Fonte: Ana Esther Ceceña, da Universidade Nacional Autônoma de México

O Módulo 6 da disciplina Trabalho e Educação (textos: 13 – 14 e 15) aponta por um lado para as estratégias de construção de uma hegemonia sem limites e por outro lado para a reinvenção dos territórios e a experiência latino-americana e caribenha. A pergunta para o debate é qual seria as características de uma  pedagogia das resistencias e das emancipacões?  Um texto que poderá auxiliar é o de Claudia Korol disponibilizado na lista de discussão do Yahoo Grupos da disciplina. Saudações Prof. Fábio Fernandes Villela.

27 Comentários “Módulo 6 – Trabalho e Educação – Riqueza e Miséria do Trabalho na América Latina – 2”

  1. Talita C. L. Nogueira disse:

    Uma pedagogia emancipatória para a América Latina deve, primeiramente, criar uma cultura própria de “valores, idéias, pensamentos, símbolos, que sejam opostos aos da cultura que sustenta e reproduz a dominação capitalista” (Korol), a qual fomos submetidos pelos países ricos. Nossa cultura é importada, tudo o que se faz lá fora é visto pela própria população como melhor do que o nosso e isso nos deixa mais subordinados.
    As discussões devem partir de “experiências dos movimentos populares, como caminho para o desenvolvimento do pensamento crítico, revolucionário, para a criação teórica coletiva” (Korol). É nesse sentido que a educação popular pode nos auxiliar, no diálogo com o pensamento social, formando uma pedagogia de resistência a dominação e busca pela emancipação.

  2. Lais Santa Rosa disse:

    A pedagogia de resistência está vinculada a pedagogia emancipatória, pois a primeira diz respeito a uma resistencia à dominação e exploração. A pedagogia das emancipações permite a formação de valores, acarretando uma cultura própria, tornando extinta a dominação capitalista, que impoe pensamentos e ideias.

  3. Betânia Aparecida Ferreira Cardoso disse:

    As características de uma pedagogia da resistência e das emancipações seria modificar as políticas dentre estas as sociais e culturais, fortalecer meios para que estas construam alternativas para que se chegue à emancipação. Por meio do desenvolvimento do pensamento crítico, da autonomia, da autoconsciência, de experiências dos movimentos populares, de uma nova geração que se inicia, enfim, com um pensamento social em busca da tão sonhada emancipação, a qual a América Latina não tem devido a dominação capitalista e sua exploração permanente. Sendo assim, formaremos uma pedagogia da resistência a dominação dos demais países, dos quais somos subordinados a tanto tempo, formando uma nova cultura, com idéias e ideais distintos a esse, buscando a criação de novos sentidos, propiciando assim a emancipação da América Latina.

  4. Ana Teresa S. Fiúsa disse:

    A pedagogia da resistência é caratezida pela resistência, ou seja, a luta contra a dominação e exploração dos países desenvolvidos por esse fato articula-se a pedagogia da emancipação que tem como função a formação de novos valores, uma nova cultura adversa a capitalista que exclui e explora os países da América Latina, dessa forma a pedagogia da emancipação permite a construção de novos ideais e pensamentos para esses países.

  5. maria cristina labrichosa disse:

    A pedagogia das resistencias e das emancipações teria como caracteristica a possibilidade de abrir novos caminhos onde as pessoas poderiam criar formas e lugares para mudar o mundo, possibilitando criar um novo modelo de civilização, incluindo laços fraternos e de solidariedade entre os homens, mulheres, gerações, natureza e assim humanizando a vida diária.

  6. Mayara Gomes Lapa disse:

    As características de uma pedagogia das resistências e emancipatória seriam voltadas exatamente para um resistência frente à exploração gerada no sistema capitalista, buscando a emancipação e não a alienação imposta pela exploração que acontece nas classes sociais. E também a criação de medidas que transformem a realidade na qual os indivíduos estão inseridos, propagando a solidariedade, uma mudança de valores para que os alunos se humanizem de fato.

  7. Maiara Caroline Pereira disse:

    Para se atender a uma pedagogia de resistências e de emancipações deve-se abranger os princípios opostos a condição de explorada que envolve a América Latina, ou seja resistir a esta submissão, e para atender a pedagogia de emancipação é necessário se considerar a cultura como caminho para o desenvolvimento da população favorecendo e atendendo primeiramente os seus valores.

  8. Josiane Paula Rodrigues disse:

    A elaboração de uma pedagogia de resistência deve estar fundamentada na oposição à exploração gerada no sistema capitalista, com caráter emancipatório, que possibilite a formação de valores, e consiga superar a imposição de pensamentos e idéias estrangeiras. Para tanto, é necessário possibilitar o pensamento crítico, a autonomia e a autoconsciência das novas gerações e a liberdade de expressão, de manifestações populares, considerando a cultura e a politização como um caminho para o desenvolvimento nacional. É fundamental, também, a criação de medidas que transformem a realidade social, propagando a solidariedade, para que a humanização seja efetiva.

  9. Mariana de Oliveira Brandolezi disse:

    A pedagogia das resistências e das emancipações envolveria um trabalho teórico coletivo, com a participação, sem nenhum tipo de discriminação, de todos que lutam contra o poder capitalista. Para isso, é necessário a tomada de consciência da realidade neoliberal, a formação de um pensamento crítico sobre a organização da sociedade. É necessário buscar e reconhecer a nossa própria identidade,a a existência de uma diversidade de culturas e histórias a nossa própria cultura e a nossa própria história, sem considerar a existência de uma única cultural mundial e se apropriar dela. Para a criação dessa cultura latino-americana, Korol evidencia a necessidade de que seja criada uma cultura que não seja sustentada pelo capitalismo e nem reproduza a sua dominação.

  10. Tatiani disse:

    As características de uma pedagogia emancipatória deve ser a de possibilitar o surgimento de novos valores que se oponha a cultura da dominação capitalista. Os países subordinados àqueles que detêm a hegemonia deve resistir a essa cultura e não aderi-la como infelizmente acontece. A alienação a que estamos submetidos possibilita a difusão de valores capitalista de tal maneira que não percebemos. A educação pode auxiliar na medida em que forma indivíduos críticos e competentes, capazes de resistir ao domínio capitalista.

  11. Patricia Muriel disse:

    As caracteristicas de uma Pedagogia da resistencia e das emancipações devem basear-se na busca de superação da dominação capitalista, desenvolvendo um pensamento crítico quanto as questões do capitalismo e valorizando a cultura e os costumes locais e deixando de lado o pensamento que diz que tudo o que vem de fora é bom. Como o prórpio nome diz, a pedagogia da resistencia deve resistir a dominação capitasta, a desvalorização da cultura local e incentivar a produção de novos valores baseados em novos conceitos do que é a interelação humana; em seu sentido emancipador, é promover uma cultura humanizada, é formar cidadão críticos, conscientes e humanizados, que através da Educação, desenvolvam novas formas de ver o mundo e possibilidades de transformá-los, promovendo mais solidariedade, mudanças de valores e resistencia a dominação imposta pelo sistema capitalista. É atraves da Educação que podemos formar individuos capazes de ver as contradições e promoverem a superação e a libertação, na busca de relações sociais mais humanas e menos alienadas e individualistas; há que se desenvolver um pensamento crítico para tirar todos da alienação que domina as sociedades.

  12. Juliana Saab disse:

    A pedagogia de resistência vai estar fundamentada no sentimento de oposição à exploração que o sistema capitalista exerce sobre os alienados. Dessa forma a principal característica dessa pedagogia é o caráter emancipatório, que cria uma resistência a diminação imposta pelo sistema do capital. A Eucação promove esse sentimento de libertação, na busca de mudar a realidade – deve-se estimular uma visão crítica da realidade – o aluno deve ser pensante e não alienado.

  13. Livia Camargo Bini disse:

    Uma pedagogia que vise a emanciapação e a resistência se fundamenta em realizaçoes de resistências à exploração e mudanças na cultura do capital. Uma cultura própria deve ser criada, diferente da cultura capitalista que hoje é vista e tratada como “a melhor”.
    O povo deve discutir, pensar, refletir e desenvolver um pensamento baseado na criticidade, na busca de uma emancipação e um pensamento emancipatório,

  14. Livia Camargo Bini disse:

    Uma pedagogia que vise a emanciapação e a resistência se fundamenta em realizaçoes de resistências à exploração e mudanças na cultura do capital. Uma cultura própria deve ser criada, diferente da cultura capitalista que hoje é vista e tratada como “a melhor”.
    O povo deve discutir, pensar, refletir e desenvolver um pensamento baseado na criticidade, na busca de uma emancipação e um pensamento emancipatório, que preze pela libertação, partindo de uma visão da realidade e um sentimento de necessidade de mudança.

  15. Kathia Jeanice disse:

    Uma pedagogia de emancipações para a América Latina deve permitir a criação de uma cultura própria, formadora de valores, ideias e pensamentos. Com isso entraria em ação a pedagogia de resistência à dominação e exploração capitalista a qual fomos submetidos pelos países ricos. É nesse sentido que a educação popular pode funcionar, formando uma pedagogia de resistência a dominação e busca pela emancipação.

  16. Lilian Maria da Silva disse:

    As pedagogias da emancipação e da resistência, estabelecem entre si caracterísitcas complementares, na medida em que ao resistir às imposições políticas, culturais e econômicas imposta pelos dominantes, consegue-se atingir a emancipação, criando-se formas particulares de se viver, sem ter a obrigação de seguir o que os exploaradores desejam.

  17. Fernanda Mariane disse:

    Como o próprio nome diz, uma pedagogia de resistências e emancipações se refere à dominação, resistência, exploração, dos países desenvolvidos em relação à exploração dos países da America Latina. Essa pedagogia de resistências e emancipações busca a não alienação, a formação do pensamento critico, a valorização das idéias, resistindo assim à exploração, com a busca pela emancipação.

  18. Jucélia Pena da Silva disse:

    Tratando sobre as estratégias de construção de hegemonia sem limites, podemos salientar sobre a hegemonia norte americana, isto é, sobre o imperialismo norte americano imposto sobre a América Latina. Em seu texto, Claudia Korol, ressalta a necessidade de uma plano de resistência contra essas políticas imperialistas, visando a emancipação da América Latina. A pedagogia das resistências deve ser organizada com o objetivo de resistir a cultura imposta e dominadora de uma hegemonia, buscando ser uma pedagogia emancipadora, ou seja, libertadora. Para que isso ocorra, é necessário que aconteça algumas ações, como a identificação dos elementos com que se exerce a dominação, a criação de uma cultura própria, que contenha valores e idéias opostas aos da cultura de dominação, e também uma união de todos os povos que buscam a emancipação.

  19. Tabata Julia disse:

    A pedagogia das resistências está embasada na passividade das pessoas em ser condizente com a cultura imposta e dominadora da hegemonia. Ao contrário, temos a pedagogia emancipadora que por meio de individuos ativos e unidos, podem criar sua cultura própria contendo valores e ideias contestando a cultura da dominação.

  20. Roseli Aparecida Francisco disse:

    A pedagogia emancipatória teria como características novos valores e idéias que como afirma Korol devem ser opostos aos da dominação capitalista. Desta forma a modificação deveria ocorrer nas políticas em busca de movimentos que nos levem a emancipação, para que a partir de então tenhamos a possibilidades de acabar com o modelo imposto pelo sistema capitalista, colocando em seu lugar ideais de uma sociedade socialista.

  21. Simone F. Lopes disse:

    A pedagogia das resistências é caracterizada por indivíduos passivos com o que está posto na realidade da hegemonia que se apresenta. Já a pedagogia emancipadora caracteriza-se por indivíduos ativos e unidos, buscando seu próprio contexto cultural e de valores. Os movimentos populares e sociais servem como um caminho para nortear as pessoas para que passem a ter pensamentos reflexivos acerca da sua realidade.

  22. Michele C. F. S. Silva disse:

    Uma pedagogia emancipatória para os povos da América Latina seria aquele em que os inidivíduos tivessem a educação organizada e pautada em interesses nacionais e regionais, ou seja, que não tivesse influência nenhuma das culturas européias e sobretudo da cultura norte-americana.
    Para que de fato essa emancipação ocorra esses povos latinos devem se unir e lutar contra essa importação da educação, a passividade as pedagogias importada resultam em mais dominação da massa da população desses países, escravizados até do ponto de vista educacional.

  23. Maria Isabel Gomes de Araujo disse:

    qual seria as características de uma pedagogia das resistencias e das emancipacões?
    Penso que sería uma pedagogia como do MST- Movimento dos Sem Terra que é um movimento de luta social e organização
    política dos trabalhadores e trabalhadoras sem terra cujo eixo central de atuação é a luta pela terra visando a Reforma Agrária.Uma das lutas deste Movimento é a educação nos acampamentos e assentamentos visto que estes precisam adquirir uma educação adequada para a realidade em que vivem.Os participantes do MST são sujeitos pedagógicos que
    cotidianamente apreendem novos conhecimentos e os transmitem em seu movimento pedagógico.
    Para isso, usam propostas revolucionárias de formas de ensino, como exemplo os Temas Geradores utilizados pelo MST e criados por Paulo Freire. As práticas da educação deste Movimento são baseadas nas ações do próprio movimento, tornando assim ações deste em uma escola, um centro de formação humana de importância crescente.

  24. Camila Tanure Duarte disse:

    As características de uma pedagogia das resistências e das emancipações seriam opostas às do Estado capitalista, vinda dos países ricos e não dos latinos. Os movimentos populares apontam soluções baseadas num pensamento crítico, revolucionário e coletivo. Assim, cria-se resistência contra a exploração pelos países ricos e uma busca constante pela emancipação.

  25. Carla Rhaissa disse:

    Visto que importamos a cultura de outros países, e que tudo que é “nosso” não é valorizado. A pedagogia de emancipação busca a libertação cultural e social desses países , defendendo a ideia de que para a efetivação dessa emancipação é necessário que ser crie a valorize uma cultura própria , com seus próprios “valores, idéias, pensamentos, símbolos, que sejam opostos aos da cultura que sustenta e reproduz a dominação capitalista” (Korol). Já a pedagogia de resistência propõe uma oposição ao sistema de exploração. É através da pedagogia de emancipação que podemos fundamentar ideais e objetivos fortalecer a pedagogia de resistência.

  26. Fernanda Vollet disse:

    O que é produzido no exterior tem mais valorização do que o nacional, inclusive a respeito dos valores e ideias que são também importados dos países ricos, a cultura do povo não é original, não pertence à realidade. Nesse sentido, a pedagogia da resistência e da emancipação seria uma proposta, baseada numa reflexão crítica, de luta contra a imposição capitalista, e a valorização do conhecimento, criando oportunidade para a humanização dos alunos e emancipando-se da exploração nos países da América Latina.

  27. Paula Bastos de Oliveira disse:

    A característica principal da pedagogia das resistências e das emancipações seria a criação de valores e culturas próprio para que objetivariam a superação do dominio capitalista e levariam os indíviduos a uma reflexão crítica e a sua emancipação, buscando ultrapassar a alienação e alcançando a liberadade plena, que não é possivel com o Estado Capitalista.

Deixar um comentário