Sociologia da Educação 1 – Prática Final do Conteúdo

On julho 18, 2017, in SocioEdu1, by Fábio Fernandes Villela

Resultado de imagem para bonecos max weber e durkheim feltro

Querid@s Alun@s, bom dia! Tudo bem?

Esta é a área para a produção do texto final da disciplina Sociologia da Educação I. Faça uma reflexão, a partir dos textos, debates e seminários realizados em sala de aula, sobre a superação do senso comum proporcionado pela disciplina, reconhecendo a especificidade do pensamento sociológico e identificando suas matrizes.

Bom trabalho! Prof. Fábio Fernandes Villela.

72 Comentários “Sociologia da Educação 1 – Prática Final do Conteúdo”

  1. Amanda Dornellas disse:

    Na ultima apresentação dos trabalhos, foi falado de vários temas, entre eles a importância da sociologia na pedagogia e foi abordado o que é a pedagogia em si, chegamos a conclusão que a pedagogia é a ciência que tem por base uma vasta área do conhecimento com o objetivo de passar\ensinar algo para alguém\sociedade em sala de aula ou não. Pensando fora do contexto da sociedade, a pedagogia é morta pois é inviável e incompreensível desvincular á arte de ensinar (dada pela pedagogia) e arte da razão, da realidade e da sociedade (dada pela sociologia). com esse pensamento, estudamos ao longo do semestre e pincelamos na aula sobre os três sociólogos mais influentes que são eles:
    Émile Durkheim é considerado o pai da sociologia, um de seus objetivos é apresentar a sociologia como ciência para ser estudada, comprovada, compreendida e melhorada para que possa superar o senso comum advindo do “achismo”. Comprovado pela afirmava de que “a única maneira de demonstrar que a sociologia é possível, é para mostrar que existe e vive.” .
    Karl Marx, outro sociólogo importante, ele seguiu a vertente do socialismo e diz que a sociedade evolui através da luta de classes (três campos: econômico, ideológico e político).
    E, para completar a trilogia sociológica mais influente, temos o Max Weber que se dedicou a estudar o capitalismo, o desencantamento do mundo, a religião entre outros. Os três estudiosos foram e são muito importantes para a vertente da sociologia como ciência, todos eles buscam de formas diferentes sair do senso comum através do mesmo meio: O CONHECIMENTO.
    Portanto, vemos que pedagogia e sociologia não pode e não deve ser desvinculadas pois é necessário que os alunos\pessoas conheçam todas as formas de pensamento, de estrutura social, de seguimentos políticos, entre outros, para depois de dominados os assuntos, poderem opinar e seguir uma vertente ou não.

  2. Débora Ferreira Gite disse:

    Nas aulas de Sociologia da Educação I nos foram apresentados os principais sociólogos e suas teorias,sendo eles: Émile Durkheim (1858-1917); Karl Marx (1818-1883) e Max Weber(1864-1920). Durkheim é o fundador da sociologia da educação, para ele a principal função do professor é formar cidadãos que contribuem para uma harmonia social. Para ambos os sociólogos a educação era o meio a revolucionar a estrutura da sociedade, porém está sendo usada de outras formas que segundo Marx seria parte de um controle usada pelas classes dominantes sobre o proletariado.
    A compreensão sobre esses assuntos se dá com a libertação do senso comum, para isso realmente acontecer é preciso que seja apresentado teorias que provem seu método e linha de pensamento. Mudando o modelo de educação, conteudista, que se instala atualmente. Foi exatamente isso o que essa disciplina nos proporcionou, nos mostrando a importância do estudo da sociedade que se liga diretamente com a educação e o ensino.

  3. Natássia Novaes Pereira disse:

    Tendo como ponto de partida os assuntos abordados na disciplina Sociologia da Educação I, é possível dizer que fomos a fundo à concepção de três sociólogos, os responsáveis por institucionalizar a Sociologia: Marx, Weber e Durkheim. Para Durkheim, a sociologia da educação serviria para os futuros professores para uma nova moral laica e racionalista, sem influência religiosa. Para Marx, possibilidade de haver a emancipação do ser humano é a integração entre ensino e trabalho: ensino politécnico é o nome, através do qual o individuo se desenvolverá através numa perspectiva abrangente. Weber expõe três tipos de pedagogia segundo a sua concepção: pedagogia carismática, que visa despertar as qualidades do indivíduo; a pedagogia tradicional o cultivo das qualidades morais e intelectuais; e a pedagogia burocrática a formação técnica.
    O pensamento sociológico foge do que é dito no senso comum: não é um pensamento do movimento de esquerda, é um pensamento para a liberdade do ser humano. Estudar as principais vertentes da sociologia faz-se necessário na sociedade, já que a disciplina é o estudo da mesma. A Sociologia da Educação nos leva a refletir sobre a mudança necessária nos moldes educacionais atuais, tanto no conteúdo quanto na visão de aluno, passando a enxerga-lo como cidadão e tendo o professor como figura central na formação do mesmo, tendo esse o papel de educador e cidadão fundidos para que encaminhe os alunos à liberdade, como defendia Florestan Fernandes. Diante dessa nova realidade, podemos concluir que a neutralidade não é algo aceitável na postura de educador, visto que, quando o educador se diz neutro, escolhe um lado e, segundo Florestan, o lado opressor.

  4. Rafaella Valêncio disse:

    Vimos em Sociologia da Educação 1 os três principais sociólogos Durkheim, Marx e Weber, e também suas teorias : Durkheim acreditava que o Todo condiciona as partes, comparava a sociedade como o corpo onde cada ser humano tem sua função, e o todo sempre predomina sobre as partes, já Weber acreditava que toda a realidade consiste em um processo de desenvolvimento e por fim Marx acredita que o trabalho é pressuposto em uma forma de humanização do homem, algo feito somente pelo ser humano e que a alienação que está submetido no trabalho moderno desumaniza o homem.
    Tanto para Durkheim como para Marx a educação era um meio de revolucionar a sociedade, porém como observamos, com a formação unilateral controlada pelas classes dominantes sobre o proletariado, a melhor forma de ensino de acordo com Marx seria a omnilateral, que mudaria o modelo de educação atual para uma mais crítica, eliminando a ideia do senso comum. A disciplina nos proporcionou maior conhecimento sobre a área da sociologia, nos libertando do que conhecíamos de acordo com o pensamento do senso comum e tendo uma outra visão sobre o assunto, mostrando a importância do estudo da sociedade que se liga diretamente com a educação e o ensino.

  5. Ana Júlia Avansi Mateus disse:

    Na disciplina Sociologia da Educação I, nos foram apresentados os principais sociólogos Marx, Durkheim e Weber, suas teorias e pensamentos. Na sociologia marxista, os estudos têm em vista o exame da totalidade diversificada do real, para Marx os estudos buscam as relações dialéticas entre o trabalho e produção. Para Durkheim, fundador da sociologia da educação, cada pessoa teria uma função na sociedade, e a função dos professores seria formar os cidadãos. Já para Weber, existem três tipos de pedagogia, a pedagogia carismática, a pedagogia tradicional e a pedagogia burocrática.
    Com o estudo da disciplina, nos distanciamos da ideia de senso comum da Sociologia. Ela nos proporcionou maior conhecimento sobre a área, nos dando uma outra visão sobre ela, refletindo sobre as mudanças necessárias para a escola atual, como defendido por Florestan Fernandes, encaminhando alunos à liberdade, mostrando a importância do estudo da sociedade, da educação e do ensino.

  6. Carla Taina Simioni Vieira disse:

    Os conteúdos apresentados em sala de aula tinham como tema, os principais sociólogos que deram início a Sociologia como um campo do saber científico, configurando-a como uma área de conhecimentos com métodos e objeto próprios e suas concepções, eram eles: Marx, Durkheim e Weber. Émile Durkheim é um marco no surgimento da Sociologia como ciência e como disciplina. Sua concepção de sociedade como um organismo composto por distintas instituições que se complementam e se interpenetram, cada uma desempenhando uma função. Explica que a educação ocupa lugar central como um fato social, que contribui para a “socialização metódica das novas gerações” e para integrar os indivíduos na sociedade em que estão inseridos, disseminando a consciência coletiva. Com Marx temos a teoria crítica fundamentada no materialismo histórico dialético, sua análise vê a sociedade capitalista sob a perspectiva do conflito resultante das contradições produzidas pela divisão da sociedade em classes sociais, definidas pela apropriação dos meios de produção, demarcando uma classe detentora dos meios de produção e da riqueza que advém do trabalho da classe trabalhadora. E ressalta a atuação da educação escolar na reprodução das relações sociais de produção e de dominação. E Weber com suas concepções, como: tendência à racionalização, burocratização e especialização do trabalho; relação direta entre cada tipo de dominação e pedagogia; educação burocrática para o treinamento dos indivíduos para operar as funções do Estado e de empresas; educação racionalizada – baseada na pedagogia do treinamento – como instrumento de ascensão social.
    Aprendemos que a educação pode servir como instrumento ideal da emancipação humana universal, a partir da qual a liberdade humana se torne genuína, isto é, na vida real e a partir da qual podem se desenvolver homens omnilaterais, e não mais homens unilateralizados pela divisão capitalista do trabalho. Com o entendimento dos conteúdos de sociologia discutidos em sala podemos nos libertar do senso comum, observando com clareza as necessárias mudanças no campo da educação, o olhar sobre aluno e professor, sobre os métodos de ensino e aprendizagem e a realidade da educação atual.

  7. Victória Carrazzone Gaetan disse:

    O estudo da Sociologia da Educação I possibilitou a superação do pensamento popular sobre essa ciência, mostrando que a Sociologia tem influências no meio social no qual vivemos e por isso deve ser considerada importante sua presença na sociedade. Inicialmente, foi tratado durante as aulas os fundadores da Sociologia, Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim. Nos três foram estudados os objetivos e aplicações que tinham com essa ciência, por exemplo, Marx estudava sobre o trabalho e suas relações, e acreditava na luta de classes, constituída pelos modos de produção, que condicionam a vida social, política e intelectual; Weber tentava compreender a sociedade, relacionando e interpretando o homem e suas ações; Durkheim preocupou-se em estudar a sociedade e sua influência sobre o homem, estudando, então, o fato social e sua influência da coerção social. Após o estudo aprofundado dos três, foram estudadas as Interações fundamentais da Sociologia da Educação, intensificando o estudo sobre fetichismo, reificação, alienação e estranhamento, assuntos que dizem respeito ao homem e seu trabalho. Para finalizar, estudamos também sobre os Processos de Socialização, onde aprendemos sobre a Formação Omnilateral, proposta por Marx e objetivada para romper com o homem limitado do capitalismo, dando-lhe capacidade ética, moral e intelectual. Foram realizados também trabalhos e seminários que deram uma nova visão à Sociologia, mostrando-nos que ela é uma ciência prática, presente nos diversos campos da nossa sociedade, como educação, trabalho, política, economia, entre outros…
    A partir desses estudos, que mostraram o início da Sociologia, seus objetivos e aplicações que permeiam até hoje, nota-se que essa ciência deve estar bastante presente em nossa sociedade e também no âmbito educacional, que diz respeito a nossa profissão. Isso quer dizer que nós, futuros professores, teremos a capacidade de agir na vida de nossos alunos, possibilitando-nos encaminhar e orientar seus pensamentos, para que eles tornem-se cidadãos pensantes e críticos, preparados para transformar nosso meio social.

  8. Emmanuela Amaral de Souza disse:

    Neste primeiro módulo de Sociologia da Educação I, pudemos conhecer as bases da sociologia com os seus principais sociólogos como Durkheim, Weber e Marx, cada qual com seu ponto de vista e partindo de diferentes vivencias e experiencias expõe seus métodos de estudar o homem e a sociedade. Durkheim partindo de uma corrente positivista, afirma que a sociologia vem para manter a ordem na sociedade, regularizar a vida social. Weber parte do pressuposto de que a sociologia viria para compreender os fatos da sociedade e não explica-los, criar compreensões, sem o poder de interferência nas relações sociais. Marx com seu olhar crítico sobre as relações sociais, afirma que seguimos regras ditadas por esta sociedade, estuda o trabalho humano e propõe uma teoria subversiva sobre a sociedade, a fim de unir trabalhadores para uma revolução social, em busca de uma sociedade igualitária.
    Vimos como a educação está totalmente entrelaçada com a sociedade, crer que educamos como queremos é uma ilusão, a educação é braço do governo e dita regras para moldar a sociedade conforme o sistema vigente. Com estes estudos vamos contra os “achismos” formalmente chamados de senso comum, pois a sociologia como conhecimento e estudo cientifico da sociedade é antagônica à este senso. Nos libertando assim de crenças empoeiradas e opiniões cristalizadas, para uma real observação da sociedade tal como ela é, com o objetivo de estudar a escola como instituição e organização social e sua relação com a sociedade em que está inserida. A sociologia como prática docente vem trazer uma compreensão crítica da realidade social, política, econômica e cultural, e a educação entendida como uma prática social que busca formar indivíduos, deve valorizar a todos, com suas singularidades, comportamentos e personalidades.

  9. Bruna Villanova Heguedusch Lavia disse:

    Na disciplina Sociologia da Educação 1 discutimos sobre os principais sociólogos, suas teorias, como mudaram e revolucionaram a sociedade. Dentre os três principais sociólogos havia Marx, as suas teorias sobre a economia, a sociedade e a política, ficaram conhecidas popularmente como marxismo, e afirmavam que só através da luta de classes era possível que a sociedade humana progredisse, ou seja, o proletariado era quem fornecia a mão de obra para que se produzisse e a classe burguesa controlava a produção. Outro sociólogo importante para a história foi Émile Durkheim, conhecido como o Pai da Sociologia, sua principal preocupação sempre foi com a criação de regras e demais estruturas para o método sociológico, com o intuito de fazer com que a ciência finalmente desenvolvesse o seu teor científico, como é o caso de outras ciências: biologia, história, química e matemática são alguns exemplos. Para ambos os sociólogos a educação era de extrema importância e ajudaria a revolucionar a sociedade. Por fim, temos Max Weber, seu objeto de estudo eram as ações sociais dos indivíduos, que eram motivadas pelas causas racionais, afetivas ou tradicionais. Essas ações sociais resultariam na relação social, caracterizada pela reciprocidade de ações, ou seja, quando as ações sociais se tornam recíprocas, nasce então a relação social.
    Esta disciplina (Sociologia da Educação 1), nos auxiliou a afastarmos do senso comum, pois ser neutro não é uma postura de educador, além disso nos mostrou que a Sociologia tem um papel importante e diretamente relacionado com a educação e o ensino.

  10. Délys Louise disse:

    Partindo dos textos, aulas expositivas, discussões em sala de aula e seminário apresentados na disciplina de Sociologia da Educação I neste primeiro semestre, pudemos refletir sobre a ação da sociedade dentro da educação, principalmente no espaço escolar, analisando a atuação dos professores e o posicionamento do aluno em meio a todo esse emaranhado de informações e obrigações que tornam a educação escolar em muitos momentos, como reprodutora de alienação, e não produtora de consciência como se faz necessário.
    Foram tomados como base para essa profunda, mas ainda superficial analise, os três pensadores: Weber, Durkheim e Marx. Sociólogos que em algum momento analisaram os processos sociais na educação. Para Weber, a educação é o modo pelo qual os indivíduos são preparados para exercer suas funções que a racionalização lhes dispõe; Durkheim, coloca a educação como um fato social central responsável pela formação física e mental indispensáveis do indivíduo a partir de sua socialização metódica, no qual é desenvolvida sua consciência coletiva; Karl Marx, foi uma grande influência para o pensamento crítico sobre a educação, ressaltando sua contribuição para a reprodução das relações sociais de produção, e por isso, ela não deve ser alienada, nem aparelho ideológico do estado na reprodução das relações de exploração. Ou seja, a escola se encontra como principal portadora do desenvolvimento do indivíduo social . Portanto, ter uma breve noção de cada uma dessas teorias, correntes e métodos, dá suporte para o processo de saída da alienação, colaborando para a formação de futuros profissionais da educação que sejam conscientes e não se tornem reprodutores de ideologias, mas que possam dar oportunidades aos alunos de desenvolverem a formação da consciência através da escola nas relações sociais.

  11. Nathaly Martinez disse:

    Através dos textos e debates em sala, podemos perceber que a sociologia é uma ciência que não possui apenas uma base teórico-metodológica, pois ela dispõe de diversos caminhos e orientações para explicar a realidade social. Assim, pode-se observar que a sociologia abrange ao menos três linhas explicativas, fundadas pelos seus autores clássicos, das quais podem se citar: Émile Durkheim e o pensamento positivista, Karl Marx e o materialismo histórico e dialético e Max Weber com a sociologia compreensiva.
    A partir dos estudos e apresentada as principais matrizes da sociologia, conseguimos perceber a ligação que ela possui com a superação do senso comum. De fato, o senso comum é importante devido ao conhecimento adquirido a partir da experiência humana, pois é um saber que busca orientar o homem no dia a dia. Porém, a partir do século XVII, com o desenvolvimento da ciência moderna e da filosofia racionalista, o senso comum passou, de forma geral, a ser identificado como falta de rigor metodológico e a ser rivalizado com o senso crítico. Ou seja, o termo ganhou uma conotação negativa.
    Todo exercício da ciência parte de algum conhecimento do senso comum, e cabe ao meio científico a responsabilidade de ultrapassar os limites do saber. A ciência busca, por meio de sua ênfase na pesquisa, o debate e crítica de opiniões para afastar-se do senso comum, porém, sem nunca o perder de vista. Dessa forma, o que diferencia o senso comum da ciência é basicamente o rigor.
    A sociologia não busca julgar o senso comum como sendo uma forma totalmente errada de enxergar os fenômenos sociais, e sim uma forma limitada, de modo que não é possível compreender suficientemente as relações humanas desta forma. Portanto, o pensamento sociológico ajuda a combater o pensamento conformista.
    Pode-se citar como exemplo do senso comum, o suicídio .O senso comum diz que o suicídio é um ato individual, impulsivo e egoísta. Porém, Emile Durkheim afirma que o suicídio não é uma atitude isolada de um indivíduo, e sim uma consequência situacional da sociedade que o cerca, ou seja, as causas do suicídio são sempre sociais. (teórica que vai contra o senso comum).

  12. Isabel Zambon disse:

    Na disciplina da sociologia da educação I estudamos os fundadores da sociologia, entre eles Max Weber, que acreditava que a sociologia oferecia modos de pensar, em seus trabalhos buscava entender as mudanças sociais e elaborou o conceito de ”ação social” que direcionou suas investigações. Vimos também Émile Durkheim, um sociólogo positivista que determinou o ”fato social” como foco principal de seus pensamentos. Enfim conhecemos Karl Marx, este foi um cientista social e economista que pensou os conceitos de mais valia e o fetiche da mercadoria. Ele criticava o capitalismo buscando novas formas de produção e distribuição econômica que libertasse os homens da alienação, e acabasse com a desigualdade social.
    Estudar a sociologia nos oferece um saber crítico nos afastando do senso comum e oferecendo uma melhor compreensão dos problemas sociais, para assim, poder buscar uma transformação na sociedade, na educação e na economia.

  13. Lara Lais Libralão de Oliveira disse:

    Considerando todo o semestre da disciplina de sociologia da educação I, pude obter grande evolução no pensar. Ao analisar as teorias de Marx, Weber e Durkheim, essa disciplina expos a importância da sociologia na educação e na sociedade na busca de atingir ominilateralidade, ou seja, a libertação da alienação, mesmo em uma sociedade predominantemente alienada, em busca do pleno conhecimento. Durkheim aponta a educação como método apropriado para formar uma nova socialização, assim como os filósofos eram, na visão de Platão, os mestres, responsáveis por levar o individuo ao caminho para atingir a razão e assim alcançar o mundo inteligível através da filosofia, esse era o papel do professor perante a sociedade segundo Durkheim. Marx, por sua vez, aponta a educação como ferramenta capaz de trazer a emancipação racional do indivíduo, o que seria se retirar do estado natural de alienação, ou seja, através da educação o individuo seria capaz de formular suas próprias ideias e conceitos a partir da sua análise de fatos racionais, assim, não apenas reproduziria conceitos já prontos, mas também seria capaz de contestar sua veracidade e trabalhar cada vez mais na busca da verdade. Já Weber estuda as relações sociais, apontando a influência da educação na sociedade assim como o oposto ocorre.
    A partir dessas três teorias e em complemento disso, os seminários e os fóruns de debate, essa disciplina proporcionou uma nova visão da sociologia para a construção de uma educação voltada à construção do conhecimento pleno do ser humano. A educação é a ferramenta essencial para a transformação dos indivíduos que, por consequência, transformariam a sociedade. A busca do conhecimento pleno é incessante e parte prioritariamente dos educadores a função de ampliar esse conhecimento para obter a liberdade de pensamento. Essa disciplina me ajudou a compreender a importância do papel do educador em afastar o senso comum para o conhecimento racional ser alcançado.

  14. Lívia Maria de Souza Soares disse:

    Através da disciplina de Sociologia da Educação I, pude perceber a importância da criticidade na formação do educador. Somente abrindo os olhos e analisando as realidades em vários ângulos, as interações fundamentais que se dão, as correntes dos sociólogos fundadores (como Durkheim, Marx e Weber) e o tipo de formação (unilateral ou omnilateral) é que podemos sair da alienação cotidiana.
    Para mim foi desmistificado o fato de que Sociologia era inútil, pois cresci muito ao entender a sua importância e o trabalho que ela realiza. Com isso, percebi a necessidade de se ter a disciplina na grade curricular, assim como a necessidade de expandir a sociologia no ensino obrigatório, para formar indivíduos críticos e que se importam com a sociedade.

  15. Paula Restivo Gardini disse:

    Dentre os conteúdos vistos em Sociologia I, muito foi falado sobre os três clássicos sociólogos, Marx, Durkheim e Weber, e suas convergências e divergências de pensamentos e formas de análise da sociedade. Nestas diferentes teorias, temos a possibilidade de encontrar variadas compreensões e identificarmos, tanto dentro de uma mesma ideia, quanto entre todas, o que concordamos ou não. Marx é uma das grandes referências políticas de sua posição, inclusive e principalmente nos tempos atuais; sua forte e marcada crítica ao capitalismo, deve-se ao fato desta teoria dividir a sociedade em classes e invalidar o conceito de sociedade democrática. Weber, por sua vez, defende que a sociologia deve ser estudada através de “fatos sociais”, caracterizados por coerção social, exterioridade e poder de generalização; diverge com a ideia de Marx sobre a funcionalidade e organização da sociedade, dever unicamente da dominação de uma classe sobre outra, e sim, acredita que a sociedade é como um organismo em funcionamento, onde partes externas se completam. E ainda o mais recente, Weber, que pôde ter acesso ás ideias dos outros dois expoentes, e com isso, estabelecer o seu próprio pensamento para além dos já analisados. Sua sociologia é apelidada de “compreensiva”, devida sua visão de que a sociedade não funciona de forma tão simples e regrada, e deve ser observada á fim de compreender fenômenos da vida em sociedade e aprender a melhor forma de sistematiza-los.
    Entendemos sobre tudo, a importância de eliminar o senso comum de antigos termos que, com facilidade e riqueza de “achismos”, explicaríamos o que entendiamos sobre. Ironicamente a sociedade desvaloriza a importância do estudo e compreensão da sociologia, o que culmina justamente com a dificuldade de se estabelecer novas ordens e o desenvolvimento de uma sociedade realmente a par de seus desdobramentos políticos e sociais. Assim, torna-se cada vez mais fácil e irreversível, a dominação e agravamento do capitalismo sobre a vida moderna.

  16. Raquel Santos de Santana disse:

    Durante o semestre muitos temas foram abordados em sala de aula,temas como Pedagogia Histórico Crítica, Estado da Sociologia na Arte, onde estudamos como a sociologia é expressa em nosso cotidiano e sua importância para a sociedade buscando sempre refletir as causam sociais que levam o indivíduo a determinadas ações,reflexões sobre a problemática da educação e do sistema educacional como um todo.
    Vimos também que a sociologia deu início na década de 60 com os primeiros estudos sociológicos, tal disciplina tem como fundadores Émille Durkheim, Max Weber e Karl Marx, como já mencionado em sala de aula estes três pensadores foram fundamentais para a o sociologia tendo em vista que Durkheim foi quem deu início,é o criador da sociologia da educação partindo de uma corrente positivista,ele vê educação como um processo de socialização que molda os seres sociais e considera a escola como instituição social responsável pela educação do indivíduo.Max Weber parte do princípio da sociologia compreensiva onde devemos compreender a ação social que é ação realizada por um indivíduo m uma sociedade,buscando entender o sentido e o valor atribuído a cada ação.Karl Marx refletia sobre o homem e o trabalho,analisando o capitalismo Marx dizia que o modo de produção condiciona o processo de vida social.Por fim a libertação do senso comum através da sociologia nos mostra que nada que nos é apresentado como conteúdo escolar é por acaso,muitas vezes acreditamos que a educação é sinônimo de liberdade cultural,moral,política,ética o que não deixa de ser verdade,porém sabemos que a educação possui uma intencionalidade que é produzida histórica e coletivamente para interesses a fins seja ele político,econômico,social,cultural etc.

  17. A disciplina de Sociologia da Educação I proporcionou a superação do senso comum, para mim, principalmente, no sentido de entender melhor os processos, a dinâmica e o sistema. Antes da disciplina eu tendia a naturalizar demais as relações de trabalho, de classe, o mercado e a dinâmica social ao qual estamos inseridos. Mesmo sem refletir sobre essas questões, não as questionava, era como se fossem fenômenos naturais, alheios aos interesses, ideologias e intencionalidades. Antes deste semestre, até então, eu nunca havia refletido estes fenômenos sociais e quando os pensava – de forma extremamente rasa – tinha uma tendência ingênua e muito pouco critica.
    A partir das leituras, discussões, seminários e aulas expositivas, me debrucei sobre temas que, até então, não foram feitas as devidas conexões em minha formação escolar. Refleti sobre a Revolução Industrial, pensando nela, mais do que a mecanização e a grande produção de mercadorias, mas na mudança que ela proporcionou a sociedade e ao trabalhador; refleti sobre a Revolução Francesa, mais do que uma revolução do povo contra a nobreza pela liberdade, igualdade e fraternidade, mas como uma revolução burguesa que tomou o poder da nobreza e levou a burguesia – exclusivamente – e gerir e dominar o sistema (e de forma muito mais articulada e organizada que a nobreza); conheci grandes pensadores como Marx, Durkheim e Weber e suas teorias sociológicas; conheci as interações sociais de Marx e entendi melhor a alienação, tão citada mas pouco compreendida, a reificação (ou coisificação), o fetichismo (conceito bem complexo) e o estranhamento (muito semelhante à alienação) e, por último, nos envolvemos nos processos de socialização, na formação unilateral e omnilateral e como isso pode se refletir na educação.
    A disciplina mais do que proporcionar a superação do senso comum, fomentou uma grande desconstrução/construção além de possibilitar associação dos conceitos trabalhados de forma conexa, não mais isolados.

  18. Vitória Helena Corrêa da Silva disse:

    Mediante as aulas de Sociologia da Educação I, podemos perceber o quão importante é discutir sobre a sociedade, procurando causas e saindo do senso comum, por meio de conclusões com base em métodos. A educação foi algo que teve destaque também, sendo a ferramenta capaz de transmitir a humanidade ás pessoas. Para compreender tantos fatos, três grandes estudiosos foram vistos. Com Marx vimos a totalidade formada por dois mundos, o material e o humano, buscando uma relação dialética entre o trabalho humano e sua produção, sendo que sua teoria analisa a dimensão politica da sociedade, ele trás uma proposta político-pedagógica, onde a educação é o fator que pode transformar a sociedade.
    Por outro lado, Durkheim sistematiza o assunto dizendo que a educação esta em função da sociedade e as crianças precisam de uma influencia de pessoas mais velhas. Já Weber, diz a respeito do coletivo como os homens estão relacionados e como o que eles devem fazer é imposto sobre cada um. Á vista disso, podemos entender como tudo está previamente “decidido” criando a capacidade de investigar e se aprofundar nas ideias e de que como podemos influenciar as crianças a pensar e pesquisar, não deixando simplesmente, se contentar, com o que a maioria já acredita.

  19. Leonardo Silva disse:

    Através dos conteúdos abordados ao longo da disciplina Sociologia da Educação, tais como o pensamento sociológico clássico e uma pedagogia não tradicional, fomos capazes de observar que o trabalho docente tornou-se alienado, por conta dos interesses do sistema socioeconômico no qual estamos inseridos, e, posteriormente a essa observação, desnaturalizamos e estranhamos diversos fenômenos sociais e educacionais. Esses processos de desnaturalização e de estranhamento a esses fenômenos são imprescindíveis à nossa formação e ao desenvolvimento das nossas atividades enquanto pedagogos e, acima de tudo, à nossa existência enquanto seres humanos críticos que esperamos ser.
    Dentre os três sociólogos que estudamos ao decorrer das aulas, destaco Karl Marx, que versa principalmente sobre as mazelas do capitalismo e relação de rivalidade entre as duas classes sociais impostas por esse modelo socioeconômico. Essa análise da sociedade capitalista nos permitiu entender que a escola torna-se também capitalista, pois não está alheia à sociedade e a tudo que ocorre em torno dela, logo, ela passa também a tentar atender às demandas do mercado, fazendo com que tanto o corpo docente quanto o discente tornem-se alienados ao desenvolver seus papéis dentro dessa instituição que se propõe a formar um cidadão autônomo. Adquirirmos também uma certa bagagem para problematizar a pedagogia tradicional e a escola capitalista, quando estudamos a Pedagogia Histórico-Crírica, do pedagogo brasileiro Dermeval Saviani, que propõe um outro olhar à educação brasileira.

  20. Jaqueline Garcia Alves disse:

    No primeiro módulo de Sociologia da Educação I, fora observado as principais necessidades da sociologia como estudo e desenvolvimento em nosso meio social durante toda a história ,fora feito também os estudos sobre os principais sociólogos que determinam o desenvolvimento da sociologia , são eles: Émile Durkheim, sociólogo positivista que determinou os “fatos sociais” , com seu principal trabalho sendo a reflexão e no reconhecimento da existência de uma “consciência coletiva”, que levaria ao desenvolvimento de seu pensamento; tendo também Max Weber que tinha em sua sociologia uma corrente historicista que visava a interpretação da ação social para a conduta humana , levando em conta toda a parte social e histórica como resposta para a formação do indivíduo, que era conhecida como “Sociologia Compreensiva” ; já Karl Marx lança o livro ” O capital” , onde analisa o fetichismo da mercadoria e faz críticas ao capitalismo como um de seus maiores estudos, resposta a todas as mudanças ocorridas que levam o ser analisadas por ele , nos mostrando o como o indivíduo se torna alienado em relação ao trabalho.
    O estudo nos mostra que com o decorrer da história houvesse uma super valorização do capital e que com isso os governantes tenderam a mudar a educação para algo que os ensinavam a ser seres pensantes e que teria um auto conhecimento sobre diversos diretrizes do saber , para um ser alienado e que só estaria voltado a uma educação reprodutivista (que formara o aluno a reproduzir o que é pedido, produzindo-o uma auto alienação), desta forma vemos que a educação é voltada para centralizar e influenciar o capital econômico , através de um ensino conteudista , sendo assim é necessário o aprender da sociologia e o seu ensinar , para assim formarmos cidadão conscientes , fugindo assim da alienação.

  21. Pietra Magela Silva Sinhorini disse:

    A disciplina de Sociologia da Educação I, teve como foco a apresentação dos principais pensadores clássicos da sociologia: Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber. Para Marx , a educação deveria ter o papel de livrar o futuro trabalhador da alienação do Capitalismo e de auxiliar no fim da luta de classes. Durkheim acreditava que se a educação fosse eficiente isso refletiria na sociedade a qual o homem estava inserido. Para Weber para compreensão da sociedade seria necessário entender as ações sociais ,que são ações orientadas por outros indivíduos.
    Todo conteúdo da disciplina contribuiu para a minha formação acadêmica e também para livrar da ideia de “Para que eu estudar sociologia no curso de Pedagogia ? “, ao fim da disciplina pude compreender que a Educação é uma prática social ,que auxilia na formação tanto acadêmica como pessoal do indivíduo.E também que o estudo da sociologia da educação contribui para entender os processos de socialização que se desenvolvem no meio da educacional

  22. Renan Costa Borges Curti Maio disse:

    Bom, nesse primeiro semestre vimos o surgimento da sociologia, o surgimento da sociologia da educação, e seus principais fundadores, Durkheim, Marx e Weber. Através dos conhecimentos tratados em aula, os debates e seminários pudemos constatar a importância da disciplina na formação do curso e na formação humana de cada um de nós.
    As teorias sociológicas de cada fundador também me trouxe uma melhor compreensão de nossa realidade humana e educacional. Pude entender que todo nosso sistema (econômico, cívil e educacional) é funcionalista e ligado as relações de trabalho impostas pelo capitalismo desde a revolução industrial. Isso rompeu com qualquer censo comum que eu tinha, e me trouxe uma visão muito mais crítica e clara do nosso mundo.

  23. Damiana Alves Oliva da Cunha disse:

    A partir das leituras, discussões e seminários feitos em aula, tendo visto os clássicos Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim, fundadores da sociologia, tivemos a oportunidade de questionar e rever muitas de nossas antigas crenças baseadas no senso comum. O estudo da sociologia é importante principalmente para aprender a questionar e relacionar o que acontece agora e o que aconteceu no passado.
    Para Durkheim a educação é um meio para alcançar a socialização do homem e para a cidadania. Para Marx a educação também era um meio de condicionar os mais jovens desde cedo a aceitar e acreditar na necessidade de submeter-se a certas condições de trabalho. Por fim, para Weber a sociologia servia para levar à compreensão do que acontece na sociedade em consequência das ações individuais. Esses são alguns dos pontos mais interessantes abordados por esses autores.

  24. Gabriela Freitas Silva disse:

    Nesse primeiro semestre nos foi introuzida a matéria de Sociologia da Educação I com base nas teorias dos três sociólogo clássicos – Marx, Durkheim e Weber. Estas teorias nos proporcionaram uma reflexão crítica sobre as teorias pedagógicas e o funcionamento da Educação como Aparelho Ideológico do Estado.
    Dessa forma, o estudo sociológico sobre educação e sociedade nos foi fundamental para a aquisição de uma consciência de classe, na qual nos foi compreendido entender as mazelas, não só educacionais, mas das nossas relações sociais como um todo, por meio da relação entre as Super-estruturas e Infra-estruturas da sociedade.

  25. Victtoria Colares disse:

    A Sociologia é ciência indispensável para se pensar a Educação. Ao iniciarmos o contato com os pensadores e suas teorias é perceptível a importância de se compreender a sociedade para podermos transformá-la. E esse processo de transformação e compreensão de quem somos como grupo, passa pela Educação.
    A partir das teorias dos três pilares do pensamento sociológico Durkheim, Weber e Marx foram propostas diversas metodologias para a Educação, algumas vindas dos próprios; como Durkheim, autor da teoria do Fato Social e da socialização, que entendia o processo de ensino como uma socialização das antigas para as novas gerações que, em sua concepção, não tinham maturidade para a vida em sociedade; ou como Weber e Marx que não produziram de próprio punho teorias educacionais, mas tiveram seus estudos levados até esse patamar. De Weber, teórico da racionalização que diz que o mundo não é mais metafisico e sim desencantado, pode-se extrair a visão do educador que respeite a autonomia e liberdade de escolha de seus alunos e não tenha pretensão de se colocar como meio de transformação da história ou da cultura, mas se ater a educar dentro de valores que considere essenciais. Já em Marx, pensador da sociedade de classes, responsável por apresentar o conceito de divisão do trabalho e problematizar tais relações, surgiram linhas de pensamento educacional que buscassem retirar o professor da condição de trabalhador alienado, colocando-o junto da escola – e diferente do que pensava Weber – na condição de guia para a transformação da sociedade burguesa em uma sociedade comunista, solidária e sem hierarquização de classes sociais que geram desigualdade entre os homens. Do pensamento marxista podemos citar a Pedagogia Histórico-Critica, metodologia que se baseia no materialismo histórico para pautar sua didática e que pudemos vivenciar como método da disciplina de Sociologia da Educação, inicio da nossa caminhada para a compreensão do mundo e da profissão fora do senso comum e das práticas educacionais impensadas.

  26. Ana Paula Angelon Delmonico disse:

    A partir do estudo da disciplina Sociologia da Educação é possível romper com o pensamento do senso comum e iniciar uma nova relação com as questões pertinentes aos problemas sociais que atingem tanto a sociedade em si e consequentemente chegam ao ambiente escolar e a educação, sendo assim de total interesse dos futuros educadores e dos que já se encontram no exercício da profissão.
    Ao estudar os pensadores que foram a base teórica da sociologia: Marx, Weber e Durkhein, podemos refletir e entender melhor as causas e soluções para estes problemas. Particularmente, acredito que Marx quando sugere a ideia do homem vitruviano ou ominilateral, mostra-nos que a educação reflete a sociedade em que estamos inseridos, no caso da sociedade capitalista ocidental, essa educação oferecida aos indivíduos não atende a totalidade das necessidades dos homens, formando-os portanto como homens unilaterais, com sua formação apenas voltada para um foco: a produção. Assim como o trabalho capitalista, a educação torna o homem alienado.

  27. Beatriz de B. Zamonel disse:

    Durante a disciplina vimos o que é Sociologia, como ela surgiu e os três principais sociólogos e suas concepções de sociedade e educação, são eles: Durkheim(1858 – 1917) era positivista e para ele a sociedade é um “corpo vivo” e cada parte cumpre uma função; Marx(1818 – 1883) acreditava ser essencial uma educação que proporcionasse várias formações, possibilitando a emancipação do homem do capitalismo; Weber(1864 – 1920)se preocupa com a integridade intelectual, o professor deve distinguir o homem ético e o homem da ciência.
    Nos textos, debates e seminários, foi trazido para a sala de aula desde o surgimento da Sociologia até seus temas atuais, à partir disso percebe-se como a Sociologia da Educação abre portas para questões ainda não comentadas anteriormente e até mesmo questões não levantadas. Com esse questionamento, vai-se deixando para trás o senso comum e inicia-se um pensamento crítico.

  28. Isabelli Brassali Jorge disse:

    Para a formação de um professor é essencial analisar as obras clássicas da sociologia como Durkheim, Marx e Weber. Por conseguinte, o professor que entendê-la pode usá-la para elevar a capacidade de raciocínio de pensar do aluno além de relaciona-las sociologicamente, assim superando o senso comum de que tudo é natural, visto que as causas não são pessoais, mas sim sociológicas, ou seja, a sociologia é uma ferramenta para relacionar o seu cotidiano de acordo com, uma analise cientifica, deste modo, segundo Marx, as ciências sociais nos ajudam a entender os fatos que nos rodeiam.
    Sendo assim, Durkheim desvendava as relações entre os indivíduos e a sociedade criando sua metodologia funcionalista, que olha para a sociedade como um corpo vivo, então cada instituição tem uma função para o funcionamento da sociedade. Marx discorre sobre a alienação, reificação, fetichismo e estranhamento, portanto é um olhar critico com as relações sociais. Weber, ve a sociologia como sendo compreensiva, ele sugere que a sociologia viria para compreender os fatos sociais e não explica-los.

  29. Carla Braga dos Santos disse:

    Como futura professora, acredito que a disciplina de sociologia tenha sido indispensável para minha formação. A partir dela, pudemos sair do senso comum e analisar o atual comportamento da sociedade e no que isso reflete.
    O que mais me marcou, durante o curso, foi o despertar diante da alienação do trabalho na qual estamos inseridos e que não nos damos conta, pois, como Marx afirma, é inaceitável qualquer formação a partir do modo de produção capitalista e a solução para isso seria a união de ensino e trabalho, o que afeta diretamente na postura de um professor que permeia seu trabalho na reflexão e crescimento moral de seus alunos.

  30. Giovanna Bertelli B Reis disse:

    Ao longo do semestre discutimos sobre três grandes sociólogos Marx, Durkheim e Weber, fundadores da sociologia. Buscamos suas teorias e filosofias da sociologia da educação para que tivéssemos base para sair do Senso Comum. Para Marx a educação e o trabalho caminhariam juntos, para que o cidadão pudesse ser formado de uma forma ampla, sem diferenças. Weber apresenta três pedagogias: a tradicional que conserva qualidades morais e intelectuais, burocrática e a carismática onde busca-se as qualidades do cidadão. A concepção de sociologia da educação de Durkheim é que essa sociologia servira para que as escolas e seus professores tivesse uma educação moral laica, separando a religião dos ambientes escolares.
    O estudo da sociologia vem sendo desvalorizado, disciplina essa que faz com que os indivíduos saiam do senso comum, e tenham um pensamento critico e reflexivo. E é papel do professor orientar seus alunos para que não sejam pessoas alienadas com o pensamento imposto pela sociedade em que vivem.

  31. Rodrigo Loreto de Souza disse:

    As aulas de sociologia estudadas durante o semestre letivo proporcionaram aos alunos a superação do senso comum sobre a sociologia e melhoraram a criticidade sobre os temas sociais, principalmente relativos a educação. Assim, conhecemos as principais ideias de grandes sociólogos como Émile Durkheim, Karl Marx e Max Weber. De acordo com Durkheim, o indivíduo segue as leis impostas pela sociedade e ela, por sua vez,organiza-se de forma coletiva, condicionando e controlando as ações individuais. Karl Marx, critica fortemente a sociedade burguesa e o modo de produção capitalista, além de debater a luta de classes entre proletários e burgueses, também explica a alienação do trabalho capitalista. A concepção sociológica de Max Weber centra-se no entendimento da realidade social por meio da compreensão das ações dos indivíduos, portanto, seu objeto de investigação é a ação social, ou seja, a conduta humana.
    Finalmente, além de estudarmos esses sociólogos clássicos, tivemos a oportunidade de debater nas aulas, diversos temas pertinentes com a área sociológica. Assim, por meio de apresentações e seminários, dos quais o etnocentrismo, os direitos sociais dos índios, o racismo, as lutas dos professores pelos seus direitos trabalhistas, dentre outros temas, contribuíram para nossa formação crítica como educadores.

  32. Thiago Augusto Cardoso Lázaro disse:

    É importante lembrar que a Pedagogia é um curso multidisciplinar, ou seja são abordadas diversas disciplinas e cada uma delas tem sua função importante e bem definida. A educação não é trabalhada de forma isolada da sociedade, diferentes estudantes apresentam diferentes realidades e é importante conhece-las para se desenvolver o senso crítico, e não apenas reproduzir aquilo que nos é passado.
    De forma geral, no primeiro momento o passo mais importante foi o de superar o senso comum a respeito da sociologia e passar a conhecer os seus fundadores dando destaque a Durkheim e a Marx, que foram os que mais se dedicaram ao estudo da sociologia da educação, a fim de compreenderem as diferentes realidades sociais.
    Outros fatores que contribuíram em muito com a formação foram as trocas de experiências proporcionadas pelos debates e apresentações de seminários, abordando diversas situações e realidades diferentes em várias vezes relatadas pelos próprios colegas sendo de vários temas como as lutas por direitos de diferentes grupos sociais.

  33. Poliana Ap. Lopes Piatezzi disse:

    Durante o semestre, estudamos os três fundadores da sociologia, Weber, Marx e Durkheim. Para Weber, a sociologia oferece modo de pensar, através dela, é possível encontrar causas de um problema e respostas para o mesmo. Já a teoria Marxista, é voltada para entender o funcionamento da sociedade capitalista, para ele, o homem é a causa de tudo, e seu modo de pensar, é referente ao modelo de sociedade em que ele está inserido, para isso mudar, seria necessário mudar a maneira de pensar, para assim, mudar a sociedade. Por fim, para Durkheim, as estruturas sociais condicionavam nossas ações, e nossa luta é se livrar desse condicionamento.
    Com base nos estudos durante o primeiro semestre de Sociologia da Educação I, pude sair do senso comum, perceber que os fenômenos sociais são históricos e que eles mudam, e que portanto, é possível transformar a sociedade. Também compreendi a importância da sociologia na formação de professores, através da sociologia, o professor é capaz de levar seus alunos a um pensamento crítico, e a sair do senso comum, ou seja, o professor se torna um orientador.

  34. Carolina Zozzi disse:

    Ao longo do primeiro semestre da disciplina Sociologia da Educação I, fomos apresentados aos principais sociólogos e suas teorias sobre a educação. Vimos que, para Karl Marx, a educação faz parte da superestrutura de controle usada pelas classes dominantes, o que ofuscava a percepção do interesse das classes; Com Max Weber vimos três tipos de educação, a do tipo carismática, a tradicional, e a do tipo burocrática; e na teoria de Émile Durkheim, vimos que a educação é responsável pela construção da natureza social do indivíduo (valores morais, éticos e religiosos). A partir disso, passamos a compreender melhor processos da educação e a perceber que ela depende da sociedade em que estamos inseridos, ressaltando a importância da formação do educador para a sociedade.

  35. Thaís Damaceno disse:

    Conforme o conteúdo decorrido na disciplina de Sociologia da Educação I pode-se afirmar que nos foi proporcionada à oportunidade de rompimento do senso comum superficial sobre o pensamento sociológico, através da apresentação de estudos científicos sobre a funcionalidade da sociologia com analise da sociedade, pelos principais sociólogos como Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim.
    Assim, Marx baseia-se em um pensamento critico que contrapõem a organização da sociedade capitalista em classes, a qual também tem seus aspectos negativos refletidos na educação, e sugere uma reorganização que vise à revolução para o surgimento de uma sociedade igualitária em todos os parâmetros. Logo, Weber busca compreender a ação social em suas especificidades para obter ensinamentos que estruturem melhor o entendimento da sociedade e suas relações. Já Durkheim com seu pensamento positivista, acredita na sociologia como instrumento para alcançar soluções para a vida social, assim como na educação para socializar. Em suma, a partir dos fatos mencionados, evidencia-se a quebra da alienação, do senso comum e apresentação dos fundamentos científicos primordiais da sociologia e das suas relações com a educação.

  36. Tamires G. E. Squizato disse:

    Antes muitos de nós, estudantes do curso de Pedagogia, éramos considerados, em partes, tábulas semi-rasas quando se tratava de sociologia. Logo, começamos a entrar neste mundo através da disciplina de Sociologia da Educação I, ela nos proporcionou uma mais visão crítica e nos tirou significativamente do senso comum.
    Estudamos os principais pensadores clássicos da sociologia, sendo Émile Durkheim, Max Weber e Karl Marx os que mais se destacaram. Para Émile Durkheim através da educação era o caminho correto para formar a sociedade. Max Weber estudava as relações sociais e como elas interferiam na educação. Karl Marx acreditava que a educação possibilitaria a fuga da alienação por parte do indivíduo, o sair do senso comum permitindo o ato racional do indivíduo. Também nos possibilitou aprender sobre sistemas e capital, mostrou-nos quanto pegamos um produto em mãos existe todo um trabalho sobre ele. Completando as aulas através de seminários, debates e apresentações de trabalho garantiu que pudéssemos desenvolver um raciocínio diante do corpo social que fomos inseridos.
    Dessa forma, essas aulas de sociologia foram positivas desencadeando o pensamento crítico e proporcionando estímulo a reflexão ao homem.

  37. Ellan Eduardo da Silva disse:

    O pensamento sociológico contribui para a superação do senso comum a partir do momento que faz o indivíduo refletir sobre como as relações em sociedade, apesar de muitas ações aparentemente serem naturais, têm suas regras construídas historicamente pelos grupos humanos sob a égide de disputas de poder, regras morais e legais estabelecidas, modo de produção econômico vigente e outras demandas que atuam na vida cotidiana de todas as pessoas.
    Esta desnaturalização ocorre por meio de um estudo sistemático e rigoroso do qual emerge o pensamento científico sociológico. Esta ciência, desde seu início, preocupou-se com a sua independência teórica e com sua base metodológica. Não obstante, Durkheim empresta das ciências naturais – que já estavam consolidadas no ambiente científico – as primeiras ideias acerca a construção de um pensamento genuinamente das ciências sociais. Entretanto, é somente com Marx e Weber que a especificidade sociológica se consolida.
    Com isso, fica claro que, para além de uma determinação metodológica, as ciências sociais constituem-se em diferentes escolas de pensamento para compreender o mesmo objeto. Destas matrizes, destaca-se o positivismo durkheimiano, cujo pensamento conflui de uma interação entre a metodologia das ciências da natureza e a filosofia comteana.
    Marx, que nunca foi um sociólogo, mas seus estudos sobre sociedade fundamentado sobre o materialismo histórico-dialético revolucionou as ciências humanas. E por último Weber, cujo eixo central é o relativismo compreensivista subjetivista.
    Entre as discussões realizadas nas aulas, aprendi muito sobre as categorias marxianas que são indispensáveis para qualquer cientista que queira compreender o mundo social contemporâneo.

  38. MARIANA NICOLUZZI BAHIA disse:

    Sobre a Sociologia… “e tal”…

    O que é a sociologia senão uma ciência pertencente ao grupo das ciências sociais e humanas que tem como objeto de estudo a análise dos fenômenos de interação entre os indivíduos? Ora, partindo deste princípio, porque não avaliar neste “post” a interação com nosso estimado mestre… “e tal”.
    Os gerúndios nunca fizeram parte da minha predileção escolar… de fato meus problemas com a língua portuguesa tem-se evidenciado bastante durante meus estudos sociológicos… Pois, se para Marx a sociedade mantêm-se por meio das ideologias da elite que possui o controle dos meios de produção, para mim, o interesse da sociedade escolar mantêm-se pela capacidade de apreensão do interesse, que a classe dominada pelas ideologias propostas por aqueles que detêm a maior quantidade de conhecimento, podem transmitir; e “o tal”, neste caso, representa uma vírgula imensa na minha capacidade de interação e aprendizagem.
    Segundo Weber a sociedade pode ser compreendida a partir do conjunto das ações individuais, ou seja, a partir de todo tipo de ação que um indivíduo faz, orientado pela ação do outro. Neste ínterim pergunto-me se a falta de atenção (ora geral, ora minha, apenas) dentro da sociedade escolar mantem-se pelo exagerado uso da vírgula: “e tal”, ou, se o exagerado uso da vírgula “e tal” é mantido pela minha (nossa) falta de interesse.
    Não, isso não fora uma crítica… Talvez, apesar da intenção de ser (ou não) apenas fiquei em dúvida se este fato social que engloba minha aprendizagem em específico deveria ser melhor avaliado por Emile Durkheim, afinal… é ele quem estuda os fatos sociais dentro da Sociologia.
    Por hoje é só pessoal, continuemos pois com nossos estudos sociológicos… aqueles que englobam a sociedade… inclusive a escolar… “e tal”.

  39. Renan de Almeida Alves Ferreira disse:

    Gostaria de começar lembrando que o meu conhecimento sobre sociologia era quase inexistente antes do curso de Sociologia da Educação I, então, entrar em contato com o conhecimento produzido por Durkheim, Marx e Weber durante o semestre foi uma experiência enriquecedora, poder observar o papel do professor com discussões levantadas em cima dessa ótica da sociologia clássica traz uma visão de lugar e espaço que o professor ocupa e quais são suas preocupações.
    No entanto, o que tornou-se mais marcante foi a aquisição de uma visão mais crítica e desvinculada do senso comum, na qual é possível entender que estamos à mercê de fatos sociais (Durkheim, 1895) que interferem constantemente, direta ou indiretamente, em nossas vidas, dentro de uma sociedade que é mantida em razão de uma solidaria (Durkheim, 1983) e onde o todo sempre se sobressairá às partes, com cada parte dessa sociedade tendo sua função a cumprir.
    Atualmente encontramos um cenário liberalista que desconsidera o contexto social que o individuo está inserido e coloca o homem como único responsável pela posição que ele ocupa dentro da sociedade, os bens matérias que ele acumulou e, mais importante, o capital que ele acumulou. Tendo em vista tais características geradas a partir do atual sistema produtivo e econômico, o capitalismo, torna-se visível a desumanização do ser humano, quando o atual modelo produtivo produz mais alimentos do que podemos consumir, porém, existem pessoas passando fome, não por falta de comida; e sim por falta de dinheiro para comprar. O que é normal, afinal, é normal alguém passar fome desde que eu esteja me matando de trabalhar para parcelar uma viagem, financiar um automóvel ou um imóvel.
    Enfim, o que vemos é um sistema que se sustenta fortemente no liberalismo demagógico, tornando as pessoas alienadas (Marx-Engels, 1982) ao seu meio, onde os indivíduos não têm consciência da classe social na qual pertence, entre tantos outros fatores.
    Em suma, o professor que detém um conhecimento sociológico bem trabalhado, consegue entender melhor a realidade da sociedade no local onde vai desempenhar seu trabalho, as necessidades reais daqueles indivíduos que estão sendo educados e com tudo, atuar como elemento transformador daquele ambiente, mesmo que a transformação seja minima.

  40. Raquel Gomes da Silva disse:

    No decorrer do 1° semestre da disciplina Sociologia da Educação muitos conteúdos foram abordados, entre eles um trabalho sobre textos escolhidos pelo professor.Um dos textos era “O que é Sociologia?” que falava sobre os contexto histórico da sociologia e contava a trajetoria de importantes sociologos como Karl Marx, Émile Durkheim e Max Webber, assuntos que tambem estava sendo abordados também em sala de aula.A leitura do texto junto com os conceitos dados ao longo do semestre auxiliou na compreensão desse conteúdo, que foi a base para o desenvolvimento de um pensamento crítico, que ajuda na superação do senso comum.

  41. Isabela da Silva Araujo disse:

    O conteúdo de sociologia da educação I proporciona uma reflexão das relações sociais a partir da perspectiva educacional. Dessa maneira podemos perceber a importância do estudo de sociologia para a melhor compreensão da sociedade e obtenção de uma visão crítica diante dos problemas que enfrentamos, sejam eles sociais, econômicos, políticos e culturais. Portanto, superando o senso comum.
    Em sala de aula foi ministrado os três principais pensadores da sociologia, Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber. O primeiro, respectivamente, tratou de temas que permeiam a economia, a política, mas principalmente o trabalho e a sua influência nas relações sociais, analisando o valor do trabalho (mais-valia), defendendo a luta de classes através da tomada dos meios de produção e o fim da alienação do trabalhador. O segundo, buscava compreender quais elementos são responsáveis por unir os indivíduos e assim formar a sociedade. Teve como temas principais a educação, a religião, o direito, e o suicídio. Um dos termos mais utilizados pelo pensador foi o “fato social”, em que, para Durkheim, ele era responsável por definir o modo como os indivíduos agem, pensam, tendo de se adaptar perante às regras da sociedade (coerção social). O terceiro e ultimo, desenvolveu a chamada “sociologia compreensiva”, em que buscava analisar os fenômenos sociais e a organização das sociedades modernas e os processos de burocratização, para compreender e interpretar a ação social (conduta humana).
    A partir desses três pilares da sociologia, podemos categorizar nosso pensamento em relação à sociedade, e desenvolver métodos científicos para analisarmos a sociedade em que vivemos e perceber o papel que a educação e a formação do docente tem para desenvolver uma sociedade com menos desigualdades, injustiças e com mais oportunidades iguais e o acesso ao conhecimento e à educação.

  42. Thamiris Del Poente disse:

    Nesse primeiro semestre, com a disciplina de Sociologia da Educação I, vimos a grande importância e peso que a Sociologia teve e tem na sociedade como um todo. Vimos que com ela, houveram grandes mudanças no mundo. Ao decorrer das aulas, vimos o grande peso de Durkheim, Marx e Weber para o desenvolvimento sociológico. Cada um com sua maneira de pensar contribuiu para que hoje pudéssemos ser pessoas mais criticas, onde conseguimos muitas vezes desvincular nossos pensamentos do senso comum, onde aprendemos que por trás de uma simples cadeira, existe todo um processo de pensamento, onde cada um tem seu lugar na sociedade e que esse lugar é de suma importância para o funcionamento de tal.
    Para mim, a lição mais valiosa que tive nesse primeiro semestre, foi poder ver a importância que a sociologia tem não só na economia ou politica, mas também, dentro das salas de aulas, lugar onde nós vamos nos encontrar daqui alguns anos e ver o quão importante é nosso papel de sempre questionar o senso comum, sair da mesmice, sair da alienação que muitas vezes a mídia nos impõe sobre certos assuntos e ver que podemos sim fazer a diferença, mesmo que ela seja mínima.

  43. Larissa Silva Toledo disse:

    A Sociologia é uma ciência que busca analisar as situações sociais. Ela se distancia do senso comum visando encontrar causas e soluções para os problemas encontrados na sociedade. Partindo desse princípio, a Sociologia da Educação visa resolver problemas educacionais.
    A disciplina de Sociologia da Educação I se baseou em apresentar, aprofundar e/ou relembrar os três pilares da Sociologia: Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim.
    Na disciplina, vimos que o conceito fundamental de toda a obra de Karl Marx é o trabalho. Segundo Marx, “o que distingue o pior dos arquitetos da melhor das abelhas é que o arquiteto ergue a construção em sua mente antes de a erguer na realidade”, ou seja, o ser humano é um ser que projeta, antecipa e que já contém em si o produto acabado. Marx critica a alienação a que está submetido o trabalho moderno pois o ser humano vem sendo substituído por máquinas e, portanto, já não sabe qual é o produto final que está produzindo.
    Para Marx, o papel da educação não é de desenvolvimento individual mas é de transformação na sociedade. A educação teria, então, dois papéis: criticar e denunciar a alienação e, propor uma nova prática social.
    Durkheim, um dos fundadores da Sociologia da Educação, define a educação como a ação exercida pelas gerações adultas sobre as que ainda não amadureceram para a vida. Ele defendia que tudo que é educação devia estar em certa medida submetido à ação do Estado.
    A Sociologia Compreensiva de Weber tem como característica que toda realidade consiste num processo de desenvolvimento de seres humanos, carregado de significados que precisam ser compreendidos.
    É possível concluir que, juntamente com a Sociologia e através dela, o papel do pedagogo é apontar problemas e propor soluções para a realidade educacional.

  44. Danielly Rodrigues Ferreira disse:

    Iniciamos a matéria de Sociologia da Educação I abordando sobre os três autores que são considerados os pilares da sociologia, onde se encontram Durkheim, Marx e Weber. Durkheim foi considerado o principal responsável por tornar a sociologia uma disciplina acadêmica. Ele diz que nos diferenciamos dos animais com o processo de socialização, e sua teoria se encaixa como Funcionalista e ainda conceitua os 3 tipos de suicídio (altruísta, egoísta e anômico). Marx influenciou bastante os pensamentos dentro do campo econômico, com suas críticas e análises sobre o sistema capitalista e sua alienação. E também vimos Weber, que olhava mais para o indivíduo, que age conforme suas crenças e vontades, e com essa liberdade de agir, a sociedade poderia ser modificada. O estudo sobre as teorias desses três autores faz com que enxergamos a sociologia como construtora de olhar crítico e analítico, vendo sua importante influência na educação para formar pessoas ativas da vida social que não se deixam levar pelo senso comum e que procuram compreendê-la.

  45. Géssica Santos Couto disse:

    Durante o semestre, estudamos na disciplina de sociologia da educação I os pensadores que estabeleceram as bases da sociologia, sendo eles: Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber, através de métodos e conceitos buscaram compreender a sociedade no contexto social em que viveram, e por meio da sociologia explicaram de forma científica os fenômenos sociais que foram observados.
    A partir da crítica ao sistema capitalista, Karl Marx buscou compreender as relações sociais, e para isso criou o método denominado materialismo histórico e dialético, que além das críticas ao sistema econômico vigente, apresenta propostas para a transformação e superação dessa sociedade. Em contrapartida, Émile Durkheim entendia a sociedade como um organismo vivo, fundamentou-se no método positivista, tendo a ciência e a ordem social como elementos indispensáveis para o crescimento moral e social. Seu principal conceito é o fato social, que consiste na maneira de agir, pensar e sentir, esses conceitos são formas padronizadas de como devemos nos comportar em sociedade, para isso os indivíduos deveriam se submeter a regras, ou seja, a “coerção social”. Já Max Weber desenvolveu o método compreensivo que procurava observar e analisar os fenômenos sociais, buscando sistematiza-lo para uma melhor compreensão. O principal conceito da sociologia weberiana é a ação social, ou seja, aquela em que o indivíduo faz e que tem como base principal outros indivíduos dentro sociedade. Os tipos de ação social são: racional (de fins e valores), afetiva e tradicional.
    Por fim, os conhecimentos adquiridos na disciplina, contribuíram para a construção de um pensamento crítico, sistemático e reflexivo, pois como vimos, a sociologia é uma ciência, e através dela é possível desconstruir as visões de senso comum que limitam o pensamento dos indivíduos. Dessa forma, é possível criar novas possibilidades e ter uma compreensão com embasamento científico sobre as questões que envolvem a vida dos indivíduos em sociedade. Nesse processo a educação é uma ferramenta fundamental para mostrar aos cidadãos o espaço que ocupam na sociedade e a possibilidade de transformações sociais que estes podem realizar.

  46. Leonardo Paes Souza disse:

    Nesse primeiro módulo de sociológico, praticamente aprendi tudo o que sei de sociológico. Até então nunca tive estudado essa área.
    Aprendi um pouco sobre os três fundadores da sociológico.
    Onde Max Weber, que teve suas reflexões de uma análise e observação da sociedade moderna e capitalista. E um dos seus pensamentos que mais me chamou a atenção foi a relações entre religião e o capitalismo, que pode ser um dos motivos do Oriente e o Ocidente tenham se desenvovidos de forma diferente.
    Emile Durkheim, o seus pensamentos que me mais chamaran a atenção, foi conceito de coesão social, onde o que seria “normal” e o que seria “patológico” dentro de uma sociedade.
    E o mais falado karl Marx, o que mais me chamou a atenção foi descobrir que ele era conservador(na verdade os três eram), esse quebra de senso comum. A idéia que o capitalismo é uma etapa do desenvolvimento da sociedade, da lutas de classes que faz parte desse desenvolvimento.
    Essas aulas ajudaram a mudar a minha forma de ver a sociologia e a própria sociedade.

  47. Letícia Tukamoto Gomes Lima disse:

    Nesse semestre estudamos Marx , Durkhain e Weber
    Estudamos as teorias deles no que cada um defendia sobre trabalho, educação sociedade.
    Tivemos debates sobre otimos livros q focavam em diferentes areas da sociedade, no qual destaca a educação que é necessário ter essa visão ampla da sociedade para entender as metodologias e formas de ensinar. No livro da Ilma ferreira defende se a forma Omnilateral apesar de que em Marx nao há uma definição , é citada que a ruptura deve ser ampla e radical assim como defendido que na educação é preciso ter uma visao ampla para metodologias proposta.
    Destacamos a importância da sociologia na educação que tem defendida por Durkhain que a educação é algo mais amplo que apenas um ambiente de transmissão de informações e na verdade esta ligado ao meio social no qual esta estruturada e que é necessário na educação entender o meio social no qual estamos , que o estranhamento a esse meio social é necessário para melhor questionamentos e solucoes de entender o meio social em que se está e entender a alienação de si próprio sobre suas possibilidades e ate da propria atividade e que é necessário uma desalienação para o desenvolvimento próprio e tambem que tenham sua visão de onde o próprio esta e nao se deixe levar pelo senso comum por nao compreender o meio social.

  48. Maria Solara Pedran Serralheiro disse:

    Durante as aulas de Sociologia da Educação I desse semestre, nos foram apresentados os três fundadores/pilares da Sociologia: Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim. A sociologia, por sua vez, tem como necessidade superar o senso comum e abrir as portas para uma interação social e para visões sobre uma educação transformadora. Sobre nossos fundadores, vamos começar falando sobre Marx, que estabelecia uma crítica ao sistema capitalista e à alienação que a mesma exerce sob a sociedade. Ele também alegava que o papel da educação é transformar a sociedade. Max Weber, por sua vez, desenvolveu a “sociologia compreensiva”, em que diligenciava analisar os fenômenos sociais e a organização das sociedades modernas e os processos de burocratização, para assim compreender a ação social. Por último mas não menos importante, Émile Durkheim caracteriza a educação como a ação exercida pelas gerações adultas sobre as que ainda não amadureceram para a vida. 
    Concluímos então, que o papel do pedagogo é apontar e criticar as falhas e assim propor as possíveis soluções para a realidade educacional.

  49. Sâmia de Lima Figueiredo disse:

    A disciplina de Sociologia da Educação I é de crucial importância para a formação de um pedagogo, somente depois de passar pela experiência pude perceber. Muitos entram com um conhecimento quase zero dessa disciplina, como foi o meu caso, e todo conhecimento acumulado neste semestre me fez abrir a mente para novas concepções e muito mudou e acrescentou para estimular o meu pensamento crítico.
    Os três pilares da sociologia, Marx, Durkheim e Weber, foram abordados neste semestre, cada um com seus conceitos e concepções.
    Desses, Émile Durkheim foi um dos fundadores da Sociologia da Educação, vendo na educação uma das formas mais
    características do que definiu como fato social, seu principal conceito trabalhado.
    Já Max Weber trabalha a Sociologia Compreensiva e a entende como uma ciência empírica da ação, e esta procura compreender a ação ao interpretar seu sentido.
    Karl Marx, juntamente com seu amigo e colaborador Friedrich
    Engels, não podem ser considerados somente sociólogos, mas o marxismo teve grande contribuição na sociologia. O método de abordagem que Marx elabora é chamado de Materialismo Histórico e Dialético. E sua teoria tem como fundamentos: as classes sociais, os meios de produção, os modos de produção, as forças produtivas, a produção, as relações de produção, Infra-Estrutura e Super-Estrutura.
    Esses três pensadores foram de fundamental importância para a sociologia e, por isso, são considerados os três pilares dela.

  50. Giovanna Santana Fitas disse:

    Durante o semestre, fomos apresentados aos principais pensadores da sociologia (considerados os criadores da mesma). Eram eles Marx, Durkheim e Weber. Foi incentivado a compreensão das linhas de pensamentos de cada sociólogo para desenvolver uma ideia inicial do funcionamento da sociologia da educação.
    É importante lembrar que não existe uma sociologia absoluta e correta, mas sim sociologias. Sociologia de Marx, sociologia de Weber, sociologia de Durkheim… Cada pensador dispõe de uma teoria para com as problemáticas encontradas na sociedade em que está inserido. É dentro deste aspecto que se estuda a sociologia, primeiramente cada pensador individualmente, para então sintetizar as ideias de um e outro.
    É destacável como cada um dos três sociólogos reconhecia a importância da educação, porém lhe atribuíam importância em diferentes áreas dependendo de seu ponto de vista.

  51. Marcella Melato Ramos disse:

    Ao decorrer do semestre, foi estudado na disciplina de Sociologia da Educação os três maiores responsáveis pelo surgimento da sociologia, buscando sempre estabelecer uma reflexão sobre as relações sociais presentes no ambiente educacional. É através dela que se pode superar o senso comum mediante a visão crítica, adquirida com o decorrer dos estudos, sob o meio social, político, econômico e cultural. São os três pilares:
    Karl Marx: este busca compreender as relações sociais e critica o sistema capitalista, analisa o valor do trabalho, através da mais-valia, defende a luta de classes e o fim da alienação, apresentando meios para que haja a transformação da sociedade em que vive.
    Émile Durkheim: diferente de Marx, era fundamentado no método positivista, tendo como elementos indispensáveis para o crescimento moral e social, a ciência e ordem social. Este compreendia a sociedade como organismo vivo, procurando entender quais elementos eram responsáveis pela união dos indivíduos. Segundo Durkheim, o fato social definiria a maneira de pensar, agir e sentir dos indivíduos perante a sociedade, submetendo-se as regras (coerção social).
    Max Weber: desenvolveu o método compreensivo, em que buscava observar e analisar os fenômenos sociais, a organização da sociedade moderna e os processos de burocratização, sistematizando-o para uma melhor compreensão da conduta humana (ação social – feita pelo indivíduo e baseada, principalmente, nos outros indivíduos dentro da sociedade). A ação social se divide em três tipos, sendo a racional (de fins e valores), a afetiva e a tradicional.
    A partir desses conhecimentos, podemos então, construir um pensamento crítico, com embasamentos científicos sobre toda a sociedade e tudo o que nela ocorre, saindo do senso comum em que muitas das vezes estamos inseridos e limitam nossos pensamentos. Entendendo o quanto é necessário a educação, essa que esclarece aos cidadãos o espaço ocupado em sociedade e sua capacidade de modificação social dentro deste.

  52. Lawrence William Garcia Gazarian disse:

    Em Sociologia na Educação I estudamos três autores importantissimos na superação do senso comum e bases para o inicio dos estudos soiológicos: Émile Durkheim (1858-1917); Karl Marx (1818-1883) e Max Weber(1864-1920).
    Apesar de Durkheim ser o unico que eu não conhecia nunca tinha olhado para os outros dois sobre o viés educacional, uma vez que nem eles mesmos tinham escrito suas teses para este fim, no entanto, essa relação se faz natural quando percebemos que as relações educacionais apenas replicam as sociais.
    Essa foi a superação do senso comum que tive durante a realização desta disciplina e apesar de não concordar com toda a fundamentação teórica de alguns pudemos durante este semestre análisar didaticamente as mesmas e superar ou reafirmar nossas ideias iniciais, claramente respeitando o recorte pedagógico necessario para a realização da disciplina.

  53. Camila Melo disse:

    Ao longo desse semestre da disciplina Filosofia da Educação, foram apresentados os três principais fundadores da sociologia, Emilie Durkheim, Karl Marx e Max Weber, onde apresentam conceitos distintos entre si. Considerado o pai da sociologia, Emile Durkheim defende que a sociedade é um corpo vivo, formado por regras e leis a serem cumpridas pelo individuo na sociedade, ele segue uma metodologia funcionalista em que todos precisam seguir suas funções sociais. Diferente de Marx, que tende a desconstruir as regras já impostas na sociedade. Marx luta constantemente contra a alienação do ser humano, e uma de suas teses mais defendidas e importantes é a alienação do trabalho que podemos pontuar em quatro momentos. Primeiro, ”trabalho mas a minha produção não me pertence” (dependência do meio de produção). Segundo, competição, individualismo entre os trabalhadores. Terceiro, destruição da natureza, pois o individuo só pensa na riqueza em que ela pode nos proporcionar. Quarto, o individuo se torna totalmente dependente dessa rotina com isso não tem tempo para se desenvolver como pessoa. Weber parte do pressuposto de que a sociologia viria para compreender os fatos da sociedade e não explica-los, criar compreensões, sem o poder de interferência nas relações sociais. Ele se volta para elementos importantes da educação na escola, o exame, o diploma, a especialização um caráter mais mecânico.
    Aqui já podemos comparar pensamentos extremos onde um defende direitos iguais a sociedade como um todo, enquanto o outro defende que uma sociedade ideal seria composta por funções a serem cumpridas, restringindo o individuo a se desenvolver intelectualmente e socialmente. Com analises dos textos, discussões em sala e seminários, tivemos a oportunidade de nos retirar um pouco do pensamento generalizado da sociedade, através dessa matéria poderemos compreender os fatos reais que há por trás das problemáticas sociais que nos implicam.

  54. Vitória Güido disse:

    Na disciplina Sociologia da Educação 1, saímos do senso comum com base nos três pilares do pensamento sociológico: Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim.
    Marx, foi uma forte influência para o pensamento crítico sobre a educação, porque para ele, a educação era um meio de revolucionar a sociedade, sendo que a melhor forma de ensino seria a omnilateral, abrangendo dimensões intelectuais, corporais e tecnológicas. Além disso, enfatiza a ligação entre o trabalho produtivo e o ensino, que adquire um alto valor educativo, porque, para ele o trabalho é uma forma de humanização do ser, algo feito somente pelo ser humano e que não deve ser alienado nem utilizado como aparelho ideológico do Estado na reprodução das relações de exploração, já que isso desumaniza o ser.
    Já Weber, por meio da sua sociologia compreensiva, buscava interpretar a sociedade, o homem, e suas ações sociais, que inclusive, era seu objeto de estudo. Tais ações resultariam nas relações sociais.
    Por fim, Durkheim, sociólogo positivista, segue a metodologia funcionalista, ou seja, para ele a sociedade é igual a um corpo vivo, assim, cada órgão tem a sua função. Além disso, estuda o fato social, e o considera geral, exterior e coercitivo.
    Logo, conseguimos desenvolver a base da Sociologia da Educação 1, e do nosso conhecimento científico e ainda aplicamos esse conhecimento nos debates dos textos lidos e seminários apresentados.

  55. Larissa Cruz Pastri disse:

    Nesse primeiro semestre da disciplina de Sociologia da Educação, estudamos Marx, Weber e Durkheim, os quais são considerados pilares da Sociologia. Em meu ensino médio tive a oportunidade de ter uma base sobre os estudos esses autores, e as aulas da faculdade ampliaram meu conhecimento e mostraram a extrema importância dessa ciência para a educação. A Sociologia vai além de estudar política ou economia, ela estuda o comportamento social, quebra o senso comum e ajuda a encontrar a causa e a solução dos problemas enfrentados pela sociedade.
    Essa disciplina nos ajuda a fazer um “link” entre os acontecimentos da época em que os autores publicavam seus fundamentos e com nossa realidade atual. Infelizmente muita coisa está se repetindo, muita gente sem conhecer informações importantes, sem ter a oportunidade que nós alunos tivemos/temos, se tornando reféns da alienação que a mídia impõe. A partir disso, uma das possíveis conclusões é a cumplicidade entre o pedagogo e a Sociologia, pois dessa forma é possível mostrar ao cidadão o espaço que ele ocupa na sociedade, a importância de ele ser um cidadão ativo e informado e que ele pode fazer a diferença, por menor que ela seja.

  56. Yolanda Galetti disse:

    Neste primeiro semestre em contato com a disciplina de Sociologia da Educação, nos foram apresentados os principais conceitos necessários para que sejamos capazes de pensar e refletir a sociedade, bem como os principais nomes a eles associados. Ficou claro o caráter primordialmente sociológico da educação, e como cada um dos pensadores foi capaz de atribuir e conectar suas próprias teorias e formas de pensar à mesma.
    Em relação à disciplina em si, impressiona o fato de que, na sociologia, todas as teorias nos podem ser úteis no âmbito pedagógico, seja ela de Marx, Durkheim ou Weber. Embora caiba a cada pedagogo decidir sua linha de raciocínio e atitudes a serem seguidas no ato educacional, também a cada um de nós cabe reter o conhecimento necessário para se tomar decisões baseadas em reflexões e fatos, bem como saber defender nossos pontos de vista, em oposição àqueles que baseiam-se apenas em senso comum em seus métodos. Ao se fazer uma escolha, é primordial, antes, conhecer, e, para tanto, é necessário estudar extensivamente de maneira a manter o caráter social da educação em si.

  57. Maria Eduarda Pinheiro Siqueira disse:

    Nas aulas de sociologia da educação I, foram apresentados as idéias dos três principais pensadores da sociologia, sendo esses Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber. Houve também um contato acerca do contexto no qual ela surge, contexto esse de mudanças sociais.
    Estudamos matérias que antes foram ensinadas superficialmente na escola, como o conceito de omnilateralidade de Marx, confeito esse que busca uma formação completa do individuo, diferente da educação imposta pelo capitalismo e é unilateral. Foi apresentado também o conceito de fato social de Durkheim, que eu particularmente vi superficialmente no ensino médio, esse conceito nos ensina que o fato social é determinante sob a maneira de agir da sociedade, ou seja, assim através dele os indivíduos são submetidos a um mesmo padrão imposto pela sociedade através de valores e regras.
    Com tudo o que foi ensinado na disciplina de Sociologia Da Educação I, acredito que o maior objetivo seja o de nos dar um repertório capaz de entender o motivo de determinadas coisas acontecerem na sociedade e principalmente como isso afeta a sala de aula e a educação em geral, para que como futuros pedagogos saibamos lidar com o ocorrido tendo uma visão além do senso comum.

  58. Thaís Cristina dos Santos Amador disse:

    No decorrer deste primeiro semestre estudamos os principais sociólogos, considerados fundadores da sociologia, são eles: Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber. Através das aulas e textos apresentados em sala, podemos conhecer um pouco mais a fundo a vida e obra desses grandes pensadores. O objetivo da sociologia é estudar e entender a sociedade como um todo, não baseando-se no senso comum, mas indo mais a fundo em seu estudo.
    Partindo deste conceito, Marx,Durchein e Weber, desenvolveram metodologias e pensamentos visando a realidade da sociedade que viviam. Marx defendia a igualdade entre as classes sociais e era contra o capitalismo. Para Durchein, os “fatos sociais” influenciam na maneira como o indivíduo se comporta em sociedade, seriam eles lendas, mitos, religião, e crenças morais que são legadas de geração para geração, acrescentadas de experiências e sabedoria acumuladas. Weber era historicista, e se baseava nos acontecimentos históricos, sua sociologia compreensiva distingui as ciências físicas das culturais. Para ela, o pensamento humano possui forma diferente e método específico em cada ciência.
    Concluindo, a disciplina de sociologia da educação I, contribuiu significativamente para a formação de alunos mais críticos, capazes de analisar a sociedade onde estão inseridos através dos conhecimentos e teorias apresentados até aqui.

  59. Ana Carolina Ferrari Furlan disse:

    Após esse primeiro semestre onde iniciamos a matéria de Sociologia da Educação 1, fui capaz de criar um sólido conhecimento e um certo interesse a respeito da sociologia, coisa que não ocorreu em meu ensino médio. Ficou visível para mim que a sociologia estuda os fenômenos sociais da interação e organização da sociedade e que ela é importante para a vida das pessoas pois fornece os instrumentos necessários para que tentemos entender as diferenças que existem em nossa sociedade. A Sociologia nos ensina a observar o mundo a nossa volta sob um novo ângulo, coisas que estamos habituados a ver e para nós são normais, aos olhos da sociologia são fenômenos de influências histórica e sociail.
    Me foi apresentado também nessa disciplina, sobre a vida e idéias dos três pensadores que são de extrema importância para a sociologia, Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim. Karl Marx, com a ajuda de Friedrich Engels publicou o Manifesto Comunista, onde criticava o capitalismo, para ele as condições econômicas e a luta de classes são agentes transformadores da sociedade. Ele também defende a mais-valia onde explica que o lucro do patrão é obtido por meio da exploração do trabalho e que nada sobra ao trabalhador em si de lucro.
    Já Émile Durkheim tinha por preocupação a individualização do sujeito social e o estudo dos fenômenos responsáveis pela formação de uma ordem social e acreditava que a principal função da sociologia era o estudo dos fatos sociais.
    Por fim, Max Weber buscava entender as mudanças sociais principalmente após a Revolução Industrial, ele defendia a “ação social” onde explicava que qualquer ação realizada por um sujeito em um meio social possuia um sentido determinado por esse próprio sujeito.
    Depois de aprender e entender sobre a sociologia e seus pensadores fica perceptível a sua importância na educação e em todo o meio social.

  60. Sandra Regina Vasconcelos Carvalho disse:

    Posso dizer que foi um feliz momento participar do estudo inicial de Sociologia em Sociologia da Educação I. Sem nunca ter contato com a matéria e tendo um conhecimento raso sobre o assunto, pude conhecer melhor os três pilares desta ciência: Marx, Webber e Durkheim.
    Pudemos conhecer as diferentes abordagens de cada um. Enquanto Marx focava sua observação na sociedade trabalhista e os meios de produção, Webber procurava entender os acontecimentos sociais sem explicá-los ou modificá-los e Durkheim via a sociedade como algo funcional onde cada ser cumpriria sua função na sociedade independente das circunstâncias.
    Esses conhecimentos ampliam as opções de trabalho que poderemos abordar quando formados pedagogos.

  61. Thafarel Pitton disse:

    Nas aulas de sociologia da eduação 1, podemos aprender sobre Marx, Weber e Durkheim. O primeiro, em especial, me chamou a atenção porque gosto das ideias comunistas e revolucionárias, enquanto os outros dois são mais pelegos. Em relação a Marx, gostei de saber que o materialismo histórico dialético surgiu em meio os movimentos sociais, e não fora deles, deixando de lado a idéia de que Marx era o tio que falava como as coisas deveriam ser, mas não colocava a mão na massa. Acho que a disciplina poderia ter sido mais aprofundada, talvez com maiores discussões a cerca do texto obrigatório que fizemos e com mais profundidade nos seminários. Fora isso, muito dez.

  62. Ingrid Vitoria disse:

    No primeiro semestre da disciplina de Sociologia da Educação I, consegui aprender um pouco mais sobre Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim.
    Marx criticava o capitalismo e buscava compreender as relações sociais através dos materialismo histórico e dialético. Também acreditava que educação poderia modificar a sociedade.
    Max Weber contribuiu para a educação com o conceito de ação social, cada ser humano constrói sua própria realidade. Ele observava e analisava os fenômenos sociais para uma melhor compreensão da sociedade.
    Émile Durkheim determinou o objeto de estudo da sociologia e método para explicar fenômenos sociais, se tornando o pioneiro do funcionalismo que dizia que diz que o rode define as partes, ou seja, todo fenômeno social possui um significado para a sociedade. Durkheim também fala que a sociedade define o indivíduo, esse conceito ficou conhecido como fato social.
    Com base no conhecimento dos três autores, pude perceber como suas teorias podem ser aplicadas na educação e compreender a importância de entender como a sociedade funciona para poder aplicar em sala de aula.

  63. Gisele Helena Naves Pereira disse:

    Na disciplina de Sociologia da Educação 1, entrei em contato pela primeira vez com o conteúdo de Sociologia. Nesse semestre entrei em contato com os três autores clássicos do pensamento sociológico: Karl Marx, Émile Durkheim, Max Weber. ( o considerado trio fundador.)
    Marx analisa a sociedade do ponto de vista filosófico, econômico, histórico e sociológico. Sua obra é caracterizada pelo esforço de compreender o mundo do trabalho e uma profunda crítica do capitalismo. Marx também explicou os conceitos de alienação, reificação e de fetichismo. Ele analisou as contradições do capitalismo e denunciou a situação de desigualdade social gerado por ele. Marx explica que a sociedade está dividia em classes sociais que tem interesses opostos: os donos dos meios de produção e os trabalhadores. Caberia aos trabalhadores uma revolucionaria para promover a emancipação humana e estabelecer a igualdade entre os homens. Para Marx o sistema escolar, sozinho, não consegue transformar o sistema social do poder ou alterar sua estrutura interna. A educação é condicionada pelos valores e interesses da classe dominante que deseja preservar-se no poder.
    Durkheim é considerado o pai da sociologia, vê a educação como um processo socializador e ele acredita que a sociedade é um conjunto integrado de fatos sociais. O fato social é tudo que tem existência própria independentemente das manifestações e juízos individuais e que exerce sobre os indivíduos uma coerção exterior. A educação é uma das formas dessa coerção porque toda atividade pedagógica supõe um esforço de permitir aos indivíduos internalizarem algo já construído. Para Durkheim é papel das instituições de ensino difundir valores que proporcionem a coesão social (resultado das relações coercitivas). Segundo Durkheim, a coerção é instrumento fundamental para haver coesão social, ou seja, a integração do indivíduo à sociedade.
    Weber elabora uma sociologia da ação social, demonstrando que a sociedade é resultado das múltiplas interações de indivíduo num determinado meio. Para Weber, a realidade social é uma teia de significados construída pelos indivíduos em ação. Os trabalhadores agem de modo diferentes visando defender os mesmos interesses.

  64. Matheus Pietro Caetano disse:

    Contrário ao pouco aprendizado que tive com a matéria no ensino médio, neste primeiro semestre em Sociologia da Educação I, as principais ideias e teorias de Marx, Durkheim e Weber aprofundadas dentro da sala de aula, me fizeram raciocinar e analisar os contextos sociais, principalmente no quesito educacional e pedagógico que serão os focos de meu percurso. A “quebra da realidade” dentro das nossas relações e problemáticas sociais só realça o que como futuros pedagogos, iremos encarar. Os impasses no âmbito trabalhista e nos meios de produção que Marx sintetiza, as teorias de Durkheim sobre a educação como um bem social afastador das capacidades individuais perante o desenvolvimento coletivo e a panorâmica de Weber no controle social do homem pela história, nos afasta do senso comum e nos impulsiona para uma nova ótica educacional resultando num alicerce para futuras aplicações e práticas pedagógicas dentro da profissão. A educação constituindo-se como construção de sentido e conteúdo junto da formação de caráter questionador-reflexivo, constrói uma ideia de mutualidade com a Sociologia, visto que ambas transitam e se desenvolvem lado a lado. O fechamento em cima destes conceitos estudados é de que o educador tem a responsabilidade de fazer o educando sair de sua zona de conforto, indagar sua existência e combater o estado de alienação que o subverte. Sendo a sua luta constante por consciência sobre os problemas de caráter coletivo, a principal arma contra um corpo social cada vez mais direcionado ao individualismo.

  65. Beatriz Karen de Melo disse:

    Acredito que nossas aulas foram muito produtivas, demos destaque a Marx, Weber e Durkheim, que completou bem oque eu havia estudado no ensino médio, o foco em cada um deles nos mostrou a diferença de cada teoria e nos ajudou a problematizar o contexto social em que vivemos. Um ponto alto de nossas aulas sem duvidas foram os textos individuais, a discussão sobre cada um deles foi essencial para a formação da matéria e conclusão desta disciplina, já o trabalho em grupo nos revelou um leque de assuntos desenvolvidos que foram muito legais e interessantes, o legal deles é que cada um foi em um foco totalmente diferente e agregaram muito acredito que na vida acadêmica de cada um.

  66. Isabela de Souza Costa disse:

    “O que diferencia o pior dos arquitetos da melhor das abelhas?”
    Na conceitualização de Marx, essa pergunta faz a reflexão acerca do que aprenderíamos se chamar Trabalho Teleológico. A resposta nos remete à produção: O que difere o homem do animal é que o homem primeiro constrói em sua mente antes de erguer na realidade.
    Ao contrário do idealismo presente na dialética hegeliana, o materialismo marxista resolve as contradições que se apresentam durante a atividade histórica e cultural. Tal base se encontra em seu pensamento educacional: para alimentar a omnilateralidade do homem é necessário expor o conhecimento do mundo de modo mais completo quanto possível.
    Além de Marx, estudamos os outros dois pilares da sociologia: Durkheim e Weber. Sob a perspectiva educacional, Durkheim tem como objetivo formar o ser social, trabalha com o presente, enquanto Weber lê a história para justificar sua Sociologia Compreensiva, de ação racional com relação de valores.
    Vimos também como o sistema educacional é influenciado por esses autores: temos Durkheim como exemplo de uma ideologia que forma o cidadão para a nação, escancarando a presença positivista nas escolas. Assim como autores marxistas, que compreendem que a escola reproduz o que acontece na sociedade, portanto as bases teriam que ser modificadas.

  67. Larissa mazi disse:

    Na disciplina de Sociologia da Educação 1, pude aprender o equivalente para sair do senso comum e formar um pensamento crítico que humaniza o ser tirando-o de sua menoridade e fazendo-o um ser que se posicione e estude a ponto de não  aceitar as coisas como óbvias. Foi ensinado os três principais sociólogos Durkheim, Marx e Weber, e também suas teorias. O professor em sala levantou uma questão que despertou minha curiosidade durante uma semana fazendo-me sair a procura da resposta;” O que diferencia uma abelha dos piores arquitetos”, quando o professor respondeu, cheguei a conclusão que as abelhas sempre produzem um padrão de trabalho aonde não há criatividade. Logo, se difere do ser humano que aplica sua criatividade, mudando e rompendo a ideia de padrão. Porém, infelizmente o sistema educacional coloca o professor semelhante a abelha, ou seja, em um sistema padronizado sem criatividade, impedindo -o de cumprir sua função humana a criatividade.
    Enfim, a importância da sociologia é formar cidadoes críticos, que não aceite o sistema padronizado e cumpra sua função humana.

  68. Carolina Mammana disse:

    Neste primeiro semestre eu consegui ter um contato muito melhor com a sociologia do que tive no ensino médio, pude conhecer mais afundo os pensamentos de filósofos considerados os pilares da sociologia: Marx, Weber e Durkheim. Cada um com sua linha de raciocínio mas igualmente importantes para a formação do pensamento crítico.
    Com as aulas, textos e seminários pude aprender mais sobre a ação social de Weber, o fato social de Durkheim e algumas críticas de Marx ao capitalismo, por exemplo, e que ele também acreditava que educação poderia mudar a sociedade.
    A partir desses aprendizados teremos, como futuros professores, a capacidade de agir na vida de nossos alunos, podendo orientar seus pensamentos, para que eles se tornem seres pensantes e críticos, para assim poder transformar nosso meio social.

  69. Julia Francisco Rodrigues Vasconcelos da Silva disse:

    Nos foi apresentado, durante as aulas de Sociologia da Educação 1, os três principais sociólogos: Emile Durkheim, Karl Marx e Max Weber. Estudamos os conceitos e seus diferentes pontos de vista sobre os fenômenos sociais. Durante as aulas compreendemos o valor que a sociologia tem para a nossa formação como professores, nos fazendo compreender melhor a sociedade e olhar para ela de uma forma diferente. Podemos observar e compreender o papel da escola na formação do sujeito, fazendo com que ele saia do senso comum e conformista, se tornando um indivíduo crítico e consciente.

  70. Jocasta Aline da Silva disse:

    Em Sociologia da Educação I, foram abordados os três pais fundadores da sociologia: Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber.
    Marx usa um método de abordagem chamado de Materialismo Histórico e Dialético, sendo esse, um método que aborda que o meio de produção condiciona o modo de vida social, política e intelectual dos homens. Com isso, ele entende que a essência do homem está no trabalho, ou seja, o homem é aquilo que faz.
    Fazendo oposição as ideias de Marx, Durkheim coloca que o TODO condiciona as PARTES, dessa maneira as estruturas sociais funcionam de modo independente dos indivíduos, condicionando suas ações. Durkhein entende que o objeto de estudo da sociologia é o fato social, e que o fato social se define sendo as maneiras padronizadas como agimos na sociedade.
    Por fim, Weber em sua sociologia, distingue as ciências físicas das ciências culturais, considerando assim que o pensamento humano possui forma diferente e método específico em cada ciência. Também faz crítica ao capitalismo, diferente de Marx, que pensa no capitalismo como uma maneira de avanço.

Leave a Reply to Délys Louise