Educação em uma Perspectiva Sociológica; O Nascimento da Sociologia da Educação; A Educação como Elemento de Transformação da Realidade Social; A Educação como um Processo de Reprodução e/ou Transformação da Sociedade; Sociedade e Sociologia da Educação no Brasil e Escola e Sociologia da Educação, o aluno deverá nesta produção de texto final (PT), em no máximo dois parágrafos, traduzir por escrito a compreensão (catarse) que teve da disciplina Sociologia da Educação 2. Bom trabalho! Prof. Fábio Villela.

Bom dia car@s alun@s! Tudo bem?

Gostaria de convidar a tod@s para os eventos: III Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas sobre Educação no Campo e V Jornada de Educação Especial no Campo e XIII Jornada do HISTDBR, a ser realizado de 27 a 30 de outubro de 2015 na UFSCar.  Segue abaixo a programação. Grande abraço a tod@s, até lá, Prof. Fábio Fernandes Villela.

Programação

Dia 27 de outubro de 2015 (terça-feira)

Local: Teatro Florestan Fernandes (área norte)

17h: credenciamento

19h: abertura

Abertura: GEPEC – Histórico, pressupostos e objetivos do grupo

Prof. Dr. Luiz Bezerra Neto (UFSCar)

Profª Drª. Maria Cristina dos Santos Bezerra (UFSCar)

Profª Drª. Katia Regina Moreno Caiado (UFSCar – Sorocaba)

Prof. Dr. Marcos Cassin (USP – Ribeirão Preto)

Prof. Dr. Dermeval Saviani (UNICAMP)

Dia 28 de outubro de 2015 (quarta- feira):

Local: Teatro Florestan Fernandes (área norte)

9h: Educação no Campo: História, desafios e perspectivas atuais

Prof. Dr. José Luis Sanfelice (UNICAMP)

14-16h: Sessões de Comunicação

16:30h – 18:30h: Relatos de Experiências em Educação no Campo.

Dia 29 de outubro de 2015 (quinta- feira):

Local: Teatro Florestan Fernandes (área norte)

9h: Pedagogia Histórico-Crítica no Campo

Prof. Dr. Paulino José Orso (UNIOESTE)

Prof. Dr. Claudio Eduardo Felix dos Santos (UESB)

14-16h: Sessões de Comunicação

16:30h: Painel “V Jornada de Educação Especial no Campo”

Dia 30 de outubro de 2015 (sexta-feira):

Local: Teatro Florestan Fernandes (área norte)

9h: O Trabalho e Escola no Campo

Profª. Drª. Acácia Zeneida Kuenzer (UFPR)

12h: Encerramento

***

Local: UFSCar – Rod. Washington Luis, km 235 – São Carlos – SP – BR – CEP:13565-905 – Email: gepec@ufscar.br

Página do Evento: http://www.semgepec.ufscar.br/

Página Facebook do Evento: https://www.facebook.com/groups/718184044903675/

***

Entidade Promotora: Universidade Federal de São Carlos / Departamento de Educação -DED

Entidades Co-Participantes: Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto) e Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (Campus São José do Rio Preto)