Módulos 2 e 3 – Sociologia da Educação 3

On setembro 15, 2011, in SocioEdu3, by Fábio Fernandes Villela

Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

Na aula de ontem assistimos ao filme “Billy Elliot”. O filme é ambientado nos anos em que Margaret Thatcher esteve no poder. O filme tem como pano de fundo as lutas grevistas dos mineiros ingleses. Obrigado pelo pai a treinar boxe, Billy fica fascinado com a magia do balé, com o qual tem contato através de aulas de dança clássica que são realizadas na mesma academia onde pratica boxe. Incentivado pela professora de balé, que vê em Billy um talento nato para a dança, ele resolve então pendurar as luvas de boxe e se dedicar de corpo e alma à dança, mesmo tendo que enfrentar a contrariedade de seu irmão e seu pai à sua nova atividade. As perguntas deste módulo giram em torno da temática do filme: a implantação do modelo neoliberal e a resistência dos trabalhadores. Billy Elliot é um símbolo da resistência contra a implantação do modelo neoliberal. As perguntas para o comentário são as  seguintes: como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise? Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?; De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos que se opõem ao sistema capitalista? Bom trabalho a todos! Prof. Fábio Fernandes Villela.

25 Comentários “Módulos 2 e 3 – Sociologia da Educação 3”

  1. Bruna Tairine disse:

    “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?” Cáp. I, II e III.

    Diante do sistema de metabolismo social do capital, sob a subordinação estrutural do trabalho ao capital, surgem as mediações em que os seres sociais são submetidos. A partir disso, aparecem evidências de uma crise estrutural, na qual o excesso de capacidade e de produção ocasionou a perda de lucratividade das indústrias que não estavam preparadas economicamente para estabelecer taxas de lucros adequadas, ocasionando o decrescimento dessa taxa. Sendo assim, iniciou-se um processo de reorganização do capital e seu sistema ideológico e político de dominação, a partir do inicio do neoliberalismo, “[...] com a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal [...]”. (ANTUNES, 2000, p.31) Portanto, a partir dessa crise buscou-se a reestruturação do capital e a recuperação do seu ciclo reprodutivo.

    “Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?” Cáp. IV
    Através do toyotismo, como modelo alternativo ao taylorismo/fordismo, entre outros, o capital provocou transformações no próprio processo produtivo. Assim como a reorganização no local de trabalho e no mercado de trabalho, de forma que proporcionasse um trabalhador mais qualificado e atendesse a todas as exigências de produção e de controle do empregador, evidenciando uma opção para a superação capitalista da crise. Deste modo, evidenciam-se as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo:
    Toyotismo: a) produção variada, heterogênea e individualizada do mercado consumidor; b) trabalho em equipe com várias funções; c) processo produtivo flexível, onde cada operário opera várias máquinas; d) sistema de Kanban, que possibilita reposição e o mínimo de estoque; e) estrutura horizontal das empresas, onde transfere responsabilidade a terceiros grande parte de sua produção; f) construção de círculos de controle de qualidade (CCQs) com finalidade de melhorar a produtividade das empresas do trabalho intelectual e cognitivo; g) implementação do “emprego vitalício” para uma parcela dos trabalhadores das grandes empresas, além de aumento da produtividade, conseqüentemente, aumento de ganhos; h) implementação do princípio just in time, com melhor aproveitamento do tempo de produção.
    Taylorismo/fordismo: a) produção homogênea, em série e de massa, com maior número de operários para exercer atividade de trabalho; b) trabalho individual de caráter parcelar, cada operário desempenha o seu papel especifico; c) cada homem opera somente uma máquina especifica relação homem/máquina; d) estoque carregado; e) estrutura vertical; f) não utilização de controle de qualidade, por meio intelectual;
    Portanto, toyotismo indica menor força de trabalho e mais produtividade; “trabalho polivalente”, “multifuncional” e “qualificado” indica redução do tempo de trabalho, produção organizacional e tecnologicamente avançada.

    “De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?” Cáp. V e VI
    Após transformações, como a reconfiguração na divisão do trabalho e da classe trabalhadora é que surgem os movimentos operários sindicais ingleses, de forma geral, bem heterogêneos, devido as suas diferentes realidades nacionais. Sendo assim, com declínios e ascensões o sindicalismo inglês representa força e estabilidade, diante das transformações que irão ocorrer ao longo da história, no âmbito capitalista sob as formas de trabalho. Diante disso, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo na atualidade, o autor além de destacar a configuração internacionalizada da luta dos trabalhadores, dá ênfase na solidariedade e na ação de classe do capital, pois diante uma greve o apoio, a solidariedade e ação de trabalhadores entre as outras unidades produtivas dentro da empresa é que favorecerá o seu fortalecimento, criando um modelo alternativo e contrário a lógica do capital sob a divisão do trabalho, a individualização, entre outras.

  2. Paula Rocha disse:

    Respostas em sequencia:
    Texto [2]
    De acordo com o texto, o capital se reorganiza em meio às crises inerentes ao sistema fazendo a reestruturação dos meios de produção, preservando os fundamentos do capital. Sendo assim, para poder manter o sistema funcionando a produção precisa se adaptar adquirindo as formas necessárias para a manutenção do “status quo”, podendo inclusive mesclar conceitos e técnicas modernas de produção com outras mais tradicionais. Ideologicamente, isso ocorre por meio do ideal neoliberal e da inversão da lógica da sociedade, onde o valor de troca das coisas supera o valor de uso, além da desagregação da classe trabalhadora.

    Texto [3]
    No modelo do Taylorismo/Fordismo utiliza-se de métodos científicos do trabalho, racionalizando a produção por meio da divisão do trabalho, separando a produção da elaboração. Caracteriza-se pela produção em massa, onde são gerados muitos empregos, conseqüentemente com baixos salários e condições precárias de trabalho. Neste modelo o trabalhador não precisa conhecer o produto que está fabricando, basta saber executar uma determinada etapa da produção. Trata-se de um trabalho mecânico e automático. Com a crise deste modelo estrutural, devido às reivindicações trabalhistas e na inversão do valor das mercadorias, surge o modelo Toyotista, que não mexia no fundamento capitalista, mas, na estrutura de produção. Neste modelo o operário é chamado a participar das decisões, não é apenas um operador de máquina, mas um colaborador da empresa, polivalente, que opera várias máquinas e compreende todo o processo de produção, o trabalhador flexível.

    Texto [4]
    Como estratégias alternativas, os sindicatos deveriam unir-se mais aos trabalhadores, auxiliando os desempregados ao invés de expulsá-los do sindicato; devem reconhecer os direitos das mulheres trabalhadoras e organizar a classe proletária de modo a quebrar qualquer tipo de barreira social entre os trabalhadores, avançando na perspectiva do trabalho emancipado.

  3. Monise Matucci disse:

    Texto 2:
    De acordo com o texto, ao desencadear a crise no capital e seu sistema ideológico e político de dominação, este iniciou um processo de reestruturação, a fim de recuperar seu ciclo produtivo, o qual estava baseado no fordismo e no taylorismo, e sua hegemonia societal.
    Deste modo, buscava renovar sua forma de acumulação, sem transformar as bases fundamentais do sistema capitalista, e para tanto, utilizou-se de novas formas de organização do trabalho, como o modelo japonês toyotismo, bem como de novas tecnologias.

    Texto 3:
    Segundo Antunes, o taylorismo, caracterizado por seu processo produtivo cronometrado, uniu-se ao fordismo, marcado pela produção em série, durante várias décadas do século XX, iniciando-se na indústria automobilística norte-americana e expandindo-se para outros países capitalistas. Assim, o taylorismo/fordismo era pautado em uma produção verticalizada, isto é, constituída por patrão, gerente e trabalhadores, e com as operações realizadas sempre planejadas, para evitar o desperdício, diminuindo o tempo gasto com o trabalho e aumentando o seu ritmo, de forma que o tornava fragmentado, pois cada um o realizava de modo contínuo e individual, sem participar do processo de organização do trabalho, o que tornava o operário alienado.
    Já no modo de produção denominado toyotismo, surgido no Japão, há a organização do trabalho em equipes, nas quais cada indivíduo possui várias funções, podendo utilizar-se de mais de uma máquina e melhor aproveitar o tempo destinado ao trabalho, procedimento conhecido como Just in time. Há também o processo de reposição do estoque denominado kanban, isto é, usando placas ou senhas, bem como a terceirização de grande parte da produção, a participação de alguns trabalhadores na discussão sobre o desempenho dos trabalhos, a garantia do emprego vitalício para uma significativa parcela destes, e o aumento dos salários ligados ao crescimento da produtividade.

    Texto 4:
    De acordo com o texto, os organismos sindicais da atualidade apresentam características tradicionais e burocráticas, necessitando de uma “modernização”, de modo que criem condições de demonstrarem-se socialmente contrários às concepções do capital, e não somente às suas más consequências.

  4. josiane castamann disse:

    texto 2
    O processo de reestruturação visou a recuperação do ciclo de expansão e ao mesmo tempo recompondo seu projeto de dominação societal,essa restruturação ocorreu no proprio processo de produção de mercadorias onde se destacou o modelo toyotista de trabalho,trnasformações decorrentes da necessidade de controlar as lutas sociais.Tambem se iniciou um projeto de recuperação da hegemonia nas mais diversas esferas da sociabilidade fazendo apologia ao individualismo;essa reestrutaração foi produtiva em relação produção e trabalho compatibilizando mudanças institucionais e organizacionais associadas a implementação de politicas neoliberais dinamizado pela necessidade de recuperar os lucros do sistema capitalista e subordinar toda vida ao capital.

    texto 3
    Toyotismo- modelo alternativo que surgiu no Japão provocando transformações no processo produtivo,produção heterogenea e individualizada,trabalha com estrutura horizontal das empresas,flexibilização da produção necessaria para consumo,redução dos estoques,qualidade total e maior qualificação de mão de obra,existe oa participação dos trabalhadores em algumas discussões sobre o desempenho do trabalho.
    Taylorismo/fordismo- fabricação em massa e homogenea,sistema baseado em linha de mobntagem ,reduzir ao maximo os custos da produção,baratear o produto,não necessidade de mão de obra qualificada,tempo cronometrado,estrutura vertical da empresa,estoque sempre carregado,não utilização do controle de qualidade,neste modeloo de trabalho o tempo é mercadoria e o empregado vende sua mão de obra assim o aumento da produtividade,produção indiviual,operarios alienados pois nunca participavam das discussões para melhor desenvolvimento do trabalho.

    texto 4

    Uma das maiores enfases do autor é destacar o internacionalização da luta dos trabalhadores dando atenção a solidariedadee nas ações de classe do capital,a estrategia maior seria um numero total e grande de participação do s trabalhadores quando seopta por um ato grevista,assim se fortalece os sindicatos e gera um modelo contrario ao capital o ambiente passa a ser de coletividade pelos interesses em comum.Esse processo visa garantir transformações não so das más condiçoes e consequencias de trabalho do capital mas sim a demontração da contrariedade da sociedade ou parte dela a esta concepção,demonstrando a necessidade urgente de mudanças.

  5. Saulo disse:

    Respostas em sequencia:

    Texto 2:
    No sistema capitalista, todos os elementos da sociedade são submetidos as regras e condutas implemetadas em forma latente nas regras socias. Devido a essa regra fundamental onde se procura lucro a todo o custo, sem levar em consideração a capacidade de absorção do consumo (na epoca), criou-se um situação insustentavel.Procurando reestabelecer a produção prejudicada pela crise o sistema capitalista se reestruturou ideologicamente e modificou sua infraestrutura basica: privadizou o Estado, reduziu direitos dos trabalhadores e modificou o modo de produção.

    Texto 3
    No modelo Fordista e Taylorista o modo de produção é regido pelo principio da sepação do trabalho: aquele que planeja e aquele que executa. Neste modelo são gerados muitos empregos mal remunerados e poucos empregos com salarios bem remunerados. Tornando desnecessario uma formação longa do operario e reduzindo seu conhecimento frente ao produto produzido.Com a crise, este modelo foi substituido pelo modo de produção Toyotista, que não mexia no fundamento capitalista, mas, na estrutura de produção. Este modelo previlegia o trabalhador multifuncional, que participa da decições da empresa com forma de dialogo entre as categorias.

    Texto 4
    O sistema sindical necessita de um modificação na forma de atuação e de organização. Fundamentalmente, ele deve se colocar ao lado do trabalhador e seus simpatizantes, “desburocratizando” o reconhecimento dos mesmos e trabalhando a solidariedade entre classes e profissões diferentes.

  6. Michelle Azevedo disse:

    No texto 1: “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise? Cap. I, II e III.
    De acordo com o texto, o capita s e depara com as fortes crises de super-produção ocasionado pelas grandes produções exercidas nas fábriacas. Por de diversos fatores, o sistema capitalista teve que se reorganizar pra que pudesse continuar a aquecer a economia e seu crescimento não fosse ainda mais abalado por esse motivo sua reestruturação de produção e de acumulação de capitalforam modificados.

    No texto 2: “Quais as diferenças entre taylorismo/fordismo e toyotismo?” Cap.IV.
    Com a criação do tayolorismo o trabalho dentro das industrias foram seguementado, pois dessa forma cada trabalhador passou a exercer uma atividade específica dentro do sistema fabril/industrial. Houve a diminuição de mão de obra para maior lucroe com isso a exploração do trabalhador.
    O toyotismo foi criado nas fábricas das montadoras de automóveis, a Toyota por exemplo, e tinha como principal elemento a flexibilização da produção. Isso significa que somente era produzido aquilo que fosse comprado, evitando assim a super-produção dos automóveis. Com isso o objetivo da produção era que fosse produzido logo após a venda do produto, sendo assim chamado de just in time, mantendo dessa forma a qualidade dos produtos finais.
    O fordismo foi criado com o sistema d eproduçaõ em massa sendo com isso possivel reduzir os custos de produção barateando o produto final e com isso podendo vender ao maior número possivel de pessoas. Neste sistema de produção o funcinário realiza apenas uma etapa da produção tornado-se seriado.

    No texto 3: “Quais as estratégias / eou alternativas poderiam ser usadas atualmente para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opoem ao capitalismo?” Cap.V e VI.
    As estratégias propostas seriam se aliar mais aos trabalhadores pois de certa forma são os mais impportantes dentro de uma fábrica. Os operários de fato devem lutar contra as péssimas condições de trabalho, unindo-se de forma que suas reinvindicações fossem aceitas melhorando suas condições de trabalho.

  7. Franciele Baptista disse:

    Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou perante sua própria crise?
    De acordo com Antunes (2000), frente a sua própria crise, o capital realizou contornos, sendo que os mais evidentes foram: o advento do neoliberalismo com a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho (sendo que, ao invés de reduzir a jornada de trabalho dos funcionários com o advento dos aparatos tecnológicos, aumentou-se o tempo de serviço e consequentemente a exploração do trabalhador) e a desmontagem do setor produtivo estatal, sendo que também se seguiu um intenso processo de reestruturação da produção e do trabalho e a degradação do meio ambiente.

    Quais as diferenças básicas entre Taylorismo/Fordismo e Toyotismo?
    Taylorismo/Fordismo: Ao contrário do que ocorria anteriormente, com a produção artesanal, ocorre a divisão do trabalho em tarefas específicas e a produção em massa, sendo que o cliente já não possui a opção por produtos diversificados. Ocorre também, devido a produção em massa, o estoque dos produtos e consequentemente o desperdício; dessa forma, o operário passa a trabalhar como robô executando as tarefas de forma repetitiva e contínua.
    Toyotismo: Ocorre o rompimento com a produção em série, optando-se por oferecer um produto personalizado ao consumidor, ou seja, produção de acordo com a demanda. Também, passa-se a exigir dos funcionários maior participação e inovação nos processos de produção. Dessa forma, o trabalhador deve ser capacitado para qualificar suas habilidades e competências que antes não eram exigidas.

    Quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas para o fortalecimento dos organismos sindicais, que se opõem ao capitalismo, na atualidade?
    Primeiramente, os sindicatos deveriam apoiar mais os trabalhadores e orientá-los da melhor maneira possível, ao invés de favorecerem a empresa, o capital. Ainda, os trabalhadores devem se unir e serem solidários uns aos outros, uma vez que aqueles que se organizam em sindicatos buscam, geralmente, os mesmos ideais.

  8. Josy Fernandes disse:

    Texto [2]
    O capital, e seu sistema ideológico e político de dominação, inicia um processo de reorganização das crises do sistema com a reestruturação dos meios de produção. Dessa forma, a produção precisa se adaptar para a manutenção do “status quo”, para manter esse sistema funcionando. Pode também mesclar conceitos e técnicas modernas e tradicionais. Ocorrendo dessa forma por meio do ideal neoliberal e da inversão da lógica da sociedade, prevalecendo o valor de troca e não o valor de uso.

    Texto [3]
    Os modelos Taylorismo e Fordismo visavam à racionalização extrema da produção e, consequentemente, à maximização da produção e do lucro, aperfeiçoando o processo de divisão técnica do trabalho. Outra característica foi a padronização e a realização de atividades simples e repetitivas. A principal característica do fordismo foi a introdução das linhas de montagem, com isso as máquinas ditavam o ritmo do trabalho. Tanto o taylorismo quanto o fordismo tinham como objetivos a ampliação da produção em um menor espaço de tempo e dos lucros dos detentores dos meios de produção através da exploração da força de trabalho dos operários. O Toyotismo é um sistema de organização voltado para a produção de mercadorias. Tem como características a mão-de-obra multifuncional e bem qualificada, onde o operário é um colaborador da empresa, participando das decisões. É caracterizado também pela aplicação do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária.

    Texto [4]
    De acordo com Antunes (2000), algumas das estratégias que poderiam ser usadas para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõe ao capitalismo são, por exemplo, a união dos sindicatos com os trabalhadores, quebrando barreiras sociais entre os trabalhadores, auxiliando os desempregados e reconhecendo os direitos das mulheres como trabalhadoras.

  9. Carolina Liso Valeretto disse:

    Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?”

    O capital, visto como uma dinâmica totalizadora e dominante, responsável pela mediação produtiva, articula-se com elementos historicamente específicos de estruturas e práticas sociais, para converter a produção do capital em propósito da humanidade era preciso separar valor de uso e valor de troca, subordinando-se o primeiro ao segundo, visto que houveram grandes crises em longos intervalos, seguidas de fases expansionistas, a tendência à redução do valor de uso das mercadorias de seu ciclo reprodutivo e de seu valor de troca foram acentuando-se, segundo Antunes (2000), o capital operou, portanto, o aprofundamento da separação entre a produção voltada genuinamente para o atendimento das necessidades humanas e as necessidades de auto-reprodução de si próprio. Como resposta as crises, iniciou um processo de reorganização do capital e de seu sistema ideológico e político de dominação, como: o advento do neoliberalismo, a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal.

    “Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?”

    O fordismo caracterizou um método de racionalização da produção em massa, teve início na indústria automobilística Ford, esse método integrou-se às teorias do engenheiro norte-americano Frederick Winslow Taylor, que ficaram conhecidas como taylorismo, que buscava o aumento da produtividade através do controle dos movimentos das máquinas e dos homens no processo de produção homogênea, verticalizada, constituída pelo patrão e os trabalhadores.
    O Toyotismo ou modelo japonês foi caracterizado pelas novas formas de acumulação do capital, decorrentes da concorrência e da necessidade de controle das lutas sociais, segundo Antunes (2000), esse padrão de acumulação flexível articula um conjunto de elementos de continuidade e descontinuidade que acabam por conformar algo relativamente distinto do padrão taylorista/fordista de acumulação, os trabalhadores tornam-se especialistas multifuncionais. Dentre as suas características principais, destacam-se: produção vinculada à demanda; a existência de um relacionamento cooperativo entre os gerentes e os trabalhadores, caracterizando uma hierarquia administrativa horizontal; multivariedade de funções; controle rígido de qualidade (círculos de controle de qualidades, CCQs); sistema de Kanban, para a reposição e o mínimo de estoque; desintegração vertical da produção em uma rede de empresas, processo que substitui a integração vertical de departamentos dentro da mesma estrutura empresarial; princípio “just in time”; e a implantação do emprego vitalício.

    “De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?”

    Como destaca Antunes (2000), a postura anti-sindical e contrária aos trabalhadores, estampada em greves, a preservação da desmontagem dos direitos do trabalho, assim como a tentativa de ampliação das privatizações, acaba configurando-se como a preservação do que é fundamental do neoliberalismo, dando-lhe um frágil verniz social-democrático cada vez menos acentuado. Portanto, como estratégia para o fortalecimento dos organismos sindicais, poder-se-iam utilizar o reconhecimento ao trabalho operário, seus direitos sociais, motivação, planejamento, qualidade e a flexibilização do mercado de trabalho.

  10. Juliana Constâncio disse:

    1- “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?” Cáp. I, II e III.

    A partir dos anos 70, iniciou-se a crise do capital, com a redução do valor de uso das mercadorias e a necessidade de se agilizar seu ciclo reprodutivo e o valor de troca das mercadorias produzidas. Nesse momento, ficou clara a redução do processo de crescimento do capital e por isso fez-se necessário a reestruturação do sistema, de forma a conter a crise. Nesse sentido, surgiu o advento do neoliberalismo, com a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal, além de um intenso processo de reestruturação da produção e do trabalho (caracterizada pela acumulação flexível) e a expansão e liberalização dos capitais financeiros.

    2- “Quais as diferenças básicas entre Taylorismo, Fordismo e Toyotismo?” Cáp. IV

    O toyotismo, via japonesa de expansão e consolidação do capitalismo monopolista industrial, é um tipo de produção muito vinculada à demanda individualizada, enquanto que o binômio taylorismo/fordismo caracterizava-se pela produção em série e em massa. A produção toyotista é variada e heterogênea, enquanto a produção taylorista/fordista era homogênea. O toyotismo fundamenta-se no trabalho em equipe com multivariedade de funções, enquanto que o taylorismo/fordismo fundamentava-se no trabalho parcelar. No toyotismo, a produção se estrutura num processo produtivo flexível, em que o operário opera simultaneamente várias máquinas; já no taylorismo/fordismo, havia a relação um operário para uma máquina. O toyotismo tem como princípio o Just in time, ou seja, o melhor aproveitamento possível do tempo de produção, e funciona segundo o sistema Kanban, placas ou senhas de comando para reposição de peças e de estoque. Os estoques são mínimos no toyotismo, se comparados com o taylorismo/fordismo. No toyotismo, as empresas têm uma estrutura horizontalizada, ao contrário da verticalidade taylorista/fordista. No toyotismo, prioriza-se o que é central em sua especialidade no processo produtivo e transfere-se a terceiros grande parte do que antes era produzido dentro de seu espaço produtivo. No toyotismo, organiza-se os Círculos de Controle de Qualidade, grupos de trabalhadores que discutem o próprio trabalho e desempenho de modo a melhorar a produtividade nas empresas. Desse modo, é um instrumento que se apropria do conhecimento do trabalhador, algo desprezado pelo taylorismo/fordismo. O toyotismo também implantou o emprego vitalício e maiores ganhos salariais de acordo com o aumento da produtividade de seus empregados.

    3- “De acordo com o texto de Antunes, quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo na atualidade?” Cáp. V e VI

    O autor nos diz que, assim como o capital é um sistema global, o mundo do trabalho e seus desafios são também globais, o que deveria levar a classe trabalhadora a gerar uma resposta internacional à exploração perpetrada pelo sistema capitalista. No entanto, a luta dos trabalhadores ainda se restringe aos limites territoriais nacionais, o que diminui a eficácia de sua ação e perpetua a estratificação e a fragmentação do trabalho.

  11. Susa Karen disse:

    “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?” Cáp. I, II e III.

    Com sua própria crise, a partir dos anos 70, o capital reorganizou seu sistema político e ideológico de dominação, através do neoliberalismo com a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal, além de um intenso processo de reestruturação da produção e do trabalho. As bases que fundamentam o capitalismo não foram alteradas, mas adquiriram-se novas formas de acumulação.

    Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?” Cáp. IV

    O taylorismo/fordismo: sistema com uma produção verticalizada, baseado em linhas de montagem para redução de custos, com fabricação em massa e estoques sempre carregados, não havia controle de qualidade.
    Toyotismo: sistema com uma estrutura horizontal das empresas, com controle de qualidade, o método Kanban permite o estoque mínimo e o princípio Just in time o melhor aproveitamento do tempo de produção.

    “De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?” Cáp. V e VI

    O movimento sindicalista precisa-se mostrar contrário à lógica do capital, para isso o autor destaca a importância de uma luta de âmbito global, com ênfase na solidariedade e união dos trabalhadores. Assim, busca-se reconhecer o trabalho operário e seus direitos sociais.

  12. Andreia Fidelis disse:

    1- “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?”
    Em meio ao cenário de excedente de mercadorias nos estoques, devido a falta de sincronia entre a produção e a demanda, o capital viu-se afundado em uma crise, o que levou a refletir sobre a necessidade de uma reestruturação do organização do trabalho, dos meios de produção, do sistema ideológico e político de dominação, ou seja, uma mudança no processo produtivo, porém sem alterar ou deixar de lado as bases que fundamentam o capitalismo.

    Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?
    O Toyotismo os trabalhores tornan-se multifuniconais, ou seja, capazes de operar diferentes tipos de máquinas, sendo portanto um modelo mais flexivel que o fordismo, além disso o trabalhador possuia autonomia para a produção sempre que identificassem problemas nos produtos, portanto exigia do trabalhador um pensamento mais elaborado sobre a sua ação, além de possuirem um local físico de trabalho mais agradável se comparado ao fordismo. Opera com a preocupação da qualidade total, o que levou a construção dos CCQs, Círculos de Controle da Qualidade operando com pequenos lotes para que tenha o mínimo de estoque com reposição , utilizando para isso o sistema de Kanban. O trabalho em equipe é valorizado, para melhor aproveitar o tempo de produção adotaram o Just in Time.
    No fordismo a sua produção é em massa, possuia estoque excedente, um número maior de funcionários se comparado com os que são empregados no Toyotismo que trabalhavam com normas operatórias prescritas, ou seja, padronização e especialização na realização das tarefas com trabalhadores pouco qualificados que não participavam do planejamento intelectual da atividade que iriam exercer, ele apenas executava ordens.

    De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?
    Os membros do sindicato devem ser unidos, e os demais trabalhadores apoiarem a causa e juntos estarão fortalecidos. O impacto será diferente se uma parte dos trabalhadores aderirem ao movimento e a outra não. Como exemplo a greve ocorrida com os professores do Centro Paula Souza, somente uma parcela aderiu ao movimento.

  13. Luciana Ciencia Apostolo disse:

    “Quais as diferenças básicas entre Taylorismo, Fordismo e Toyotismo?” Cáp. IV

    Taylorismo fabricação em massa e estoques sempre carregados,a produção em massa, estoque dos produtos e consequentemente o desperdício; No modelo do Taylorismo/Fordismo utiliza-se de métodos científicos do trabalho, racionalizando a produção por meio da divisão do trabalho, separando a produção da elaboração. Caracteriza-se pela produção em massa, onde são gerados muitos empregos, conseqüentemente com baixos salários e condições precárias de trabalho.
    A produção toyotista é variada e heterogênea, trabalho em equipe com multivariedade de funções, a produção se estrutura num processo produtivo flexível, um sistema de organização voltado para a produção de mercadorias. Tem como características a mão-de-obra multifuncional e bem qualificada, onde o operário é um colaborador da empresa, participando das decisões. É caracterizado também pela aplicação do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária.

    De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?

    O reconhecimento ao trabalho operário, seus direitos sociais, motivação, planejamento, qualidade e a flexibilização do mercado de trabalho, a união dos sindicatos com os trabalhadores, quebrando barreiras sociais , auxiliando os desempregados.

  14. Cláudia disse:

    1- Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise?
    O capital, bem como seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise se legitimando teoricamente com o neoliberalismo, ou seja, entre outros fatores estão: a diminuição do tempo útil dos produtos, com uma produção mais rápida, com menor custo; terceirização e subcontratação da classe trabalhadora, novas formas de gestão organizacional e avanço tecnológico. Renovando assim a acumulação de bens e conseqüentemente mantendo a divisão de classes sociais.
    2- Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?
    As diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo, são que no sistema Taylorismo – a organização do trabalho tem como principal objetivo a maior economia de tempo e de esforço, o máximo em produção e rendimento. No Fordismo a produção de um mesmo produto é em série, desenvolvida no contexto de uma linha de montagem linear e contínua, exige grandes fábricas e forte concentração financeira. E no Toyotismo a mão-de-obra é multifuncional e bem qualificada. È um sistema flexível de mecanização, voltado para a produção somente do necessário, evitando ao máximo o excedente. A produção deve ser ajustada a demanda do mercado com o sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária.

  15. Andrea Petreca disse:

    Grupo [2]: Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise?

    A crise do fordismo e keynesianismo acabava demonstrando uma crise do capital. Via-se a queda da taxa de lucro causada pelo aumento do preço da força de trabalho; o esgotamento do padrão de acumulação taylorista/fordista de produção; maior concentração de capitais; entre outros. Tal crise resultou de um excesso de produção do setor manufatureiro internacional.
    “Como resposta à sua própria crise, iniciou-se um processo de reorganização do capital e de seu sistema ideológico e político de dominação, cujos contornos mais evidentes foram o advento do neoliberalismo, com a privatização do estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal…” Uma reestruturação da produção e do trabalho também foi necessária para tentar uma reorganização

    Grupo [3]: Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?

    NoTaylorismo/Fordismo tem-se uma produção em massa, em que há uma estrutura verticalizada composta por um patrão, alguém que gerencia e os trabalhadores que devem preocupar-se com o relógio para uma grande produção. Dessa forma, acaba-se tendo uma produção individualizada, na qual cada um faz apenas “a sua parte”, ganhando baixos salários para produzir muito

    Já no toyotismo, tem-se uma produção vinculada à demanda, um trabalho em equipe, em que é possível que o trabalhador conheça o produto que está produzindo em uma estrutura horizontalizada, ou seja, há certa autonomia por parte de terceiros, e não somente um patrão. Dessa forma, é possível um aumento de salário, pois a produção é mais bem aproveitada, além de ter-se trabalhadores flexíveis. O princípio Just in time faz com que o tempo seja bem aproveitado

    Grupo [4]: De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?

    Como em qualquer movimento social em que se espere êxito, os trabalhadores devem trabalhar em constante união e interesses comuns. Dessa forma, deve haver uma maior união entre sindicados e trabalhadores, de maneira que o sindicato possa reconhecer os problemas da classe trabalhadora e auxiliá-la no que for preciso e os trabalhadores, por sua vez, não devem agir contra o sindicato.

  16. Letícia disse:

    como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise?
    A crise foi estrutural, de capacidade e produção levando a um processo de reestruturação do capital impulsionando o neoliberalismo. Desse modo se reorganizou preservando o capital e aderindo às mudanças necessárias para os desenvolvimentos produtivos, utilizando novas formas de organização do trabalho e fazendo com que o valor do uso seja sempre menor que o valor da troca e valorizando sempre os fundamentos do capitalismo.

    Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?
    Taylorismo/fordismo: Com o aumento da produção em massa surge o taylorismo/fordismo, para aumentar a produção de modo que cada operário trabalhe individualmente e de caráter parcelar, aumentando o numero de funcionários. Comparação do homem com a máquina, aumento de estoques e a não utilização dos controles de qualidade, pois o importante era a produção em massa exarcebada.
    Toyotismo foi uma maneira alternativa para acesso ao processo produtivo, de produção variada e individualizada. Utilizando o processo de Kaban os operários operavam diversas máquinas e possibilitavam pouco estoque e reposição. Além da implementação de “empregos vitalícios” que possibilitavam aumento de produtividade e conseqüentemente de ganhos. Utilização dos controles de qualidade.

    De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?
    Antunes (2000) sugere que a classe trabalhadora dê ênfase à solidariedade, com uma configuração internacionalista, afirma que os produtores que passam por várias unidades dentro da empresa se fortalecem sendo assim, contrário ao sistema capitalista atual que visa a individualização e alienação.

  17. Jéssica Carla disse:

    “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?” Cáp. I, II e III.
    Com a crise do capital, a partir dos anos 70, fez-se necessário uma reorganização do capital e de seu sistema ideológico e político de dominação, implementando ideias neoliberais para que se pudesse manter o status-quo e continuar em vigor este sistema. Esta reorganização se fez com o advento do neoliberalismo, acarretando a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho – gerando a exploração dos trabalhadores com horas de trabalho a mais e a mudança no modo de produção, no qual se instaurou o modelo toyostista – a desmontagem do setor produtivo estatal.

    “Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?” Cáp. IV
    Taylorismo/fordismo: surge na indústria automobilística norte-americana, detêm de grande produção de massa, ou seja, um produto (carro) para cada um indivíduo, produção em série e homogênea, cada trabalhador possuía uma função, estoque cheio, estrutura vertical de produção, não se utiliza de controle de qualidade por meio intelectual, trabalho individual, baixa remuneração dos trabalhadores. Toyotismo: surge no Japão falácia da qualidade total, intensificação do trabalho, empresas terceirizadas, redução do tempo de trabalho, equipes de trabalhos, grupos semiautônomos, produção variada e heterogênea, cada trabalhador desempenha várias funções, sistema Kanban: estoque mínimo, possibilitando a reposição de estoque, círculos de controle de qualidade, alta remuneração para os funcionários que possuem cargos vitalícios.

    “De acordo com o texto de Antunes (2000), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao capitalismo?” Cáp. V e VI
    Os sindicatos ingleses atuais, que são contra o sistema capitalista, deve agir diferente desse sistema, tendo novos meios alternativos de produção, ou seja, funcionários devem possuir várias funções, o trabalho deve ser totalizante e não alienado como o do capitalismo, os integrantes dos sindicatos devem aliar-se aos demais trabalhadores tanto do sexo feminino quanto ao masculino e auxiliá-los. Este sindicato se cacacteriza pela sua força, e enfatiza a solidariedade e a ação dentro da empresa.

  18. Renata Luiza disse:

    texto [3] – Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?
    No taylorismo o funcionário deveria exercer apenas uma função, em menor tempo durante o processo produtivo, sem a necessidade de conhecimento do produto final, fica especificado uma divisão de trabalho, com uma padronização de atividades, grande número de funcionários resultando em baixos salários e a degradação da pessoa humana.
    Em relação ao texto o Fordismo apresenta outras caracterísiticas alegando ao desenvolvimento do sistema de organização do trabalho industrial, há uma ênfase e valorização dos métodos científicos para o trabalho, provocando uma racionalização da produção diante da divisão do trabalho. Toytismo: houve uma mudança na estruturação da produção, todos os operários se tornam colaboradores e passama entender todo o processo produtivo.
    Texto [4] De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?
    Com as inovações produtivas e consequentemente uma nova divisão do trabalho, ocorre o surgimento de movimentos sindicais. Com isso esses sindicatos ganham forças diante do sistema de capital configurando assim um modelo alternativo que não era valorizadoanteriormente pela divisão social do trabalho.

  19. Adriana Pazianoto disse:

    Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise? O capital, e seu sistema ideológico e político de dominação, inicia um processo de reorganização das crises do sistema com a reestruturação dos meios de produção. Dessa forma, se reorganizou preservando o capital e aderindo a algumas mudanças que foram necessárias para os desenvolvimentos produtivos, utilizando novas maneiras de organização do trabalho e fazendo com que o valor do uso seja relativamente menor que o valor da troca e valorizando sempre os fundamentos do capitalismo.

    Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?” No Taylorismo existe uma produção em massa, onde há uma estrutura crescente e vertical, partindo de um patrão, um gerente ou supervisor para gerencia e os trabalhadores que devem trabalhar incessantemente visando o tempo, para obterem uma grande produção. Portanto, torna-se uma forma de produção individualizada, onde cada um faz apenas “sua tarefa”, recebendo por isso um baixo salário por uma grande produção. O Toyotismo é um sistema de organização voltado para a produção de mercadorias. Tem como características a mão-de-obra multifuncional e qualificada, em que o operário é um colaborador da empresa, participando de alguma forma das decisões. É caracterizado também pela aplicação do sistema conhecido como Just in Time, que como nos foi explicado em aula, esse sistema visa produzir somente o necessário, dentro de um tempo necessário e na quantidade necessária.
    De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?De acordo com o texto de Antunes (2000), para o fortalecimento dos organismos sindicais que se contrapõe ao capitalismo são sugeridas algumas estratégias. Ele descreve, por exemplo, a união dos sindicatos com os trabalhadores que dessa forma quebra as barreiras sociais entre todos os trabalhadores, auxiliando os desempregados e reconhecendo devidamente os direitos das mulheres como trabalhadoras.

  20. Bárbara disse:

    Texto 2 – De acordo com o autor, em meio a crise que afetou o capitalismo, houve um processo de reorganização de seu sistema, buscando recuperar e renovar as formas de produção e acumulação, preservando as bases do sistema capitalista.

    Texto 4 – Durante o texto, o autor destaca a questão da luta dos trabalhadores, das ações que ocorrem nas classes do capital e da solidariedade, dessa forma, a possível estratégia/alternativa que poderia ser utilizada para o fortalecimento dos organismos sindicais seria a tomada de decisão/posição de se colocar ao lado dos trabalhadores, buscando algumas transformações do sistema, não apenas das más condições de trabalho, mas sim mostrando a contrariedade de todos sobre o sistema, uma forma de demonstrar essas opiniões seria realizar greves que geraria a solidariedade entre a comunidade e classe trabalhadora.

  21. Silvana Teles disse:

    Texto 2. “Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante de sua própria crise?”
    Segundo Antunes (2002), diante de sua própria crise o capital deu início a um processo de reorganização, onde a finalidade mais evidente foi o advento do neoliberalismo, com a privatização do Estado, a desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal; os trabalhadores passaram a trabalhar mais horas por dia; os países de Terceiro Mundo eram incorporados numa posição de subordinação e dependência total.

    Texto 4. “De acordo com Antunes (2002), quais estratégias e/ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?”
    Segundo Antunes (2002), as possíveis estratégias e alternativas que poderiam ser utilizadas no fortalecimento dos organismos sindicais são o apoio e a união dos sindicatos com os trabalhadores, para que esses trabalhadores compreendam e sejam solidários uns com os outros; o autor também faz referência ao direito das mulheres trabalhadoras, onde nos espaços sindicais devem reconhecê-las como trabalhadoras e também os trabalhadores terceirizados.

  22. Joyce Longo disse:

    Por meio dos textos 2, 3 e 4, podemos compreender que o capitalismo passou, no princípio dos anos 70, por um momento crítico bem elevado. Esse momento foi marcado por diversos fatores, a saber: mudanças econômicas, sociais, políticas e ideológicas.
    De acordo com o autor, essas mudanças desestabilizaram o ciclo produtivo do sistema capitalista, forçando-o a uma reestruturação. Dessa forma, o capitalismo “readaptou” apenas sua base superficial, sem interferir em seus “pilares essenciais do modo de produção”, isto significa dizer que o capitalismo reorganizou seu ciclo produtivo, mantendo seus fundamentos.
    Como o objetivo desse sistema era apenas “conferir dinamismo ao processo produtivo”, a saída foi modificar o padrão taylorista e fordista, existente na época, para uma nova estrutura de acumulação flexibilizada.
    O binômio taylorismo/fordismo “baseava-se na produção em massa de mercadorias”, constituída de forma homogênea e vertical. Essa constituição visava a um trabalho fragmentado, objetivando o combate ao desperdício, a redução do tempo, o aumento do ritmo de trabalho e, acima de tudo, a intensificação das formas de exploração. Nesse sentido, a atividade do trabalhador era reduzida a uma ação mecânica e repetitiva.
    O toytismo (ou modelo japonês) é um processo de organização do trabalho cuja finalidade essencial, diz o autor – Antunes (2000), “é a intensificação das condições de exploração da força de trabalho, reduzindo ou eliminando todo trabalho improdutivo”, além disso, “[...] se fundamenta num padrão produtivo organizacional e tecnologicamente avançado. Dessa forma, com a implantação do toyotismo e o aproveitamento dos avanços tecnológicos, o sistema capitalista conseguiu se reorganizar e introduzir novos problemas e novos desafios para o mundo do trabalho. Como diz o próprio autor, “as mutações [...] são expressão da reorganização do capital com vistas à retomada do seu patamar de acumulação e ao seu projeto global de dominação”. (ANTUNES, 2000, p. 50)

  23. Damires disse:

    1- Como o capital e seu sistema ideológico e político de dominação se reorganizou diante da sua própria crise?
    Tal crise resultou em um processo de reorganização do capital e de seu sistema ideológico e político de dominação, em um processo do advento do neoliberalismo, com a privatização do estado. Uma reestruturação da produção e do trabalho também foi necessária para tentar uma reorganização da sociedade.

    2-Quais as diferenças básicas entre taylorismo/fordismo e toyotismo?
    O toyotismo,é um modelo japones de produção vinculada à demanda, um trabalho em equipe, em que é possível que o trabalhador conheça o produto que está produzindo em uma estrutura horizontalizada, ou seja, tendo maior autonomia, semelhante a do patrão. Dessa forma, é possível um aumento de salário, pois a produção é mais bem aproveitada, além de ter-se trabalhadores flexíveis. Trabalha-se no modelo Just in time faz com que o tempo seja melhor aproveitado.
    Já no taylorismo/fordismo a produção se basea na produção em massa de mercadorias, constituída de forma homogênea e vertical. Essa constituição visava um trabalho fragmentado, objetivando o combate ao desperdício, a redução do tempo, o aumento do ritmo de trabalho e, acima de tudo, a intensificação das formas de exploração. Reduzindo o trabalhador em uma maquina de repetitiva.

    3- De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?
    Segundo Antunes a união das massas ou seja a união nos sindicatos com os trabalhadores seria um explemo pois é precisor levar o conheimento para que dessa forma quebrem as barreiras sociais entre todos os trabalhadores, auxiliando os desempregados e reconhecendo
    devidamente os direitos das mulheres, dos negros, dos gay, como cidadão dessa sociedade.

  24. Patricia Toledo disse:

    Texto 2 – O capital sempre se reorganiza em meio e de acordo com as crises do próprio sistema, reestruturando os meios de produção e as relações de trabalho. Um exemplo foi a reorganização do capital, a partir dos anos 1970, e de seu sistema ideológico e político através do neoliberalismo – privatização do Estado, desregulamentação dos direitos trabalhistas.

    Texto 3 – O taylorismo e o fordismo foram sistemas de produção típicos dos primeiros decênios do século XX. Se caracterizaram pela produção em massa e pela linha de montagem, cujo objetivo era reduzir os custos da produção para o aumento do lucro burguês. O toyotiso, por sua vez, foi um modelo de produção surgido no Japção após a crise dos anos 1970/80, junto a reorganização do capital. Se caracterizou pela produção heterogênea, redução dos estoques e maior qualificação da mão-de-obra.

    Texto 4 – Para o fortalecimento dos organismos sindicais, o autor destaca a internacionalização da luta trabalhista e a solidariedade entre os trabalhadores. É preciso criar um modelo alternativo de cooperação e contrário a lógica do capital.

  25. Cláudia disse:

    Grupo [4]: De acordo com Antunes (2000), quais estratégias e / ou alternativas poderiam ser usadas, atualmente, para o fortalecimento dos organismos sindicais que se opõem ao sistema capitalista?

    R: Minha apresentação.

Deixar um comentário