Da Vinci Vitruve Luc Viatour.jpg

L’Uomo Vitruviano (Le proporzioni del corpo umano secondo Vitruvio)

Bom Dia Querid@s Alun@s! Tudo bem?

Esta é a última postagem da disciplina Sociologia da Educação 1. A temática gira em torno das questões abordadas no livro “A escola de Leonardo – política e educação nos escritos de Gramsci”. O livro tem como tema a metáfora gramsciana do homem moderno na figura de Leonardo da Vinci. As indagações e  sobre a realidade social e cultural do Renascimento, motivadas por uma carta que, na sua aparente divagação, reflete sobre as raízes da sociedade moderna e as condições sociais e culturais para a formação humana,  abre a senda para a refletir sobre a dimensão política da educação. Gramsci não foi um pedagogo, mas um político que, ao acentuar a dimensão cultural da política, explicitou uma pedagogia da emancipação humana para a construção de uma nova ordem social e política. A noção gramsciana de política amplia a noção implícita nos escritos de Marx e enraíza-se na tradição política moderna, na qual o poder se consolida como relação de domínio do homem sobre o homem e do homem sobre a natureza, cujo mecanismo principal é a força como condicionadora e formadora de comportamentos. Sem esquecer que se trata de uma metáfora que visa a discutir as condições de luta política e cultural em um momento revolucionário, o tema serve de motivo para indagar sobre a necessidade de renovação estrutural da escola pública brasileira e a importância de enfrentar o problema da escola no contexto amplo da educação e da compreensão das contradições da sociedade capitalista, para elaborar novas estratégias de construção de uma nova ordem social e política. A questão para o comentário desse módulo é a seguinte: cite e explique o principal processo de socialização abordado no Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 1? Bom trabalho e boas férias! Prof. Fábio Fernandes Villela.

PS1. Alguns Processos de Socialização estão nos seguintes textos:

MANACORDA, Mario Alighiero. O homem omnilateral. In:_____. Marx e a pedagogia moderna. Campinas: Alínea, 2007. p. 77-94.

SCHLESENER, Anita Helena. A escola de Leonardo: política e educação nos escritos de Gramsci. Liber Livro: Brasília, 2009.

MACHADO, Ilma Ferreira. Educação solidária e formação omnilateral. In: ZART, Laudemir Luiz. (Org.). Educação e sócio-economia solidária: paradigmas de conhecimento e de sociedade. Cáceres: Unemat Editora, 2004. p. 96-104.

MACHADO, Ilma Ferreira. A criança como sujeito social na educação do campo. Educação Pública, Cuiabá, v. 15, n. 27, p. 109-118, jan./abr. 2006.

PS2. Os vídeos vistos em sala de aula se encontram nos seguintes links do Youtube:

Filósofos & Educação: Gramsci (Vol.4). Produção da TV Escola sobre Filosofia e Educação. Apresentação Antônio Joaquim Severino.

https://www.youtube.com/watch?v=xtDY6x3Bs5o

A Vida de Leonardo da Vinci – Parte 1/2 – Filme Completo

https://www.youtube.com/watch?v=gk1XeiyhXXI

Página do Leonardo Da Vinci no Facebook

http://www.facebook.com/leonardo.page

Da Vinci’s Demons – Trailer (Série de TV)

https://www.youtube.com/watch?v=vgg9nnALFGA

Da Vinci’s Demons (Episódio T01, E01, Dublado completo)

https://www.youtube.com/watch?v=pNmjLpCdmxs

Paideia Escuela Libre

https://www.youtube.com/watch?v=yVkCfclROaI

Sem Terrinha em Movimento – parte 1

http://www.youtube.com/watch?v=DbR48kN5BYk

Escola Nacional Florestan Fernandes – Um Sonho em Construção (MST)

http://www.youtube.com/watch?v=5HfY1jbaifc

PS3. Como atividade complementar os alun@s podem assistir ao filme:

Antonio Gramsci: Os dias do cárcere. (Antonio Gramsci: I giorni del carcere, Itália, 1977, 127 min., branco e preto), direção Lino del Fra. (Legenda em espanhol).

O filme apresenta os anos vividos por Gramsci na prisão de Turi, em Bari, Itália (julho de 1928 a outubro de 1933), período fundamental para a redação dos “Cadernos do Cárcere” e explorando as discordâncias que o prisioneiro do fascismo manifestou em relação à teoria stalinista, aceita pelo próprio partido de Gramsci, o PCI. O filme foi produzido em preto e branco para a televisão italiana e recebeu o Grande Prêmio do Festival Internacional do Filme de Locarno em 1977. Procura reconstruir em detalhe a época e os personagens, valendo-se de bastante maquiagem, leitura de documentos e flash-backs. O ator italiano Riccardo Cucciolla interpreta Gramsci numa tentativa de verossimilhança. O filme flerta com o documentário mas sem conseguir sê-lo por completo. O filme-documentário é falado em italiano e com legendas em espanhol e está disponível no Google Vídeos.

Assista o filme no seguinte link:

http://www.veoh.com/watch/v19351905DZ2BfRjc?h1=Antonio+Gramsci%3A+Los+Tiempos+de+Carcel

 

183 Comentários “Módulo 4 – Sociologia da Educação 1 – A Sociedade e os Indivíduos: Os Processos de Socialização”

  1. Maria Luciana C. Brito disse:

    O homem omnilateral é o modelo de indivíduo desejado por todos os estudiosos que fogem a ideologia do sistema capitalista de Educação. Duas ideologias vão em contramão em relação à educação: a unilateralidade e a omnilateralidade. A primeira é fruto do sistema capitalista, que, por meio de seu método educacional fragmentado capacita o indivíduo unilateralmente, ou seja, este indivíduo torna-se especialista em determinada área do conhecimento, e é a partir desta especialização que terá uma chance no mercado de trabalho, o que o torna um ser totalmente limitado. A segunda ideologia é o desejo de filósofos, pedagogos e outros estudiosos que buscam uma segunda alternativa para a educação, consequentemente para a formação do indivíduo na emancipação humana. O indivíduo omnilateral é aquele que se apropriou dos bens culturais acumulados pela história da humanidade. O Livro “A Escola de Leonardo” traz essa proposta, baseada na vida de Leonardo Da Vinci, que a partir de sua formação como artesão, buscou incessantemente desvendar os mistérios da natureza e contribuir com a ciência que estava em início de experimentação. O momento era de transição do feudalismo para o capitalismo e do Renascimento cultural e social em que estava vivendo.
    Para Gramsci a Escola deve ter um caráter unitário. Deve integrar as pessoas em todas as dimensões de nossa existência, além disso, a educação escolar é responsável pela conservação, sistematização e disseminação de todo conteúdo armazenado e articulado pela ideologia, tais como: ciência, arte, filosofia, política e ética. (transcrição do vídeo assistido em sala, que se encontra no you tube).
    Esse caráter unitário para Gramsci é a totalidade, pois defende a ideia de que é preciso que o indivíduo adquira todo o conhecimento que lhe é de direito, e é a Escola a responsável por transmitir tais conhecimentos, sendo assim, a escola permite essa integração das pessoas em todas as dimensões de existência.
    Para Marx, Gramsci e outros estudiosos que discordam desta educação burguesa do sistema capitalista, o modelo ideal de educação seria aquela que transforma o indivíduo de espécie humana para gênero humano, isto é, a escola é o local onde o indivíduo se apropria dos bens acumulados pela história da humanidade e tem seu potencial desenvolvido na apreensão do conhecimento na sua totalidade e, assim como “Leonardo Da Vinci” será um homem (indivíduo) omnilateral. A emancipação humana é um processo de socialização muito discutido em tempos atuais, pois é uma alternativa que foge da tradicional forma burguesa de ensino (emancipação política).

  2. thaila de oliveira souza disse:

    o ultimo modulo de sociologia da educação I retoma as questões dobre a formação do homem, o proposto por Gramsci e Marx é uma educação voltada para a emancipaçãohumana, que rompa com a alienação e a logica do capital, ou seja, procuram uma formação omnilateral, um homem multilateral, com um ensino integral para que aja uma acumulação do conhecimento sem fragmentação,assim como no video sobre a vida de Leonardo Da Vinci, que buscou o conhecimento de diversas formas, acumulando multiplos conhecimentos e pode ser o considerado o sinônimo de homem onilateral. Essa forma de socialização de conhecimento historicamente acumulado prevê o ensino para a emancipação humana.

  3. Mayara Thaís Miler da Rocha disse:

    Para Durkheim a educação está ligada aos fatos sociais,e para ele a Socialização é o que distingue cada indivíduo. É uma representação, uma imagem interiorizada em cada membro da sociedade sob a forma de uma regra ou disciplina.
    Para a psicologia social, a socialização é um processo, é quando o homem aprende a viver em sociedade.
    Marx e Gramsci propõem uma formação omnilateral, uma formação mais ampla, mais avançada. Uma educação na forma da Emancipação Humana.
    Os vídeos e filmes passados em sala de aula mostram perfeitamente o proposto, que é uma formação omnilateral, e também nos mostra como isso é possível.
    O filme de Leonardo Da Vinci, o traz como exemplo vivo desta formação, um homem que não se preenchia pelo que já tinha, mas pelo que lhe faltava, onde ele queria conhecer mais e mais, sem fragmentação, e sim em uma perspectiva de totalidade.
    A omnilateralidade é a busca da práxis revolucionária no presente.

  4. Raiza Oliveira disse:

    Este Módulo trata sobre a formação do homem, pensada por Marx e Gramsci, como uma formação omnilateral, voltada para a emancipação humana e a apropriação por parte de todos dos bens materiais e culturais produzidos social e historicamente. Assim, o conhecimento não seria fragmentado, mas sim, articulado e desenvolvido do ponto de vista da totalidade na qual todos estão inseridos. Leonardo da Vinci foi um exemplo de formação omnilateral, e mais do que isso, ela era um gênio em vários aspectos. A pergunta que se faz é se a sociedade atual tem a capacidade, e o objetivo, de formar uma sociedade de forma integral e articulada, na perspectiva da emancipação humana?

    A resposta é não! O sistema capitalista impede essa formação integral e forma o homem apenas para a execução de tarefas, de modo a conduzi-lo a aceitação da sociedade imposta, sem questioná-la. Essa fragmentação do conhecimento, e a desvalorização da escola e de sua função, impede a formação articulada e a possibilidade de construção de uma consciência crítica.

  5. Veridiana Oliveira disse:

    A apropriação do saber é fundamental para a emancipação humana, Gramsci propõe esta formação completa juntamente com o ponto de vista de Marx. Visto que sistema capitalista que rege hoje o ensino propõe o ensino fragmentado, deixando assim para o professor a decisão de escolha entre as duas maneiras de ensinar: o ensino fragmentado ou o ensino da totalidade. Não devemos ficar alienados no que é melhor para os nossos alunos e nós mesmos.

  6. João Theodoro de Alvarenga Junior disse:

    Para os sociólogos estudados, o conceito de educação era mais amplo do que estabelecido pelo sistema escolar regente e de sua formação fragmentada e tecnicista. A educação estaria ligada ao meio social e que recebe uma formação em ambientes diversos: escola, família, religião, mídia. E esta formação vai depender da organização política, social e cultural de cada sociedade, ou seja, para cada cultura diferente haverá um conceito de educação. O sistema capitalista como o hegemônico em nosso país e em muitas partes do mundo, estabelece, então, nos ambientes escolares, uma reprodução dessa sociedade de divisões de classes, na qual há uma formação dicotômica: cultural para os mais ricos e uma tecnicista de habilidades e competências para os da classe baixa. Nesta visão, há uma formação de um ser social fragmentado, unilateral, alienado e que aprende a se adaptar e aceitar esta sociedade imposta para a grande massa de trabalhadores.
    O que vai contra essa formação fragmentada seria a formação Omnilateral, encontrada em Leonardo Da Vinci, que buscava o conhecimento em todas as áreas e para tudo a sua volta. Seria o ideal de formação humana, na qual o sujeito se reconhece como ser pertencente ao meio em que vive, e que não se define pela riqueza que o preenche e sim pelo o que se falta para uma formação completa, de forma totalizada, e que iria além das questões políticas.

  7. Deise disse:

    O sistema capitalista forma indivíduos unilaterais, ou seja, que realizam uma única função e ainda são alienados quanto ao sistema e sua produção. Para Marx, Gramsci a formação do indivíduo deve ser onilateral, ou seja, uma formação completa que leve o ser a emancipação humana, a compreensão do mundo no qual esta inserido, que entende que toda vida material tem acumulo de conhecimento, fato este gerado pelo homem e sua dedicação para as descobertas do mundo. Essa formação pode ser observada em Leonardo da Vinci, homem que teve uma formação completa, contribuiu para inúmeros estudos, anatomia, física, química, pintura, escultura… Foi um homem que soube apreciar o auge da Renascença, onde a cultura teve amplo crescimento e influenciou vários indivíduos.

  8. Patrícia Carla Zarpelon disse:

    Gramsci propõem a pedagogia da transformação e não da ordem vigente. Essa pedagogia da transformação consiste na busca constante pela Emancipação humana. O termo Socialização surge com Durkhein e é parte da sociologia. A escola de Leonardo: política e Educação nos escritos de Gramsci, texto discutido em sala, discute a formação de Leonardo através dos escritos de Gramsci, recuperando a historia de Da Vinci e do Renascimento por volta dos séculos XV e XVI. A pessoa de Leonardo é o modelo de homem ideal proposto por Marx ao passo que ele se apropria dos bens acumulados historicamente pela sociedade. Nesse texto é apresentado o conceito de homem massa, ou seja aquele vive na emancipação humana, que possui formação omnilateral. Para alcançar a Emancipação humana, se faz necessário a construção de uma nova sociedade, e para Gramsci toda relação de hegemonia tem caráter pedagógico e educativo. Atualmente, um dos meios para a manutenção da hegemonia burguesa são os Parâmetros Curriculares Nacionais, contribuindo para a alienação de ambas as partes.Para Gramsci, o processo educativo corta toda a espontaneidade, onde a individualidade do sujeito é respeitada, mas ao mesmo tempo controlada. Além de Da Vinci, um outro modelo de omnilateralidade foi apresentado através do documentário Paideia Escuela Libre, onde as crianças eram introduzidas ao trabalho, e aprendiam a ter disciplina desde cedo, mas ao mesmo tempo eram respeitadas, sempre controlando sua espontaneidade.

  9. Elisa Rincon Vieira disse:

    Através dos vídeos e seminários vistos em sala de aula, conclui que a principal forma de socialização é a interação entre professor – aluno e aluno – aluno. Quando essa interação ocorre de forma plena, o aluno tem liberdade para questionar, participar e adquirir cada vez mais conhecimentos, podendo assim lutar pelos seus ideais e colocar em prátia a omnilateralidade, pois a partir do momento em que ele se torna um ser pelno de conhecimentos ele supera o sistema capitalista que domina a sociedade.

  10. Fabiano da Silva Costa disse:

    Para Gramsci o principal é sempre buscar a omnilaterariedade do homem, e com isso a emancipacao humana. Leonarod da Vinci é um exemplo de homem emancipado, um modelo a ser seguido e buscado. Apesar disso a impossibilidade desta busca esta no fato de que vivemos em uma sociedade capitalista cujos objetivos sao a especializacao e a exploracao do trabalhador.

  11. Patrícia Almeida Florêncio disse:

    Este ultimo modulo fala sobre as duas ideologias, que se opõem uma a outra, que são: a unilateralidade e omnilateralidade. Sendo a unilateralidade fruto do capitalismo, que instrui seus alunos a se especializarem em apenas uma parte do conhecimento, o que faz deles pessoas limitadas,. Já a omnilateralidade é a forma de educação desejada pelos estudiosos, ja que ela ensina todas as partes do conhecimento, e é a que mostra no video sobre a vida de Leonardo Da Vinci.
    A omnilateralidade é uma proposta de educação da totalidade, que traz au individuo a emancipação humana.

  12. Annelize dos Santos Martins disse:

    Um dos principais processos de socialização estudada no módulo 4, é a formação omnilateral e unilateral. Marx, assim como Gramci, deseja uma formação humana diferenciada da formação unilateral, pois ele é condicionado pelo capital. Para Marx, o conceito de omnilateralidade é importante para a reflexão sobre educação; ele defende uma formação humana oposta à formação unilateral, que é consequência de um trabalho alienado, da divisão social do trabalho. Trabalho alienado é uma atividade que é exteriorizada e objetivada, sua produção ocorre não para satisfazer as necessidades do indivíduo, mas as do mercado. O trabalho é uma atividade humana que produz valor de troca, sendo assim, o trabalhador faz seu serviço direcionado as necessidades de outras pessoas e não para si próprio, mas em troca, recebe um salário que o utiliza como um bem de subsistência para sua família.
    Compreender o ser omnilateral, proporciona condições para que diante das pervercidades do capital, se sobressaia de forma consciente e autônoma como seres demandantes de direitos e deveres, mas que entenda as ações praticadas na sociedade capitalista.
    Pensar o cidadão enquanto ser omnilateral é concebê-lo como sujeito de direitos e deveres, construtor de sua história, sem, porém, excluí-lo do mundo do mercado, mas o dotando de consciência crítica que lhe possibilite autonomia ao se relacionar com este mundo e não simplesmente servir aos desejos dele.
    No filme de Leonardo da Vinci, percebemos um homem omnilateral, pois ele sabia um pouco de tudo, sobre artes, medicina e ainda assim tentava aperfeiçoar ainda mais, queria sempre buscar e aprender mais, devemos ser como Leonardo da Vinci, não buscar a fragmentação das coisas, mas estarmos sempre dispostos a nos aperfeiçoarmos e aprendermos mais e mais.

  13. Viviane Borges disse:

    Este ultimo módulo diz respeito a formação do homem por Gramsci junto a Marx . O homem deveria ter uma formação integral (emancipação humana) e não fragmentada como impõe a sociedade Capitalista. O fime de Leornardo da Vince nos mostra o modelo de educação idealizado por Marx, Da Vince era um homem que buscava saber de tudo ( ”se preenchia daquilo q lhe faltava”) buscando se apropriar de tudo e assim acumular conhecimentos históricamentes produzidos .Portanto ele se torna um modelo de homem omnilateral .

  14. Deise Scardelato disse:

    Para Gramsci o homem como ser pensante, que vê o conhecimento acumulado ao final da produção é o homem omnilaterial que compreende o mundo com consciência alcançando assim a verdadeira emancipação humana, que formará o indivíduo na perspectiva da sociedade que valoriza o ser social. No período da Renascença houve uma explosão cultural que contribuiu para os estudos de Leonardo da Vinci, que aproveitou o grande momento e se dedicou aos estudos como anatomia, física, química, contribuindo assim para os avanços de hoje.

  15. Jéssica Rinara Alves dos Santos disse:

    O homem omnilateral que surge na era da renascença é o modelo de Leonardo da Vinci que é visto como ser completo possuidor de vários conhecimentos e domínios de diversas áreas. A função da educação deveria se guiar por esse modelo que não é apenas conhecedor, mas desenvolve qualquer função que lhe é dada e é capaz de discutir, indagar e investigar sobre as áreas do conhecimento.

  16. Rafaela disse:

    Gramsci e Marx propõe uma educação omnilateral, que é a formação integral do homem, um ensino sem fragmentação.
    Pelo vídeo que contou a história de Leonardo da Vinci, vimos que ele foi um exemplo de homem onmilateral, mas em nossa sociedade capitalista sabemos que essa formação não se adapta com o sistema vigente.

  17. Carla Cristina Gomes Nogueira disse:

    A sociedade econômica dominante atual pensa a escola e principalmente a formação do homem ao contrario do que propõe Gramsci e Marx. Para o sistema capitalista que é posto atualmente, o ser humano deve ser formado na perspectiva na unilateralidade, enquanto Gramsci e Marx mostram o contrario, desejando a formação do homem omnilateralmente. As aulas, os vídeos e os textos estudados mostraram que Gramsci propõe a educação humana baseada na perspectiva da emancipação humana, para além do capital, pela figura de Leonardo da Vinci, que em sua época aproveitou do contexto que vivia e se formou integralmente, em várias áreas. O processo de socialização é parte importante para a formação integral do homem sob a perspectiva da emancipação humana, pois vai contra o que a sociedade atual impõe: a exploração do homem pelo homem, a individualidade e a competição. A educação do homem de nossa sociedade deve no mínimo ser sob a perspectiva da emancipação humana, já que não é possível a transformação da sociedade atual em outra humana.

  18. Amanda Amaral Perles disse:

    Este último módulo trata das questões referentes a formação integral do homem, para se tornar um ser humanamente emancipado. Nesse sentido busca-se o rompimento com a alienação e com o sistema vigente.
    Para Marx e Gramsci, o homem deve se tornar um ser omnilateral, ou seja, que busca e acumula todo o conhecimento de forma não fragmentada, aquele que se apropria de conhecimentos historicamente acumulados. Leonardo da Vinci é um exemplo de omnilateralidade, pois não se contentava com o conhecimento que tinha, buscava se aprofundar e conhecer cada vez mais o que havia ao seu redor. Tinha conhecimento em todas as áreas, mas nunca se sentia satisfeito. Assim deve ser todo e qualquer cidadão, que deve buscar adquirir conhecimento através da totalidade, para que assim se possa alcançar a verdadeira emancipação humana e superar o sistema imposto.

  19. Edinaldo S. Nascimento disse:

    A emancipação humana está para além da emancipação política, assim como a apropriação dos conhecimentos historicamente produzidos está para além do senso comum. A via de comunicação atual disponível a grande massa da humanidade é alienante e fragmentada, cuja tendência formadora contamina de forma reducionista o pensamento comum, e mais, controla por meio de estratégicas linhas os títeres de um grande espetáculo. Na contramão da passiva aceitação, Gramsci, baseado na visão marxista, compreendia um homem completo dotado de interesse e humildade, quesitos estes que lhe proporcionariam motivações e curiosidades, ou seja, uma totalidade cognitiva, a omnilateralidade. Leonardo da Vinci, um homem assombrosamente prodigioso, nos deixou seu legado de maravilhas tecnológicas, científicas e artísticas. Como um modelo de homem ideal, Leonardo nos inspira ao mesmo tempo em que nos arrebata com seus feitos e brilhantismo. Para Gramsci, uma educação ditada pela política da classe dominante, formar servidores é objetivo. Enfim, para ele, seria necessária a formação de uma nova sociedade que visasse à formação do ser social dotado em sua completude.

  20. Mariana Santini Arroyo disse:

    No ultimo módulo vimos a proposta de Marx e Gramsci para a formação do homem omnilateral, ou seja, a formação integral do homem na perspectiva da emancipação humana. Esse individuo (humanamente emancipado) busca apropriar-se de todo conhecimento historico acumulado, superando desse modo, o sistema capitalista atual cujo objetivo é a formação do homem pela unilateralidade, construindo e mantendo uma sociedade cada vez mais alienada. Um exemplo da omnilateralidade foi Leronado da Vinci, um homem brilhante, que procurava apropriar-se do conhecimento de todas as áreas. Porém, para que essa formação seja possível o sistema capitalista atual deve ser superado.

  21. Mariana Pires Calijuri disse:

    O principal processo de socialização abordado no Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 1 foi a Omnilateralidade. Manacorda (2007) nos explica em seu texto que com a divisão da sociedade em classes veio, também, a divisão do homem, como a divisão do trabalho é divisão entre trabalho e não-trabalho, assim também o homem se presenta como trabalhor e não trabalhador. Essa seria unilateridade, que é apontada tanto nos trabalhadores como nos capitalitas (privilegiados). O que marx vai propor é então a omnilateralidade, que seria “a chegada histórica do homem a uma totalidade de capacidades produtivas e, ao mesmo tempo, a uma totalidade de capacidade de consumo e prazeres, em que se deve considerar sobretudo o gozo daqueles bens espirituais, além dos materiais, e dos quais o trabalhador, tem estado excluidooo em consequencia da divisão do trabalho.” (MANACORDA, 2007, p. 81) Nesse sentido teríamos uma educação que fosse em direção à formação integral do homem sob a perspectiva da emancipação humana. Como vimos no vídeo da BBC Leonarod da Vinci é um exemplo de homem emancipado, que buscava o conhecimento em todas as áreas (físicia, química, anatomia, matemática, artes e etc) e para tudo a sua volta.

  22. Gleicer Correia disse:

    O principal processo de socialização abordado no módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação I é a omnilateralidade. O homem omnilateral é aquele que está aberto a novos conhecimentos, conhece a si próprio, e domina todas as áreas de conhecimento, diferentemente da formação multilateral que se tem hoje. O indivíduo multilateral sabe muito de uma área específica, desenvolve atividades equivalente a dez trabalhadores ( no caso do trabalho) mas não recebe o salário de dez trabalhadores, e sim de um apenas. A emancipação humana se dá quando o homem superar suas ideias e buscar uma formação integral, fora da alienação em que está inserido, buscar questionar o sistema que rege a sociedade atual.

  23. Beatriz Stefanie da Silva disse:

    Através da disciplina Sociologia da Educação, dos textos, vídeos e aulas podemos ver que o principal processo de socialização abordado no Módulo 4 foi a Omnilateralidade e vimos a proposta de Marx e Gramsci para a formação do homem omnilateral, ou seja, a formação integral do homem na perspectiva da emancipação humana,com um ensino integral para que tenha uma acumulação do conhecimento sem fragmentação. Depois de termos assistido ao filme de Leonardo da Vinci podemor ver que ele é um grande exemplo da Omnilataralidade, sendo um homem emancipado que tinha um excelente conhecimento por todas as áreas, buscava aprender cada dia mais aumentando seu conhecimento.

  24. Ana Beatriz Galbin Gomes disse:

    No ultimo modulo de Sociologia da Educação 1, vimos que Gramsci propõe a formação do individuo omnilateral, ou seja, um sujeito emancipado humanamente, que tenha consciência de que tudo o que temos hoje é resulatdo de um processo historico, prega tambem uma formação integral que parta sempre da perspectiva da totalidade para que o sujeito possa acumular conhecimento de forma não fragmentada e que seja capaz de romper com a alienação e o pensamento imposto pelo capitalismo. Leonardo da Vinci é um grande exemplo do que foi proposto por Gramsci, pois buscou acular conhecimento de diversas áreas, tornando-se um individuo completo, integral.

  25. Emanuelle Zanchetta Borges disse:

    No modulo 4 de sociologia é falado da formação omnilateral, a qual pretende formar o individuo a partir da perspectiva da emancipação humana trabalhando, portanto, um ensino na totalidade e não fragmentado. O individuo omnilateral busca então apropriar-se de todo conhecimento histórico cultural acumulado e ter domínio de todas as áreas podemos ver isto no filme de Leonardo da Vinci, este buscava conhecer todas as áreas.

  26. Elisa Pavani de Oliveira disse:

    Durante este último módulo estudamos através de Gramsci a formação do homem omnilateral, em que consiste plena formação do homem. Durkheim foi quem deu inicio ao termo “socialização”, em que cada sujeito tem seus ideais, crenças e valores, porém podem ser distinguidos em grupos. Hoje o homem está alienado ao mundo capitalista que não se reconhece como fabricante de determinado produto. A formação omnilateral vai para além de uma sociedade capitalista e visa a emancipação humana.

  27. Evaldo disse:

    Apesar da busca constante e amplamente defendida por vários filósofos, a formação do homem em sua plenitude, ou seja, omnilateralidade está longe de ser alcançada. Embora tenhamos algumas teses que defendam o contrário, o indivíduo completo não existe. A natureza se encarregou de presentear ao mundo, alguns seres próximos à isso como o próprio Leonardo, daí o conceito da escola de Leonardo, mas ainda assim somos formados na escola da coisificação criada pelo sistema capitalista.

  28. Geisinara Fernanda B. Dias disse:

    Na sociedade econômica dominante atual, regida pelo capitalismo, constata-se que a formação do ser humano se dá pela unilateralidade, a qual impõe a exploração do homem pelo homem, a individualidade e a competição na sociedade. No entanto, Gramsci, apresenta a formação do homem omnilateral, a qual busca e acumula todo o conhecimento de forma não fragmentada, isto é, nesta perspectiva de formação integral do ser humano, o homem tem o direito de apropriar-se do patrimônio material, cultural e intelectual acumulados pela humanidade. Pode-se afirmar que Gramsci, conforme discutido por SCHLESENER (2009), propõe um ensino cujo objetivo está focado na superação da exploração do homem pelo homem, uma formação que emancipe o homem e lhe forneça condições de exercer sua liberdade de forma mais autêntica. No Livro “A escola de Leonardo – política e educação nos escritos de Gramsci” (SCHLESENER, 2009), compreende-se historicamente a vida de Leonardo Da Vinci, o qual, a partir de sua formação como artesão, buscou desvendar os mistérios da natureza e contribuir com a ciência que estava em início de experimentação. As aulas, os vídeos e os textos estudados na disciplina Sociologia da Educação 1 mostraram que Gramsci propõe a educação humana baseada na perspectiva da emancipação humana, para além do capital, pela figura de Leonardo da Vinci, que aproveitou-se do contexto histórico renascentista da época em que vivia, destacada por uma explosão cultural, e obteve uma formação integral em diversas áreas do conhecimento.
    Isto nos leva a refletir que é preciso, primeiramente, compreender que a escola está a serviço da classe dominante, assim como tudo ao nosso redor. Mas a escola pode ser crítica, o que significa conhecer o ‘problema’ desde sua raiz e propor uma solução. Vale ressaltar, ainda, que é impossível criarmos uma escola diferente neste regime capitalista liderado pela burguesia, porém, a escola pode sim educar com uma perspectiva diferente da escola burguesa. Dessa forma, torna-se possível o professor trabalhar em uma perspectiva diferente da proposta do governo liberal burguês. O professor pode garantir que a aprendizagem do aluno ocorra numa totalidade. O ensino do professor deve focar-se na perspectiva da emancipação humana, a qual consiste na formação integral do indivíduo.

  29. Danny Hellen disse:

    Neste módulo de sociologia iremos tratar da formação omnilateral, proposta por Marx e Gramsci. Onde o homem teria uma formação/educação mais ampla e completa, visando a emancipação humana. Sem fragmentação numa perspectiva da totalidade, articulando-se entre si, de todos os bens materiais e culturais acumulados históricos e socialmente. No vídeo sobre Leonardo da Vinci fica bem clara essa formação, mostrando que ela é possível. Porém com o regime capitalista não temos esta formação integral e articulada na perspectiva da emancipação humana, mas sim fragmentado e na perspectiva política. O que impede uma construção de uma consciência crítica, visando apenas o trabalho alienado.

  30. Patricia Santos disse:

    O 4º módulo da disciplina tratou da formação omnilateral, defendida por Marx, e nos apresentou uma visão da vida e obra de Leonardo da Vinci, o exemplo mais célebre dessa formação, onde o homem apreende conhecimentos de todas as áreas do saber, de forma ampla e significativa. As discussões acerca do pensamento de Gramsci também nos proporcionaram reflexões sobre o papel da escola na sociedade capitalista, que, infelizmente, preocupa-se com o preparo do indivíduo para o mercado de trabalho, oferecendo um ensino fragmentado e imediato. A escola atual prepara para a cidadania, mas nos limites da democracia burguesa. Gramsci nos propõe o rompimento com essa situação, e acredita que a superação dessa hegemonia só acontecerá quando a educação se tornar um instrumento de luta revolucionária, livrando o indivíduo do conformismo e da aceitação da ordem vigente.

  31. gisela disse:

    As discussões acerca do pensamento de Gramsci nos proporcionam reflexões sobre o papel da escola na sociedade capitalista . A proposta de gramsci trata de uma formação ominilateral onde o homem teria uma formação mais ampla visando a emancipação humana. Leonardo foi um grande exemplo do que foi proposto por Gramsci , buscar o conhecimento em várias áreas .

  32. poliana billar elios aniceto disse:

    No módulo 4 da disciplina estudamos a formação omnilateral proposta por Marx e Gramsci.Esses autores consideram que o homem deve receber uma formação integral ,que englobe conhecimentos manuais , intelectuais e tecnológicos.
    Leonardo da Vinci é visto por Gramsci como o maior exemplo dessa formação omnilateral , pois em sua época se interessou pelas diversas áreas do conhecimento.
    Mas , como explicito nos textos , essa formação só poderá ser alcançada por meio da superação do capitalismo.

  33. Bete disse:

    O principal tema do último módulo de Sociologia da Educação é a relação do homem e sua formação omnilateral. Pode-se considerar duas concepções na sociedade moderna: a arte de ensinar e o movimento de interação professor / aluno e a importância do conhecimento historicamente produzido para a construção das políticas de uma nova ordem social e política. Gramsci aponta a importância de uma escola democrática e única, com atributos, que se considerados nos dias atuais, seriam considerados sonhos de todo e qualquer professor: educação com poucos alunos para dedicar mais tempo a educação, ensino de todo conhecimento, sem a separação do que seria conveniente ou não ensinar, pois o conhecimento abre os horizontes, enfim, Gramsci, naquela época idealiza a escola de Leonardo, o que hoje muitos apresentam como novidade, sem no entanto apresentar, infelizmente, sucesso.

  34. Marcelo Geroge do A.B. Longhi disse:

    No Livro “A escola de Leonardo – política e educação nos escritos de Gramsci” (SCHLESENER, 2009), ao usar a figura de Leonardo da Vinci como alegoria para retratar o resultado da educação segundo os escrito de Gramsci, o autor evidencia o resultado de uma educação voltada para a emancipação humana, por meio de uma formação omnilateral. O individuo pode exercer sua autonima desde que tenha acesso a todo conhecimento acumulado, e nao somente as partes fragmentadas. A educação deve ser voltada para o coletivo, de modo a compartilhar tudo com todos.

  35. Camila Matos disse:

    No quarto e último módulo de sociologia é abordado a formação omnilateral, a qual pretende formar o individuo a partir da perspectiva da emancipação humana, trabalhando um ensino na perspectiva da totalidade e não fragmentado, como tem sido. O individuo omnilateral busca apropriar-se de todo conhecimento histórico cultural acumulado e ter domínio de todas as áreas, como vimos no filme de Leonardo da Vinci e é o modelo de indivíduo almejado pelos estudiosos que compreendem a ideologia do sistema capitalista de Educação. O Livro “A Escola de Leonardo” traz essa proposta, baseada na vida de Leonardo Da Vinci que, a partir de sua formação como artesão, buscou desvendar os mistérios da natureza e contribuir com a ciência que estava em início de experimentação.
    Gramsci aponta a importância de uma escola democrática e única; propõe um ensino cujo objetivo está focado na superação da exploração do homem pelo homem, uma formação que emancipe o homem e lhe forneça condições de exercer sua liberdade de forma mais autêntica.
    Para Marx, Gramsci e outros estudiosos que discordam desta educação burguesa do sistema capitalista, o modelo ideal de educação seria aquela que transforma o indivíduo de espécie humana para gênero humano, isto é, a escola é o local onde o indivíduo se apropria dos bens acumulados pela história da humanidade e tem seu potencial desenvolvido na apreensão do conhecimento na sua totalidade e, assim como “Leonardo Da Vinci” será um ser social omnilateral. A emancipação humana é um processo de socialização muito discutido hoje, mas impossível de ser concretizado no sistema capitalista, que propicia a emancipação política e mantém a estrutura hegemônica da sociedade de classes, alicerçada na alienação, no individualismo e na competição, enfim, na exploração sem limites, chegando ao ponto de comprometer nossa própria existência, através da exploração incessante dos recursos naturais e degradação do meio ambiente.

    Boas férias pessoal! Foi bom estar com vocês!!

  36. Eliane Rosa Policarpo disse:

    O principal processo de socialização segundo Gramsci é a emancipação universal de toda humanidade ,ele apresenta também a respeito da escola unitária ,onde todas as pessoas tem que participar desse processo ,e aborda a respeito da formação omnilateral ,a qual pretende formar na perspectiva da totalidade e da formação integral do homem.

  37. A escola de Leonardo

    Que bom seria
    Se todos fossem “Leonardos”
    Não precisaria de ninguém mais
    Todos seriam perfeitos, omnilaterais

    Formar o individuo sim
    Mas total, e não fragmentado
    Buscando o conhecimento
    Histórico cultural acumulado

    Domínio tem que ter
    Em todas as áreas
    Para sempre ser o modelo
    Que todos querem ser

    E Gramsci tadinho
    Foi até preso
    Mas escreveu muitos Cadernos
    E saiu quase ileso

    Tentou nos mostrar
    Sem ter como provar
    Pois nem tempo teve

    Mas sempre defendeu
    Uma escola democrática
    Baseada na espontaneidade
    Para que o homem tivesse
    Essa tão sonhada: LIBERDADE!

    Jorgeana Basseti

  38. silmara disse:

    Gramsci critica veementemente é a inspiração da pedagogia moderna , que faz da colaboração mestre-aluno um de seus temas centrais, mas que não define o problema central da educação que é o de governar o desenvolvimento humano, Gramsci tinha uma expectativa em relação à escola . Nas ultimas cartas trocada com o filho demonstra sua frustração quanto a realidade .

  39. Sandra disse:

    Para mim o principal processo de socialização abordado neste módulo, é a essência do homem em busca de sua evolução histórica, seus conflitos, suas concepções de ser, de educação, de homem completo ou incompleto. Eu fiquei encantada ao conhecer a história de Leonardo, não imaginava que ele dispunha de tanta sabedoria e conhecimento, para mim ele era apenas um pintor, mas agora se tornou um grande exemplo de sabedoria.

  40. Erika Caroline disse:

    De acordo com o que foi estudado, o processo de socialização defendido era a formação integral do ser humano. que saiba escolher, que consiga pensar criticamente e desenvolva em sua totalidade. E não ficar alienado a uma rotina sem propósitos.

  41. GISELE REGINA GUBOLIN NARDELLI disse:

    NA UNILATERALIDADE TEMOS UM CONHECIMENTO ADQUIRIDO DE FORMA FRAGMENTADA, ONDE O INDIVÍDUO INSERIDO NO SISTEMA CAPITALISTA ACABA SE ESPECIALIZANDO EM APENAS UMA ÁREA DE CONHECIMENTO.
    A OMNILATERALIDADE TRAS UMA NOVA PERSPECTIVA PARA A EDUCAÇÃO, AQUI, O INDIVÍDUO SE APROPRIA DO CONHECIMENTO EM SUA TOTALIDADE.
    PARA GRAMSCI, A ESCOLA DEVE TER CARÁTER UNITÁRIO DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS PESSOAS E O PAPEL DA ESCOLA QUE DETÉM TODO O CONHECIMENTO É DISSIMINAR TODO O CONTEÚDO ARMAZENADO SUA SUA TOTALIDADE, SEM FRAGMENTAÇÃO.

  42. Raquel Piocoppi disse:

    A busca do homem que se sobressaia do comum, do coletivo para encontrar o conhecimento completo na visão de Leonardo Da Vinci é o ideal da formação do homem e da sua emancipação humana; condições necessárias para que o indivíduo rompa a alienação já enraizada no nosso sistema capitalista e, assim construa sua formação plena num encontro individual de querer e conhecer, tornando-se consciente de sua existência e capacidade não “engessada” e conformada para satisfazer uma lógica capital de favorecimento de poucos.

  43. Daniela Alves disse:

    O principal processo de socialização discutido no módulo 4 é o de formar o homem omnilateral que busca a formação mais completa possível e ele (ser humano) poderá fazer suas próprias escolhas, como nos campos da afetividade, emoção, prática intelectual, etc. O homem omnilateral se preenche pela falta de riqueza e até mesmo no ponto de vista da educação vimos que viemos no mundo para aprender diversas coisas, por isso devemos pensar numa sociedade para além daquela que estamos vivendo.
    Leonardo da Vinci, de acordo com o que vimos no vídeo, é o exemplo de que não é a riqueza que preenche o homem e sim sua falta, ele buscou diversos conhecimentos e buscava a omnilateralidade sempre.
    A escola deve buscar formar um novo cidadão, aquele que almeja a emancipação humana e que tenha um ensino completo e não aquele que a sociedade capitalista forma, ou seja, aquele ser unilateral e aquele ensino fragmentado.
    Segundo Gramsci, a educação deve integrar todos os conteúdos programáticos do currículo escolar e a escola deve ser unitária no processo da totalidade, pois é a escola que deve formar o individuo repleto de conhecimento e esse conhecimento deve ser amplo e visar à emancipação humana.
    Por fim, a omnilateralidade deve ser pensada numa outra sociedade que não seja a capitalista, pois só assim, o ensino será totalizado.

  44. Marina Martins disse:

    Na perspectiva do modelo capitalista a formação humana apresenta-se fragmentada. Uma formação unilateral. Neste modelo de formação que segue o capitalismo predomina a exploração de uma classe sobre a outra, a exploração do homem pelo homem. Esta formação precisa ser transformada. Essa transformação seria pela formação na perspectiva de emancipação humana. Gramsci, apresenta a formação do homem omnilateral, a qual busca e acumula todo o conhecimento de forma não fragmentada, isto é, nesta perspectiva de formação integral do ser humano, o homem tem o direito de apropriar-se do patrimônio material, cultural e intelectual acumulados pela humanidade. O que vai contra essa formação fragmentada seria a formação Omnilateral apresentada pela figura de Leonardo da Vinci, que se aproveitou do contexto histórico renascentista da época em que vivia, destacada por uma explosão cultural, e obteve uma formação integral em diversas áreas do conhecimento. Assim o tema principal deste módulo de sociologia trabalhado é a formação omnilateral. A escola pensando no indivíduo como ser humano, um olhar voltado na perspectiva da emancipação humana. Desta forma é preciso pensar na escola no sistema em que vivemos. O sistema capitalista não permite a formação integral. Porém compete ao professor trabalhar sua aula na perspectiva de formação integral, valorizando o indivíduo e incentivando a formação completa do ser.

  45. Fernanda Rissardi disse:

    No Módulo 4 da disciplina sociologia da educação I, dentre os conceitos estudados, ressaltam-se a formação unilateral e omnilateral. A primeira pode ser caracterizada como a existente no capitalismo atual, na qual a formação é completamente dicotômica: cultural para os indivíduos de uma classe social alta e uma formação tecnicista para a classe social baixa. Nesta estrutura, há de ser formar um indivíduo fragmentado e alienado que é explorado no seu trabalho, não podendo, muitas vezes, obter para si aquilo que fabrica.
    Na contramão dessa formação, dispõe-se a omnilateralidade, que concebe o indivíduo como possuidor de direitos e deveres, reconhecendo-se como pertencente ao meio em que habita, formando-se de forma plena, totalizada. Pensar no ser humano na perspectiva da omnilateralidade é concebê-lo como possuidor de consciência crítica proporcionando-lhe portar-se conforme seus desejos, eliminando a alienação pertencente à unilateralidade. No filme exposto de Leonardo da Vinci, observa-se o aspecto omnilateral, visto que não se buscava a fragmentação dos conceitos, mas, sua sapiência em aprender mais e mais, formando para a emancipação humana.

  46. Angelica Camacho disse:

    O sistema capitalista visa a educação unilateral, ou seja, visa uma formação de forma fragmentada, de modo que não se eduque pessoas críticas, já que o sistema não precisa disso, assim pode-se continuar a exploração do homem, exploração de classes e essa desigualdade total que prevalece em nossa sociedade.
    Gramsci a partir de Leonardo da Vinci propõe então, a formação omnilateral, que seria o principal tema trabalhado nesse módulo. A partir da formação omnilateral tem-se a emancipação humana, forma pela qual se dá uma formação integral. Nesse modelo de formação humana, a educação é vista como total, e não fragmentada como na educação unilateral. Essa formação integral visa o rompimento do homem quanto á essa alienação adquirida a partir da sociedade capitalista.

  47. Nayara Koseki disse:

    Gramsci e Marx propõe a formação integral do homem omnilateral em um ensino sem fragmentação, como era na educação unilateral.
    Sendo assim, o principal processo de socialização abordado no Módulo 4 é a formação do homem omnilateral, voltada para a educação da emancipação humana, que rompe com a alienação e a lógica do capital.

  48. Janaine Braga Ramos disse:

    Neste módulo da disciplina, podemos compreender a proposta de Marx para a formação da individualidade humana, e do gênero humano. O pensamento proposto por Marx, é de que o homem recebe uma educação que o tornasse integral, ou seja, omnilateral. Um homem que pudesse se apropriar das riqueza culturais, espirituais, materiais e intelectuais produzidas, um homem que tivesse uma educação vinculada ao trabalho, de forma que o homem pudesse formar uma individualidade completa.
    Contudo, o que a escola do sistema capitalista propõe não é isto, a escola do capitalismo, propõe menos pra quem tem menos e mais para quem tem mais. No sistema capitalista os homens são privados de muitas das riquezas humanas, muitas vezes até das mais básicas à sobrevivência. O capitalismo impõe que o homem seja unilateral, ou seja, que ele tenha que desenvolver inúmeras tarefas sem ter consciência de nenhuma delas.

  49. Marieli Bianchi disse:

    o módulo 4 da disciplina refere-se a educação para formação integral do homem proposta por Marx e Gramsci, a formação do homem omnilateral, aquele que se vê como parte de um todo e com consciência de seu papel e apropriando -se dos bens culturais, espirituais, materiais e intelectuais
    Na realidade da atual sociedade capitalista tudo é fragmentado, inclusive o próprio homem, e a educação destina-se a formação unilateral apropriando-se somente de pouquíssimas partes dos bens acumulados pela humanidade.
    Portanto cabe a nós educadores mesmo que inseridos no sistema capitalista repensarmos quais são os propósitos que queremos em nosso trabalho com as crianças ? para que e qual ser humano quero formar ?

  50. Beatriz Rincão disse:

    No módulo 4 busca-se uma formação do homem omnilateral, ou seja, formar aquele individuo que por sua vez tem a consciência do papel e o mesmo sempre estará buscando caracteristicas boas de uma sociedade, sempre tentando se aperfeiçoar em ambas as partes ( educação, cultura, espírito entre outras coisas). A educação omnilateral quer formar um cisadão integral, o que é proposto por Marx.
    Podemos notar que hoje o nosso sistema capitalista não propõe isso, pois a educação muda de acordo com as classes sociais, quanto mais pobre se é, pior a sua educação tendo um ensino de péssima qualidade como por exemplo: escolas públicas. Já para as classes médias altas o ensino ele se torna um pouco melhor por ser pago. No capitalismo os indivíduos não tem o direito de riquezas, seja elas materiais ou não, pois ele quer um homem unilateral no qual seja capaz de desenvolver atividades sem ter consciência de nenhuma delas. Como por exemplo o trabalho alienado, o homem trabalha e produz sendo que a produção não irá para ele e o lucro do seu trabalho menos da metade será dele.

  51. Bruna B. disse:

    Estudamos em Gramsci a formação do homem omnilateral, homem que não se educa apenas com intuito escolar, mas no qual a educação é “geral” em família, emprego, escola e vida, ou seja formar um cidadão integral. Diferenciando do homem do sistema capitalista!

  52. Thaís Leite disse:

    Nesta, abordou-se duas concepções; a da unilateralidade e omnilateralidade. a visão de Gramsci acerca das relações entre política e educação como base na construção de uma nova civilização. Assim, o conceito de educação se funda na noção ampliada de política. No capitalismo, a educação é entendida como um processo por meio do qual o indivíduo se adapta ao meio e às necessidades sociais do modo de produção. Na formulação de uma nova sociedade, fundada nos princípios socialistas, a educação deveria ter um outro papel: formar coletivamente, assegurando o desenvolvimento integral da personalidade individual. Em outras palavras, formar o homem omnilateral. Tal formação não se daria exclusivamente nas escolas, mas também em outros mecanismos, como jornais operários, associações de cultura, conselhos de fábrica, grupos de estudo, sindicatos e no partido. Um modelo deste, pôde ser visto no filme da vida de Leonardo Da Vinci, onde, explicita-se sua constante busca pelo conhecimento, aprimorando-se cada vez mais em diversificadas áreas, tornando este, um ser omnilateral. A visão de Gramsci acerca das relações entre política e educação como base na construção de uma nova civilização. Assim, o conceito de educação se funda na noção ampliada de política. No capitalismo, a educação é entendida como um processo por meio do qual o indivíduo se adapta ao meio e às necessidades sociais do modo de produção. Na formulação de uma nova sociedade, fundada nos princípios socialistas, a educação deveria ter um outro papel: formar coletivamente, assegurando o desenvolvimento integral da personalidade individual. Em outras palavras, formar o homem omnilateral. Tal formação não se daria exclusivamente nas escolas, mas também em outros mecanismos, como jornais operários, associações de cultura, conselhos de fábrica, grupos de estudo, sindicatos e no partido. A educação, portanto, apresenta um significado muito mais abrangente que aquele que se costuma atribuir cotidianamente, reduzindo a função de educar ao sistema escolar. A educação não se restringe aoespaço da escola, mas faz parte da vida e da luta das massas trabalhadoras por sua identidade e autonomia; o proletariado só pode chegar a ser dirigente a partir de suas lutas e de sua organização política e nas várias instituições que é capaz de criar para alcançar esses objetivos. formar um novo homem enquanto se constrói uma nova civilização, isto é, uma sociedade de liberdade para todos, pode ser um ideal muito distante, mas é a fantasia necessária para continuar a caminhar.

  53. Ana Claúdia disse:

    Gramsci defende a educação como a única forma de emancipação humana, é através dela que o homem consegue se apropriar da sua própria vida. modicando-a.
    Para Gramsci a Escola deve ter um caráter unitário. Deve integrar as pessoas em todas as dimensões de nossa existência, além disso, a educação escolar é responsável pela conservação, sistematização e disseminação de todo conteúdo armazenado e articulado pela ideologia, tais como: ciência, arte, filosofia, política e ética.
    É através de uma educação completa que o homem se transforma.

  54. América disse:

    . No Livro “A escola de Leonardo – política e educação nos escritos de Gramsci” (SCHLESENER, 2009), a autora traz em seus textos os escritos produzidos por Gramsci ,sobre política e Educação, retomando assim a temática sofre a formação omnilateral proposta pelo socialismo e a formação onilateral imposta pelo sistema capitalista. SCHLESENER levanta alguns elementos sobre a formação do individuo no contexto do Renascimento e aborda sobre a formação humana onmilateral na visão gramscina, o qual é representada pela figura de Leonardo Da’ Vinci, ou seja, o homem humanamente emancipado, que remete o ideal socialista de desenvolvimento individual e o papel da práxis educativa..Nesta representação é retomado os problemas sociais, políticos, econômicos, vivenciado pela classe trabalhadora a partir do século XX, vinculados diretamente ao sistema capitalista que suprimiu as competências intelectuais e sociais do homem , tornando-o em mera mercadoria, dentro de um sistema político e econômico que só visa o lucro e que promove a alienação da sociedade. Anita vinculou o desenvolvimento integral humano às possibilidades oportunas dentro de uma sociedade que permitiu aos ‘’seus filhos’’ a apropriação do conhecimento, por intermédio do materialismo histórico produzido pela humanidade o papel social da escola .Dentro deste raciocínio ela pontua a importância dos processos de educação exemplificando o papel social das oficinas e associações da época do renascimento, como a oficina – escola Verrocchio e as Guildas .. Atualmente vivenciamos uma realidade oposta a proposta de Marx e Gramsci sobre a escola ideal, cujo principio fundamental é o de promover e permitir a formação plena do individuo, no caminho de sua emancipação humana, e exmplo desta formação omnilateral esta a pessoa de Leonardo da |Vinci, um homem que estava a frente de seu tempo , e que confronta com o retrato de homem onilateral da era do capitalismo, cujas competência e habilidade se limitam a um desenvolvimento que irá servir meios de produção. Na aurora do renascimento foi possível esta formação única e integral do homem eo que possibilitou esta realização, segundo os princípios de formação humana da filosofia, foram as condições e interações políticas, culturais, comunitárias, familiares e religiosas, da época, com a formação escolar. Pois quando se pensava em educação formadora pensava-se na articulação do afloramento do ser interior com o florescimento do ser exterior, com isso as competências e habilidades surgiam naturalmente e eram usadas em pró da humanidade, não estavam apenas vinculadas as relações de trabalho.Esta é a proposta das citações, feita pela autora, a cerca dos ideais de Gramsci e Marx, em relação a formação humana emancipadora, que esta acima dos princípios do capital. O ambiente escolar deve ser um lugar único, de acesso para todos, onde todos , verdadeiramente, tenham as mesmas oportunidades e possibilidades de desenvolvimento e conhecimento, que promova o pleno desenvolvimento das faculdades cognitivas e do ser interior..Ricos e pobres devem sentar lado a lado dentro de uma sala de aula, onde o objetivo pedagógico tem que ter a intencionalidade de formação emancipada de seus alunos, eram assim as Guildas e oficinas da época. .Esta visão é contraditória à realidade de nosso dias , dentro desta sociedade dividida em classe, que fragmenta a educação escolar e favorece a burguesia, porque existe ao ensino escolar para os dominantes e existe ensino escolar para os dominados.
    Para Gramsci a escola deve se posicionar e exercer seu papel social na íntegra, como o de ambiente formador de sujeitos críticos e transformadores, pois este é o caminho para dizer ‘’basta’’ ao sistema opressor e imperialista do capitalismo.

  55. Luany Pyetra disse:

    Os textos estudados neste ultimo módulo,vem trazer o homem a partir de sua formação integral,por meio do conceito de homem omnilateral (e onilateral-fragmentado).Desta forma ocorre a emancipação humana que é tão importante para a questão da educação e politica,sendo que o individuo deve ser crítico e procurar sempre por ser um individuo pleno.

  56. maely disse:

    No sistema capitalista, o alvo de educação é unilateral, ou seja, que forme cidadãos com pensamentos iguais, universais e que também tenham direitos iguais possuindo bens materiais iguais. Porem para Gramsci, o homem não deve ser educado somente por princípios escolares, mas também por meio da sociedade e convívio com familiares e grupos sociais. Assim o cidadão terá pensamentos críticos e passará a não ter mais um olhar alienado sobre a sociedade, mas terá sua opinião própria a respeito.

  57. Maiara Carnelossi disse:

    Neste Módulo, vemos que Gramsci defende a idéia de que o homem deve ter uma formação que vise a emancipação humana, pois somente assim o homem consegue agir da maneira que deseja, pensar como deseja, expor suas opiniões e tomar conta de sua própria vida, ou melhor, ter uma formação integral, a formação do homem omnilateral, que cuida de sua própria vida. (Vemos isso no final de Leonardo Da’ Vinci).
    Aqui neste sistema também o homem pode se formar, não apenas nas instituições de ensino, mas através de outros meios existentes no mundo, que estão acerca do homem.
    Esse tipo de formação se dá ao contrário da formação do homem unilateral, que nada mais é do que a formação oferecida pelo mundo capitalista, no qual são passados a eles poucos ensinamentos e conhecimentos acumulados. Nesta formação a classe alta sempre se sobressai sobre a classe mais baixa da sociedade por explorá-los e dar á eles poucos conhecimentos, sendo destinados apenas a trabalharem.

  58. Camila Pavaneli disse:

    Vimos neste modulo que em nossa sociedade a educação serve e sempre serviu para concretizar um sistema ideológico. A escola na figura do professor precisa quebrar essas amarras e inserir no aluno uma visão ampla da ciência e suas relações com o mundo que vivemos. Esta ação levará o aluno a criticidade e reflexão da sociedade em que ele faz parte. O pensamento marxista com relação ao ensino expõe sobre a formação omnilateral, visto que no sistema capitalista tem-se uma formação unilateral. A formação omnilateral é apresentada como a que leva o indivíduo multifacetado à humanização tendo no horizonte a totalidade intelectual, física, corpórea e sensível com a finalidade da emancipação humana. A educação integral deve implicar na construção de uma nova sociedade que pretenda contribuir para a formação dos indivíduos, incentivando-os as pessoas a participar ativamente das lutas sociais com a transformação radical da sociedade e não apenas com a cidadania. Deve formar o homem integral capaz de ser cidadão crítico, autônomo e participativo nas decisões políticas, culturais e científicas. A fragmentação do conhecimento aplicado no sistema educacional capitalista leva a especificidade dos saberes leva o homem a um pensamento limitado das questões sociais. A sociedade é composta por diversas relações e dessas surgem conflitos harmônicos e desarmônicos, estes fazem o mundo que vivemos. Se o individuo não entender as relações de forma holística, entrará num estado de letargia, do qual não questionará o mundo que vive, já que não compreende as relações sociais.

  59. Adriane Paulino disse:

    Neste último módulo de Sociologia da Educação1, vimos a proposta de Gramsci e Marx sobre a omnilateralidade, que consiste na formação integral do homem na perspectiva da emancipação humana. A fim de tornar-se humanamente emancipado, busca-se o rompimento com a alienação e com o sistema vigente.
    Marx e Gramsci acreditavam que o homem deveria buscar e acumular todo o conhecimento de forma não fragmentada, apropriando-se de conhecimentos historicamente acumulados. Como exemplo de homem omnilateral, vimos Leonardo da Vinci, que não se satisfazia com o conhecimento que tinha e buscava aprofundar-se e conhecer cada vez mais o que havia ao seu redor. Assim como Leonardo, todos os indivíduos devem buscar adquirir conhecimento por meio da totalidade para que dessa forma, supere o sistema imposto e alcance a verdadeira emancipação humana.

  60. Ludmila L.Liduenha disse:

    Vimos que a sociedade capitalista atual não permite a formaçao ominilateral, mas sim unilateral. Segundo Marx e Gramsci devemos adquirir uma formaçao ominilateral para nossa emancipação humana. E esta na figura do professor não seguir se prender as propostas capitalistas mas permitir que seus alunos tenham conhecimento que lhes permitam uma educação emancipadora, uma educaçao integral.
    Em que o individuo possa se aproprias das culturas, conhecimento e bens materiais. Por meio da apropriação integral dos conhecimentos , o homem se transforma.

  61. Flávia disse:

    Estudamos neste módulo as formações unilateral, que é baseada numa formação fragmentada, ou seja na formação de um cidadão não crítico, e a formação omnilateral, que aborda a emancipação do conhecimento humano, ou seja, a formação integral do homem e em várias áreas como propunha Gramsci. Os processos de formação humana estão pautados na interação professor/aluno sendo que nenhum é o detentor total do conhecimento.

  62. Letícia Gabriela de Oliveira disse:

    Neste modulo estudamos a concepção de Gramsciana de educação, empreendida a partir da escola unitária (para todos) que formaria indivíduos de maneira omnilateral, ou seja, indivíduos que não só dominem as diversas áreas do conhecimento – ciência, arte, filosofia, política e ética- como também a produção de mercadorias, ou seja, a formação integral do ser humano ( o professor citou o exemplo de Leonardo da Vinci, que dominava diversas áreas do conhecimento,era pintor, cientista, etc…) fugindo da dicotomia capitalista onde a educação oferecida as classes dominantes (trabalho intelectual) é distinta da educação oferecida às massas (trabalho produtor) .Dessa forma, Gramsci afirma que essa forma de educação é a única forma de emancipação do ser humano, ou seja, a única maneira do individuo compreender a sociedade em que vive , modificando-a e modificando-se.

  63. Marinelli Almeida disse:

    Para Gramsci as condições sociais e individuais de Leonardo contribuíram para o seu florescimento cultural, e, nessa perspectiva ele reflete sobre a possibilidade política e educativa de reproduzir tal situação para todos na construção do socialismo. Gramsci não foi pedagogo, mas sua teoria de educação perpassa transversalmente a sua teoria política.
    Inspirado pelas formulações de Marx e Engels sobre o ensino e a educação do trabalhador que os levaram à um profunda crítica à realidade da escola burguesa, de caráter classista, compreendemos que a proposta de escola unitária de Gramsci, apontava para além da formação única, omnilateral, Assim, Gramsci frisa a importância de guiar as crianças para “uma adaptação harmoniosa de todas as atividades intelectuais e práticas” , formando uma personalidade vigorosa e integral no sentido da totalidade,1 formação essa que depende da estrutura social.

  64. Mylena Pereira disse:

    O sistema capitalista como sistema reprodutor da sociedade, produz divisões de classes: ricos e os trabalhadores (classe pobre). Nesta divisão acaba ocorrendo á formação fragmentada, unilateral e alienada. O que vai contra esse pensamento é o processo estudado no módulo 4 da disciplina – formação omnilateral. A formação omnilateral é aquela em que a formação integral humana acontece na perspectiva da emancipação humana. Marx, assim como Gramci luta contra uma formação unilateral, na qual o homem é movido pelo capital. Sendo assim, pensar no cidadão omnilateral é enxergar nele um homem de direito e deveres, dando autonomia e liberdade para ele se apropriar de todo o conhecimento do mundo. Um exemplo desse processo é o Leonardo da Vinci, que se apropriou de várias áreas de conhecimento superando a alienação gerada pelo capitalismo – unilateral.

  65. Ana Régio disse:

    No último módulo da disciplina de Sociologia da Educação I, enquanto alunos pudemos nos apropriar de conhecimentos muito válidos para nossa formação, para conhecermos o processo histórico da luta por uma sociedade mais igualitária, mesmo que isso não tenha acontecido de forma tão eficaz, ou nem tenha acontecido.
    O principal processo de socialização visto neste módulo foi a busca da formação integral do homem, onde este adquire todo o conhecimento que lhe é de direito, permitindo-lhe interagir com as dimensões da existência, um homem que busca apropriar-se de todo o conhecimento cultural, material, espiritual e intelectual, acumulados pela história e sociedade, rompendo com a alienação e a lógica do capital, sendo este processo chamado de Ominilateralidade. Dessa forma, o homem aprende a viver em sociedade e conseguirá bem desenvolver-se.
    Leonardo da Vinci, como bem retratado no texto de SCHLESENER (2009), de título “A escola de Leonardo: política e educação nos escritos de Gramsci”, é exemplo de homem integral, ominilateral, que desenvolveu todos os seus talentos, capacidades e habilidades. Porém o autor cita o que revela Gramsci quando diz que “A figura de Leonardo serve, para Gramsci, para refletir sobre os múltiplos problemas enfrentados pela classe trabalhadora no início do século XX e aprofundar a temática fundamental do socialismo ante um sistema econômico, político e cultural, o capitalismo, que se consolida absorvendo estratégias e dirigentes das classes subalternas” (p.16), revelando que Leonardo tivera a capacidade de desenvolver-se por possuir um situação socioeconômica estabilizada, que lhe favorecia estudar e buscar aprofundar-se formando-se ser integral.
    Gramsci ainda revela que para o homem libertar-se da alienação da vida deve participar da política, sendo “(…) possível que as classes dominadas formem os seus intelectuais no processo de organização política e estes tornem uma força mobilizadora no processo de luta pela hegemonia” (SCHLESENER, 2009, p. 28)

  66. Andressa Parra disse:

    Os sociólogos estudados no decorrer do módulo 4 defendiam que a classificação de educação é muito mais ampla do que aquela que o próprio sistema estabelecia pautado na fragmentação tecnicista. A educação é definida de diversas formas nos diferentes contextos que esta é defendida, assim ao falar em um sistema capitalista a educação será pautada a todo o momento com as divisões sociais que este sistema estabelece. Bem como a perspectiva de nossa sociedade que é puramente capitalista e pautado na alienação, acaba que não priorizando o necessário, a nossa escola brasileira dentro da sociedade capitalista está submetida ao choque trazido pelo “individualismo, neutralidade e competição”, O capitalismo faz com que nossa sociedade se torne pautada na fragmentação, esta que não se insere de maneira alguma no próprio saber, ou seja, a fragmentação é apenas um recorte “jogado” que por fim acaba sendo sem finalidade, sem estudo.
    Já a formação do Omnilateral estabelecida por Leonardo Da Vinci bate de frente com essa formação de forma fragmentada, pois a formação Omnilateral tem a ideia de romper com a sociedade alienada e se pauta assim na formação plena do ser social que é a elevação do conhecimento, saindo do senso comum para a consciência do pensamento filosófico, para Gramsci todos nós somos filósofos e tudo que fazemos tem uma teoria por trás, com a formação Omnilateral concretizará que cada ação do ser humano seja guiada por impressões anteriormente formuladas.

  67. Jacqueline Paiva de Rezende disse:

    Este módulo debate sobre a formação humana, onde Gramsci e Marx propõe uma educação voltada para a emancipação humana, que rompa com a alienação e a logica do capital, ou seja, procuram uma formação omnilateral, um homem multilateral, com um ensino total para que tenha acúmulo do conhecimento sem o rompimento. Depois de assistir ao filme de Leonardo da Vinci podemos observar que ele é um grande exemplo da Omnilateralidade, sendo um homem emancipado que tinha um excelente conhecimento por todas as áreas, porém essa formação só poderá ser alcançada por meio da superação do capitalismo.

  68. Vera Lucia Vançan disse:

    Neste módulo estudamos que Gramsci traz a figura de Leonardo da Vinci como sendo um homem omnilateral, pois em seu tempo, ele, o Leonardo, dominava diversas áreas do conhecimento, uma vez que era pintor, cientista, entre outras. Portanto, a escola unitária de Gramsci tem a proposta de uma educação omnilateral, ou seja, uma educação para o pleno desenvolvimento do ser humano, envolvendo todas as potencialidades e capacidades, os aspectos políticos, técnicos e humanos, sendo esta oposta à formação unilateral oferecida pela educação existente no sistema capitalista que divide o ensino, um voltado para profissões intelectuais, restrito para classe dominante e outro para classe dominada para formação de mão de obra que somente reproduz a situação de dominação do homem pelo homem.

  69. Caroline Teixeira disse:

    No módulo 4 vemos a formação humana através da forma omnilateral, ou seja, não é uma educação de forma fragmentada como no ensino tecnicista, e sim uma educação onde visa a formação integral do homem, desenvolvendo todas as potencialidades para com todos os conteúdos e vertentes, inclusive na produção de mercadorias.
    Fora citado em sala o exemplo de Leonardo da Vinci através dessa vertente, tendo em vista que no contexto de sua época ele dominava várias áreas de conhecimento, podendo assim dizer que ele superara em sua época todas as vertentes unilaterais, dentre elas o capitalismo.
    Gramsci nos traz o homem omnilateral, e nos mostra atraves de sua vertente de que a única forma para a emancipação do ser humano é a educação. Uma educação voltada para todas as áreas, fazendo o homem pensar em si, e pensar no que move a sociedade em que vive.

  70. Silmara T. Dias disse:

    Dentro dos principais processo de socialização, encontramos a dicotomia entre formação do homem unilateral e formação do homem omnilateral. Sendo esta ultima, aquela que em que Gramsci discute a formação de Leonardo da Vinci. Marx propõe que esta seria o modelo de homem ideal, pois Leonardo se apropria dos bens historicamente acumulados pela sociedade.
    E este tipo de formação não é possível ser desenvolvido no sistema capitalista, pois ele fragmenta o conhecimento, dificultando a compreensão do todo.

  71. Letícia Veste Correia disse:

    Neste módulo, trata-se da formação do homem omnilateral, ou seja formar um cidadão integral, sendo através dessa educação completa que o homem se transforma.
    Já o sistema capitalista não propõe isso, pois existe a questão das classes sociais.

  72. Noemi disse:

    “A luta de classes teve por objetivo, por decênios, garantir, com reivindicações adequadas sobre o tempo de trabalho, o mínimo de uma vida humana para o trabalhador, com a subsunção real do trabalho ao capital e o predomínio da mais-valia relativa, a luta ganhou um componente inteiramente novo, uma vez que a mais-valia absoluta já não desempenha o papel dominante.” O que o funcionário produz a mais no seu trabalho faz com que a empresa ganhe mais com os lucros produzidos. Através das lutas hoje os operários tem jornadas de trabalho de cinco dias e um salario adequado. Mas segundo Marx o operário só deve ganhar o suficiente pra atender a apenas uma necessidade a de se mantar vivo. E que a emancipação do trabalho não deve ser vista como um tempo livre, mas sim como uma nova forma de trabalho que realize e desenvolva a ominilateralidade humana, ou seja, a personalidade total do homem. No modelo capitalista esta formação humana é unilateral uma classe predomina a outra, já segundo Gramsci o cidadão tem direito a educação emancipadora com a educação integral.

  73. Nicole Sangalli disse:

    O principal processo de socialização abordado no Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 1 é a formação omnilateral e unilateral. A produção omnilateral é a que objetiva o homem completo pelo trabalho produtivo e pela vida em sociedade e a produção unilateral é a que visa somente a preparação do homem para o trabalho alienado. Na atualidade a educação escolar abrange grande diversidade de aspectos
    que fortalecem esta dicotomia porque são, na maioria das vezes, contraditórios entre a formação humana para a vida e para o trabalho. O âmbito escolar, as atividades formativas limitam-se a preparação do homem para ingresso no mercado de trabalho, mediante domínio de uma técnica e de conhecimentos desconectados de sua vida, portanto, apolíticos e alienantes.

  74. wanderléa disse:

    Foi retomado no último módulo em Sociologia da Educação I, as questões sobre a formação do homem. No sistema capitalista, o homem tem sua formação de forma fragmentada, uma formação unilateral, predominando a exploração de classes, formando cidadãos não críticos. Na perspectiva de Gramsci e Marx, a apropriação do saber é fundamental para a emancipação humana, Gramsci propõe uma formação completa, omnilateral, quebrando o elo de ligação com a alienação e com o sistema capitalista, formando o ser em sua totalidade, de forma integral, em várias áreas do conhecimento, dando direito ao homem de se apropriar do que produz, do patrimônio material, intelectual e cultural, que foram acumulados pela humanidade ao longo do tempo histórico, como é mostrado no vídeo de Leonardo Da Vinci, que aproveitou o momento histórico em que vivia e adquiriu conhecimentos de várias formas, sendo considerado um homem omnilateral. É preciso pensar numa escola que tenha um olhar voltado para a perspectiva da emancipação humana, cabe ao professor, ter a visão de uma aula com o objetivo da formação integral, trabalhando com seu aluno em sua totalidade,

  75. Bruna Jacomin disse:

    A formação omnilateral proporciona a emancipação humana, ou seja ela forma o individuo integralmente. Nesse modelo a formação é vista como forma integral, total, e não fragmentada como na educação unilateral. Desse modo há o rompimento do homem com a sua alienação adquirida a partir da sociedade capitalista e de sua formação anterior.
    Porem o que vemos em nosso sistema de ensino atual é a unilateral, onde o individuo é formado por partes, ou seja, de forma fragmentada. Assim não são formadas pessoas criticas e com capacidade para mudanças, mas sim pessoas que iram alimentar o sistema. Portanto continuam as desigualdades, e assim acabam aumentando cada vez mais.

  76. Júlia Neves Ferreira disse:

    O Módulo 4 da disciplina de Sociologia da Educação 1, aborda os conceitos de omnilateralidade e uniteralidade. Na visão de Marx e Gramsci, o sistema capitalista forma indivíduos unilaterais, que realizam uma única função e ainda são alienados quanto ao sistema e sua produção. Eles defendem então, a formação do homem omnilateral, ou seja, aquele que busca uma formação integral buscando se apropriar de todo conhecimento histórico acumulado, rompendo com o sistema vigente e a alienação alcançando, assim, a emancipação humana. O homem omnilateral é dotado de ciência crítica, tornando-o um ser autônomo e trabalha o ensino na perspectiva da totalidade, e não fragmentado. Leonardo da Vinci é considerado um homem com formação omnilateral, pois buscava conhecimento em todas as áreas e teve uma formação completa.

  77. Nesta última etapa os conceitos abordados foram: os conceitos de omnilateralidade e uniteralidade. Dentro dessas noções apresentadas em sala de aula podemos pensar melhor qual o papel da escola atualmente? o de formar cidadãos que buscam algo além do conhecimento ou de que apenas sejam reprodutores de um discurso e sistema nos meios de produção? Leonardo da Vinci é um exemplo de um homem que teve uma formação omnilateral, mas acredito que da maneira como a nossa sociedade se organiza e se relaciona dificilmente teremos homens que consigam essa formação mais humanizada e que contemple as demais áreas do conhecimento. O professor tenta de alguma forma essa formação, mas o acesso ao conhecimento historicamente acumulado não alcança a todos da maneira como deveria.

  78. Carolina Longo disse:

    O processo de socialização inclui aprendizagem de técnicas, de conhecimentos, a incorporação de padrões de comportamento social e a interiorização de valores. Ocorre ao longo de toda a vida humana e começa na relação entre a criança e o seio materno, prossegue depois através dos vários grupos – familiares, de recreio, de jogo etc. – e das instituições sociais básicas: família, escola, Igreja, associações políticas, culturais, profissionais etc. Dá-se ainda através da comunicação.
    O principal processo de socialização abordado no Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 1 é o de

  79. Carolina Longo disse:

    O processo de socialização inclui aprendizagem de técnicas, de conhecimentos, a incorporação de padrões de comportamento social e a interiorização de valores. Ocorre ao longo de toda a vida humana e começa na relação entre a criança e o seio materno, prossegue depois através dos vários grupos – familiares, de recreio, de jogo etc. – e das instituições sociais básicas: família, escola, Igreja, associações políticas, culturais, profissionais etc. Dá-se ainda através da comunicação.
    O principal processo de socialização abordado no Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 1 é Omnilateral, que é de grande importância para a reflexão em torno do problema da educação em Marx. Ele se refere a uma formação humana oposta à formação unilateral provocada pelo trabalho alienado, pela divisão social do trabalho, pela reificação, pelas relações burguesas estranhadas e pode ser compreendido como uma ruptura ampla e radical com o homem limitado da sociedade capitalista. O homem omnilateral não se define pelo que sabe, domina, gosta, conhece, muito menos pelo que possui, mas pela sua ampla abertura e disponibilidade para saber, dominar, gostar, conhecer coisas, pessoas, enfim, realidades – as mais diversas. O homem omnilateral é aquele que se define não propriamente pela riqueza do que o preenche, mas pela riqueza do que lhe falta e se torna absolutamente indispensável e imprescindível para o seu ser: a realidade exterior, natural e social criada pelo trabalho humano como manifestação humana livre.

  80. Maísa Gonçalves Lima disse:

    Nesse módulo o conceito explorado diz respeito a formação humana na perspectiva da omnilateralidade, ou seja, uma formação voltada para a totalidade, onde o homem não possui o conhecimento fragmentado e tem acesso a todos os bens cultural e socialmente construídos. Na sociedade atual o que percebemos é uma formação totalmente contrária, caracterizada pela unilateralidade e por movimento cada vez mais intenso de superespecialização. A educação atual é um reflexo dessa formação segmentada que tem como objetivo fazer manutenção da sociedade capitalista. O conhecimento compartimentado em conteúdos desarticulados é uma maneira de controlar a consciência crítica. Uma formação omnilateral priorizaria a emancipação humana que desestruturaria e acabaria com o sistema capitalista.

  81. Fernanda Janaina Leso disse:

    O conceito de Omnilatreral que se reporta a Marx no conceito de educação apresenta a formação do indivíduo completo, em pleno movimento com a sociedade e seu trabalho, na apropriação do conhecimento histórico acumulado, transformando-se assim em um ser crítico, atuante e completo. O outro conceito trabalhado neste módulo é o unilateral, que provoca no âmbito educacional uma formação alienada e voltada ao processo de divisão do trabalho.

  82. Carolina Puga disse:

    No Módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação 4 são abordados os conceitos de omnilateralidade e unilateralidade. Omnilateralidade diz respeito a uma formação total do homem, na qual ele possa adquirir todos os saberes. Em contrapartida, a unilateralidade é a formação especifica do homem. Essa formação é ressaltada na sociedade capitalista, pois ela é importante para a divisão do trabalho e consequentemente, para a alienação do trabalhador. A omnilateralidade seria a formação ideal para enfraquecer o sistema capitalista, pois o homem omnilateral não é um homem limitado, ele possui uma mente aberta para o saber. Por meio da formação omnilateral, é possível chegar à emancipação humana.

  83. Simone A. Rodrigues disse:

    Gramsci propõe a pedagogia da transformação e não da ordem vigente, pedagogia essa que consiste na busca constante pela emancipação humana. O termo Socialização surge com Durkhein e é parte da sociologia. A escola de Leonardo: política e Educação nos escritos de Gramsci, discute a formação de Leonardo da Vincci através dos escritos de Gramsci, recuperando a historia de Da Vinci e do Renascimento por volta dos séculos XV e XVI. Leonardo é o modelo de homem ideal proposto por Marx porque ele se apropria dos bens acumulados historicamente pela sociedade. Nesse texto é apresentado o conceito de homem massa, ou seja, aquele vive na emancipação humana, que possui formação omnilateral. Para alcançar a Emancipação humana é necessária a construção de uma nova sociedade e para Gramsci toda relação de hegemonia tem caráter pedagógico e educativo.

  84. Amanda Vivan disse:

    Este módulo aborda o dualismo de formação humana: a educação omnilateral que tem como finalidade a emancipação humana, ou seja, a educação que visa a formação integra de todas as suas dimensões essenciais e suas potencialidades, assim como Leonardo da Vinci, e oposta e ela, a educação unilateral, que é a educação voltada para a formação fragmentada, que segrega trabalho intelectual e trabalho de produção material, sendo esta, a educação burguesa que reproduz a alienação originada pela divisão social do trabalho e do modo de produção capitalista, enfim, este é o modelo de educação imposto pelo capitalismo que é seguido pelo nosso sistema de ensino nacional, que tem como objetivo a formação para a cidadania e para o mercado de trabalho, mas contrariamente não oferece, sequer, em seu fragmentado currículo a formação do trabalhor, tampouco desenvolve a criticidade.

  85. Danielle Oliveira disse:

    Neste módulo foram estudados os diversos processos de socialização existentes que abrangem aprendizagem de técnicas, de conhecimentos, a incorporação de padrões de comportamento social e a interiorização de valores e acontece em diversos grupos: família, igreja, escola e etc. Assim, o homem atua na sociedade conforma aquilo que aprendeu. Está ligada ao aprendizado de papeis não só pelo exercício atual de funções, mas pela antecipação de outras. Enquanto a formação unilateral causa alienação, explorando os cidadãos, o oposto da omnilateralidade. Para Marx e Gramsci, este conceito de omnilateralidade é de grande importância em relação à educação. A omnilateralidade rompe com o homem limitado da sociedade capitalista, gerando uma revolução social. Atinge uma variada formação do ser social em relação a moral, ética, artística, sensibilidade, entre muitos outros. Assim, gera-se liberdade, que submetem as relações sociais a um controle coletivo, que superam a separação entre o trabalho manual e intelectual, superando o individualismo e colaborando para emancipação humana.

  86. Thalita Blanco Penha disse:

    Gramsci busca a emancipação humana através de uma transformação na sociedade. Dois conceitos trabalhados no módulo 4 são a formação do homem omnilateral e unilateral. Na unilaterialidade a formação é voltada para a divisão do trabalho limitando assim o homem. Já na formação omnilateral existe a possibilidade do homem adquirir todo conhecimento, fazendo dele um ser crítico e completo que através deste é possível chegar a emancipação humana.

  87. Thalita Blanco Penha disse:

    correção: Unilateralidade*

  88. José Martins disse:

    De acordo com os sociólogos estudados, a educação estaria ligada ao meio social, que proporciona uma formação em ambientes diversos: escola, família, religião, mídia. Esta formação vai depender da organização política, social e cultural de cada sociedade, ou seja, para cada cultura diferente haverá um conceito de educação. O sistema capitalista estabelece, então, nos ambientes escolares, uma reprodução dessa sociedade de divisões de classes, na qual há uma formação dicotômica: cultural para os mais ricos e tecnicista de habilidades e competências para os da classe baixa. Nesta visão, há uma formação de um ser social fragmentado, unilateral, alienado e que aprende a se adaptar e aceitar esta sociedade imposta para a grande massa de trabalhadores. O que vai contra essa formação fragmentada seria a formação Omnilateral, encontrada em Leonardo Da Vinci, que buscava o conhecimento em todas as áreas e para tudo a sua volta. Seria o ideal de formação humana, na qual o sujeito se reconhece como ser pertencente ao meio em que vive, não se definindo pela riqueza que o preenche e sim pelo o que se falta para uma formação completa, de forma totalizada e que iria além das questões políticas.

  89. Andréia Centurion disse:

    No quarto módulo da disciplina de sociologia da educação I foi abordado os conceitos de omnilateralidade e de unilateralidade. São duas visões opostas em que a primeira visa um homem emancipado, para Marx um exemplo foi Leonardo da Vinci, foi um modelo de homem para a sua época, que desenvolveu sua totalidade integralmente. Em relação a educação baseada nesse conceito, ela não é uma aula fragmentada, como apresenta o conceito unilateral, no qual é a base do sistema capitalista.

  90. Tainara Rosa Teixeira Leandro disse:

    O último módulo da disciplina Sociologia da Educação abordou a formação humana, a sua educação. Como já estudado no princípio, Durkheim, definiu que a educação é algo mais amplo ligado ao meio social; por isso, há tantos tipos de educação como meios diferentes numa dada sociedade. Daí uma educação de castas, de classes sociais e até de habitats. Afirmando que é a sociedade em seu conjunto que determina o ideal que a educação concretiza, o que nos leva a dualidade apresentada nesse módulo: a educação omnilateral, que visa uma ruptura ampla e radical com o homem limitado da sociedade capitalista, através de uma formação íntegra, assim como a de Leonardo da Vinci. A educação oposta a essa é a educação unilateral, a qual está vigente hoje na sociedade capitalista, uma educação fragmentada, voltada cada vez mais para o mercado de trabalho.

  91. Cristiane Lilian Ferreira da Silva disse:

    O atual sistema coloca a educação como treinamento. Seu foco é treinar pessoas para uma rotina de trabalho. Mesmo que a pessoa ocupe um cargo de gerência, ela é motivada a conhecer somente o que diz respeito à sua área de atuação, de forma tecnicista e mormente mecânica. A pessoa acaba sendo formada unilateralmente, e aprende a pensar desta forma também. Neste módulo aprendemos sobre a omnilateralidade. Um conceito que dialoga com os preceitos de Marx e a corrente pedagógica histórico-crítica, onde a educação não é vista como base de treinamento para exercer esta ou aquela profissão. Trata-se de uma visão onde o ser humano toma posse de todo o conhecimento acumulado historicamente, com vistas a sua formação como indivíduo, em primeiro lugar, já que sua formação pessoal está alocada em status maior. Esta formação trataria de todas as vertentes desenvolvidas pelo homem (literária, matemática, biológica, artes, filosófica, sociológica, etc.), com vistas a capacitar o ser humano primeiramente a se reconhecer neste processo, e também a se questionar e questionar o meio em que vive ao invés de aceitar tudo o que lhe é posto de forma naturalizada e acabada.

  92. Thainá Carmona disse:

    No último módulo estudado em Sociologia da Educação I vimos que o sistema do capital como sistema reprodutor da sociedade, divide a sociedade em classes sociais. Essa divisão acaba ocorrendo de forma fragmentada, unilateral e alienada, voltada cada vez mais para o mercado de trabalho. E o que vai contrapor esse argumento unilateral será a omnilateralidade.
    A formação omnilateral é aquela em que a formação integral humana que ocorre através de uma perspectiva da emancipação humana. Marx e Gramsci lutaram contra a formação unilateral, na qual o homem é movido pelo capital. O cidadão omnilateral é o homem provido de direitos e deveres, dando autonomia e liberdade para ele se apropriar de todo o conhecimento do mundo. Um exemplo desse processo foi Leonardo da Vinci, que se apropriou de várias áreas de conhecimento superando a alienação gerada pelo capitalismo e do senso comum.

  93. Adriane Ruis da Silva disse:

    O principal processo de socialização diz respeito à formação omnilateral defendida e apoiada por Gramsci. Uma formação integral que visa a emancipação humana e como visto no filme de Leonardo Da’ Vince ele é o melhor exemplo desse novo homem: ele é livre para exercitar sua capacidade, ele tem autonomia e desfrutou de várias áreas do conhecimento. Já a educação posta na sociedade atual apenas mantém o sistema capitalista e dessa forma não permite que o aluno exercite sua capacidade, criatividade e muito menos sua criticidade, mantendo-o alienado à essa sociedade. A escola fomenta a competição fazendo com que o fracasso dos demais vise seu êxito próprio. Essa escola oferece uma educação unilateral, fragmentada e alienada e para os sociólogos que estudamos a educação é muito mais do que é ofertado para nós, ela deve visar a formação omnilateral e não a unilateral.

  94. Natália Diniz Feltrin disse:

    O ultimo módulo estudado em sociologia l aborda duas formas de socialização: a educação omnilateral e a educação unilateral. A educação omnilateral seria aquela que ocorre por meio da emancipação humanda de forma integrada, no qual o ser humano toma posse de todo o conhecimento. Essa educação foi defendida por Gramsci e é bem exemplificada no filme ” Leonardo da Vince”, pois ele usufruiu de várias areas do conhecimento.
    Já a educação unilateral seria aquela imposta pelo sistema capitalista que vivemos hoje, no qual, ocorre de forma fragmentada com um único objetivo de ” formar” pessoas somente para o mercado de trabalho, tornando- as totalmente alienadas.

  95. Rayane Silva disse:

    Retornamos aqui a formação do homem, segundo os pensamentos de Marx e Gramsci. Seus pensamentos são voltados na educação para a emancipação humana, que procuram uma formação omnilateral. Essa formação é apresentada como a que leva o indivíduo à humanização tendo a totalidade intelectual. A educação integral implica na construção de uma nova sociedade que pretende contribuir para a formação dos indivíduos, transformando pessoas que são capazes de lutar socialmente para uma melhora na sociedade. A formação do homem integral também deve colaborar para um cidadão crítico, participativo das divisões políticas.
    Diante de todos esses pensamentos, não os encontramos em nosso sistema de ensino atual, pois o indivíduo é formado por partes, em que se tem a sociedade com desigualdades.
    O vídeo de Leonardo da Vinci pode ser considerado um homem omnilateral, buscava todos os seus princípios e conhecimentos em diversas áreas, contendo uma formação completa e não por partes, que hoje podemos ter como exemplo seus pensamentos.

  96. Verbênia Dias Araújo disse:

    No Módulo 4 da disciplina “Sociologia da Educação I”, foram apresentados dois conceitos: Omnilateralidade e Unilateralidade. Vimos que a educação na qual o indíviduo é formado de maneira completa diz respeito a omnilateralidade, a qual Marx se reporta. Pois para Marx e Gramsci, no sistema capitalista o homem é formado de maneira unilateral, de forma a apenas reproduzar o capital e continuar alienado à sua própria produção e ao sistema vigente. Para eles, é preciso que o homem seja formado integralmente, se apropriando de todo o conhecimento acumulado historicamente e dessa forma será possível alcançar a emancipação humana. Assim como Leonardo da Vinci, que em sua época apropriou-se de diversos conhecimentos e superou por assim dizer a unilateralidade, portanto, ele é citado como um modelo de formação plena do ser social. A sua educação superou os limites impostos pela unilateralidade, onde o homem aprende de forma fragmentada. O sistema vigente capistalista impede que a educação omnilateral possa ser desenvolvida na sociedade, formando o homem integralmente.

  97. Tainara Rodrigues disse:

    A proposta defendida por Gramsci é a da emancipação humana e formação omnilateral do sujeito, fato que não é valorizado pelo capitalismo, que causa o efeito contrário, cuja visão é de um ser social unilateral, fragmentado e alienado, que se acostuma a viver de acordo com a imposição da sociedade sobre sua forma de viver e de trabalhar. É em Leonardo da Vinci que se encontra o ideal da formação omnilateral, que consiste no reconhecimento por parte do indivíduo como ser pertencente ao meio em que vive, que vai além de questões políticas e busca a formação integral, de forma totalizada, e não mais apenas na riqueza que lhe será proporcionada através de seu trabalho. Da Vinci é exemplo do que propõe, pois foi um homem que desenvolveu conhecimentos de diversas ordens, como anatomia, física, química, matemática, pinturas e esculturas, entre outros, consistindo assim, na formação totalizada indicada como ideal de formação humana.

  98. Alan da Silva Marques disse:

    Neste último módulo de Sociologia da Educação aprendemos a educação ansiada e sistematizada por Marx e Engels e posteriormente Gramsci: a educação para o homem omnilateral. Essa educação não pode ser fragmentada e sim integral, completa, vista pelo todo, ou seja, na categoria totalidade. Essa educação na categoria totalidade concebe para a emancipação humana. Vemos o exemplo na pessoa de Leonardo da Vinci, um homem que conheceu várias áreas do conhecimento.

  99. Luis Henrique dos Santos Barcellos disse:

    O principal processo de socialização deste módulo da disciplina é a educação, a formação humana. Os escritos de Marx, Gramsci e outros discípulos, nos levam a refletir a respeito de qual a formação almejada para um ser humano completo, não alienado, fora da relação de exploração, a fim de entendê-la e lutar contra ela.
    Esta educação deve ser, segundo esses autores, uma educação que leva a emancipação humana, ou seja, uma formação completa, omnilateral, que forme o ser em todas suas lateralidades. A luta por uma educação ominilateral é uma luta para além do sistema capitalista que forma o homem unilateralmente, parcialmente, o privando do conhecimento historicamente acumulado.
    Para Gramsci, um exemplo dessa formação ominilateral é Leonardo DaVinci, um homem que buscou se desenvolver e conhecer em vários campos do saber, não mantendo sua mente fechada, alienada e sim sendo futurista e autor de grandes descobertas, movido pelo desejo pelo saber. No Brasil, movimentos como o MST e a Escola Nacional Florestan Fernandes, são marcos da luta por esse tipo de educação, que marcada pela luta constante, forma as pessoas através das variadas linguagens e expressões, em todo tipo, com respeito a natureza e ao trabalho.

  100. Leila Garbelini Soares disse:

    Nesse módulo, fica clara a questão da diferença entre a educação unilateral e a educação omnilateral. A primeira diz respeito ao neoliberalismo; e a segunda, por sua vez, à perspectiva marxista e gramsciana. Somente na omnilateralidade, o ser humano pode se apropriar de sua capacidade criativa.

  101. Wanessa B. Cardozo disse:

    Neste módulo pudemos aprender e conhecer sobre a formação do homem, notar que com o sistema capitalista vigente, o individuo recebe uma formação fragmentada, ou seja, uma formação unilateral que mostra apenas “um lado da moeda”, formando assim, pessoas alienadas e que partilham de um senso comum; já na perspectiva de Gramsci e Marx, a apropriação do saber é fundamental, propondo estes, uma formação omnilateral, completa e abrangente.

  102. Vivian Blanco disse:

    Este módulo fala sobre a formação omnilateral para a emancipação humana, onde o homem teria sua formação mais completa e sem fragmentações como ocorre com Leonardo da Vince que se mostra habilidoso em várias funções. No entanto no sistema capitalista esta formação se encontra fragmentada impedindo a construção de uma consciência crítica e praticamente sem possibilidades para uma revolução intelectual, pois esse sistema visa somente a manutenção do trabalho alienado.

  103. Aline Stelzer disse:

    O ultimo modulo de sociologia I retrata a formação do homem omnilateral, incluindo a educação onde o homem possa deter o conhecimento em sua totalidade, como mostra no vídeo, o conhecimento de Leonardo Da Vinci, essa educação voltada para a emancipação humana que rompa com o estranhamento, com a alienação, e com o modo capitalista, pois o mesmo impede a completa formação do homem.

  104. Jéssica Camacho disse:

    No último módulo é tratado sobre a formação do homem, de acordo com Marx e Gramsci. A apropriação do saber é fundamental para a emancipação humana, Gramsci propõe esta formação completa juntamente com o ponto de vista de Marx.
    O filme retrata sobre Leonardo da Vinci que foi um exemplo de formação omnilateral, além de ser um gênio e o filme ser muito interessante. Infelizmente, a sociedade atual não tem capacidade de se formar integralmente e articularmente na perspectiva da emancipação humana, pois o sistema capitalista impede essa formação integral e o conduz a aceitação da sociedade imposta.

  105. Mariana Malzyner disse:

    O conhecimento nos é ensinado de forma fragmentada, onde aprendemos partes de conceitos, sem nos aprofundar nestes. A perspectiva de ensino omnilateral, onde o homem não adquire apenas os conhecimentos necessários para exercer sua profissão, e, desta forma fazer parte do sistema capitalista, mas sim, onde o homem atinge tudo o que está ao seu alcance e vai além, é o principal foco de Marx, Engels e Gramsci. Leonardo da Vinci é um exemplo muito claro do que é o ser humana na perspectiva omnilateral, pois não se limitou apenas a aprender conceitos relacionados à sua profissão principal, mas sim, tentou, e conseguiu aprender muitos outros conceitos relacionados à diversas outras áreas. O principal, é que todos os conceitos aprendido por da Vinci não foram fragmentados, ele os aprendeu em sua totalidade.

  106. Ariana Vaz Teixeira disse:

    Boa noite! Neste último poste abordarei o tema da formação do homem omnilateral, o homem na sua completude, formado em todos os aspectos: ciência natural, humana, exata, nas artes e culturas. Falamos aqui sobre a formação ideal, na sua completude, desenvolvimento integral das habilidades. Porém, a sociedade, ou melhor, a organização social impede esse tipo de formação, devido seu caráter segmentado e reducionista. Para Émile Durkheim, a sociedade (objeto) é superior ao indivíduo (sujeito), sendo que, nela, as estruturas sociais funcionam de modo independentes dos indivíduos, condicionando suas ações.
    Logo, a única educação possível é a fragmentada. Poderíamos pensar que tudo esta perdido, mas não está. Tonet diz que não podemos educar para a emancipação humana, pois isso somente aconteceria se pudéssemos compartilhar os bens materiais e os culturais (conhecimento historicamente acumulado ), e só podemos trabalhar com a segunda, logo, numa perspectiva da emancipação humana. Ainda não é uma formação ideal, mas um começo promissor!
    Bjs.

  107. mariele ananias disse:

    Junto com os textos trabalhados e o filme passado em sala, vimos um pouco sobre o conceito do homem omnilateral, que é o homem completo em sua formação, nas artes, nas ciências e na cultura, por exemplo. No entanto, a sociedade em que vivemos impede essa formação completa do homem, uma vez que o homem moderno é na maioria das vezes individualista e egoísta.
    Na educação, por exemplo, onde o homem deveria alcançar a sua plenitude, isso não acontece, já que o sistema educacional visa somente os resultados imediatos para atender a uma demanda do mercado capitalista, impedindo muitas vezes que o homem consiga desenvolver as suas habilidades completas.
    Portanto, ainda não é possível que o homem alcance a sua completude, no entanto, desistir também não seria uma solução, é preciso trabalhar com aquilo que temos da melhor maneira possível, para que futuramente possamos colher bons frutos.

  108. Natália Birolim disse:

    O tema tratado no Módulo 4 de Sociologia da Educação I, girou em torno da formação do homem, uma formação omnilateral, que envolve a educação em sua totalidade, portanto voltada para a emancipação humana. Dizendo desta forma, que o homem deveria ter uma formação integral e não fragmentada como sugere a sociedade capitalista na unilateralidade. Pude perceber mais nitidamente através do filme de Leonardo da Vinci a diferença entre a unilateralidade e a omnilateralidade, que mostrou que Leonardo era omnilateral, ele desenvolveu várias aréas de seu conhecimento, tendo desta forma uma formação integral.

  109. Hellen Isaltina da Silva disse:

    Nesse módulo de sociologia da educação I, foi tratado a respeito da formação omnilateral visando a emancipação humana do indivíduo. Através dos últimos textos estudados e a partir do documentário passado em sala de aula, foi possível entender a diferença entre educação unilateral, que abrange o neoliberalismo, e a educação omnilateral, mais voltada na perspectiva de Marx e Gramsci. Na educação omnilateral, a formação seria mais completa, como, por exemplo, a de da Vinci, que obtinha sucesso em diversas funções. Hoje em dia não existe essa educação, isso, pois, a nossa educação está adequada ao sistema capitalista, que segue suas normas e, dessa forma, acaba sendo uma educação fragmentada impedindo a emancipação intelectual e completa do indivíduo, fazendo com que não ocorra a construção de uma consciência crítica e reflexiva. Sendo assim, o homem não se forma completamente, já que o sistema visa formar pessoas apenas para o mercado de trabalho resultando em indivíduos totalmente alienados.

  110. Lara Ribeiro disse:

    O módulo 4 da disciplina de Sociologia da Educação 1 tratou principalmente do processo de socialização da omnilateralidade, onde é visado um indivíduo que experimenta o conhecimento em suas mais diversas esferas e em sua totalidade, visando sempre a sua emancipação humana, diferentemente do que ocorre no modelo em que vivemos, onde o homem é criado para se tornar um ser unilateral, ou seja, é educado para exercer apenas a função designada sem pensar na totalidade. A partir do filme A vida de Leonardo da Vinci foi possível ver que ele foi um exemplo de homem omnilateral, pois desde criança até a vida adulta foi ensinado a partir das mais diversas áreas de conhecimento, buscando sempre a totalidade do conceito aprendido.

  111. Camila Cristina disse:

    Neste último módulo tratamos dos processos de socialização, a educação, como processo dessa ordem, tem papel fundamental na formação dos sujeitos. Antes o artesão ensinava ao aprendiz a totalidade sobre o objeto de trabalho. Após a divisão do trabalho, a formação dos sujeitos foi fragmentada, constituindo indivíduos unilaterais. A perspecitva de Marx e proposta de Gramsci é uma formação omnilateral, como a de Leonardo da Vinci, ele dominava diversas áreas do conhecimento: física, artes, biológicas, humanidades, entre outras. O que possibilitava invenções e pensamentos geniais, ou seja, Gramsci pensava numa educação emancipadora. No sistema que vivemos uma educação desse tipo não é possivel, mas atividades educativas nessa perspectiva são espaços de mudança.

  112. Thailene disse:

    O módulo 4 de Sociologia da Educação I, trata sobre a formação do homem, pensada e proposta por Gramsci e Marx, que é uma educação voltada para a emancipação humana, a formação omnilateral, ou seja, um homem multilateral, com um ensino integral para que haja uma acumulação do conhecimento sem fragmentação.
    A omnilateralidade é a busca da práxis revolucionária no presente. Ela rompe com a alienação e a lógica do capital. Essa forma de socialização de conhecimento historicamente acumulado prevê o ensino para a emancipação humana.
    Leonardo da Vinci, que buscou o conhecimento de diversas formas, pode ser considerado uma referência de homem omnilateral.

  113. Ana Cláudia disse:

    O principal processo de socialização é a formação do homem. Gramsci e Marx propõe uma educação voltada para a emancipação humana que rompa com a alienação e a lógica do capital, ou seja, eles procuram uma formação omnilateral, um homem com um ensino integral para que aja uma acumulação do conhecimento sem fragmentação. A apropriação do saber é fundamental para a emancipação humana.

  114. Marcos Sena disse:

    Neste último modulo estudamos a formação do homem, segundo a ideologia de Gramsci e Marx. Gramsci utiliza a figura de Leonardo da Vinci como objeto de estudo, para ele, Leonardo foi o modelo homem omnilateral, presente na renascença. Este modelo de homem é o mais próximo do que mais tarde Marx vem apontar como a formação integral, decorrida de todos os conhecimentos, e a sociedade só poderá chegar a este patamar, desvinculando do capitalismo e adquirindo uma mentalidade sócio histórica cultural, que seria a chegada e conquista da emancipação humana.

  115. Alessandra Orsi disse:

    Educação, tomemos como exemplo Leonardo da Vinci, que se desenvolveu em varias ares, procurando a totalidade de forma integral, pois é assim que a educação deve ser, integral, para a emancipação humana, para que possamos nos libertar da alienação e do capitalismo, e nos apropriar de todo conhecimento, utilizando para o bem comum.

  116. Natalia Regina disse:

    A educação que presenciamos é voltada para suprir as necessidades do sistema capitalista. As pessoas possuem uma formação voltada para os conhecimentos necessários para o trabalho manual, deixando de lado os conhecimentos intelectuais, formando um homem unilateral, alienado. Marx e Gramsci propõem uma educação voltada para a emancipação humana, onde o homem possui uma formação omnilateral, possuindo todos os conhecimentos historicamente acumulados. Leonardo Da Vinci é um bom exemplo de um homem omnilateral, buscou todos os conhecimentos. Teve uma emancipação humana.

  117. Natalia Regina disse:

    Essa educação que presenciamos é voltada para suprir as necessidades do sistema capitalista. As pessoas possuem uma formação voltada para os conhecimentos necessários para o trabalho manual, deixando de lado os conhecimentos intelectuais, formando um homem unilateral, alienado. Marx e Gramsci propõem uma educação voltada para a emancipação humana, onde o homem possui uma formação omnilateral, possuindo todos os conhecimentos historicamente acumulados. Leonardo Da Vinci é um bom exemplo de um homem omnilateral, buscou todos os conhecimentos. Teve uma emancipação humana.

  118. Adriele Freitas Batista disse:

    Neste módulo estudamos as concepções da formação do homem omnilateral e unilateral. Um exemplo de homem omnilateral é Leonardo da Vinci, ou seja, é aquele que se sente completo a partir de sua convivência em sociedade e de seu trabalho, que transcende as expectativas da emancipação política posta pelo sistema capitalista, diferentemente do homem unilateral. Desse modo o homem unilateral é aquele que age de acordo com suas expectativas e vontades, descartando a possibilidade do bem comum, do bem social, ou seja, ele corresponde às expectativas individualistas postas pelo atual sistema capitalista. Nessa perspectiva a escola tem total relevância na medida em que proporciona ao estudante uma reflexão crítica, fundamentada em conhecimentos científicos, que permite ao aprendiz a emancipação humana. Nela, o aprendiz compreenderá seu valor e significado no mundo, podendo contribuir positivamente na construção de novas relações entre seus pares.

  119. Tainara Brandão Gonçalves disse:

    A socialização no processo de formação do homem através da educação,nesse ultimo modulo da disciplina evidenciou-se a formação do homem que foi explicitada nos levando a refletir a partir dos conceitos propostos por Marx e Gramsci onde se evidencia claramente a influencia do sistema capitalista sobe a formação do homem onde se torna rasa e fragmentada aos moldes de uma educação unilateral ou seja uma formação voltada para apenas um conhecimento como em uma fabrica que cada um apenas tem acesso a uma das partes do meio de produção é assim o processo de formação do homem diferente do que demonstra na series de vídeos pautada na vida de Leonardo Da Vinci que teve a possibilidade de desenvolver suas potencialidades assim como prevê a formação Omnilateral visando a totalidade de sua formação.

  120. Letícia Naves Zampieri disse:

    O último módulo de nossa disciplina aborda a formação do homem, em que refletimos sobre a formação unilateral, ou seja, a formação fragmentada e superficial que ocorre na educação imposta pelo sistema capitalista da nossa sociedade, impossibilitando o desenvolvimento intelectual e do senso crítico pleno do indivíduo, assim, formando para a emancipação política, ou seja, formando a classe operária alienada que servirá ao sistema capitalista.
    Contrária à essa formação, estudamos através dos textos de Gramsci e Marx e do filme assistido em sala de aula, a formação omnilateral do homem, que consiste no desenvolvimento de todas as potências e habilidades que o homem pode desenvolver/aprender, ou seja, seu desenvolvimento integral, em todas as áreas do conhecimento. Assim, Gramsci propõe uma formação integral ao homem, que visa a emancipação humana do homem, como exemplificado pelo personagem de Leonardo Da Vinci no filme assistido em sala, que demonstra um modelo de formação e educação omnilateral, uma vez que ele apropria-se dos conhecimentos historicamente acumulados pela humanidade em todas as áreas de conhecimentos e desenvolve inúmeras habilidades simultaneamente.

  121. Franciny Gomes disse:

    Neste último módulo da disciplina estudamos a omnilateralidade e uniteralidade segundo Gramsci e Marx. A primeira trata do homem que busca a emancipação humana, ou seja, o homem omnilateral busca uma 2a alternativa para a educação, o conhecimento em sua totalidade, em contrário ao que é oferecido hoje em nossas escolas, que é apenas a emancipação política, ou melhor, a unilateralidade, na qual o sistema capitalista visa a formação do indivíduo somente em uma direção, uma especialidade.
    No vídeo assistido em aula sobre a vida de Leonardo da Vinci pudemos compreender claramente a proposta de Gramsci sobre a omnilateralidade e sua apropriação dos bens historicamente acumulados pela humanidade.

  122. Amanda Pinheiro Martinelli disse:

    O principal meio de socialização apresentado no módulo 4 foi a formação omnilateral do homem.Essa formação é designada pelo conhecimento total, e não fragmentado como é o ensino atual.Essa formação que é integral contribui para a emancipação humana.O filme de Leonardo da Vinci nos mostrou que Leonardo era um homem ominelateral, pois buscava conhecimento em diversas áreas para a formação de uma totalidade.

  123. Nayara Nunes Ferreira disse:

    A educação deveria ter o papel de formar coletivamente, assegurando o desenvolvimento integral, ou seja, formar o homem omnilateral. O homem omnilateral possui uma mente berta para o saber, e por meio disso é possível chegar a emancipação humana. Para Gramsci, um exemplo dessa formação ominilateral é a de Leonardo DaVinci, um homem que buscou se desenvolver e conhecer em vários campos do saber, não mantendo sua mente fechada, alienada e sim sendo o autor de varias descobertas. A educação não se restringe ao espaço da escola, mas faz parte da vida e da luta das massas trabalhadoras por sua identidade e autonomia. Portanto, a educação não pode ser fragmentada, unilateral, ela deve ser total, omnilateral.

  124. Beatriz Vale disse:

    No Módulo 4 estudamos a crítica à formação unilateral do homem, regida mais uma vez pelo capitalismo. Marx e Gramsci defendem o Homem em sua omnilateralidade, ou seja, a formação na perspectiva da emancipação humana: busca pelo conhecimento historicamente acumulado em todas as áreas, além da valorização das artes em geral. Gramsci critica a maneira como a educação unilateral perdura e cita como exemplo de homem omnilateral Leonardo da Vinci, que viveu na época do renascimento e teve obteve destaque devido à sua formação plena.

  125. Hugo Bastos disse:

    O principal processo de socialização abordado neste módulo foi a formação omnilateral, no qual o indivíduo tem condições de desenvolver todas as suas potencialidades nos diversos aspectos do conhecimento, assim como, teria acesso a todo saber histórico cultural produzido e acumulado pelo homem no decorrer dos séculos. Seria o ensino voltado para a emancipação humana, que promova liberdade de pensamento e consequentemente político, sendo este não fragmentado, mas trabalhado na sua totalidade o que vai ao encontro às ideias de Marx e Gramsci e que verifica um grave contraponto numa sociedade onde impera o sistema capitalista, grande máquina de alienação.

  126. Diana de Castro disse:

    Esse tópico permeia a questão da formação do homem. Na lógica capitalista, imposta na sociedade atual, o homem tem acesso a um saber restringido, ou seja unilateral, que não possui uma formação critica perpetuando a exploração do homem pelo homem. Para Gramsci e Marx, a apropriação dos conhecimentos historicamente construídos é fator fundamental para a emancipação humana. Gramsci propõe uma formação omnilateral do homem, que busca formar o homem na perspectiva da totalidade em diversas áreas do conhecimento de forma integral. Gramsci toma como exemplo Leonardo Da Vinci, considerado por ele um homem omnilateral, que ao longo de sua trajetória desenvolveu sua potencialidade de forma brilhante e profunda em distintas áreas do conhecimento. É preciso que a educação escolar passe a formar o aluno na perspectiva da emancipação humana, ensinando conceitos e conhecimentos historicamente acumulados, buscando uma formação integral, trabalhada com o aluno em sua totalidade.

  127. Denis MAciel disse:

    O capitalismo, pautado numa formação para o trabalho acaba por fracionar este, assim como o faz com a sociedade, com o individuo e com o próprio conhecimento. Eis aí instaurada a unilateralidade, que forma o individuo de forma fragmentada tornando-o um ser limitado. Para Gramsci e Marx a educação deveria ser para formar o homem na totalidade, ou seja uma formação Omnilateral, na qual através da apropriação do conhecimento histórica e culturalmente acumulado o individuo se emanciparia humanamente. Leonardo da Vinci, mesmo com todas as dificuldades de sua época, se tornou ao longo da história o sinônimo do homem ominilateral, pois este buscou apropriar-se de diferentes conhecimentos ao longo da sua vida e não apenas especializar-se em determinada área, mostrando a sociedade que é possível formar o individuo na totalidade e a emancipação que esta lhe proporciona.
    Essa é a tão sonhada educação por muitos filósofos, sociólogos, pedagogos, entre outros, uma educação que forme o individuo em todas as suas potencialidades oferecendo o acesso a todo o tipo de conhecimento, e assim proporcionar a este sua emancipação humana, a fim de romper com a alienação imposta pelo sistema capitalista.

  128. Sofia Lacerda disse:

    Compreendendo que, através do sistema capitalista vigente em nossa sociedade atual o homem se educa e se desenvolve de maneira fragmentada, ele naturalmente virá a se tornar um ser limitado, ou seja, não desenvolverá todas as suas potencialidades em sua totalidade. Na contra mão dessa imposição, Gramsci e Marx teorizam que a formação do indivíduo na instituição escolar, deveria formar o cidadão através de sua apropriação dos conhecimentos histórico e culturalmente acumulados, ou seja, de maneira Omnilateral, tendo como objetivo sua emancipação humana. Descrevendo como essa formação é possível, pontua-se o exemplo – vídeo – de Leonardo Da Vince, que buscava se desenvolver quanto ser humano através do estudo em todas as áreas do conhecimento e momentos de sua vida, uma vez que compreendeu como o conhecimento é importante para a formação do indivíduo e isso o possibilita ir para além do que está posto como “suficiente” pelo senso comum. Assim, essa formação Omnilateral coloca o indivíduo como ser possibilitado de desenvolver todas as suas potencialidades como no campo do conhecimento e da prática, pois teria acesso e se apropriaria do conhecimento histórico e culturalmente acumulado pela sociedade até os dias atuais, culminando no ideal de sua emancipação humana.

  129. Thaís Tamaoki Figueiredo disse:

    A formação omnilateral proporcionaria ao homem meios para expandir seus conhecimentos e habilidades de maneira extraordinária, uma vez que trabalharia no sentido de desenvolver sua formação artística, de autoconhecimento, intelectual, espiritual… Um homem educado dessa forma poderia livrar-se da alienação imposta pelo sistema capitalista e por outros sistemas nos quais é vigente a exploração do homem pelo homem.

  130. Daiane Correa disse:

    O principal processo de socialização abordado no Módulo 4 foi a formação Omnilateral do homem, ou seja sua formação integral, que abrange as dimensões intelectual, corporal e tecnológica e que leva o homem à sua emancipação humana. Essa formação omnilateral é bem diferente da formação atual, em que a educação é fragmentada e destina-se a formação unilateral, onde há divisões de classes e de trabalho, e onde os indivíduos realizam suas atividades de forma alienada, se tornando reprodutores do sistema.
    Para Gramsci a educação, portanto, deve formar o homem na sua totalidade, de modo que o individuo possa apropriar-se de todos os bens historicamente acumulados.

  131. Beatriz Marques Zanuto disse:

    Esse último módulo de Sociologia da educação I centrou-se na formação humana. Para isso, partiu-se do estudo de autores como Marx e Gramsci. Para eles, o conhecimento historicamente acumulado deve ser apropriado pelo homem para que ocorra a sua real emancipação. Gramsci estuda a figura de Leonardo da Vinci e o considera um exemplo de formação omnilateral por ter acesso a diferentes áreas do conhecimento. Ou seja, a omnilateralidade é voltada para a categoria dialética da totalidade, e, portanto, distante da formação fragmentada e unilateral que mantém a exploração do homem pelo homem. Em síntese, enquanto a formação omnilateral leva à emancipação humana, a “formação” unilateral conduz a exploração social.

  132. Giovanna Alves disse:

    Gramsci e Marx, como estudiosos do homem e de sua formação, colaboraram muito para nossa formação enquanto professores, pois neste módulo, no qual estudamos a produção de ambos os pesquisadores, pudemos refletir sobre a formação omnilateral do homem, pois este, como ser pensante, dotado de capacidade teleológica, precisa desenvolver todas as suas potencialidades. Leonardo Da Vince foi o maior exemplo na história da humanidade quando falamos de formação omnilateral. Seria muito bom que todos os Seres Humanos pudessem se desenvolver em suas potencialidades diversas e reconhecer em seu trabalho.

  133. Maria Clara S. Alvarenga disse:

    Pudemos observar a existência de uma relação entre a divisão do trabalho e a unilateralidade, uma vez que a divisão do trabalho também seria responsável pela divisão da sociedade e, por consequência, do indivíduo. Para Marx, a divisão entre trabalho mental e manual, as “duas dimensões do homem dividido, cada uma das quais unilateral” (Manacorda, 1991, p.35). Sendo assim, a divisão entre trabalho e não-trabalho, entre trabalho manual e mental, acaba por alienar o indivíduo em sua atividade limitada e unilateral, impossibilitando-o de desenvolver plenamente suas habilidades e potencial. No entanto, observa-se que o fenômeno da unilateralidade não seria exclusivo da classe trabalhadora, uma vez que a alienação também se manifestaria na burguesia como estado e apropriação, enquanto no trabalhador a alienação se manifestaria em um estado de expropriação. Desta forma, de um lado teríamos o animal campesino e do outro o animal citadino, ambos limitados em seu potencial enquanto indivíduos e alienados pela divisão do trabalho.
    No que diz respeito à educação, Engels e Marx já apontavam para uma educação alienante, afirmando que a educação no século 19, quando disponível para pessoas da classe trabalhadora, estava concentrada nas mãos de entidades religiosas, e servia ao propósito religioso de tais instituições. Sendo assim, a educação de ambas as classes, burguesa e proletária, seria escravizante e alienadora, uma pois direcionaria o conhecimento do trabalhador apenas para o que fosse de interesse do capital, e a outra por se basear sobre conteúdo “decorativo e sem substância” (Manacorda, 1991, p.38). O fenômeno da divisão da sociedade e do homem também implicaria em uma divisão na esfera moral, desenvolvendo pensares conflitantes e estranhos um ao outro, como a moral e a economia, por exemplo. Cada uma dessas esferas (política, econômica, religiosa…) se desenvolveria dissociada das demais, impondo normas diversas e conflitantes entre si, anulando-se.
    Neste contexto, o homem onilateral seria o “homem total”, cujo exemplo se encontraria em Leonardo da Vinci, por sua pluralidade de interesses e habilidades, o indivíduo capaz de desenvolver todas as suas potencialidades por completo, não sendo obrigado a desenvolver apenas certas habilidades em prol do trabalho e podendo transitar entre as atividades manuais e mentais sem ser definido por elas. Por fim, é possível notar a necessidade de reintegração de um princípio unitário do comportamento do homem, que deveria ser feita por um modelo pedagógico que esteja ligado ao desenvolvimento real da sociedade, buscando a não-separação dos indivíduos em esferas contrastantes e alheias umas às outras. Uma educação que não tenha o lucro como objetivo, que não forme um trabalhador, mas um indivíduo completo, estimulando-o a desenvolver a totalidade de suas capacidades.

  134. Ester Paula disse:

    Esse módulo da disciplina traz os pensamentos de Gramsci e Marx sobre a formação do homem. Esta deve ser voltada para a omnilateralidade, com conhecimento sem fragmentação, buscando assim a quebra da alienação.
    No vídeo que relata a vida de Leonardo Da Vinci, é mostrada essa busca pela formação integral de um homem omnilateral. Da Vinci, em sua história, procura a acumulação de conhecimentos diversos e de várias formas.
    Essa formação integral tem seu objetivo na emancipação humana, indo de encontro aos moldes de educação do capital.

  135. O módulo quatro aborda basicamente dois processos de socialização: a educação unilateral e a educação onilateral.

    A primeira se trata da educação especializada para um determinado trabalho, que tem por objetivo fazer com que um ser humano exerça uma atividade ou até mesmo um conjunto de atividades, todas elas especializadas, que o permita realizar não somente o seu trabalho, como o de outros profissionais com funções próximas à da sua atividade principal (por exemplo, um operador de torno que aprende a consertar o torno, poupando gastos com um segundo profissional…). O problema deste tipo de educação é que ela não permite mudança de função social, e isso inclui qualquer possibilidade de mudança de classe.

    Por outro lado, a educação omnilateral defendida por Marx, segundo Manacorda, se trata de uma educação que busca o desenvolvimento completo e multilateral, em todos os sentidos das faculdades e forças produtivas, das necesidades e da capacidade da sua satisfação (MANACORDA, p.79). Vale a pena ressaltar os estudos de Schlesener sobre a visão de Gramsci sobrre a educação omnilateral, que tomava como exemplo Leonardo da Vinci e tinha como objetivo educar o homem para uma nova sociedade, para uma nova busca cultural e, principalmente, para uma emancipação política.

  136. Poatan Pinoti disse:

    Se analisarmos a vida sobre uma perspectiva biológica perceberemos o quão diversa ela pode ser, não só no que diz respeito a formação de um organismo, mas também em caracteres comportamentais de seres por exemplo da mesma espécie, como acontece conosco, Homo sapiens. Essa diversidade desperta muitas vezes a curiosidade que leva o indivíduo a estudar e descobrir tudo que for possível a sua volta, completando pouco a pouco o acervo daquilo que é formado o universo, ou seja, a totalidade. Essa formação abrangente, tem como maior exemplo Leonardo Da Vinci, embora conhecido por suas obras artísticas, transitou por diversos campos como anatomia médica, engenharia bélica, engenharia civil, entre outras. Essa polivalência, concedeu a esse humano dos tempos mediáveis o título de ser Omnilateral, ou seja, ser que se apropria das diversas áreas do conhecimento, da sua multilateralidade. Essa socialização multilateral – defendida por Gramsci e Marx, como o caminho pelo qual o indivíduo obtém sua emancipação humana, tornando-o realmente livre – vai de encontro a unilateralidade, formação social proposta pelo sistema econômico vigente, o capitalismo, o qual fraciona, limita e direciona o conhecimento a fim de manter a diferença de classes que o sustenta.

  137. Bruna Fernandes disse:

    Este ultimo módulo diz respeito à formação do homem por Gramsci e Marx . O homem deveria ter uma formação omnilateral, ou seja , integral sem fragmentações como há na formação unilateral, que é alienada. Leonardo da Vinci é o modelo idealizado por Gramsci e Marx, Leonardo um homem brilhante, que procurava apropriar-se do conhecimento de todas as áreas sem fragmentações. A formação omnilateral vai para além de uma sociedade capitalista e visa a emancipação humana. Então para se alcançar o emancipação humana é preciso superar a sociedade capitalista.

  138. Amanda Crivelin disse:

    Marx e Gramsci propõem uma formação omnilateral, uma formação mais ampla, mais avançada, ela rompe com o homem limitado da sociedade capitalista, gerando uma revolução social. Atinge uma variada formação do ser social em relação a moral, ética, artística, sensibilidade, entre muitos outros. Assim, gera-se liberdade, que submetem as relações sociais a um controle coletivo, que superam a separação entre o trabalho manual e intelectual, superando o individualismo e colaborando para emancipação humana.

  139. Talita de Castro Pietrobon disse:

    O módulo 4 nos faz pensar na dicotomia entre as duas ideologias distintas a seguir, primeira é a do homem unilateral, ideologia essa gerada pela fragmentação da educação capitalista, responsável por preparar o indivíduo para o mercado de trabalho, papel esse que o torna um ser limitado de conhecimento e específico. O indivíduo omnilateral, que é o ser completo, emancipado, para Gramsci é papel da escola construir essa ideologia, oferecendo todo conteúdo que o aluno tem direito, defende que o ser se constrói pela totalidade oferecida na escola, e temos um exemplo bem característico para ilustrar essa ideologia – Leonardo Da Vinci – que sempre buscou o conhecimento incansavelmente. Esta segunda ideologia descrita acima é o que almejam os pedagogos e outros pensadores, pois veem nela uma esperança para essa realidade falha de conhecimento.

  140. Carolina Campos dos Santos disse:

    O principal processo de socialização abordado no módulo 4 desta disciplina, trata-se da omnilateralidade e unilateralidade do homem. O sistema capitalista e suas estruturas mantenedoras como, a propriedade privada, a divisão de classes e a valorização do capital, não poderia contribuir de forma diferente para formação de uma sociedade como a atual, caracterizada pelas desigualdades, competitividade, individualidade, fragmentação da educação para as classes mais pobres com qualidade exclusiva para a elite. Ou seja, uma sociedade alienada imersa no conceito da unilateralidade humana que têm seu desenvolvimento limitado devido às determinações do movimento de valorização do capital. Nos textos de Gramsci e Marx, o que superaria essa formação atual denomina-se de omnilateralidade do homem, para isso seria necessário o homem se desvincular da sociedade capitalista, com as relações sociais submetidas à um controle coletivo, que integre o trabalho manual com o intelectual, sendo o trabalho humano uma manifestação livre (como é metaforicamente comparado com a história de Da Vinci), atuando em todas as suas potencialidades.

  141. Ana Paula Angelon Delmonico disse:

    O trabalho, segundo Marx, é o que humaniza o homem, no entanto, nas sociedades capitalistas essa função do trabalho é totalmente descaracterizada e acontece o contrário: a desumanização do homem, que por ser alienado, torna-se unilateral. Marx cria a concepção de homem omnilateral ou também chamado de vitruviano, este homem recebe uma educação omnilateral que devolve para ele a sua total capacidade de produzir e contempla a totalidade de suas capacidades produzidas porem o permite atender seus prazeres e desejos e não aliená-lo ao trabalho unilateral. Um exemple de homem omnilateral foi Da Vinci, que desempenhava várias funções no momento histórico em que viveu, cientista, matemático, mas também pintor, inventor.

  142. Nathaly Martinez disse:

    O módulo 4 aborda o processo de socialização a partir do conceito de formação unilateral e omnilateral desenvolvido por Marx e explicado a partir da metáfora gramsciana do homem moderno na figura de Leonardo da Vinci.
    A formação unilateral visa formar o indivíduo especialista em determinada área do conhecimento, e é a partir dessa especialização que o indivíduo se torna um ser alienado pelo trabalho e pela divisão social. Já a formação omnilateral visa a formação do indivíduo para a emancipação humana e apropriação por parte de todos os bens materiais e culturais produzidos historicamente.
    A metáfora de Leonardo Da Vinci utilizada no livro ‘’A escola de Leonardo: Política e Educação nos escritos e Gramsci’’ é usada para exemplificar o que seria o ideal de homem integral, plenamente desenvolvido, ou como diria Marx, do homem omnilateral. Ele utiliza essa metáfora do homem moderno, cuja formação se perdeu no curso da história do capitalismo, e que se apresenta como ideal de formação integral a alcançar na sociedade comunista. Ou seja, ele relacionou a época em que Leonardo viveu, Renascimento Cultural, que foi período de grande florescimento e esplendor cultural com a possibilidade do indivíduo de desenvolver ao mesmo tempo várias atividades por meio do princípio do ‘’aprender fazendo’’, lembrando que Leonardo foi: pintor, musico, engenheiro, escultor, anatomista.

  143. Amanda de Lima Dornellas disse:

    Leonardo da Vinci nasceu no dia 15 de abril de 1452, seu vasto conhecimento (cientista, matemático, poeta. etc.) deu-lhe a chance de ser o único homem que projetou a obra ” O homem vitruviano” com todas as proporções corretas.
    Na tentativa de fazer uma obra perfeita, Leonardo conseguiu construir o que Marco Vitruvio Polião idealizou em seus dez livros sobre arquitetura como as proporções perfeitas do corpo humano. Outros três artistas abriram suas mentes com o objetivo de alcançar a perfeição das medidas ( Francesco di Giorgio, Albrecht Durer e Robert Fludd) e o próprio Vitruvio tentou encaixar o corpo humano dentro da figura do quadrado e do círculo, todos sem sucesso.
    Conhecida como o Cânone das Proporções, está obra projetada pelo Da Vinci em seu diário pessoal e é tida com um patrimônio cultural.
    O homem vitruviano foi esculpido em 1490 e hoje está em disposição na Galleria dell’Accademia em Veneza, Itália.

  144. Emmanuela Amaral de Souza disse:

    Conforme visto, a educação está voltada para o modelo unilateral de formação, onde há um estudo sem exame crítico, sem a realidade do aluno, apenas uma reprodução de conceitos, também como uma fragmentação disciplinar que gera um distanciamento do aluno ao conhecimento e a sua interdisciplinaridade, causada também pelas relações de poder e a hierarquização da educação, onde os alunos são passivos e receptores.
    A educação assume na sociedade capitalista a função de formar o trabalhador, e não a operar no seu sentido mais amplo, se dando na forma de opressor e oprimido assim como na realidade social em que está situada, e não forma o indivíduo da forma mais integral possível.
    Durante o renascimento a metáfora da Escola de Leonardo torna-se uma espécie de exemplo de como a formação do indivíduo deveria operar. A educação faz parte da vida e das lutas das classes trabalhadoras e educar é interagir de acordo com esta concepção. Política e educação se entrelaçam través da dialética e formam uma relação recíproca. O homem é o centro de todas as formas como Leonardo expressou em sua obra O homem Vitruviano, e o intelectual pode ser formado para manter a ordem ou transforma-la.
    A lapidação do homem a uma determinada sociedade ocorre desde a disciplina escolar, e Gramsci propõe uma revolução cultural. Cada sociedade possui um ideal de indivíduo, e vai formar este cidadão através da educação, formar o homem que possua os ideais da sociedade vigente. Sendo assim estamos condicionados à sociedade. O processo de socialização ocorre ao longo de toda a vida humana, e por trás desses processos há interesses do Estado.
    Marx define o seu conceito de formação Ominilateral, que seria uma formação humana oposta à formação unilateral provocada pelo trabalho alienado, pela divisão social do trabalho e pelas relações estranhadas. Seria a ruptura com este homem limitado que compõe a sociedade capitalista, formaria assim homens que reconhecem mutuamente sua liberdade, atingem uma gama variada de formação, chegam a totalidade do desenvolvimento humano, a universalidade. Leonardo da Vinci seria o exemplo desta possibilidade, uma vez que o mesmo era um grande cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor, arquiteto, botânico etc. A educação Omnilateral é uma pedagogia da emancipação humana para a construção de uma nova ordem social e política.

  145. Rodrigo Loreto de Souza disse:

    O “Homem Vitruviano” também conhecido como “Homem Omnilateral” surgiu pela ideia do arquiteto Marco Vitruvio Polião ao propor o desafio aos diferentes artistas, tratadistas, estudiosos da época que encontrassem as proporções exatas do corpo humano, baseando-se em conceitos matemáticos. O trabalho foi desenvolvido por diversas pessoas, sendo que uma das mais famosas foi feita por Leonardo da Vinci ao encaixar as proporções humanas no quadrado e círculo.
    O Homem Omnilateral é retratado, na perspectiva de Karl Marx e Gramsci, de grande importância para o problema da educação, pois refere-se à formação humana que contempla o desenvolvimento de todas as suas capacidades universais. No entanto, contrapõe-se ao Homem Unilateral, aquele que é alienado pelo trabalho, pela reificação e pelas relações burguesas.

  146. Pietra Magela Silva Sinhorini disse:

    O Homem Vitruviano ou Homem Omnilateral é uma obra de Leonardo da Vinci, que se baseou nos livros de Marcos Vitrúvio Polião, nele Vitrúvio propôs inserir um corpo humano dentro de um quadrado e um círculo, mesmo tentando não obteve sucesso, depois de anos o encaixe perfeito foi estabelecido por Da Vinci.
    Na obra de Marx e Engels é possível identificar o Homem Omnilateral como aquele que deixa de ser influenciado pelo Capital. É importante estudar essa concepção na educação, por que o modelo atual da escola é unilateral , a escola não consegue mudar devido constantes transformações políticas,econômicas,sociais e tecnológicas, devido a esses fatores a escola acaba contribuindo para a formação voltada ao mercado de trabalho. Diante disso é necessário uma educação omnilateral,ou seja uma educação voltada para a formação do intelectual e do ser não alienado

  147. Rafaella Valêncio disse:

    Vimos no módulo quatro que a divisão do trabalho condiciona a divisão da sociedade em classes. Vimos também que a educação é voltada ao modelo unilateral, onde não há um exame crítico no estudo, as disciplinas sofrem fragmentações e ficam sob responsabilidade de diversos professores que as apresentam como se possuíssem um fim em si mesmas, o que dificulta a compreensão do aluno que se apropria de apenas pedaços de conhecimento, gerando desinteresse daquela disciplina. No modelo unilateral de educação o trabalho coletivo e a solidariedade não são incentivados pela escola e sim a competitividade entre grupos ou entre os alunos, também tem a questão da relação de poder que é cultivada em relação aos alunos, que é exigida a obediência das regras que compõem o “regime escolar”. A partir desse processo de ensino, fragmentado que forma o individuo alienado para o trabalho e a divisão social.
    Marx propõe uma formação omnilateral às crianças e jovens que abrangeria as dimensões intelectuais (que seriam os conhecimentos teóricos e estudo de assuntos que não teriam um caráter imediatamente operativo e instrumental), Corporal (atividades esportivas/físicas, o lazer e o lúdico) e a dimensões tecnológicas (tanto o conhecimento teórico quanto o prático ou seja trabalhar com “o cérebro e as mãos”). Essa formação omnilateral valoriza todas as dimensões e potencialidades do sujeito com vistas ao seu pleno desenvolvimento o que inclui a abordagem da solidariedade com um valor subjetivo (emoções e representações) e objetivo (trabalho social produtivo).
    Leonardo da Vinci é um homem brilhante, que procurava apropriar-se do conhecimento de todas as áreas sem fragmentações, foi um modelo idealizado por Gramsci e Marx.

  148. Carla Taina Simioni Vieira disse:

    Para os sociólogos estudados nesse modulo, a educação está associada ao processo de socialização com conceitos baseados na unilateralidade e omnilateralidade. O ser unilateral é fruto do sistema capitalista, o qual possui um sistema de educação formador de homens especialistas em direções especificas, o que o torna limitado à ações sociais e culturais não determinadas por ele, nem por suas reais necessidades humanas, criando seres individualistas, egoístas e competitivos. Marx e Gramsci consideram a educação e formação do homem omnilateral como emancipação humana, rompendo com a alienação e sua ligação com o mundo capitalista, gerando homens capazes de pensar, discutir, argumentar por si próprios, assim, como vimos em Leonardo Da Vinci, não se bastava com o que tinha e sabia, buscava sempre entender e aprender mais, desenvolvendo várias especialidades para se tornar um cidadão integral, um homem completo e desenvolvido em variadas dimensões humanas.
    O conceito de omnilateralidade também tem relação com outro conceito marxiano importante para o problema da formação humana que é o de politecnia. A politecnia representa uma proposta de formação articulada ao próprio momento do trabalho abstrato, possuidor de muitas técnicas, tornando-se um ser pluriprofissional que é desenvolvido pelo por uma realidade imposta pelo próprio desenvolvimento da grande indústria.

  149. Paula Restivo Gardini disse:

    Dentre os temas abordados no Módulo 4 da disciplina de Sociologia da Educação, podemos citas as mudanças nos processos de escolarização no início do século, o chamado movimento escolanovista, trazendo consigo adequações pedagógicas e renovações no ensino.
    Também dentro do assunto das últimas apresentações, discutimos com base no livro “A escola de Leonardo – política e educação nos escritos de Gramsci”, sobre as metáforas e indagações gramscianas, e homem omnilateral, que destaca a possibilidade do homem revolucionar sua posição na sociedade diante do capitalismo, podendo desta forma, redefinir o quadro de desigualdades sociais acarretadas por esse sistema. A ausência de uma definição de classes, meramente por não haver necessidade de faze-la, seria o ideal econômico e democrático em questão.
    No livro, a visão política de Gramsci, tem relação direta com a visão e escritos de Marx, em que acreditam que o poder de domínio e a força, objetivam-se em condicionar e formar comportamentos. Indaga justamente sobre a necessidade de renovação estrutural da escola pública brasileira e toda uma restruturação social e política, pondo como ponto de partida, a compreensão devida das implicações do defasado sistema capitalista e a alienação do homem moderno.

  150. Beatriz de B. Zamonel disse:

    O módulo 4 trata da formação do homem, abordando, principalmente, o ‘Homem Omnilateral’.
    Segundo Marx, com a divisão do trabalho o homem também é dividido, sendo assim unilateral (formação especializada) . Já a omnilateralidade é oposta à formação unilateral e tem como condição a superação da alienação e da propriedade privada, o homem omnilateral seria completo e multilateral. O conceito de omnilateralidade de Marx tem várias dimensões: ética, moral, intelectual, prática, etc.
    Também neste módulo foi vista a metáfora gramsciana do livro “A Escola de Leonardo: Política e Educação nos escritos de Gramsci”, que traz Leonardo da Vinci como o ideal de formação omnilateral.
    Leonardo da Vinci viveu durante o Alto Renascimento, foi um grande pintor, escultor, cientista, anatomista, matemático, engenheiro, botânico, poeta, músico, arquiteto…
    Para Marx e Gramsci a formação do homem omnilateral seria a emancipação humana, um rompimento com o capitalismo.

  151. Thaís Damaceno disse:

    O homem unilateral é aquele controlado pelo capital, alienado, limitado e sem conhecimento do todo. A educação no capitalismo se dá pelos critérios de separação entre a formação pratica e a racional, o que amplia o processo de alienação. Em virtude do capitalismo, algumas das adversidades na educação unilateral: Se reproduz os conteúdos sem nenhuma problematização ou aprofundamento, as atualidades são pouco trabalhadas, há fuga da realidade vivida pelos alunos, distanciação entre eles, o que incentiva a competição, a individualidade e não coletividade entre os seres sociais. Além do método interdisciplinar que cria uma sobreposição ao invés de uma relação entre os conteúdos aplicados.
    Em contraste, o homem omnilateral é o indivíduo completo, aquele que se sobressai de maneira consciente e autônoma em um relacionamento de conhecimento e interação com a sociedade em que vive. Logo, a educação não deve ser um processo de formação de mão-de-obra, mas uma conexão entre produção e ensino. Dessa forma, Sugere-se uma educação escolar solidaria que trabalhe as dimensões intelectuais (conhecimento cientifico, sistemático) e corporais (lazer, esportes) aliando o manual ao intelectual. Certamente, a função da educação escolar na sociedade capitalista é formar trabalhadores, porém deveria ser orientar o aluno a lidar com as relações humanas sem competição, mas em cooperação.
    Em suma, a politica e a educação devem se entrelaçar para criação de uma nova sociedade, pois o Estado tem papel de educador para criar um novo tipo de socialização. Todavia, o individuo se adapta aos meios de produção, o que só consolida os moldes da sociedade capitalista em vigor, assim sendo, para haver mudança é preciso um olhar crítico, porque a educação não se restringe a escola, é também interagir e entender as relações humanas.

  152. Giovanna Bertelli B Reis disse:

    O processo de socialização é constituído pela aprendizagem de técnicas,
    de conhecimentos, a incorporação de padrões de comportamento social e
    a interiorização de valores. Esse processo ocorre durante toda a vida humana, desde o inicio, a criança com a mãe, depois com a família, continuando com jogos, costumes e as instituições sociais. A socialização esta relacionada a papeis existentes em uma sociedade, que contribuem para a formação de uma criança que se inspira nas funções exercidas pelos adultos.
    O principal processo de socialização estudado nesse modulo é a formação Omnilateral, que para Marx é a ruptura do Homem limitado com a sociedade capitalista. É um ideal de Homem que supera a separação entre trabalho manual e intelectual que deixa de ser individualista e de ter preconceitos com vida social burguesa. Esse Homem Omnilateral não valoriza o possui ou o que domina, ele esta em aberto para buscar sempre além de seu conhecimento. A omnilateralidade visa à superação do capital, da alienação e da Propriedade privada. Essa concepção tem a educação como uma ferramenta que faz o homem capaz de criar a sua própria historia sua cultura. E também une a escola a sociedade modificando o quadro de desigualdade na sociedade capitalista.

  153. Natássia Novaes Pereira disse:

    O módulo 4 da disciplina Sociologia da Educação abordou a omnilateralidade do homem na educação que, segundo Gramsci, deveria ser estabelecida através de uma escola nova que viraria a formação de intelectuais de luta.
    A produção unilateral é a que visa somente a preparação do homem para o trabalho alienado, de forma fragmentada, onde predomina a exploração de classes, como acontece no sistema capitalista. Segundo Marx, a educação no capitalismo é organizada tendo como parâmetro a separação entre a formação manual e intelectual. Essa lógica de reprodução da sociedade distribui, socialmente, o desenvolvimento das capacidades humanas de forma desigual excludente, visando ampliar o processo de exploração e dominação.
    A produção omnilateral é a que objetiva o homem completo pelo trabalho produtivo e pela vida em sociedade e é isso que, segundo Gramsci é fundamental pra a formação humana. Para Gramsci deveria haver uma formação omnilateral do homem, onde esse fosse liberto de qualquer forma de escravidão, dando a ele direitos sobre aquilo que produz, além de formá-lo como ser humano completo, de forma integral.
    Para Marx, pensar no homem como ser omnilateral é dizer que o mesmo tem direitos e deveres, construtor de sua história, mas sem excluí-lo do mundo do mercado, formando-o com consciência crítica que lhe possibilite autonomia ao se relacionar com este mundo e não simplesmente a aceitação do mesmo. É uma ruptura com o homem limitado da sociedade capitalista
    A educação escolar e o professor, nesse contexto, poderiam ser os elos aglutinadores dessa proposta de superação.

  154. Ana Júlia Avansi Mateus disse:

    Conforme abordado no Módulo 4 da disciplina de Sociologia da Educação, a escola como conhecemos hoje é objeto de muitas críticas, três fatores encontram-se vinculados a esse problema, o estudo sem exame crítico da realidade atual, a fragmentação disciplinar e as relações de poder instituídas. A base da escola capitalista é o ensino academicista e livresco e deixa de corresponder à sua real função educativa que é formar o ser humano a partir do confronto das ideias e pensamentos. Outro aspecto das críticas diz respeito à fragmentação disciplinar, onde o saber aparece dividido em disciplinas que ficam sob a responsabilidade de diversos professores.
    Mudar a escola na sociedade capitalista é extremamente complicado e a mudança deve ser efetivada na escola e na sociedade. De acordo com Marx a forma de ensino adequada seria a formação omnilateral, que prepara o homem pra todas as areas do conhecimento, abrangendo dimensões intelectuais, corporais e tecnológicas.
    Marx destacou a importância da prática na educação com o trabalho social, o trabalho oferece elementos concretos para a problematização da sociedade, para a vinculação entre atividade manual e intelectual.
    Na concepção de sociedade capitalista , a ligação entre ensino e trabalho produtivo adquire um alto valor educativo pelo fato de superar a divisão entre trabalho físico e intelectual, contribuindo para o desenvolvimento do homem em contraposição ao desenvolvimento unilateral imposto pelo capitalismo.
    Além disso, Leonardo da Vinci foi um modelo idealizado por Gramsci e Marx, porque ele tentava estudar sobre todas as areas, sendo um homem brilhante.

  155. Lara Lais Libralão de Oliveira disse:

    Com base no que foi apresentado a partir do livro “a escola de Leonardo”, este quarto módulo trabalha sobre o homem vitruviano (ou omnilateral) a partir dos estudos de Gramsci sobre Leonardo da Vinci. Existem dois “tipos de homens”: o unilateral e o omnilateral, sendo que o primeiro é aquele que busca a especificidade e o segundo, seria o ser ideal, com plenos conhecimentos. Em uma sociedade capitalista, cujo objetivos visam grande produção para aumentar lucros, o ser unilateral é considerado ideal, pois tem apenas um foco e se especifica nele, tornando-se limitado e impossibilitado de sair de sua zona de conforto porém, gera mais lucros por se inserir no mercado em um modelo fordista de produção.
    O ser omnilateral seria aquele que, em um mercado de trabalho, por exemplo, tem mobilidade em sua área de atuação, pois conhece seu objeto de produção por completo, e não apenas alguma parte específica. Trazendo essas linhas de estudo para a educação, o que se almeja é uma educação omnilateral, pois somente ela permitiria plenos conhecimentos em todas as áreas, o domínio em cada uma delas, livrando o individuo da alienação pois, portando o conhecimento que é seu por direito, seria ele apto a fazer os julgamentos que achar necessário, levando em consideração apenas sua reflexão e não a de terceiros. O problema da educação unilateral é justamente essa alienação que o corre por ter seus conhecimentos voltados a algo específico, não abrangendo outros assuntos relevantes para a formação humana e social do indivíduo.
    Dessa forma, utilizando também os pensamentos de Marx, além os dele próprio, Gramsci nos leva a refletir sobre o modelo educacional utilizado. Apesar de parecer uma utopia, o modelo educacional almejado seria de fato o mais ideal, já que capacitaria o individuo plenamente para exercer sua função como ser pensante. A pedagogia seria umas das principais responsáveis por iniciar essa mudança na educação, buscando sempre o conhecimento histórico-cultural acumulado para alcançar a forma mais ideal, com a educação para formar homens omnilaterais, livres através do pensamento.

  156. Bruna Villanova Heguedusch Lavia disse:

    A escola é um objeto de críticas devido ao seu distanciamento da realidade e atividades penosas e não agradáveis. Professores e alunos estão insatisfeitos com a “falta de sentido” que está sendo aderida a escola, pois esta deixa de exercer sua principal função: formar o ser humano. O estudo da realidade é o exercício da crítica e a tomada de posição, e a escola tem como objetivo contestá-la (realidade) e propor ações transformadoras no contexto de um novo projeto de sociedade, analisando disciplinas e assegurando o estudo da concepção marxista dos fenômenos sociais. A fragmentação disciplinar (outra crítica à escola) é o saber aparecendo dividido em disciplinas e dependendo de professores, o que dificulta a compreensão do aluno podendo geral desordem e revolta. Estes fatores são decorrentes da forma de organização do trabalho pedagógico adotado pela escola. A separação de alunos, classes, turmas, professores não é só uma facilitação do trabalho, mas também um mecanismo de um saber tido como universal. Percebemos que “trabalho coletivo e solidariedade” não são práticas incentivadas pela escola. Para superar este problema é preciso mudanças estruturais da escola e mudanças por parte dos profissionais, também é preciso romper com a visão distorcida da interdisciplinaridade como sobreposição de disciplinas e saberes. A superação da fragmentação está no fim da disciplina engessada e colocada como absoluta. No capitalismo as relações de poder para com os alunos, exige obediência as regras que compõem o “regime escolar”. A escola não é só uma espécie de “doutrinamento ideológico”, mas também o “disciplinamento material” como garantia de formas as crianças e jovens. A constituição do coletivo infantil, tem como princípio a auto-organização dos alunos, lembrando que na concepção marxista, a auto-organização é concomitante ao desenvolvimento do coletivo infantil, impondo-se como uma necessidade e consequência do coletivo.
    A “forma escolar” que melhor corresponde a um novo projeto de sociedade, é a que visa a formação omnilateral às crianças e jovens, abrangendo dimensões intelectual, corporal e tecnológica. O trabalho oferece elementos concretos para a problematização da sociedade, para a vinculação das atividades intelectual e manual e condição para a vivencia de relações sociais e econômicas entre pessoas. Para Pistrak, a superação da fragmentação exige a adoção de um método dialético, fazendo com que temas da realidade atual fossem objetos de estudos nas escolas. Além disso, ele defendia que as crianças deveriam participar de formas de trabalho de acordo com necessidade e utilidade social. “Trabalho coletivo” para Marx, era a associação universal de todos os membros da sociedade com vista a exploração coletiva e ordenada das forças produtivas. Em síntese, a forma escolar da sociedade democrática deve propiciar a formação omnilateral, valorizando todas a potencialidades do sujeito, incluindo a abordagem da solidariedade como um valor subjetivo e objetivo.

  157. Thiago Augusto Cardoso Lázaro disse:

    Neste módulo podemos compreender o processo de socialização que nos mostra uma formação unilateral ou seja, o individuo apropria-se apenas do conhecimento que lhe é dito como necessário apenas para determinada função, sendo assim a chamada divisão do trabalho, voltada para a formação especializada, criando assim a alienação estudada por Marx.
    Diferente de uma formação unilateral, Leonardo da Vinci entre muitas outras coisas era também conhecido como pintor, pois possuía uma formação omnilateral, sendo considerada por vários autores como a formação ideal onde o indivíduo se apropriava de diversos conhecimentos de diferentes áreas.

  158. Raquel Santos de Santana disse:

    A formação do omnilateral
    Pensamento marxista defende que o homem deve se sentir completo a partir de uma convivência em sociedade e de seu trabalho,que se refere a uma formação humana oposta á formação unilateral provocada pelo trabalho alienado,pela divisão social do trabalho,pela reificacação,pelas relações burguesas estranhadas,enfim.
    Embora não haja uma definição precisa do conceito,Marx se refere com a ruptura do homem limitado da sociedade capitalista que diz respeito a aspectos de formação do ser social,uma ruptura que atinja os campos da moral,ética,do fazer prático,da criação intelectual etc.No sentido educacional isso implica dizer pensar em uma educação integrada,que possa romper e superar a dualidade sócio-educacional isto é uma prática educacional cidadã,que forme indivíduos ativos,críticos e autônomos.

  159. Vitória Helena Corrêa da Silva disse:

    Dentre tudo o que vimos que são fundamentais para a nossa formação, está Émile Durkheim que foi um dos fundadores da sociologia da educação. Onde viu na educação características marcantes do que ele chamava como fato social, ou seja, fazia parte da sociedade e estava no exterior do individuo, mas ele era influenciado por isso. Através de Durkheim que a palavra socialização é usada junto com educação, indicando que cada pessoa tem sua consciência própria, mas também um sistema de ideias que não refletem o seu próprio eu, e sim, as características do grupo em que ela vive, formando o ser social e por fim, concretizando a finalidade da educação, visto por Durkheim.
    Essa teoria foi vista, mais tarde, não muito nítida e foi criticada por estudiosos que a ampliaram generalizando-a como processo geral da socialização, considerando que isso ocorre durante toda a vida, se iniciando quando criança e prosseguindo até pelos grupos que serão frequentados pelos indivíduos e atividades que eles irão demonstrar interesse.
    A formação Omnilateral surge como o principal Processo de Socialização se opondo a formação unilateral (desenvolvimento do individuo em direções estabelecidas, formação focada em algo único, ou seja, especializada, fazendo do homem um ser individualista, competitivo e egoísta), provocada pelo trabalho alienado e vista com um papel muito importante para o pensamento dos problemas da educação para Marx.
    O Homem Omnilateral, segundo Marx, é o que se reconhece na liberdade e se submete as relações sociais a um controle coletivo e vence a separação entre trabalho manual e o intelectual, não sendo individualista. Ele não se define pelo que possui, e sim pelo o que ele ainda vai possuir e conhecer, podendo afirmar que isso equivale ao homem rico citado por Marx. No geral, o Homem Omnilateral é o que eleva-se ao capital, a alienação e a propriedade privada.

  160. Débora Ferreira Gite disse:

    No modulo 4 de Sociologia da Educação I foi estudado a formação do homem omnilateral e unilateral. O modelo de educação unilateral expressa a divisão social do trabalho e a alienação do trabalhador que se nega pelo trabalho e o torna estranhado, se opondo a formação omnilateral. Marx define que a formação omnilateral é a ruptura com o homem limitado dentro da sociedade capitalista,defendendo uma formação total, integrando o saber geral e o profissional, desenvolvendo diversas áreas do conhecimento, uma junção de trabalho e educação. Leonardo da Vinci é visto como um exemplo da educação omnilateral, pois ele buscava todas as áreas do conhecimento, obtendo uma formação ampla e completa.
    A educação deve buscar a formação integral, não se deixando prender ao modelo de ensino imposto na sociedade capitalista, buscando a emancipação humana.

  161. Victória disse:

    A Formação Omnilateral foi criada por Karl Marx e se opõe à Formação Unilateral, visto que essa última preocupa-se em formar o homem para o mercado de trabalho, enquanto a primeira preocupa-se em formar integralmente o indivíduo.
    Assim, a Omnilateralidade rompe com o homem limitado do capitalismo, que é formado para trabalhar e ser alienado, iniciando uma formação na qual o homem teria capacidade ética, moral e intelectual.
    Seguindo a lógica da Formação Omnitaleral, existe a politecnia, que diz respeito à uma educação baseada no conhecimento de várias técnicas. Essa ideia se aproxima da ideia criada por Marx, porém inserida na nossa sociedade capitalista, ela é ligada às técnicas que se relacionam com a produção e não com o desenvolvimento múltiplo do homem, proposto por Karl Marx.

  162. Carolina Zozzi disse:

    A divisão do trabalho gera uma hierarquia social na qual a burguesia, ao deter os meios de produção, subjuga as classes dominadas. No sistema capitalista, o alvo de educação é unilateral, fragmentada, que forma cidadãos com pensamentos iguais, como um processo de formação de mão-de-obra barata. Gramsci, a partir de Leonardo da Vinci, propõe a formação omnilateral, onde tem-se a emancipação humana, forma pela qual se dá uma formação integral. Nesse modelo de formação humana, a educação é vista como total, para que o indivíduo se veja como parte de um todo, com consciência de seu papel e apropriando -se dos bens culturais, espirituais, materiais e intelectuais.

  163. Damiana Alves Oliva da Cunha disse:

    Dentre os assuntos vistos na última discussão está a formação omnilateral do homem, que seria uma educação mais ampla, e não fragmentada como conhecemos hoje: estudamos assuntos específicos para aprender a desempenhar tarefas específicas de acordo com a demanda de nossa sociedade capitalista. A formação omnilateral proposta por Gramsci trata do homem que se apropria de todos os conhecimentos tanto quanto lhe for possível, tornando-se um indivíduo completo, visando sua emancipação. Portanto, a educação fragmentada que recebemos hoje forma indivíduos unilaterais. Um exemplo perfeito de homem omnilateral é Leonardo da Vincci, que foi educado e absorveu conhecimentos de diversos campos: arte, ciência, anatomia, engenharia, entre outros. Este exemplo nos mostra como a sociedade em que vivemos nos priva de tantos conhecimentos que não deveriam ser exclusivos, mas livremente divulgados, sendo a alienação nossa única herança.

  164. Tamires G. E. Squizato disse:

    Unilateralidade é o que está situado para um lado só, logo o Homem unilateral é o atual homem do senso comum, ou seja, sem a busca pelo conhecimento verdadeiro, reprodutor da sociedade, controlado de todas as formas, alienado, que não se sobressai. Diferentemente do homem ominilateral que é o individuo que racional e que tem autonomia sobre o seu saber. A crítica é que o sistema capitalista propõe que sejamos unilatereais mas para Gramsci a ser deve ser ominilateral.
    Gramsci propõe uma pedagogia Ominilateral, ou seja, que deve estar sempre em transformação como a ideal. A imagem acima é conhecida como Homem Vitruviano é a figura é estabelecida dentro de um quadrado e de um circulo de um homem cujo o umbigo está centralizado na imagem, retratando a figura de um homem Ominilateral.

  165. Jaqueline Garcia Alves disse:

    O “Homem Omnilateral” é o modelo de indivíduo que foge da ideologia capitalista de educação. Este modelo visa integrar o conhecimento em todas as dimensões de nossa existência, o fazendo um intelectual , a educação escolar é responsável pela conservação de todos os conteúdos armazenado e articulado pela ideologia. Estudado por muitos filósofos, como Gramsci que tem como pensamento a Escola Unitária como experiência que constrói a comunidade , a formação que é recebida na escola em que se foge do pensamento do senso comum , para todo o processo de conhecer a ciência ,as artes deve-se ser um processo único, todos devem deter deste conhecimento unificando assim a sociedade.
    Preparando o indivíduo para o trabalho , para a vida social , para a cultura , a educação formada em todos os meios. Desta forma deve-se pensar na prática docente do educador voltado para essas questões e visando a formação segundo as construções morais e sociais do ser.
    Tendo como representante Leonardo da Vinci , pois ele era a representação do homem omnilateral ,pois detinha de vários conhecimentos conhecimento , como escritos , pintor ,cientista, arquiteto, engenheiro , botânico , poeta , etc. adentrando várias partes do conhecimento necessárias na educação.
    Sendo assim , é necessário a obtenção do pensamento sociológico voltado ao modelo “homem omnilateral” para a real formação de um indivíduo.

  166. Karen Cristina Messias disse:

    Vimos, no último módulo de nossa disciplina, a questão da formação omnilateral dos homens que pode ser atingida através de um processo de educação solidária.
    Primeiramente, falemos sobre a escola enquanto instituição formadora de caráter humano inserida dentro de um sistema capitalista. Como visto anteriormente, a escola não é alheia à sociedade, mas sim está inserida nela e acaba influenciando e sendo influenciada, logo, percebemos que a educação escolar oferecida pela escola capitalista visará atender às necessidades desse sistema.
    Para o capitalismo, o importante é que o indivíduo assimile todos os conhecimentos acumulados historicamente e que são passados a ele de forma fragmentada e sem nenhum tipo de atitude reflexiva acerca da natureza desse conhecimento e das suas possibilidades. Basta que o aluno decore tais conteúdos e os reproduza sem criticidade alguma, afinal, o capitalismo deseja formar um indivíduo que possa servir de mão de obra barata pra produzir e manter a existência daqueles que detém os meios de produção.
    A omnilateralidade do ser seria a quebra dessa concepção simplista da educação como formadora da unilateralidade do homem. Uma educação omnilateral seria aquela voltada ao desenvolvimento da autonomia, do senso crítico e da relação entre o conhecimento adquirido e a prática social.
    Para que essa omnilateralidade possa ser desenvolvida, toda a estrutura da educação deveria ser alterada, porém, dentro do capitalismo essa mudança torna-se extremamente difícil, visto que toda essa formação multilateral não é interessante a esse sistema socioeconômico.

  167. Renan Costa Borges Curti Maio disse:

    O sistema educacional vigente, influenciado pelo capitalismo, era pautado em um ensino fragmentado. Como a função da educação era preparar o indivíduo para o trabalho, o ensino acabava por reproduzir as relações sociais existentes no campo do Trabalho, ou seja, um ensino fragmentado e isolado, um ensino unilateral. Em contraponto à esse sistema vigente, e abrangendo uma concepção de educação muito mais ampla, surge o conceito de formação omnilateral. Proposta por Gramsci e Marx, essa educação mais ampla, visava a formação do homem em sua totalidade. Ou seja, uma formação não só restrita para o trabalho, na verdade rompendo as relações de trabalho capitalista. Era proposta uma formação completa, integrada, visando a emancipação humana, um acumulo de conhecimentos diversos e integrados. Dessa forma, “nasceria” o homem omnilateral. Leonardo Da Vinci aparece como exemplo desse homem omnilateral, pois o mesmo acumulou e trabalhou uma gama muito grande de conhecimentos de diversas áreas diferentes.

  168. Caroline Paula Dodorico disse:

    Foi abordado no Módulo 4 a formação do homem, principalmente em relação ao Homem Omnilateral.
    Gramsci e Marx propõe uma educação voltada para a liberdade, autonomia e independência do homem, o rompimento da alienação. Assim como se pode observar no vídeo que conta a vida de Leonardo Da Vinci, onde ele busca o conhecimento de inúmeras formas e acumula conhecimento.
    Partindo disso, o conceito de omnilateralidade é de suma importância para refletir sobre o problema da educação de Marx, apesar do termo não ter sido definido por ele a considerável traço indicativo para que seja entendido como ruptura ampla e radical com o homem limitado da sociedade capitalista. O homem omnilateral se sente completo partindo da sua convivência com a sociedade e o seu trabalho, é livre, ético, moral, prático, sempre aberto para novos conhecimentos e realidades.
    Contrário ao homem omnilateral temos o homem unilateral que é de uma formação comprometida com o trabalho alienado, essa formação visa apenas a alienação onde o homem não tem controle algum sobre o seu trabalho.

  169. Gabriela Freitas Silva disse:

    No módulo 4 discutimos a formação humana pelo viés oposto ao da unilateridade, contraponto a lógica sistêmica do capitalismo, em que se direciona o ensino escolar e técnico para a formação unilateral do Homem. Esta formação tem o objetivo de ingressar os indivíduos no mercado de trabalho, legitimando, assim, a divisão social do trabalho e suas relações burguesas estranhadas.
    A apropriação de conhecimento humano multidisciplinar, em que se é detido como um todo para as produções humanas, e além disso se prioriza o desenvolvimento social e ético dos sujeitos, se opõe ao conhecimento unilateral e específico, e é chamado de formação Omnilateral. Contraponto está ideia de unilateridade, a formação humana por todas as áreas do saber engloba todas as infra-estruturas, microcosmo das super-estruturas, como trabalho, educação, as artes e toda a cultura produzida pela sociedade para o desenvolvimento autônomo dos seres, no entanto esta teoria vai de encontro com a homogeneização das produções artísticas e da limitação das potencialidades do Homem.
    Além da restrição do trabalho dentro das perspectivas burguesas fica claro a unilateridade dos sujeitos quando não há aliamento entre o trabalho manual e o intelectual, separando, dessa forma, a teoria da prática. Em contrapartida são trabalhados de forma distinta e hierárquica, sobressaindo a valorização do trabalho intelectual sobre o manual, essa lógica classifica os indivíduos como competidores do mesmo espaço, reforça a relação de força de poder material e concretiza o aspecto específico e alienado do trabalho.
    Dessa forma, a concepção de Omnilateralidade foi usado de metáfora no livro ” A escola de Leonardo: política e educação nos inscritos de Gramsci ” como demonstração da condição humana desenvolvida em todas suas capacidades. Surge, então, a construção do Homem Vitruviano com proporções exatas dos seres humanos, ou seja sua Omnilateralidade, que seria uma forma ideal de ser humano.

  170. Lívia Maria de Souza Soares disse:

    Após os debates da última aula, pode-se analisar que a formação omnilateral seria um ideal para a completude do ser humano. Através da formação educacional omnilateral, o homem desenvolveria a teoria (o conhecimento em si), a prática (atividades físicas) e a tecnologia (a junção da teoria com a prática), formando o homem em sua totalidade e contribuindo para o real trabalho, no qual vem da natureza humana e não torna-se um produto do mercado capitalista.
    A proposta de Marx seria uma formação omnilateral que livraria o homem da alienação da formação unilateral, no qual só se aprende uma parte das coisas, não tornando o indivíduo completo. Um exemplo dessa formação omnilateral é o Leonardo Da Vinci, pois conseguiu desenvolver todas as suas capacidades, tornando-se completo como ser humano individual e coletivo.
    O sistema capitalista impede de que a formação omnilateral seja colocada tanto no âmbito educacional, quanto na sociedade em si, pois ele prega a desigualdade e o lucro, ou seja, a formação unilateral, sendo assim, a pessoa deveria desenvolver e se aperfeiçoar no seu trabalho para vende-lo, tirando o real sentido do trabalho. Contudo, para que haja a aplicação da formação omnilateral, o ideal seria ter um sistema socialista, pois ele contribui para formar o ser humano em sua totalidade e entende o trabalho como algo natural do indivíduo e não como produto a ser comercializado, ligando então o trabalho a educação como componentes necessários para a formação.

  171. Bianca Parisi Chiqueto disse:

    Quando abordamos o tema da omnilateralidade vemos a relação direta e aposta a unilateralidade, provocando pelas divisões sociais, o trabalho alienado e pelas relações de estranhamento. A omnilateralidade é vista por Marx e Gramsci como a formação humana que defini a universalidade do homem, o pleno desenvolvimento da totalidade integralmente e o rompimento com a alienação, oque nos leva diretamente a educação omnilateral ser a que busca o emancipamento, o ensino de forma integra, de maneira contrária a atual forma de ensino unilateral, onde a educação fragmentada segrega os meios intelectuais ao de produção, para que haja uma exploração de homem pelo homem.

  172. Victtória Colares disse:

    Em Enguita encontramos a seguinte citação a Marx “Numa sociedade comunista não haverá pintores, mas, no máximo homens que, entre outras coisas também pintam” (1993, p. 129) por onde podemos começar a construir uma visão do que seria o homem vitruviano e porque alcançar essas potencialidades se torna impossível na sociedade capitalista da divisão do trabalho.
    O homem omnilateral, que pode ser entendido como a representação do vitruviano de Da Vinci, é a personificação do homem capaz de realizar todas as suas potencialidades. Completo em seu trabalho e vida em sociedade, não somente treinado para a execução do trabalho alienado. Para Schlesener, em seus estudos sobre Gramsci, o alcance dessa completude se dará, no mundo capitalista, a partir da educação que é o meio com maior poder de transformação social.
    A educação escolar de nossa sociedade fortalece a ideia de formação para o trabalho, as disciplinas buscam a preparação para ingresso no mercado de trabalho, ensinando e exigindo domínio de conteúdos desconexos a realidade dos alunos. No Brasil isso é perceptível principalmente em escolas públicas que objetivam apenas transmitir o conhecimento universal e descartam as potencialidades individuais e a formação social desse jovem. Com a recente reforma do Ensino Médio, que foi aprovada sob a desculpa de alterar esse cenário de formação propedêutica, acentuará a desigualdade e se distanciará ainda mais de uma formação humanista, já que as disciplinas críticas foram retiradas do conteúdo obrigatório das escolas, sendo opção da instituição ofertá-las aos seus alunos.
    Apesar de parecer utópica, Schlesener coloca em seu livro que a escola de Leonardo, da formação do ser integral, completo em suas capacidades é livre para realizar sua criatividade, é possível e capaz de transformações políticas, mas somente pode surgir por parte dos trabalhadores que devem ver na escola meio para formação real e humana do ser humano, cultural, social e historicamente, como propôs Gramsci.

  173. Os processos de socialização
    Em nossa sociedade capitalista a formação humana se dá através da unilateralidade. A unilateralidade advém do sociólogo Durkkeim e se efetiva no cotidiano das pessoas através da separação de classes, divisão e alienação do trabalho, essa ordem social torna o indivíduo um especialista, no sentido de não entender os processos, os valores, as ciências, as técnicas como um todo, mas de forma fragmentada, solta e desconexo, limitando os indivíduos, que não desenvolvem o conhecimento pleno e todas as suas potencialidades.
    Em contraposição com a unilateralidade, Marx propõe uma formação humana omnilateral, que rompe com o modelo unilateral capitalista, desenvolvendo o homem em todas as suas potencialidades, de forma universal, integral, plena e superando o individualismo.
    A omnilateralidade pode ser refletida na educação, já que está deveria assegurar o desenvolvimento integral do indivíduo, de forma que não forme pessoas conhecedores/hábeis em apenas uma coisa, mais generalistas, que desenvolvam, aprendam e conheçam as diferentes ciências, artes, valores, sentimentos, tarefas etc.
    Poderíamos pensar numa sociedade onde o processo de socialização se dá de forma omnilateral, em que, por exemplo, quem pinta paredes, não seja definida como um mero pintor, pois ela não faz só aquele oficio, não desenvolveu uma única habilidade ou ciência; mas sim uma pessoa plena que é pintor, poeta, marceneiro, jurista, político, pai etc. Uma educação ao modelo da omnilateralidade seria libertadora à classe trabalhadora, como o próprio filosofo marxista Gramsci diz, o proletariado só vai conseguir se livrar da opressão pela cultura.
    A partir do conceito de omnilateralidade, podemos fazer uma metáfora de Leonardo Da Vince, o homem renascentista, que foi cientista, matemático, pintor, inventor, poeta, arquiteto, anatomista, musico, engenheiro etc. Leonardo se desenvolveu como um homem omnilateral, aprendendo, executando e desenvolvendo-se em várias áreas diferentes, não se limitando a um único oficio, como acontece na unilateralidade.

  174. Isabel Zambon disse:

    No Módulo 4 é abordado o tema sobre o principal processo de socialização. Nesse contexto estudamos o capitalismo que forma o homem num pensamento unilateral, ou seja, que prepara o indivíduo para a inserção no mercado de trabalho desenvolvendo-os em especializações, ao trabalho alienado, gerando o individualismo e as divisões sociais.
    A omnilateralidade é um conceito que segue o pensamento marxista, que procura superar essa formação limitada pela sociedade capitalista, formando o homem omnilateral para modificar o quadro de desigualdades, buscando uma educação nos aspectos críticos, reflexivos para assim formar um ser social que contemple as dimensões humanas numa forma de totalidade.

  175. Isabelli Brassali Jorge disse:

    Da Vinci, pode ser representado como um homem Omnilateral, logo, ele não é descrito pelo que sabe, domina, conhece, gosta e muito menos pelo que possui, mas pela sua ampla abertura e disponibilidade para saber. Assim, o que mais importa é o processo, não o resultado. Visto que, Leonardo da Vinci não teve educação formal e sabia pouco ou nenhum latim e ao logo de sua vida se destacou como cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor, arquiteto, botânico, poeta e músico.
    Por conseguinte o homem Omnilateral busca a realidade exterior, natural e social criada pelo trabalho humano como manifestação humana livre, de modo a se sentir completo a partir de sua convivência em sociedade e de seu trabalho. Ao contrario das sociedades capitalistas onde o trabalho é como uma forma de desumanizar, assim como a formação unilateral que prepara o individuo de forma fragmentada o tornando alienado pela divisão social.
    Assim, o Homem Vitroviano se configura de forma separada (unilateral) e simultaneamente (omnilateral) em duas posições sobrepostas, com os braços inscritos num círculo e num quadrado demostrando que o ser humano pode viver em seu “quadrado” mas ter abertura para o saber.

  176. Délys Louise de Lima Martins disse:

    Dentro do que foi trabalho neste módulo da disciplina de Sociologia da Educação I, sob a lógica de Marx, a unilateralidade se define pela condição limitada do ser a lógica capitalista, ou seja, um indivíduo alienado, no qual se acomoda perante as situações do seu meio, não busca o “saber além” e procura se especificar em apenas uma área do conhecimento. O ser omnilateral, é aquele que busca ampliar seu campo de visão e atuação, compreendendo além da unilateralidade, busca todo tipo de conhecimento, não se limita a sua própria compreensão da realidade, causando uma ruptura com as conhecidas formas de dominação do capitalismo, mesmo estando dentro desse mesmo sistema.
    Antonio Gramsci, se posicionando em meio a teoria materialista histórica dialética de Marx, vai dizer que a escola é o centro de formação de consciência, pois vincula a educação a uma estrutura de combate ideológica hegemônica, contra hegemônica e a considera um espaço pedagógico que pode funcionar como instrumento de disseminação do conhecimento, o que permite o ser sair de sua condição unilateral e formar uma consciência crítica, através das relações sociais.

  177. Poliana Piatezzi disse:

    Uma das características da sociedade capitalista é a divisão do trabalho, que a partir dela, dividirá a sociedade em classes sociais e, assim, ocorrerá também a divisão do homem, a divisão do homem se dá entre o trabalho manual e o trabalho mental.
    O modelo de educação regente na sociedade capitalista objetiva cidadãos unilaterais, ou seja, somente cidadãos alienados, apolíticos, para o trabalho manual sendo capaz de desenvolver somente uma função, o trabalho que tinha característica humanizadora, agora é responsável por desumanizar o homem. O modelo de educação ideal, seria o proposto por Marx e Gramsci, que alcançaria a emancipação humana, visa na formação de cidadãos omnilaterais, ou seja, cidadãos que possui diversos conhecimentos de diversas áreas.
    Um exemplo de homem omnilateral é Leonardo da Vinci que possuia diversos conhecimentos e desempenhou diversas funções, tais como? pintor, arquiteto, cientista, músico, matemático, entre outras.

  178. Leonardo Silva disse:

    A escola capitalista acaba por não proporcionar uma educação solidária aos indivíduos e pode-se elencar alguns fatores relacionados a isso, como por exemplo, o estudo dos conteúdos sem nenhum exame crítico; a fragmentação das disciplinas, como se o saber pudesse ser assim dividido e as relações de poder instituídas dentro da escola e a hierarquização dos papéis ali desenvolvidos. Tais fatores alienam tanto os alunos quanto os professores e tornam difícil o desenvolvimento do senso crítico e da autonomia dos indivíduos.
    Dentro da concepção de sociedade socialista, a educação escolar teria outro papel, pois ali ela teria espaço para fazer com que esses alunos não apenas assimilassem os conteúdos de forma mecânica, mas poderia proporcionar a eles diversos momentos de debates e de construção de um pensamento autônomo e crítico.
    O termo trabalho também pode ser problematizado dentro da omnilateralidade, uma vez que no sistema capitalista “trabalho” é apenas a venda da mão de obra, ou seja, você utiliza os meios de trabalho que possui para receber em troca uma determinada quantia de dinheiro, necessária à sua sobrevivência, e na concepção socialista, o “trabalho” volta a ser a atividade que define a essência humana.

  179. Carla Braga dos Santos disse:

    Marx, em seus estudos, mostra a necessidade da combinação da formação da classe trabalhadora com formação intelectual, ou seja, uma educação politécnica. Segundo o autor, esta seria a formação omnilateral.
    A omnilateralidade não busca apenas a união entre ensino e trabalho, mas também prevê a evolução humana que, por consequência, criticaria a forma capitalista do trabalho, buscando uma nova resolução da sociedade, na qual o trabalho será a atividade que realiza homem, ou seja, trabalho como trabalho e para o homem.

Deixar um comentário