Módulo 10 – Sociedade e Sociologia da Educação no Brasil

On junho 3, 2011, in SocioEdu2, by Fábio Fernandes Villela

Boa Noite Car@s Alun@s! Tudo bem?

Esta é a área para a postagem do Módulo 10 – textos 16, 17 e 18. A questão central dos textos é sobre a Escola de Gramsci. Gostaria que vcs abordassem a relação entre Educação e Hegemonia em Gramsci. Um grande abraço a tod@s, Prof. Fábio Fernandes Villela.

 

153 Comentários “Módulo 10 – Sociedade e Sociologia da Educação no Brasil”

  1. Cláudia disse:

    De acordo com os textos expostos os autores nos relatam que para Gramsci o Estado, faz parte da superestrutura formada pela sociedade política e sociedade civil, agindo a favor da burguesia para a perpetuação da divisão de classes. A escola aparece como um dos Aparelhos Hegemônicos do Estado, dessa forma a hegemonia política, econômica, cultural e ideológica imposta por meio da Educação aliena o aluno de sua condição humana, atrofiando-o moral e intelectualmente numa formação unilateral. Segundo Gramsci se a classe proletária desenvolver uma consciência de emancipação poderá criar uma contra-hegemonia e assim derrubar a hegemonia dominante, para isto apresenta a escola unitária, defendendo uma formação completa do ser humano, tendo o trabalho intelectual e manual como princípio educativo, tornando o individuo autônomo, responsável, capaz de desenvolver sua consciência moral e social, denominada Formação Omnilateral.

  2. Andréa Petreca disse:

    Para o educador Gramsci, a hegemonia é um fato político que só ocorreria entre sociedade de classes, nas quais um grupo impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos, como a burguesia, que exerce seu domínio através da hegemonia, enquanto os explorados se conformam com a sua condição.
    Na educação, Gramsci presa o princípio da omnilateralidade, criticando, por exemplo, a mecanização do homem. É aí que surge uma problemática: se a escola faz parte da hegemonia da classe dominante, já que o Estado, que não é neutro, é responsável pela educação, como garantir um ensino que seja capaz de transmitir todo e qualquer tipo de conhecimento sem imposição de valores, ideias ou cultura?
    Segundo Carnoy (2005), Gramsci “acreditava nas qualidades intelectuais das massas e em sua capacidade para criar, elas mesmas, a hegemonia de sua classe, ao invés de verem isso feito em nome delas por um partido de vanguardas, de elite ou por uma elite burocrática responsável pelas teorias e táticas revolucionarias.” Eis que surge a proposta a favor do desenvolvimento do conceito de hegemonia.

  3. Andrea Petreca disse:

    Para o educador Gramsci, a hegemonia é um fato político que só ocorreria entre sociedade de classes, nas quais um grupo impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos, como a burguesia, que exerce seu domínio através da hegemonia, enquanto os explorados se conformam com a sua condição.
    Na educação, Gramsci presa o princípio da omnilateralidade, criticando, por exemplo, a mecanização do homem. É aí que surge uma problemática: se a escola faz parte da hegemonia da classe dominante, já que o Estado, que não é neutro, é responsável pela educação, como garantir um ensino que seja capaz de transmitir todo e qualquer tipo de conhecimento sem imposição de valores, ideias ou cultura?
    Segundo Carnoy (2005), Gramsci “acreditava nas qualidades intelectuais das massas e em sua capacidade para criar, elas mesmas, a hegemonia de sua classe, ao invés de verem isso feito em nome delas por um partido de vanguardas, de elite ou por uma elite burocrática responsável pelas teorias e táticas revolucionarias.” Eis que surge a proposta a favor do desenvolvimento do conceito de hegemonia

  4. Bruna Tairine disse:

    Gramsci vai desenvolver um enfoque marxista alternativo do Estado, desta forma ele considera o Estado como instrumento para a expansão do poder da classe dominante e uma força repressiva que mantém os grupos subordinados. Sendo assim, ele compreende a hegemonia como sendo predomínio ideológico das classes dominantes sobre os trabalhadores (classe dominada) na sociedade civil.
    Portanto, a classe dominante exerce a hegemonia através da sociedade civil e a dominação através do Estado, mas Gramsci acredita que a classe operária também pode exercer seu poder através do Estado, a partir do desenvolvimento de sua consciência e de seu poder intelectual, promovendo assim um novo conceito de sociedade. Diante disso, Gramsci propõe a escola unitária que relaciona trabalho intelectual e trabalho manual, não ocorrendo assim à divisão de classes, conseqüentemente, à divisão de trabalho, mas desenvolvendo o poder intelectual e a capacidade da classe operária de desenvolver a sua própria hegemonia.

  5. Joyce Longo disse:

    Gramsci compreende o Estado como o conjunto de atividades através das quais a classe dirigente justifica e mantém sua dominação, bem como consegue obter o consenso ativo dos governados, principalmente, por meio dos aparelhos de hegemonia: igreja, escola, imprensa.
    A partir da dialética da Educação, Gramsci compreende historicamente a escola como um aparelho de hegemonia. Porém, acredita que esse mesmo espaço possibilita a formação humana divergente em relação à direção hegemônica. A escola é um espaço de organização e reflexão contra-hegemonica ou um espaço de conformação do ideário social.
    Ele propõe a fusão do ensino tecnológico e profissional com a formação intelectual, entendendo a indissociabilidade de trabalho manual e intelectual. O pressuposto essencial é a formação da onilateralidade humana. A essa escola Gramsci deu o nome de unitária, ela tem a tarefa de colocar os jovens nas atividades sociais, elevando seu grau de maturidade, criação intelectual e prática.

  6. MichelleAzevedo disse:

    Nos textos lidos, Gramsci destaca a figura do Estado como sendo o principal foco de divisão da sociedade, em tratando da classe burguesa e do proletariado, colocando-o como centro da discriminação e da expansão do poder sobre os mais fracos. Por meio de seus pensamentos Gramsci, nos mostra um novo conceito de sociedade elencada na construção de uma nova educação para a classe operária, sendo portanto necessária a construção de uma nova sociedade. Essa transformação ocorreria por meio da escola unitária, onde o trabalho intelectual e o trabalho manual se relacionam criando uma nova perspectiva do homem em relação a sua condição de vida impostos pela burguesia apoiados pelo poder do Estado.

  7. Josy Fernandes disse:

    A burguesia, sendo uma classe dominante, exerce poder sobre outros grupos, através da hegemonia. Com isso, a hegemonia, para Gramsci, ocorre somente quando um grupo impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos. Gramsci acredita que, qualquer que seja o grupo, ele pode exercer poder através do Estado, desenvolvendo seu poder intelectual. Sendo assim, Gramsci propõe uma escola unitária, ou seja, uma escola onde o trabalho intelectual e o manual estão relacionados, uma escola com o pressuposto da formação omnilateral. Dessa forma, qualquer grupo, teria a capacidade para desenvolver sua própria hegemonia.

  8. Saulo Mesquita disse:

    Para Gramsci a hegemonia é uma ferramenta politico ideologia para que a classe dominante se sobressaia sobre as classes oprimidas. Este efeito e criado atravês do Estado e seus orgãos, onde a educação, cultura, religião e qualquer meio socio-politico que forme as massas “naturalizem” as ordens capitalistas no pensamento do proletariado. A educação deveria ser, na visão de Gramsci, um espaço onde a formação fosse unica, igual e total para todos (publica). Essa educação se fundaria no trabalho como principio pedagogico de suas praticas e atividades e teria como objetivo extender a formação dos individuos para todas as area do conhecimento humano e consientizar as massas das relações de poder dentro da sociedade. Como a atual sociedade não pode mudar basicamente este aspecto devemos entender que os regimes propostos por Gramsci são modelos propostos para uma possivel revolução da sociedade.

  9. Paula Rocha disse:

    Gramsci compreende a sociedade como um todo e que por tanto não pode ser estudada apenas do ponto de vista econômico, como alguns teóricos marxistas o fazem. Sua análise da hegemonia em relação à dominação de classes tem teor ideológico, pois, compreende que a dominação dentro de uma sociedade de classes se dá primeiramente por meio de processos intelectuais. Neste contexto, ele propõe uma quebra da hegemonia da classe burguesa capitalista rompendo com a “legitimidade” que esta classe detém o que levaria a uma contradição entre as classes sociais dando condições para o processo revolucionário. A escola teria, dentro desta perspectiva, o papel de unificar trabalho intelectual e manual, proporcionando a formação do homem completo, dando, desse modo, condições à classe operária para se desenvolver plenamente dentro da sociedade.

  10. Monise Matucci disse:

    De acordo com as teorias de Gramsci, a escola enquanto aparelho hegemônico do Estado contribui com a divisão de classes e a dominação da burguesia, pois a educação destinada ao grupo dos trabalhadores se difere da destinada aos grupos dirigentes.
    Deste modo, ao criticar o contexto educacional de sua época, Gramsci propõe a criação da escola unitária, na qual a união do trabalho nos níveis manual e intelectual desenvolveria nos jovens conhecimentos humanistas e profissionais, formando-os integralmente. Assim, a escola unitária faria surgir uma contra-hegemonia, pois a classe proletária possuiria as condições favoráveis para conquistar a hegemonia e construir uma nova sociedade.

  11. Franciele Baptista disse:

    Gramsci, nascido na Ilha da Sardenha – Itália, afirma que a burguesia mantém sua hegemonia pelo fato de ter como aliado o Estado, que inclui sua hegemonia na superestrutura, e a massa popular que consente no predomínio de tal hegemonia e ajuda a classe dominante a mantê-la. Segunda Carnoy (2005) “a hegemonia compreende as tentativas bem sucedidas da classe dominante em usar sua liderança política, moral e intelectual para impor sua visão de mundo como inteiramente abrangente e universal, e para moldar os interesses e as necessidades dos grupos subordinados” (p.95). Porém, Gramsci acreditava que a massa necessitava estar esclarecida, ter consciência e reagir em um momento de crise hegemônica da burguesia, que segundo o autor acima citado, “é resultado de atos impopulares das classes dirigentes”. Para o devido esclarecimento, Gramsci propõe a escola única – instituição que forma os indivíduos tanto manual quanto intelectualmente, fazendo surgir o homem omnilateral.

  12. Emerson Roberto Borges disse:

    Gramsci compreende o Estado como uma das forças que querem impor sua hegemonia sobre o proletariado e os mais fracos
    A educação aparece como um dos intrumentos de dominação, fazendo da escola uma de suas armas.
    Isto contirbui e muito para o processo de divisão de classes e de oportunidades, onde uns possuem o conhecimento necessário e outros não conseguem alcançar seus objetivos.
    Grmasci , porém, acredita que a classe operária pode atuar, oferecendo uma contra-hegemonia, apresentando seu poder intelectual e conhecimento de mundo.
    O conhecimento manual também é valorizado por ele, onde o mesmo, juntamente com o conhecimento intelectual, se integrariam, formando a escola unitária, na luta contra a hegemonia e a dominação existentes.

  13. Patricia Toledo disse:

    A escola segundo a concepção de Gramsci faz parte de um conjunto de aparelhos e ferramentas de coersão do Estado, uma vez que ela sempre impoe a ideologia da classe domiante. No caso da soceidade capitalista, a escola, portanto, é uma ferramenta para que a burguesia exerça seu controle sobre a sociedade.
    Gramsci tem uma ideia de Estado diferente da ideia de Marx, uma vez que para ele a sociedade faz parte da superestrutura e o Estado se estende por todos os setores dessa sociedade. O estado, portanto, é hegemônico, ele se impõe sobre os aspectos políticos, econômicos e ideológicos.
    Nesse sentindo a escola tem a função de difundir a concepção de mundo da classe dominante sob os demais grupos sociais dominados.
    Gramsci afirmava que em uma sociedade de classes, não há somente a ideologia hegemônica, ou seja, da classe dominnte, mas sim outras ideologias que transitam pela sociedade civil como forças adversárias; no etanto, a camada contrahegemonia, ao contrário do que muito se dicute, não possui força de transformação dentro da escola.
    A transformação scial, para Gramsci ocorreria atraves de uma guerra de posição.

  14. Silvana Teles disse:

    Segundo os estudos de Gramsci a hegemonia é uma ferramenta das classes dominantes, que tem o Estado como seu instrumento. A classe dominante através de sua hegemonia expressa no Estado convencia a classe dominada para que concordassem com seu sistema de crenças e compartilhassem com seus valores culturais, sociais e morais; assim a hegemonia da classe dominante é institucionalizada no aparato político, mas formada e sustentada na esfera da sociedade civil. Nessa situação Gramsci sugere uma contra-hegemonia, uma transformação, um novo conceito de sociedade, mas um conceito pautado nas necessidades do proletariado.

  15. Juliana Constâncio disse:

    Para compreendermos o pensamento de Gramsci referente à Educação e à Hegemonia e a relação existente entre esses termos, devemos retomar alguns conceitos da teoria de Marx. Desse modo, é fundamental compreendermos o conceito de estrutura que Marx nos traz. Segundo esse conceito, a sociedade capitalista se organiza de acordo com as relações econômicas e materiais estabelecidas entre as classes sociais. A classe dominante detém os meios de produção e explora a classe dominada por meio de sua hegemonia econômica.
    Gramsci nos diz que não só a estrutura organiza a sociedade e provoca a exploração capitalista de uma classe sobre a outra, mas também a superestrutura. Este conceito tem como fundamento a hegemonia cultural. Para Gramsci, a hegemonia cultural é a dominação ideológica e intelectual da classe dominante e ela é perpetrada pela escola, vista como aparelho hegemônico do Estado. Desse modo, a escola impõe a visão de mundo burguesa como universal e molda os interesses da classe trabalhadora de acordo com seus próprios interesses, de modo a garantir a perpetuação de seu domínio econômico e hegemônico.
    Nesse sentido, Gramsci propõe o surgimento da contra-hegemonia dos trabalhadores, que se daria fora da escola (nos partidos políticos organizados por eles) e que faria surgir a guerra de posição, ou seja, o embate entre a hegemonia burguesa e a contra-hegemonia trabalhadora. O modelo de escola proposto por Gramsci dentro desse contexto é a escola unitária, que teria como princípio educativo o trabalho e seria fundada na união entre trabalho manual e intelectual. Desse modo, garantir-se-ia o mesmo preparo para todos os indivíduos, que teriam as mesmas oportunidades profissionais. Dentro dessa proposta, ele também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a auto-educação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe trabalhadora, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução.

  16. Leticia disse:

    A hegemonia é um fato político que ocorre entre a sociedade de classes, é política, econômica e, sobretudo ideológica.
    A escola para Gramsci é um Aparelho da Hegemonia do Estado e não um Aparelho Ideológico do Estado como cita Saviani (1992) e outros autores. Grandes lideranças políticas e expansões culturais são retomadas por vários pensadores marxistas, atribuindo a esses grandes fatos históricos uma “teoria”. Neste sentido Gramsci vê a escola como um Aparelho que, através da concepção da classe dominando, torna esse como senso comum, sendo colocado como a única verdade. Esta é a ferramenta da burguesia para exercer domínio sobre a sociedade, o que ocorre somente na luta de classes.
    Para Gramsci a escola deveria ser um local que propagasse uma educação para todos, pública, sendo igual e única a todos os alunos, mantendo sempre a relação entre o trabalho, pois este humaniza, é o que nos torna humanos, e deve ser tomado como princípio pedagógico, conscientizando e extendendo a formação dos cidadãos.

  17. Jéssica Carla disse:

    Marx dizia que somente a sociedade política é o Estado, Gramsci em sua teoria vai além, dizendo que a sociedade civil faz parte da superestrutura sendo o Estado portanto, a soma da sociedade civil e a sociedade política. Deste modo, a concepção de Estado para Gramsci é de uma superestrutura que não é neutro, sendo este um instrumento que a classe dominante utiliza para dominar e explorar a classe subalterna. Assim o Estado utiliza de seus aparelhos ideológicos como a escola para perpetuar a hegemonia da classe dominante. Esta hegemonia exerce influencia nos fatores políticos, econômicos e ideológicos para que haja a dominação da classe dominante para a dominada. A escola portanto, inserida nestes grupos de interesses perpetuam a hegemonia e forma lideranças. Porém, contrastando com esta ideologia, Gramsci sugere a contra-hegemonia que é formada por trabalhadores, propondo assim uma nova civilidade. Para isso, seria necessário que se instaurasse a escola unitária, que visa o trabalho como princípio educativo e une o trabalho manual com o intelectual, esta deveria ser uma escola criadora, no qual cria valores fundamentais para o humanismo, proporcionando a autodisciplina intelectual e a autonomia moral.

  18. Tânia Batista disse:

    Através de leituras realizadas sobre Antônio Gramsci, foi possível observar a relevância que ele dá à Hegemonia e a Educação. A hegemonia é um conceito criado por ele mesmo, ela pode ser caracterizada através de dois pontos determinantes: o projeto político, que exige agentes políticos e instituições educacionais envolvidos para compô-lo; e o segundo é fundamentado no projeto pedagógico, este por sua vez, compromete-se com uma nova orientação cognitiva fundamental de um indivíduo. Gramsci ao analisar as relações hegemônicas e pedagógicas, defina a educação como elemento de fundamental importância para as relações de “dominação” e de “direção”, de qualquer sociedade. Gramsci vê o mundo por um todo, levando em consideração, que a escola (educação) deve ser um espaço onde a formação deve ser única, igual e total para todos, portanto, pública.

  19. Susa Karen disse:

    Gramsci considera a hegemonia como o predomínio da ideologia burguesa (classe dominante) sobre a classe subalterna na sociedade civil. Essa ideologia é propagada na sociedade através do Estado. A escola segundo essa concepção funciona como um aparelho hegemônico do Estado, visto que divulga uma única concepção ideológica, ou seja, a ideologia dominante. Segundo Fiori (1970, apud. Carnoy) a força desse sistema de dominação reside “na aceitação por parte dos dos dominados de uma concepção de mundo que pertence aos seus dominadores”. Para uma transformação na sociedade, Gramsci acreditava na consciência do proletariado, ele “acreditava nas qualidades intelectuais das massas e em sua capacidade para criar, elas mesmas, a hegemonia de sua classe”. Da mesma forma que a falta de consciência das massas coloca a burguesia como dominante, a consciência da classe trabalhadora é uma fonte de poder para a criação da sua hegemonia.

  20. Michele Souza disse:

    Escola é um meio de alienação das pessoas de sua condição como seres humanos,
    já que esta instituição segundo Gramsci faz parte dos AHE (Aparelhos Hegêmonicos do Estado).
    Hegemonia por sua vez, só ocorre entre a sociedade de classes,
    na qual predomina a concepção de mundo de um grupo sobre outro,
    no caso a concepção da burguesia sobre a do proletariado.
    O Estado nesse caso deveria ser neutro e garantir igualdade para todo e qualquer grupo social,
    mas este faz exatamente o contrário coloca uma escola divida em duas uma para os exploradores (aqueles que pensam)
    e outra para os explorados (aqueles que agem).
    Como fazer então para que haja uma escola onde todos tenham os mesmos direitos de aprendizagem independente da classe a qual pertencem?
    Gramsci tem a ídeia da Escola Unitária, uma escola onde todos “fazem tudo” tanto o trabalho manual quanto o intelectual, um outro fato importante é que Gramsci coloca que o trabalho manual não deve ser desvalorizado. Assim não teríamos mais uma classe que domina outra, mas sim pessoas trabalhando juntas para a manutenção de uma única classe: a humanidade.

    Obs: Desconsidere a filosofia de esquina das últimas palavras.

  21. Andreia Fidelis disse:

    Gramsci acreditava que a sociedade é uma totalidade, assim a escola faz parte dela e nao deve ser considerada como algo alheio, portanto para compreender a escola deve -se primeiro compreeender a sociedade na qual essa escola está inserida.
    E a sociedade civil nada mais é que a teia do Estado,onde os seus aparelhos ideológicos dão suporte ao conceito único da realidade, uma hegemonia armada de coerção (dominação política) aliada a persuasão que devem estar balanceada para que exista a dominação.
    Gramsci, segundo Carnoy, “emprestou ao Estado um papel mais extenso, uma função ampliada na perpetuação das classes, e a educação, ou melhor a escola, faz parte do aparelho de hegemonia do Estado e da classe dominate.
    Essa hegemonia para Gramsci só ocorrerá se houver condições para que um grupo imponha a sua concepção de mundo, sua ideologia sobre os demais grupos.
    Canoy apresenta dois tipos de hegemonia do conceito gramsciano, sendo o primeiro aquele em que o processo na sociedade civil pelo qual a classe dominate exerce controle moral e intelectual, sobre as outras frações que lhes são aliadas.
    E o segundo está entre as classes dominantes e as classes dominadas.
    Os aparelhos hegemônicos dos Estado impõe sua ideologia como universal. Gramsci vai além ao dizer que o popel do estado entava em ser um aparelho de hegemonia da classe dominante.
    Gramsci vai analisar a função dos intelectuais na educação, o que eles estão difundindo, pois são ideias que são suporte para a hegemonia das classes dominates, a ordem da sociedade.
    Para Gramsci todos homem pode tornar-se intelectual, concordo com ele, pois se é proporcionado um terreno fertil de ideias, pensamentos que poderam florescer em qualquer homem desde que estaja em contato com elas.
    É necessário, segundo Gramsci, formar intelectuais que vão contra a hegemonia das classes dominantes.

  22. Andreia Fidelis disse:

    Gramsci acreditava que a sociedade é uma totalidade, assim a escola faz parte dela e nao deve ser considerada como algo alheio, portanto para compreender a escola deve -se primeiro compreeender a sociedade na qual essa escola está inserida.
    E a sociedade civil nada mais é que a teia do Estado,onde os seus aparelhos ideológicos dão suporte ao conceito único da realidade, uma hegemonia armada de coerção (dominação política) aliada a persuasão que devem estar balanceada para que exista a dominação.
    Gramsci, segundo Carnoy, “emprestou ao Estado um papel mais extenso”, uma função ampliada na perpetuação das classes, e a educação, ou melhor a escola, faz parte do aparelho de hegemonia do Estado e da classe dominate.
    Essa hegemonia para Gramsci só ocorrerá se houver condições para que um grupo imponha a sua concepção de mundo, sua ideologia sobre os demais grupos.
    Canoy apresenta dois tipos de hegemonia do conceito gramsciano, sendo o primeiro aquele em que o processo na sociedade civil pelo qual a classe dominate exerce controle moral e intelectual, sobre as outras frações que lhes são aliadas.
    E o segundo está entre as classes dominantes e as classes dominadas.
    Os aparelhos hegemônicos dos Estado impõe sua ideologia como universal. Gramsci vai além ao dizer que o popel do estado entava em ser um aparelho de hegemonia da classe dominante.
    Gramsci vai analisar a função dos intelectuais na educação, o que eles estão difundindo, pois são ideias que são suporte para a hegemonia das classes dominates, a ordem da sociedade.
    Para Gramsci todos homem pode tornar-se intelectual, concordo com ele, pois se é proporcionado um terreno fertil de ideias, pensamentos que poderam florescer em qualquer homem desde que estaja em contato com elas.
    É necessário, segundo Gramsci, formar intelectuais que vão contra a hegemonia das classes dominantes.

  23. Damires disse:

    Gramsci era um grande educador e entendia a hegemonia como um poder daqueles que detinam o dominio ideologico( a burguesia), assim entendia a sociedade como uma totalidade e a escola dessa sociedade transmissora dessa hegemonia. Então se fundamenta na escola unitária livre do poder do estado, para que assim pudesse formar pessoa mais bem preparada intelectualmente. Que teram maiores condições de irem contra a hegemonia das classes dominantes.

  24. Carolina Liso Valeretto disse:

    A educação para Gramsci desempenha um papel fundamental tanto na consolidação da hegemonia, que é assegurada pelos organismos privados e não inteiramente pelo Estado e auxiliada pela organização escolar juntamente com outras instituições da sociedade civil, exercida essencialmente em nível da cultura e da ideologia, como na formulação da contra-hegemonia. O sistema educacional se constitui num dos canais onde se dá a produção e a difusão da ideologia. Sucintamente, a escola é o instrumento para formar intelectuais de vários níveis. No sistema educacional burguês tradicional são formados os intelectuais orgânicos da classe burguesa que contribuem para a manutenção da hegemonia. Existem nesse grupo de intelectuais indivíduos que têm uma concepção de mundo que transcende os seus interesses de classe e auxiliam na formulação da contra-hegemonia, esses dois tipos de intelectuais são formados na escola, mas, no que se refere a esse último grupo, a sua consciência é formada fora da escola, isto é, no partido político. O mesmo acontece com os intelectuais orgânicos não profissionais. Gramsci chama a atenção para o fato de que os jovens das classes mais favorecidas têm em sua vida familiar um ambiente que lhes facilita a carreira escolar. É necessária a criação de condições para que os indivíduos tenham acesso a um repertório de informações que facilite o processo de ensino-aprendizagem. A criatividade deve ser estimulada na escola e não deixada ao acaso da vida prática. Nesse tipo de escola o professor, que atua de forma ativa e engajada, desempenha um papel fundamental tendo a função de guia, nesse período, da-se início as novas relações entre trabalho intelectual e trabalho manual que se estenderá a toda a vida social. No princípio educativo imanente à escola elementar, a ordem social e estatal passa a ser introduzida e identificada na ordem natural pelo trabalho, mostrando que a atividade teórico-prática do homem, é o caminho para a criação dos primeiros elementos de uma intuição, fornecendo assim, o ponto de partida para o posterior desenvolvimento de uma concepção histórico-dialética de mundo.

  25. Priscila disse:

    O filosofo Gramsci descreve a diferença de clases presente na sociedade, onde um grupos e sobrepõem ao outro por meio da dominação , no caso a busguesia sobre o proletariado como hegemonia. Sendo que a educação recebe constante influencia sobre as relações, o filosofo defende apesar de tudo a formação omnilateral, onde o ser pode se desenvolver em todas as areas do conheciemento e a escla deveria ser o lugar onde isso deveria acontecer.Mas percebemos que em diversas vezes a escola é utilizada como massa de manobra da massa dominante onde se defende e perpetua seus interesses, sua ideologia e sua moral.para resolução desse grande problema no texto Carnoy (2005) podemos encontrar a proposta de reconhecer e o conceito de hegemonia para aprender a lidr com essas relções na educação.

  26. Renata Luiza disse:

    Para Gramsci o Estado também está incluido na superestrutura, podendo ser chamado de sociedade civil, correspondendo a hegemonia, em que o grupo dominante exerce poder em toda a sociedade. O contraponto para Gramsci está na classe operária exercendo força intelectual sobre o Estado. Para Gramsci a escola deve ser unitária, eliminando a desigualdade, buscando uma reforma intelectual e moral. Propõe a fusão do ensino tecnológico e profissional para que assim o indivíduo eleve seu grau de maturidade e intelectualidade.

  27. Luciana disse:

    Gramsci aponta o Estado como fator fundamental na questão da divisão da sociedade, servindo como instrumento para aumentar o poder da classe dominante. Propõe um novo conceito de sociedade, pois acredita que a classe operária também pode exercer poder através do Estado criando uma conra-hegemonia e assim se impor perante a hegemonia da classe dominante. Apresenta para isso, a escola unitária com uma formação que visa o trabalho como princípio educativo, unindo o trabalho manual com o intelectual e desse modo a classe operária teria condições de se desenvolver eliminando a desigualdade.

  28. MªCristina M. Guimarães disse:

    Para Gramsci a Escola é um Aparelho Hegemônico do Estado à medida que perpetua nos seus objetivos de ensino e aprendizagem a hegemonia cultural e ideológica da classe dominante sobre a dominada. Moldando os interesses da classe trabalhadora de acordo com os interesses que proporcionam a perpetuação de seu poder econômico e intelectual. E para contrapor-se a isto propõe que seja criada a contra-hegemonia trabalhadora que combateria o que está posto, fora das escolas, no partido político organizado pelos trabalhadores, onde deveria ser construída a auto-educação dos trabalhadores por meio do surgimento de intelectuais entre estes, que ajudariam a construir a revolução para transformar a sociedade capitalista. Gramsci constrói suas propostas de modificação da escola e da sociedade, analisando como a hegemonia dos dominantes utiliza-se da coerção e da persuasão nos meios culturais e intelectuais sobre a classe dos dominados. E propõe a construção de uma escola onde o trabalho manual e intelectual eduque um indivíduo para tornar-se responsável, construindo sua consciência moral e social e com autonomia para revolucionar a sociedade capitalista, modificando as relações humanas entre dominantes e dominados para uma relação plena, autônoma, omnilateral.

  29. Danielli Fernanda da Silva disse:

    Para que possamos entender o pensamento de Gramsci referente à relação entre Educação e Hegemonia, devemos retomar alguns conceitos da teoria marxista. Sendo assim, é fundamental compreendermos o conceito de estrutura que Marx nos traz, onde a sociedade capitalista se organiza de acordo com as relações econômicas e materiais estabelecidas entre as classes sociais. A classe dominante detém os meios de produção e explora a classe dominada por meio de sua hegemonia econômica.
    Gramsci nos diz que não só a estrutura organiza a sociedade e provoca a exploração capitalista de uma classe sobre a outra, mas também a superestrutura. Este conceito tem como fundamento a hegemonia cultural. Para Gramsci, a hegemonia cultural é a dominação ideológica e intelectual da classe dominante e ela é propagada pela escola, vista como aparelho hegemônico do Estado.
    A escola impõe a visão de mundo burguesa como universal e molda os interesses da classe trabalhadora de acordo com seus próprios interesses, de modo a garantir a perpetuação de seu domínio econômico e hegemônico.
    Nesse sentido, Gramsci propõe o surgimento da contra-hegemonia dos trabalhadores, que se daria fora da escola (nos partidos políticos organizados por eles) e que faria surgir uma guerra de posição, ou seja, o embate entre a hegemonia burguesa e a contra-hegemonia trabalhadora.
    O modelo de escola proposto por Gramsci dentro desse contexto é a escola unitária, que teria como princípio educativo o trabalho e seria fundada na união entre trabalho manual e intelectual. Desse modo, seria garantido o mesmo preparo para todos os indivíduos, oferecendo as mesmas oportunidades profissionais. Gramsci também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a auto-educação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação humana em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe proletária, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução, exigindo seus direitos e igualdade.

  30. Janiclei de Fátima Arone Amaral disse:

    Pela leitura dos textos temos que a escola para Gramsci é um aparelho hegemônico. Antonio Gramsci defende a omnilateralidade e ainda é contra a mecanização do homem. Gramsci entendeu que a educação era uma dimensão estratégica na luta pela transformação da sociedade e mostrou uma consistente proposta para organizar a cultura no mundo capitalista.

  31. Ana Carolina Aguiar disse:

    Para Gramsci, a hegemonia é o poder da classe dominante (domínio ideológico) que utiliza a escola para transmiti -lá, sendo a escola então, um aparelho hegemônico. Assim Gramsci apresenta uma escola unitária com o princípio educativo, em que propõe um ensino para a formação do homem omnilateral, unindo o trabalho manual e o intelectual; pensando a educação como luta para a transformação da sociedade capitalista.

  32. Débora Gervásio disse:

    Antonio Gramsci (1891-1937) exerceu diversas funções, no entanto, se destaca como um grande filósofo e educador comunista.
    Ele dizia que, a classe dominante utilizava a escola como um instrumento hegemônico, ou seja, capaz de dominar a classe dominada. É o tipo de fenômeno capaz de permitir que a classe dominante continue se destacando e continue na liderança, são estratégias utilizadas para que o proletariado continue alienado e ideologicamente formado.
    Gramsci apresenta então um novo formato pra educação, com concepções e objetivos diferentes do existente, assim, esse novo modelo teria como principal objetivo a formação do indivíduo omnilateral – que possua disponibilidade em aprender, em questionar, refletir sobre sua situação – e nomeia esse novo modelo como sendo “Escola Unitária”, que tinha a intencionalidade de unir o trabalho manual e intelectual, por meio de um principio educativo, que seria o trabalho. Acreditava que esse modelo associado a lutas, organização do proletariado, etc., ”renderia” uma revolução na sociedade.

  33. Caroline disse:

    Para Gramsci a escola é um aparelho hegemônico, pois perpetua nos seus objetivos de ensino e aprendizagem a hegemonia cultural e ideológica da classe dominante sobre a dominada. E para contrapor-se a isto propõe que seja criada a contra-hegemonia trabalhadora que combateria o que está posto.
    Propõe a construção de uma escola onde o trabalho manual e intelectual eduque um indivíduo para tornar-se responsável, construindo sua consciência moral e social e com autonomia para revolucionar a sociedade capitalista.

  34. Natália Fereira disse:

    A partir das leituras dos textos de Gamsci e do entendimento de seu pensamento estudado em outras disciplinas evidencia-se que a escola para ele possui um caráter modificador na medida em que fornece respaldo para as classes inferiores, cujo o intuito é promover a conscientização para que consigam substituir o domínio da elite que é hegemônco. O filósofo almeja uma escola que estivesse embutida em sua estrutura os valores e as culturas das massas subalternas, inovando desse maneira a educação designada unitária e que se voltaria ao mesmo tempo para a criticidade e formação de seres humanos omnilaterais.

  35. Cintia B. Poletto disse:

    Sendo Gramsci (1891-1937) um grande líder socialista e um pensador crítico, ele escreve enquanto estava preso duas grandes obras (Lettere e Quaderni) que possuem grande valor para o pensamento crítico até os dias atuais. A Educação e a hegemonia é citada por Gramsnci quando ele relaciona a classe dominante com a classe dominada. A classe dominante prega seus objetivos ideológicos através de: escolas, meios de comunicação de massa, organizações religiosas, organização familiar. Á partir do controle ideológico da classe dominante sobre a dominada, esta impõe uma dominação direta, postos em prática por agentes ideológicos de socialização citados acima.

  36. dayse disse:

    Grmasci acredita que a classe operária pode atuar, oferecendo uma contra-hegemonia, apresentando seu poder intelectual e conhecimento de mundo. O conhecimento manual também é valorizado por ele, onde o mesmo, juntamente com o conhecimento intelectual, se integrariam, formando a escola unitária, na luta contra a hegemonia e a dominação existentes.

  37. Mariana Brandolezi disse:

    Gramsci vê na escola pública uma maneira de se obter consciência de classe, associada a ideia do processo de trabalho como um principio educativo. Ele considera, diferente de Marx, as relações ideológicas e culturais mais importantes do que as relações de produção. Para Gramsci a hegemonia são todas as instituições da sociedade civil que participam da difusão da cultura. Ele considera que é necessária uma Contra-hegemonia que seria a desintegração da capacidade do Estado de estender e manter a hegemonia da classe dominante. Gramsci defende uma escola comum, única e desinteressada , ou seja comum a todos, não hierarquizada, que prepare de maneira igual o individuo às mesmas oportunidades profissionais e para a emancipação humana – escola unitária. Ele considera necessário que se crie a ideologia da classe trabalhadora e que se forme o individuo nas escolas e também nas fábricas, pois a questão da educação deve ser pensada em outros espaços, não é apenas através do espaço escolar que promoverá a inversão de valores e a criação da contra-hegemonia do proletariado.

  38. Raísa disse:

    Gramsci considera que a hegemonia (imposição de uma concepção de mundo) é imposta na sociedade pela classe dominadora sobre a classe dominada (proletários), por meio da escola, religiões, meios de comunicação, entre outros.
    Para ele a sociedade civil não é impermeável a outras concepções de mundo, sendo assim possível outras ideologias circularem e não só a dominante, dessa forma deve-se existir uma luta contra a burguesia, esta seria uma contra-hegemonia. A escola seria um local onde a submissão e a obediência são empregadas de forma que haja conformação da classe trabalhadora.
    Gramsci defende que a educação tem uma ação transformadora, sendo papel do intelectual dar acesso a todos à cultura, só assim pode haver uma ação transformadora, num novo mundo de igualdade numa sociedade livre da hegemonia.

  39. Marina T. disse:

    Para Gramsci a escola é um aparelho hegemônico, segundo seus pensamentos a escola era capaz de dominar a classe proletária, pois nos seu ensino predominava a cultura e a ideologia da classe dominante. Esse grande educador defende a educação como algo transformador, pois permite dar acesso, também para a classe dominada à cultura. Gramsci propõe uma escola onde os alunos façam, junto com o trabalho intelectual, trabalhos manuais para torna-lo um ser humano mais responsável.

  40. Heloisa H. Lemo disse:

    Segundo Gramsci a educação é um aparelho hegemônico, pois ela transmite conhecimentos que fazem com que se mantenha o poder de uma classe dominante e ao mesmo tempo torna a classe dominada incapaz de se libertar e ver de maneira crítica a sociedade que está inserida, consequentemente ela não se revolta por mudanças que a favoreça. Pensando nessa situação ele defende a escola unitária, que visa à formação integral do homem, unindo, para isso, o trabalho manual e o intelectual para se alcançar a formação de um homem omnilateral, que transforme a sociedade em que vive.

  41. Muriele Zaneboni disse:

    Para Gramsci, filósofo e educador comunista, a educação é um aparelho hegemônico utilizado pela classe dominante para manter seu poder, incapacitando a classe dominada de se libertar e transformar a sociedade. Ele também defende a formação omnilateral e uma escola unitária, onde se integre conhecimento intelectual e conhecimento manual.

  42. Michele disse:

    Para Gramsci educação é um aparelho hegemônico, assim como todas as instituições da sociedade civil que difundem a cultura, onde a classe dominante opera sobre a classe dominada, impondo suas ideologias por meio da alienação do indivíduo.Sendo assim, Gramsci propõe uma contra-hegemonia, onde defende uma escola unitária, como um local de transformação social,que prepare o indivíduo de maneira igual para as oportunidades profissionais, onde o saber evitaria a alienação do trabalho e a submissão do indivíduo às violências do Estado. Seria necessário então, que se criasse uma ideologia da classe trabalhadora, difundido-a em outros locais, além do espaço escolar.

  43. Larissa L S Lopes disse:

    A partir das leituras podemos dizer que para Gramsci a escola é considerada um aparelho hegemônico onde a classe dominante exerce poder sobre as demais, fazendo com que prevaleçam seus objetivos de ensino-aprendizagem e sua cultura. E para que isso tenha um fim Gramsci propõe uma escola onde o ensino seja para a formação do homem omnilateral, onde o trabalho esteja ligado a educação, para existir uma transformação da sociedade capitalista.

  44. Crislei Mayara disse:

    A relação entre Educação e Hegemonia em Gramsci, dá-se segundo a concepção de que, a escola é um instrumento de coerção do Estado, usado para impor a ideologia dos mais fortes. E se tratando da sociedade capitalista, a escola é usada pela burguesia como ferramenta de disseminação de seus ideais e para a exercer o controle sobre a sociedade.
    Em oposição à Marx, Gramsci acreditava que a sociedade fazia parte da superestrutura do Estado, e que ele se estende a todos os setores dessa sociedade, sendo portanto hegemônico, ele impõe-se sobre os aspectos ideológicos, econômicos e políticos.
    Mas, ainda segundo o autor, em uma sociedade de classes, não existia apenas as ideologias dominantes (hegemônicas), existiam outras também, que transitam pela sociedade como forças contrárias, mas ao contrário do que se imagina essas forças contra hegemônicas não possuíam forças necessárias para transformar a escola.
    Gramsci defendia a ideia da Escola Unitária, uma escola onde todos cooperam uns com os outros, seja com o trabalho manual ou intelectual, ressaltando que, o trabalho manual não deva ser visto como menor do que os outros. desta maneira, não haveria nenhuma classe que dominaria outra, mas sim, todos trabalhando juntos para a sustentação de uma única classe; a humanidade.

  45. Nathalia Neves disse:

    Para Gramsci, a educação é um aparelho hegemônico, onde a classe dominante opera sobre a classe dominada, impondo suas ideologias
    por meio da alienação do indivíduo.Com isso, Gramsci propõe uma contra-hegemonia, onde defende uma escola unitária, como um local de transformação social, que prepare o indivíduo de maneira igual para as oportunidades profissionais, onde o saber evitaria a alienação do trabalho e a submissão do indivíduo às violências do Estado. Gramsci defende a formação omnilateral do indíviduo, onde se integre conhecimento manual e intelectual.

  46. Maria Antonia C. Marques disse:

    Segundo Gramsci a escola é o aparelho hegemônico da classe dominante, por ela reproduz todas suas ideologias, sendo dessa forma ela não forma o indivíduo que irá se opor à condição de dominado, tão menos o intelectual.
    O que perpetua nessa situação é o controle da elite sobre as classes inferiores , porém Gramsci considera que as classes dominadas só conseguiram mudar essa situação a partir do momento em que a educação tiver como objetivo a formação do homem omnilateral.

  47. Cassiana Lima Santos disse:

    A escola, para Gramsci, é um aparelho hegemônico usada para garantir o poder da classe dominante. Ele defende a ideia de uma escola unitária, com o objetivo de formar o homem omnilateral, ligando o trabalho intelectual ao trabalho manual. Dessa forma, o homem formação nessa perspectiva poderia causar uma transformação na sociedade e no mundo capitalista.

  48. Daniela Negrini disse:

    Segundo Gramsci, na civilização moderna, toda atividade prática tem a tendência a criar uma escola para os próprios dirigentes e especialistas e, portanto, a criar intelectuais especialistas de nível mais elevado, para ensinar nestas escolas.
    Ele pensava que a crise iria gerar uma escola única, de cultura geral, humanista, formativa, que iria equilibrar os desenvolvimentos da capacidade de trabalhar manualmente e do trabalho intelectual. Através de repetidas experiências de orientação profissional, passar-se-ia à uma escola especializada ou ao trabalho produtivo.
    A escola unitária ou de formação humanista (no seu sentido mais amplo) ou de cultura geral, deve levar o jovem a um certo grau de maturidade, capacidade, criação intelectual e prática e uma certa autonomia na orientação e na iniciativa para inserí- los na atividade social.Uma escola ao ar livre e o desenvolvimento das atividades escolares espontâneas.
    Ele acreditava que somente a educação pública pode envolver todas as gerações, sem divisões de grupos ou castas.Ao invés do ensino profissional, do adestramento do operário e de se fazer frente à introdução de novas máquinas como dita a proposta burguesa, Gramsci deixa-nos a proposta do Ensino Unitário, do ensino Teórico e Prático e da Plenitude do desenvolvimento humano.

  49. Juliane Marigo de Lima disse:

    Gramsci considera a escola como um aparelho hegemônico a favor da classe dominante, uma vez que permite que ela exerça o domínio sobre a classe dominada através da alienação. Desta forma, ele propõe a escola unitária em que o objetivo é formar o homem unilateral, que associe o trabalho intelectual com o manual, e assim tenha a sua formação na base da ação para a transformação social, deixando de ser alienado e dominado pela classe dominante e o Estado.

  50. Lilian Prado disse:

    Gramsci é pontual a respeito da escola, bem como do partido e da
    questão econômica como uma determinação central da sociedade. Conforme aponta, no
    sentido de denúncia, a diferenciação classista das escolas, umas, a maioria, para formar
    operários e outras para formar especialistas e dirigentes. No entanto, já se abre a
    possibilidade, por volta da década de 1930, de formação de dirigentes apenas técnicos, para
    as atividades jurídico-formais, ou seja, coloca-se um risco para a vida político-estatal, a
    formação de dirigentes com um mínimo de cultura que saiba apenas aplicar as soluções
    projetadas pelos especialistas, ou seja, já se apresenta a formação de técnicos-políticos, se
    assim pode-se dizer.
    A escola profissionalizante, também é criticada pelo
    autor como uma forma de enfatizar ou reforçar a divisão social do trabalho. Por outro lado,
    Gramsci compreende que em termos metodológicos e de formação, que todos precisam ter
    acesso à cultura dominante, a cultura socialmente construída, apropriada de maneira
    privada, que dê as devidas condições de todos serem dirigentes, ou melhor, de todos
    estarem em condições de assumirem funções de dirigentes.

  51. Samia disse:

    Segundo Gramsci, a educação é hegemônica, pois, faz com que a classe dominante sempre esteja acima da dominada, ou seja, a burguesia é detendora de todo o poder, se sobressaindo sempre, em todos os aspectos, perante as classes inferiores.
    Por isso, Gramsci defende uma escola unitária, em que o trabalho manual e intelectual estivessem juntos, em que a educação fosse omnilateral, a fim de proporcionar uma educação que tivesse como base ensinamentos sobre o senso crítico do indivíduo em relação as questões sociais e ao sistema capitalista.

  52. Ariadne C. Matos disse:

    A escola para Gramsci é um aparelho hegemônico, em que é usada para garantir o poder da classe dominante, ou seja, esta exerce o domínio sobre a classe dominada (classes inferiores) através da alienação.Neste contexto Gramsci propõe uma contra-hegemonia, onde defende a escola unitária, livre do poder do estado, igual para todos, em que o ensino seria para a formação do homem omnilateral,unindo o trabalho manual e o intelectual, formando um ser humano mais responsável e capaz de modificar a sociedade capitalista.

  53. Luana C. Dias disse:

    Gramsci analisa nos processos histórico-sociais, a formação e a importância dos intelectuais, desenvolvendo estudos sobre o Estado, aborda questões ligadas à literatura e à cultura em geral ou propõe estratégias de transição para o socialismo, para Gramsci a importância deste conceito é relevante à compreensão de seu pensamento e ainda afirma a necessidade de combater o economicismo na teoria e na prática política em uma luta que venha possibilitar o desenvolvimento do conceito de hegemonia.

  54. Gisele Santiago Lopes disse:

    Gramsci propõe uma escola onde os alunos façam, um trabalho intelectual, trabalhos manuais para que seja moldado um indivíduo responsável. Este considera a escola como um aparelho hegemônico a favor da classe dominante.

  55. Jorgeana disse:

    O filósofo italiano atribuía à escola a função de dar acesso à cultura das classes dominantes, para que todos pudessem ser cidadãos plenos.
    Alguns conceitos criados ou valorizados por Gramsci hoje são de uso corrente em várias partes do mundo. Um deles é o de cidadania. Foi ele quem trouxe à discussão pedagógica a conquista da cidadania como um objetivo da escola. Ela deveria ser orientada para o que o pensador chamou de elevação cultural das massas, ou seja, livrá-las de uma visão de mundo que, por se assentar em preconceitos e tabus, predispõe à interiorização acrítica da ideologia das classes dominantes.
    E ele deixa de herança para nós, o pensar, o ensinar, mas de uma maneira em que possamos passar para o aluno os conceitos, as experiências, pois quando o aluno toca, vê, sente o que vai aprender, ele jamais se esquecerá. E podemos em contrapartida, discutir, buscar ideias, contrapor opiniões, fazer com que essas crianças pensem, critiquem, só assim teremos uma nova geração.

  56. Patricia Carla Zarpelon disse:

    Para Gramsci, o princípio educacional é o trabalho (manual e intelectual). Ele destaca o trabalho como a chave do entendimento da atualidade.
    Gramsci nasceu no ano de 1891 e morre aos 46 anos no ano de 1937. No final do ano de 1926 é preso e permanece preso no sul da Itália até o final de 1927, ano que é transferido para Milão. Gramsci fica em uma prisão “especial”, onde se encontra mais pessoas com problemas de saúde. Durante o tempo que ficou preso, Gramsci escrevia o seu Caderno do Cárcere, entre o período de fevereiro de 1929 a agosto de 1935. No ano de 1960 esses cadernos começam a ganhar destaque no Brasil, mas logo são impedidos de serem publicados pelo Ato Institucional 5.
    A filosofia de Gramsci pretende unir teoria e prática. Para ele todos os homens são filósofos e todas as nossas ações são representadas por significações teóricas.
    A educação segundo Gramsci, deve elevar a pessoa do senso comum ao bom senso (consciência filosófica). O bom senso é a capacidade reflexiva do ser humano. A escola tem o papel de mostrar o conjunto de conceitos e valores que uma sociedade tem. A Educação deve disseminar a ideologia vigente e cabe a educação criticar essa ideologia. A Escola e a Educação devem investir na contra-ideologia (aquilo que não permite que as pessoas se realizem como autônomas). Gramsci prevê também a Escola Unitária, onde todas as pessoas tem direito de receber o seu processo de formação. Gramsci deseja também uma educação para o trabalho, para a cultura, onde as pessoas se integrem em todas as dimensões. É necessária uma educação de vivência, de reflexão e não uma educação institucional. Sua pedagogia não era uma pedagogia voltada para o “ter”, mas sim para uma educação de qualidade onde todos teriam direito.

  57. thaila de oliveira disse:

    Gramsci lutou até sua morte por uma escola voltada para o trabalho, unindo educação e trabalho formando a educação unitária em que os alunos sejam capazes de manusear livros quanto máquinas, sua perspectiva de educação pauta-se na evolução do senso comum ao bom senso humano, sendo a capacidade de ter consciência filosófica o que diferencia os homens dos animais irracionais, para ele todas as ações tem sentido, mesmo que seja uma ação inconsequente.
    Para ele a escola seria um local de hegemonia, pois a ideologia vigente é que seria ensinada, coagindo assim as camadas populares aos mandos sociais dominantes, mas ao mesmo tempo essa escola deve apresentar as demais ideologias e propor criticas a vigente, de forma que leve o educando ao senso critico

  58. Bete disse:

    A hegemonia, termo criado por Gramsci, é um conceito ideológico no qual uma classe social domina outra por meio de pensamentos culturais e políticos. Para o filósofo a Educação é um dos caminhos para superação de todo e qualquer tipo de dominação. Para tanto o Ensino deve ser único, igual para todos e público (como garantia de acesso a todos a essa instituição).Desse modo, o ser dominado, e com acesso à Educação, passa a ter consciência de sua situação (de dominado pela classe dominante) w modificar-se, se assim o desejar.

  59. Emanuelle Zanchetta Borges disse:

    A classe dominante exerce poder sobre outros grupos, através da hegemonia. Assim a hegemonia para Gramsci ocorre quando um grupo impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos. Gramsci acreditava que qualquer que seja o grupo ele pode exercer poder através do Estado, desenvolvendo seu poder intelectual. Gramsci propõe uma escola onde o trabalho intelectual e o manual estão relacionados para que ocorra a formação omnilateral.

  60. Mayara Rocha disse:

    A educação para Gramsci tinha como objetivo elevar as pessoas do senso comum ao bom senso, à consciência filosófica e a conscientização crítica. E a escola é uma mediação para que essa ideologia seja seminada. Gramsci propõe uma escola unitária, onde tudo o que os alunos forem aprender, como a filosofia, as artes, a ciência, etc., devem ser unificadas, devem ser trabalhadas juntas, e todos devem ter o direito de participar, deve-se integrar todas as pessoas para que todos participem da transmissão de todo conteúdo armazenado pela ideologia. A educação não deve ser instrucional, mas de vivência, em uma didática emancipatória.

  61. Elisa Pavani de Oliveira disse:

    De acordo com Gramsci, é tarefa fundamental da educação fazer com que o indivíduo supere o seu saber comum à um pensamento reflexivo, filosófico, perante à realidade que está inserido. É importante que a escola não prenda-se a um conceito segmentado como forma de aplicação dos conteúdos, mas sim desenvolva um trabalho de forma que una todas as disciplinas e conhecimentos, priorizando também a participação de todo e qualquer indivíduo.

  62. Mariana disse:

    Segundo Gramsci a escola é um aparelho hegemônico a favor da classe dominante, uma vez que permite que ela opera sobre a classe dominada por meio da alienação. Sendo assim, Gramsci propõe uma contra-hegemonia, onde defende a escola unitária, livre do poder do estado, em que o ensino seria para a formação do homem omnilateral,unindo o trabalho manual e o intelectual. Uma escola que não seja profissionalizante, mas sim aberta, humanista e culta.

  63. Poliana Billar Elios Aniceto disse:

    Para Gramsci, a educação era um meio utilizado pelo Estado
    para manter a hegemonia da classe burguesa. Esta tinha a função de preparar os indivíduos para as necessidades e exigências do mercado . Contestando essa situação , o pensador propõe algo que Valentino Gerratana denomina como “hegemonia alternativa”, experiência na qual a educação ganha o papel de emancipação humana e de formação de um novo homem , com o intuito de se fundar uma nova sociedade.

  64. Patrícia Santos disse:

    Gramsci vê a hegemonia como uma ferramenta política para o domínio das classes dominantes: por meio da educação, religião, cultura, essa classe procura “naturalizar” as relações desiguais da sociedade capitalista. A proposta de uma escola unitária, que ofereça a mesma educação para todas as classes sociais, desenvolvendo a capacidade de trabalho manual e intelectual, oferecendo a esses alunos a oportunidade de se obter a emancipação humana. Segundo o autor, essa concepção de educação poderá trazer às grandes massas a consciência das relações de poder e a capacidade de lutar por mudanças na sociedade.

  65. Deise Scardelato disse:

    Para Gramsci a sociedade é o lugar onde se vivem as relações da vida material e da vida ideológica, ou seja, é o lugar onde se vivem as relações de produção e também de cultura, de pedagogia e de filosofia. É o lugar da construção de uma hegemonia. É o espaço pelo qual a classe dominante obtém o poder em torno de seus objetivos e pode, assim, exercer a direção política. Entretanto é o lugar, também, da construção de uma contra-hegemonia a essa classe burguesa, as classes antagônicas que representam o proletariado em lula por projetos distintos. A luta pela consolidação de uma contra-hegemonia burguesa caracteriza a passagem do senso comum à filosofia; a passagem de uma interpretação inconsciente, fragmentada e mecânica da realidade a uma concepção de mundo consciente, elaborada, original, uma cultura não-burguesa e sim proletária.

  66. Viviane Borges disse:

    Para Gramsci a escola instrumento hegemônico usado para afirmar o poder da classe dominante. Gramsci considera que as classes dominadas só conseguiram mudar essa situação a partir do momento em que a educação tiver como objetivo a formação do homem omnilateral e assim propõe uma contra-hegemonia defendendo a escola unitária. A formação capaz de transformar a sociedade liga o trabalho intelectual ao trabalho manual .

  67. Annelize dos Santos Martins disse:

    Para Gramsci, hegemonia cultural é a relação de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade. O domínio se caracteriza por dois elementos: força e consenso. A força é exercida pelas instituições políticas e jurídicas e pelo controle do aparato policial-militar. O consenso diz respeito sobretudo à cultura: trata-se de uma liderança ideológica conquistada entre a maioria da sociedade e formada por um conjunto de valores morais e regras de comportamento. Segundo Gramsci, “toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”, isto é, de aprendizado, e esta é obtida por meio de uma luta “de direções contrastantes, primeiro no campo da ética, depois no da política”. Para Gramsci, a função do intelectual (e da escola) é mediar uma tomada de consciência (do aluno) que passa pelo autoconhecimento individual e implica reconhecer, nas palavras do pensador, “o próprio valor histórico”.
    A educação para ele, desempenha um papel fundamental tanto na consolidação da hegemonia como na formulação da contra-hegemonia. A consolidação da hegemonia é exercida essencialmente em nível da cultura e da ideologia. O sistema educacional se constitui num dos canais onde se dá a produção e a difusão da ideologia. Nesse sentido, “a escola é o instrumento para formar intelectuais de vários níveis”.

  68. Valeria Paes disse:

    A questão central dos textos deste módulo é sobre a Escola de Gramsci. Para Gramsci à escola tem função de dar acesso à cultura das classes dominantes para que assim todos se tornem cidadãos plenos, pois um dos conceitos mais valorizados para ele é o de cidadania, devemos lembrar que segundo Gramsci é necessário primeiro conquistar as mentes, depois o poder. O modelo de escola proposto por Gramsci é o de escola unitária, que teria como princípio educativo o trabalho e seria fundada na união entre trabalho manual e intelectual, ou seja, Gramsci propõe a escola única – instituição que formará os indivíduos tanto para o trabalho manual quanto intelectualmente, fazendo surgir o homem omnilateral.

  69. Erika Caroline Maia disse:

    Gramsci defende uma escola para todos, igualitária, em que resgata a classe dominada do senso comum e coloca no mesmo patamar que a classe dominante.

  70. Rafaela disse:

    Gramsci era seguidor da doutrina marxista, defendia a escola como um instrumento fundamental para a disseminação do conhecimento para o proletariado. À Gramsci interessa a construção de uma nova sociedade, sem exploradores nem explorados, com a possibilidade de existirem seres humanos integrais, marcados pela onilateralidade. Gramsci era um criador de cultura, sobressaindo a escola como objeto de suas reflexões. Para Gramsci, era através da escola informal, do que o indivíduo absorveria da sociedade e das experiências vividas, que formaria seus critérios, seu caráter, ou seja, se educaria, já que passaria apenas uma parte de sua vida na escola formal e a maior parte na informal.

  71. Gleicer Correia disse:

    Para Antonio Gramsci, a escola não era algo para além da sociedade. Portanto, para entendê-la, seria necessário estudar os demais setores da sociedade.
    Segundo ele, a hegemonia acontece em sociedades que divididas em classes, e é uma ferramenta para que a classe burguesa exerça seu domínio. Dessa forma, a educação torna-se, numa sociedade capitalista, instrumento para que a ideologia da classe dominante perpetue. Para tanto, Gramsci propõe um modelo de escola, chamado “Escola Unitária”, que contemplaria a formação omnilateral, trabalho como princípio educativo e não divergência entre o manual e o intelectual.

  72. Geisinara Fernanda B. Dias disse:

    Antonio Gramsci foi uma das referências essenciais do pensamento de esquerda no século 20, co-fundador do Partido Comunista Italiano. Hegemonia significa, para Gramsci, a relação de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade, sendo que o domínio se caracteriza por dois elementos: força (exercida pelas instituições políticas e jurídicas e pelo controle do aparato policial-militar) e consenso (trata-se de uma liderança ideológica conquistada entre a maioria da sociedade e formada por um conjunto de valores morais e regras de comportamento). De acordo com Gramsci: “toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”. Segundo Gramsci, a hegemonia é obtida por meio de uma luta “de direções contrastantes, primeiro no campo da ética, depois no da política”, ou seja, é necessário primeiro conquistar as mentes, depois o poder. O filósofo italiano atribuía à escola a função de dar acesso à cultura das classes dominantes, para que todos pudessem ser cidadãos plenos. Suas noções de pedagogia crítica e instrução popular foram teorizadas e praticadas décadas mais tarde por Paulo Freire no Brasil. Gramsci desacreditava de uma tomada do poder que não fosse precedida por mudanças de mentalidade. Para ele, os agentes principais dessas mudanças seriam os intelectuais e um dos seus instrumentos mais importantes, para a conquista da cidadania, seria a escola. A função do intelectual (e da escola), discutido por Gramsci, é mediar uma tomada de consciência que passa pelo autoconhecimento individual e implica reconhecer, nas palavras do pensador, “o próprio valor histórico”.

  73. João Theodoro disse:

    Gramsci acreditava na Escola Unitária, na qual o esforço de consenso contruíria a comunidade, todos devem participar criando autononia para criticar os valores impostos e disseminados pela hegemonia orgânica que é estabelecida pela mídia e pelo aparelho do Estado, criando-se assim uma contra-ideologia e uma formação para que todos os homens tenham educação para o trabalho, cultura e para o espaço social, evitando a hierarquização da mesma. Contrária a essa escola tecnicista vista atualmente na sociedade, de caráter mecânico e autoritário, a escola de Gramsci parte da vivência e não pela instrução, importa-se primeiramente pelas experiências para se chegar na formação política considerada também como consciência filosófica que norteará a prática.

  74. Elisa Rincon disse:

    Gramsci concebia a escola como um Aparelho Hegemônico do Estado, utilizando este como controlador do estado. Ele defende que a escola unitária, que seja comandada pelo proletariado, a educação oferecida por essa escola vai contra o princípio da hegemonia imposta pelo Estado. Na Escola unitária defende que a formação do ser humano seja completa, tendo o trabalho intelectual e manual como princípio educativo, tornando o individuo autônomo, responsável, capaz de desenvolver sua consciência moral e social, a formação oferecida por essa educação é denominada Formação Omnilateral.

  75. Edinaldo Nascimento disse:

    A educação vista por Antônio Gramsci como um aparelho hegemônico de formação do homem capacitado a criticidade e domínio intelectual, estaria somando ao indivíduo habilidades de autoconhecimento e superação dos entraves culturais, sociais e intelectuais. Entretanto, para ele, esta hegemonia dominada pela classe burguesa teria de sofrer a imposição construída pela escola a todos e sem exceção de uma contra-hegemonia, cujo objetivo se pautaria na formação do homem livre e capaz, então, de desenvolver o trabalho manual e intelectual. Após a descoberta e tradução dos “Cadernos do Cárcere” escritos por Gramsci, como seu seguidor, Paulo Freire concretizou as reflexões, no Brasil, do pensador italiano em suas teoria e prática pedagógicas.

  76. Amanda Amaral Perles disse:

    Gramsci coloca a escola como um aparelho hegemônico que impõe na sociedade a ideologia da classe dominante. Entretanto, para ele a escola também é o local onde se é possível criar uma contra-hegemonia. Assim, a escola deve ter uma educação unitária, onde se deva unir trabalho e educação para proporcionar uma formação integral ao homem. Esta educação deve levar a pessoa do senso comum ao bom senso, proporcionando consciência filosófica e assim apresentar e atribuir conceitos e valores que devem estar presente na sociedade.

  77. EVELINE GIMENES disse:

    Para Gramsci o Estado é o principal foco de divisão da sociedade, separando a sociedade em classe burguesa e proletariado, colocando-o como centro da discriminação e da expansão do poder sobre os mais fracos. nos textos lidos podemos perceber que Gramsci, almeja uma nova sociedade com a educação voltada educação para a classe operária Essa transformação ocorreria por meio da escola unitária, onde o trabalho intelectual e o trabalho manual se relacionam criando uma nova perspectiva de educação ou seja uma educação omnilateral. Paulo Feire baseou sua teoria e metodologia pautado nas obras de Gramsci disseminando a escola igualitária.

  78. O filosofo Gramsci descreve a diferença de classes presente na sociedade, ele considera o Estado como instrumento para a expansão do poder da classe dominante através da hegemonia. Compreendendo-a quando um grupo impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos, no caso a burguesia sobre o proletariado. Percebemos que em diversas vezes a escola é utilizada como massa de manobra da massa dominante onde implanta seu sistema de crenças, seus valores culturais, sociais e morais. Gramsci em sua luta sugere um novo conceito de sociedade pautado nas necessidades do proletariado, desenvolvendo seu poder intelectual e sua capacidade da classe operária.

  79. Angela Davanzo disse:

    Antonio Gramsci (22 de janeiro de 1891 a 27 de abril de 1937, Roma, Itália)
    O jornalista, crítico literário e político, percorreu nos campos escolares de tradição marxismos, marxismo ocidental, bolchevismos e marxismo cultural. Mantinham seus principais interesses na política, história, sociologia e na literatura. Destacando em si suas mais ilustres e notáveis ideias pela filosofia de práxis, hegemonia, intelectualidades orgânico e tradicional, mantinham-se em grupos subalternos, guerra de movimentos e posições. O moderno príncipe, atribuía crítica ao marxismos mecanicistas, atuando na oposição dialética entre senso-comum e alta cultura.
    Para ele, a temática pedagógica ocupa indiscutivelmente um lugar central na prática e no pensamento gramsciano, a educação emergindo como um instrumento necessário à luta entre as classes sociais pelo exercício do poder, ou pela hegemonia.
    Segundo o crítico, o conceito hegemonia é apresentado em toda sua plenitude, como uma ação que atinge não apenas a estrutura econômica e a organização política da sociedade, mas também age sobre o modo de pensar, de conhecer e sobre as orientações ideológicas e culturais. No sentido que as relações hegemônicas são pedagógicas, desempenhando uma função formadora da consciência crítica, de meio de formação de uma nova cultura e de fonte de emancipação política para as classes dominadas. É no âmbito da luta de classes que se renova o significado da educação, da qual, se destaca como uma mediadora entre as instâncias: Educação versus hegemonia.

  80. Danny Hellen disse:

    Para Gramsci a escola seria um local de Hegemonia, a Educação deveria unir teoria e prática. Levando o ser humano a uma capacidade reflexiva. A Escola Unitária seria o local onde todos trabalham o manual e o intelectual. Com educação de qualidade para todos, pautando-se para a evolução do senso comum para a consciência filosófica. Não desvalorizando o manual, pois assim as pessoas trabalhariam juntas para a humanidade. Todas as ações tem sentido, mesmo que seja inconsciente.

  81. Aruana Menegasso disse:

    Gramsci defendia um modelo de escola “Unitária, nesta os indivíduos teriam uma formação que trabalharia com o principio educativo e contemplaria a formação omnilateral. Segundo Gramsci o hegemonia era uma ferramenta usada para o domínio das classes dominantes, por isso era uma ferramenta política. Esse domínio ocorria por meio da educação, procurando fazer com que as relações desiguais da sociedade capitalista se tornassem naturais. Decorrente a essa realidade é que Gramsci sugeria “Escola Unitária”, pois esta ofereceria a mesma educação para todos independente de classes sociais, fazendo com que se desenvolvesse a capacidade do trabalho manual e intelectual.

  82. Raiza Oliveira disse:

    Para Framsci, a educação para desempenha um papel fundamental tanto na consolidação e manutenção da hegemonia pela classe dominante, como também uma ferramente que pode ser usada a favor da formulação de uma contra-hegemonia.
    A escola, assim como outras instituições da vida em sociedade, se ajuda a consolidar a hegemonia imposta pelas classes dominantes (privado e Estado), sendo que essa hegemonia se exerce principalmente no que diz respeito à cultura e à ideologia, fazendo com que as pessoas ali “formadas” estejam aptas a auxiliar na manutenção dessa hegemonia, em favor de poucos.
    Porém, se utilizado de maneira diferenciada, o espaço escolar pode proporcionar uma formação integral ao sujeito, permitindo que sua consciência vá além de seus interesses individuais e de classe, fazendo com que ele passe a defender e pensar de forma contrária a manutenção dessa hegemonia (contra-hegemonia), mas dificilmente essa formação se dará apenas na escola, principalmente na escola que hoje predomina.
    Sendo assim, a escola deveria unir cultura, ideologia, conhecimento, prática e trabalho, na busca por uma formação plena do homem, como trabalhador e em sua consciência, desenvolvendo seu pensamento reflexivo.

  83. Raiza Oliveira disse:

    Para Gramsci, a educação desempenha um papel fundamental tanto na consolidação e manutenção da hegemonia pela classe dominante, como também uma ferramente que pode ser usada a favor da formulação de uma contra-hegemonia.
    A escola, assim como outras instituições da vida em sociedade, ajuda a consolidar a hegemonia imposta pelas classes dominantes (privado e Estado), sendo que essa hegemonia se exerce principalmente no que diz respeito à cultura e à ideologia, fazendo com que as pessoas ali “formadas” estejam aptas a auxiliar na manutenção dessa hegemonia, em favor de poucos.
    Porém, se utilizado de maneira diferenciada, o espaço escolar pode proporcionar uma formação integral ao sujeito, permitindo que sua consciência vá além de seus interesses individuais e de classe, fazendo com que ele passe a defender e pensar de forma contrária a manutenção dessa hegemonia (contra-hegemonia), mas dificilmente essa formação se dará apenas na escola, principalmente na escola que hoje predomina.Sendo assim, a escola deveria unir cultura, ideologia, conhecimento, prática e trabalho, na busca por uma formação plena do homem, como trabalhador e em sua consciência, desenvolvendo seu pensamento reflexivo.

  84. Daysa Lourente disse:

    Para Gramsci, hegemonia é o domínio de uma classe social sobre as outras, em termos ideológicos, em especial da burguesia com as classes de trabalhadores, e etc.

  85. GISELE REGINA GUBOLIN NARDELLI disse:

    Gramsci defende a escola igualitária, colocando todas as classes num mesmo patamar.

  86. Beatriz Stefanie da Silva disse:

    Para Gramsci a escola é considerada como um aparelho hegemônico a favor da classe dominante, uma vez que permite que ela exerça o domínio sobre a classe dominada através da alienação.
    Ele apresenta então um novo formato pra educação, a “Escola Unitária” com concepções e objetivos diferentes do existente, assim, esse novo modelo teria como principal objetivo a formação do indivíduo omnilateral, essa escola tinha a intencionalidade de unir o trabalho manual e intelectual, por meio de um principio educativo, que seria o trabalho. E para que assim o indivíduo tivesse a sua formação na base da ação para a transformação social, deixando de ser alienado e dominado pela classe dominante e o Estado.

  87. silmara comino disse:

    A classe dominante detém os meios de produção e explora a classe dominada por meio de sua hegemonia econômica.
    Para Gramsci, a hegemonia cultural é a dominação ideológica e intelectual da classe dominante e ela é propagada pela escola, vista como aparelho hegemônico do Estado.
    Gramsci vai desenvolver um enfoque marxista alternativo do Estado, desta forma ele considera o Estado como instrumento para a expansão do poder da classe dominante e uma força repressiva que mantém os grupos subordinados.

  88. Andressa Parra disse:

    A questão central que é tratada neste espaço diz respeito a escola de Gramsci, que destaca a relação entre a Educação e a Hegemonia em Gramsci. O autor atribuía o acesso a cultura das classes que dominam, com a intensão de que todos pudessem ser cidadãos plenos, com uma formação íntegra para todos os indivíduos independente de sua classificação social, ou outro tipo de classificação. Sendo assim o individuo que mora no campo também terá a formação educacional, proporcionando o reconhecimento de sua identidade e suas próprias características, bem como a valorização de cada uma. Com isso, vemos a importância da adequação da escola no meio em que ela se encontra, até mesmo quando se trata de acampamentos e assentamento do Movimento dos Sem Terra, buscando assim uma sociedade mais igualitária mesmo que enfrente inúmeras dificuldades.

  89. Hayanne Zahra disse:

    Para Antonio Gramsci, a educação executa um papel muito importante tanto no que diz respeito à consolidação da hegemonia pela classe dominante (domínio de uma classe social sobre a sociedade) como também uma ferramenta que pode ser empregada em prol da formulação de uma contra-hegemonia. A consolidação da hegemonia atua em nível cultural e da ideologia. Para o filósofo, os principais agentes de mudanças de mentalidade seriam os intelectuais e a escola, principal instrumento para a conquista da sociedade. A função de ambas as partes é de interceder uma tomada de consciência – por parte do indivíduo/aluno – que passa pelo autoconhecimento individual que acarreta compreender e reconhecer o seu valor histórico. A escola de Gramsci, ao contrário da escola tecnicista de atualmente, parte das experiências para se chegar à consciência filosófica que conduzirá a prática.

  90. Noemi disse:

    Na educação, Gramsci presa o princípio da ominilateralidade, criticando, por exemplo, a mecanização do homem. É aí que surge uma problemática: se a escola faz parte da hegemonia da classe dominante, já que o Estado, que não é neutro, é responsável pela educação, como garantir um ensino que seja capaz de transmitir todo e qualquer tipo de conhecimento sem imposição de valores, ideias ou cultura?
    Gramsci vai desenvolver um enfoque marxista alternativo do Estado, desta forma ele considera o Estado como instrumento para a expansão do poder da classe dominante e uma força repressiva que mantém os grupos subordinados. Sendo assim, ele compreende a hegemonia como sendo predomínio ideológico das classes dominantes sobre os trabalhadores (classe dominada) na sociedade civil.
    Portanto, a classe dominante exerce a hegemonia através da sociedade civil e a dominação através do Estado, mas Gramsci acredita que a classe operária também pode exercer seu poder através do Estado, a partir do desenvolvimento de sua consciência e de seu poder intelectual, promovendo assim um novo conceito de sociedade.
    O modelo de escola proposto por Gramsci dentro desse contexto é a escola unitária, que teria como princípio educativo o trabalho e seria fundada na união entre trabalho manual e intelectual. Desse modo, garantir-se-ia o mesmo preparo para todos os indivíduos, que teriam as mesmas oportunidades profissionais. Dentro dessa proposta, ele também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a autoeducação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe trabalhadora, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução.

  91. Beatriz Rincão disse:

    Como a burguesia é a classe dominante, a mesma acaba exercendo um poder maior sobre outros grupos, atrás da hegemonia. Segundo Gramsci, a hegemonia só ocorre quando um grupo impõe sua concepção de mundo sobre os outros. Sendo assim ele acredita que qualquer grupo pode exercecer o seu poder através do Estado, desenvolvendo o que chamamos de poder intelectual. Gramsci acreditava que a escola tinha que ser unitária, ou seja juntar o trabalho manual com o intelectual, dando uma formação omnilateral. Portanto, com essa formação qualquer grupo poderia exercecer sua hegemonia.

  92. Mylena Pereira disse:

    O que podemos perceber neste módulo 10 na percepção de Gramsci é que a educação é baseada em um aparelho hegemônico da mesma forma que a igreja e a imprensa também são. Sendo assim as instituições da sociedade civil transmitem sua cultura por base de uma classe dominante impondo suas ideologias por meio da alienação do indivíduo. Contrapondo o que acontece na sociedade civil, a escola sendo um aparelho hegemônico, Gamsci defende uma escola unitária como forma de transformação social, que prepare o indivíduo com suas limitações e qualidades profissionais. Ele propõe também a fusão do ensino tecnológico e profissional com a formação intelectual, entendendo a indissociabilidade de trabalho manual e intelectual. O pressuposto essencial é a formação da onilateralidade humana elevando o grau de maturidade. Desta forma participando irá criar autononia para criticar os valores impostos e disseminados pela hegemonia orgânica que é estabelecida pela mídia e pelo aparelho do Estado.

  93. Daniela Alves disse:

    Gramsci vê a relação entre Educação e Hegemonia, sendo como uma ideologia em que o Estado só valoriza a classe dominante e que se impõe aos trabalhadores na sociedade capitalista. Para a sociedade trabalhadora exercer seu poder na sociedade seria preciso fazer uma revolução e desenvolver neles a ideia da consciência plena dos seus direitos, assim Gramsci promove a ideia de escola única que envolve o trabalho manual e intelectual, deixando as divisões de classes e desenvolver uma hegemonia mais justa.
    A hegemonia na sociedade capitalista visa a educação como símbolo de naturalização, mas a educação deveria ser única, igualitária e pública e a formação deveria atender a todas as necessidades e as áreas de conhecimento. Por fim se quisermos a ideologia de Gramsci, teremos que promover uma revolução na sociedade capitalista.

  94. Nayara Koseki disse:

    Antonio Gramsci trabalha a Educação a partir da dialética, compreendendo a escola como um Aparelho Hegemônico do Estado. Para ele, a hegemonia é um dos fato político que ocorria entre a sociedade de classes, onde um grupo pode exercer o seu poder através do Estado, impondo sua concepção de mundo, sobre os outros grupos. Um exemplo que ele mostra é a burguesia que exercia seu domínio através da hegemonia, enquanto os explorados se conformavam com a sua condição. Portanto, ele defende uma escola unitária, na qual traga como principio educativo o trabalho manual e intelectual, dando aos indivíduos uma Formação Omnilateral.

  95. Fernanda Rissardi disse:

    De acordo com Gramsci, a instituição escolar ensina conceitos no intuito de que sua hegemonia se perpetue e que a classe dominada (indivíduos com menor poder aquisitivo) não possa enxergar de forma crítica os valores impostos pelos dominadores, assim sendo, não há revolução. Com Escola Unitária, defendida por Gramsci, promove-se a formação do homem em sua totalidade, aliando trabalho manual e intelectual a fim de que os dominados notem os valores impostos pelos dominadores e deixem de ser alienados, promovendo a revolução.

  96. Wanderléa Esteves disse:

    Para Gramsci a sociedade é compreendida como um todo, portanto não deveria ser estudada de forma isolada.
    O objetivo da educação para ele era de tirar as pessoas do senso comum para a consciência filosófica e à conscientização crítica. A escola serviria de mediação para disseminar essa ideologia.
    Gramsci defendia um modelo de escola Unitária, onde os alunos teriam uma formação que trabalharia com o principio educativo e contemplaria a formação omnilateral. A escola teria, dentro desta perspectiva, o papel de unificar trabalho intelectual e manual, proporcionando a formação do homem completo (omnilateral), dando condição à classe operária para se desenvolver plenamente dentro da sociedade.
    Com esse modelo de escola, queria extirpar a hegemonia, que era usada como uma ferramenta para o domínio das classes dominantes.

  97. Para Antonio Gramsci a educação é de importância fundamental para a hegemonia e manutenção do poder pelas classes dominantes no sistema capitalista. Pois influenciando na elaboração de uma política educacional e de uma ideologia que atenda aos interesses das elites sociais, econômicas e políticas para assim tornar submissa a classe trabalhadora ou assalariada oferecendo educação pública para a formação de cidadãos (indivíduo omnilateral) plenos e conscientes de seus deveres e direitos sociais.

  98. Ludmila Lidiane Liduenha disse:

    Gramsci considera a hegemonia como o predomínio da ideologia burguesa (classe dominante) sobre a classe subalterna na sociedade civil. Essa ideologia é propagada na sociedade através do Estado.O estado, portanto, é hegemônico, ele se impõe sobre os aspectos políticos, econômicos e ideológicos.
    Nesse sentindo a escola tem a função de difundir a concepção de mundo da classe dominante sob os demais grupos sociais dominados. Os aparelhos hegemônicos dos Estado impõe sua ideologia como universal. Gramsci vai além ao dizer que o popel do estado entava em ser um aparelho de hegemonia da classe dominante.
    Gramsci vai analisar a função dos intelectuais na educação, o que eles estão difundindo, pois são ideias que são suporte para a hegemonia das classes dominates, a ordem da sociedade. Canoy apresenta dois tipos de hegemonia do conceito gramsciano, sendo o primeiro aquele em que o processo na sociedade civil pelo qual a classe dominate exerce controle moral e intelectual, sobre as outras frações que lhes são aliadas.
    E o segundo está entre as classes dominantes e as classes dominadas.
    Os aparelhos hegemônicos dos Estado impõe sua ideologia como universal. Gramsci vai além ao dizer que o popel do estado entava em ser um aparelho de hegemonia da classe dominante. Desse modo, seria garantido o mesmo preparo para todos os indivíduos, oferecendo as mesmas oportunidades profissionais. Gramsci também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a auto-educação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação humana em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe proletária, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução, exigindo seus direitos e igualdade.

  99. Vera Lucia Vançan disse:

    Gramsci refere-se à Hegemonia como a relação de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade. As características desse domínio , segundo Gramsci, é a força, exercida pelas instituições políticas, jurídicas e pelo controle do aparato policial-militar, e consenso, relacionado principalmente à cultura, uma liderança ideológica conquistada entre a maioria da sociedade e formada por um conjunto de valores morais e regras de comportamento. Segundo Gramsci, “toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”. É alcançada através do conflito de direções que se opõem, primeiro no âmbito da ética, depois no da política. Sendo assim, faz-se necessário conquistar a mente primeiramente, e depois o poder.
    Para Gramsci, a escola e demais instituições da sociedade civil devem auxiliar na construção de uma nova estrutura social, através de uma educação emancipatória, que proporcione a todos os homens o conhecimento. Para ele, o papel da escola não é modelar pessoas e nem transmitir conhecimentos, mas sim produzir uma consciência verdadeira, crítica e autônoma. Para que isso aconteça é necessário que o sujeito passe pelo estranhamento diante daquilo que está colocado, compreendendo a educação como um protesto contra a adaptação e o conformismo. Defendia a educação gratuita de qualidade para todos, assim como a combinação dela com o trabalho produtivo. Acreditava na educação como capaz de acabar com a divisão entre trabalhadores e intelectuais. Defendia uma escola em que os indivíduos tivessem liberdade de iniciativa e não fossem obrigados a seguir caminhos pré estabelecidos.

  100. Marieli Bianchi disse:

    Para Gramsci a hegemonia relaciona diretamente no domínio e influências por determinada parte da classe social sobre a socidade. Os objetivos e interesses da educação escolar no capitalismo segue de acordo com os dominantes, utilizando como ferramenta para a sua manutenção dos valores culturais e ideológicos impondo-se as demais classes.
    Gramsci defende a educação na totalidade por meio da escola unitária promovendo a formação do homem em todos os seus aspectos articulados ao trabalho manual e intelectual proporcionando a sgnificação e o sentido das atividades empreendidas estabelecendo a consciência à contra- hegemonia, a não dominação por meio do real conhecimento. Defendia a escola igualitária e de qualidade para todos em que os individuos se sentissem livres para tomarem inciativas e não mais obrigados a se submeterem a conceitos e crenças, valores pré estabelecidos e assim de fato a escola seria o local de formar o homem em sua Omniteralidade.

  101. Jacqueline disse:

    Nos textos estudados na disciplina, eles destacam que Gramsci vê a figura do Estado como o principal foco de divisão da sociedade, em relação com a classe burguesa e do proletariado, colocando-o como centro da discriminação e da expansão do poder em cima dos mais fracos. Através de seus pensamentos Gramsci, nos mostra um novo conceito de sociedade baseada na construção de uma nova educação para a classe operária, sendo que é necessário a construção de uma nova sociedade. Essa transformação só se daria através de uma escola unitária, onde o trabalho intelectual e o trabalho manual se entrelaçam criando uma nova visão do homem em relação a sua condição de vida imposta pela burguesia apoiando-se no poder do Estado.

  102. Flávia Grasieli Mendes disse:

    Gramsci defende que a educação deve ser Unitária, ou seja, deve oferecer meios para a formação escolar e intelectual dos indivíduos de modo que os conceitos de hegemonia em que uma classe é dominante sobre a outra, venham ser rompidos e os trabalhadores possam ter voz perante a sociedade e possam receber uma formação que os comtemplem por inteiro, formando-os de maneira omnilateral.

  103. Luany Pyetra disse:

    Analisando a relação Educação e Hegemonia para Gramsci,podemos destacar que a hegemonia que se trata é uma determinada classe social exercer domínio sobre toda a sociedade,impondo a sua ideologia.E a escola se torna o principal meio de fixar essa hegemonia.Por isso Gramsci defende a escola unitária,em que deve-se ser de direitos igualitários em que interligasse o trabalho e a educação,e fazendo com que fossem indivíduos íntegros.

  104. Bruna Belluci disse:

    A escola segundo na concepção de Gramsci é parte de um conjunto de aparelhos e ferramentas do Estado, visto que ela sempre impõe a ideologia da classe dominante.Quando pensamos na sociedade capitalista a escola é uma das formas da burguesia exercer seu controle sobre a sociedade.Gramsci diferentemente de Marx, propõe que a sociedade faz parte da superestrutura e o Estado se estende por todos os setores dessa sociedade. O estado, portanto, é hegemônico, ele se impõe sobre os aspectos políticos, econômicos e ideológicos.Assim a escola tem a função de difundir a concepção de classe dominante e dominada.

  105. Camila Pavaneli disse:

    A hegemonia para Gramsci significa a relação que uma classe social dominante tem sobre o conjunto da sociedade.A escola passa a ter um papel de mediar tomada de consciência. Por isso, a escola tem que ser unitária, juntando o trabalho manual e intelectual, dando uma formação omnilateral. A educação desempenha, portanto, um papel fundamental na consolidação e manutenção da hegemonia pela classe dominante, mas também pode ser utilizada como ferramenta a favor de uma contra-hegemonia.

  106. Marina Martins disse:

    Gramsci entende a educação como um elemento que está vinculado à sociedade, ou seja , está articulada com a economia e com a política vigente. De acordo com as correntes teóricas marxistas o Estado é o aparelho governamental que tem como função verdadeira a repressão das massas, deste modo só pode ser manipulado pela classe dominante.
    Sendo a escola uma das instituições do Estado, ela não se diferencia das outras instituições estatais e traz em sua essência o pensamento da Hegemonia ideológica.
    A imposição da ideologia da classe dominante como verdade geral. As ideologias podem ser impostas de dois modos: Por meio de um processo de dominação coercitivo, ou seja por meio das políticas e das ações dos “patrões”que em todos os seus aspectos oprimem o trabalhador .
    Ou por meio da persuasão, este tipo de violência é simbólica, ou seja, aparece de modo velado, entretanto não menos devastador ou violento.
    A escola é também um espaço onde a classe trabalhadora é submetida a hegemonia ideológica da classe burguesa.
    A Ideología Hegemônica está presente nas infraestruturas:

    • Meios de Comunicação
    • Escola
    • Organização Familiar
    • Organização religiosa.

    Todos os aparelhos do estado formam o sistema total. Chamado por Gramisci de Bloco Histórico, a união de todos os aparelhos ideológicos e a persuasão pela hegemonia ideológica. Cada meio, cada infraestrutura representa uma ideologia sobre o trabalhador, o aluno. Assim a escola é uma dessas, e como sua função capitalsita designa tem o controle da massa e o poder de conduzir a ideologia.
    A escola apresenta-se como instrumento importante de “conformação” dos trabalhadores ao sistema capitalista.Ação Pedagógica é ação política

    Gramisci também afirma existir uma ilusão de harmonia social, parece que todos tem liberdade e os aparelhos do estado são feitos para contribuir com a vida do trabalhador, no entanto, todos tem uma função social que está ligado ao sistema que vivemos. A escola para Gramisci deveria formar um indivíduo de forma integral considerando suas potencialidades e possibilitando o conhecimento de todas as áreas do conhecimento.

  107. Pollyana Machado disse:

    Gramsci defende a ideia que a hegemonia é um fato político que só ocorreria entre sociedade de classes. Para ele, um grupo dominante, como a burguesia, impõe sua concepção de mundo sobre outros grupos,tornando-se hegemônico. Resta aos explorados se conformarem com a sua condição.
    O princípio da omnilateralidade é defendido por Gramsci no campo da educação. Ele critica a mecanização do homem.
    Gramsci “acreditava nas qualidades intelectuais das massas e em sua capacidade para criar, elas mesmas, a hegemonia de sua classe, ao invés de verem isso feito em nome delas por um partido de vanguardas, de elite ou por uma elite burocrática responsável pelas teorias e táticas revolucionarias.”

  108. Angelica Camacho disse:

    Para Gramsci a hegemonia é um fator político que acontece entre a sociedade de classes, assim a escola é considerada um meio de alienação das pessoas, já que a escola faz parte de um dos aparelho hegêmonicos do Estado.
    Gramsci considera a escola como um instrumento hegemônico, pois a escola favorece a classe dominante, exercendo domínio sobre a classe dominada.
    Dessa forma Gramsci defende a criação de uma escola unitária, a partir de uma formação omnilateral dos indivíduos.

  109. Ana Claúdia disse:

    A escola segundo a concepção de Gramsci faz parte de um conjunto de aparelhos e ferramentas de coersão do Estado, uma vez que ela sempre impoe a ideologia da classe domiante. No caso da soceidade capitalista, a escola, portanto, é uma ferramenta para que a burguesia exerça seu controle sobre a sociedade.
    Gramsci tem uma ideia de Estado diferente da ideia de Marx, uma vez que para ele a sociedade faz parte da superestrutura e o Estado se estende por todos os setores dessa sociedade. O estado, portanto, é hegemônico, ele se impõe sobre os aspectos políticos, econômicos e ideológicos.

  110. Rebeca Gomes disse:

    Antônio Gramsci compreende o Estado como o conjunto de atividades através das quais a classe lider justifica e mantém sua dominação, assim como consegue obter o consenso ativo dos governados, principalmente, por meio dos aparelhos de hegemonia: igreja, escola, imprensa. Segunda Carnoy (2005) “a hegemonia compreende as tentativas bem sucedidas da classe dominante em usar sua liderança política, moral e intelectual para impor sua visão de mundo como inteiramente abrangente e universal, e para moldar os interesses e as necessidades dos grupos subordinados” (p.95).
    A partir da dialética da Educação, Gramsci compreende historicamente a escola como um aparelho de hegemonia. Porém, acredita que esse mesmo espaço possibilita a formação humana divergente em relação à direção hegemônica. Gramsci acreditava que a massa necessitava estar esclarecida, ter consciência e reagir em um momento de crise hegemônica da burguesia, que segundo o autor acima citado, “é resultado de atos impopulares das classes dirigentes”.
    Ele propõe a fusão do ensino tecnológico e profissional com a formação intelectual, entendendo a indissociabilidade de trabalho manual e intelectual. O pressuposto essencial é a formação da onilateralidade humana.

  111. Rebeca Gomes disse:

    Antônio Gramsci compreende o Estado como o conjunto de atividades através das quais a classe lider justifica e mantém sua dominação, assim como consegue obter o consenso ativo dos governados, principalmente, por meio dos aparelhos de hegemonia: igreja, escola, imprensa. Segunda Carnoy (2005) “a hegemonia compreende as tentativas bem sucedidas da classe dominante em usar sua liderança política, moral e intelectual para impor sua visão de mundo como inteiramente abrangente e universal, e para moldar os interesses e as necessidades dos grupos subordinados” (p.95).
    A partir da dialética da Educação, Gramsci compreende historicamente a escola como um aparelho de hegemonia. Porém, acredita que esse mesmo espaço possibilita a formação humana divergente em relação à direção hegemônica. Gramsci acreditava que a massa necessitava estar esclarecida, ter consciência e reagir em um momento de crise hegemônica da burguesia, que segundo o autor acima citado, “é resultado de atos impopulares das classes dirigentes”.
    Ele propõe a fusão do ensino tecnológico e profissional com a formação intelectual, entendendo a indissociabilidade de trabalho manual e intelectual. O pressuposto essencial é a formação da onilateralidade humana.

  112. Ana Régio disse:

    Este módulo explicita a relação entre Educação e Hegemonia em Gramsci, tal qual explicita ao afirmar que a escola deveria um aparelho hegemônico de formação do ser no sentido de capacitá-lo à criticidade e intelectualidade, estando apto à inserção nos meios culturais, sociais e intelectuais, o que não acontecia, já que a classe dominadora refletia o sistema capitalista que visava apenas a formação manual e intelectual no sentido de que cada classe social estivesse no seu devido lugar. Gramsci almejava uma escola em que se “obtivesse” o homem ominilateral, com todas as qualificações necessárias para o convívio pleno em sociedade, sem divisão de classes ou imposição de uma só vontade. Sua luta pautava-se na sugestão de um novo conceito de sociedade que atendesse às necessidades da classe proletária, desenvolvendo suas capacidades intelectual e manual.

  113. Ana Marta Gonçalves Regalo disse:

    Para Gramsci a escola é instrumento de manutenção da nossa sociedade. Ela que reforça as diferenças sociais e de poder. Para ele, a sociedade só mudará a partir do momento em que a escola se preocupe em formar um homem omnilateral.

  114. Ana Marta Gonçalves Regalo disse:

    Para Gramsci a escola é instrumento de manutenção da nossa sociedade. Ela que reforça as diferenças sociais e de poder. Para ele, a sociedade só mudará a partir do momento em que a escola se preocupe em formar um homem omnilateral. Nessa perspectiva, a escola deve ser igualitária, para qualquer classe social.

  115. Mecia disse:

    Gramsci foi quem melhor desenvolveu o conceito”hegemonia” e o define como: liderança cultural e ideólogica de uma classe sobre a outra; não se pode pensar a hegemonia sem luta de classes. O conceito contra hegemonia corresponde a interpretação do conceito hegemonia a partir da perspectiva crítica marxistas e representa a luta contra uma hegemonia estabelecida. Podemos considerar a escola como aparelho de hegemonia que reproduz o Estado Burguês e forma peças para o capital, bem como, ela pode propiciar a crítica e a consciência da necessidade de superá-lo. Ao ofertar uma educação de qualidade, uma formação integral, a escola possibilita uma formação humana eficaz, através da reforma intelectual e moral do indivíduo. Esse conhecerá o funcionamento da estrutura social, econômica e política e lutará para melhorá-la.

  116. maely disse:

    Para Gramsci, a educação escola é homogênea, assim como as igrejas e a imprensa. Ele defende que escola seja assim, pois sendo unitária formará o aluno com qualidades profissionais, introduzindo também em meio ao ensino intelectual, o ensino tecnológico e profissional. Sendo homogênea a sociedade, a educação seria única e igualitária. .

  117. Letícia Veste Correia disse:

    Gramsci concebia a escola como um aparelho hegemônico do Estado, defendendo uma escola igualitária, e que a educação oferecida por essa escola vá contra o princípio da hegemonia que é imposta pelo Estado, surgindo assim uma contra-ideologia e uma formação para que todos os homens tenham educação para o trabalho. Na Escola unitária há a defesa de uma formação completa do ser humano,tendo o trabalho intelectual e manual como princípio educativo, tornando o individuo autônomo, responsável e capaz de desenvolver sua consciência moral e social. À Gramsci interessa a construção de uma nova sociedade, sem exploradores e explorados, com a possibilidade de existirem seres humanos integrais. A formação oferecida por essa educação é denominada Formação Omnilateral.

  118. Adriane Paulino disse:

    Este módulo tem foco na Escola de Gramsci. O filósofo, cientista político, marxista, defendia a ideia de que a escola era um local de hegemonia, no qual a ideologia da classe dominante era imposta à sociedade. Todavia, ele também acreditava que a escola era o local onde a contra hegemonia deveria ser criada. Deste modo, a escola deveria ter uma educação unitária, onde a educação e o trabalho tinham que caminhar juntos para que os homens tivessem formação integral. Ou seja, para que o homem desenvolvesse o senso comum, sua educação deveria ser pautada no trabalho manual e intelectual.

  119. Letícia Gabriela de Oliveira disse:

    A leitura dos excertos de Gramsci nos permitem compreender a formação omnilateral do homem,ou seja , uma forma;cão integral, intelectual e manual, por meio da escola unitária, com o intuito de tornar o educando autônomo e não uma mera marionete nas mãos do Estado, cujas instituições manipulam e controlam as massas.

  120. Maiara Carnelossi disse:

    Analisando a sociedade sob o aspecto da hegemonia e educação de Gramsci é possivel perceber como ele analisa a educação de maneira omnilateral, ou seja, uma formação que acontece dentro da instituição de ensino, que por sinal, visa a formação da massa com maior poder aquisitivo que impõe suas ideologias ao restante da sociedade. Porém esse filósofo também dizia que a escola deveria ser o local onde a educação seria “completa” para todos e tivesse como intuito a formação integral, que nada mais é do que a formação que engloba educação e trabalho, destinada a grande parte da sociedade (classe baixa), fazendo com que esses se tornassem indivíduos formados integralmente e pensantes.

  121. Para Antonio Gramsci, a educação é de importância fundamental para a hegemonia e manutenção do poder pelas classes dominantes no sistema capitalista. Pois influenciando na elaboração de uma política educacional e de uma ideologia que atenda aos interesses da elite sociais, econômicas e políticas para assim tornar submissa a classe trabalhadora ou assalariada oferecendo educação pública para a formação de cidadãos (indivíduo omnilateral) plenos e conscientes de seus deveres e direitos sociais.

  122. janaine Braga Ramos disse:

    Apreende-se do pensamento de Gramsci quanto à Educação e à Hegemonia e a relação existente entre esses termos, devemos retomar alguns conceitos da teoria de Marx. Desse modo, é fundamental compreendermos o conceito de estrutura que Marx nos traz. Segundo esse conceito, a sociedade capitalista se organiza de acordo com as relações econômicas e materiais estabelecidas entre as classes sociais. A classe dominante detém os meios de produção e explora a classe dominada por meio de sua hegemonia econômica.
    Gramsci nos diz que não só a estrutura organiza a sociedade e provoca a exploração capitalista de uma classe sobre a outra, mas também a superestrutura. Este conceito tem como fundamento a hegemonia cultural. Para Gramsci, a hegemonia cultural é a dominação ideológica e intelectual da classe dominante e ela é perpetrada pela escola, vista como aparelho hegemônico do Estado. Desse modo, a escola impõe a visão de mundo burguesa como universal e molda os interesses da classe trabalhadora de acordo com seus próprios interesses, de modo a garantir a perpetuação de seu domínio econômico e hegemônico.
    Nesse sentido, Gramsci propõe o surgimento da contra-hegemonia dos trabalhadores, que se daria fora da escola (nos partidos políticos organizados por eles) e que faria surgir a guerra de posição, ou seja, o embate entre a hegemonia burguesa e a contra-hegemonia trabalhadora. O modelo de escola proposto por Gramsci dentro desse contexto é a escola unitária, que teria como princípio educativo o trabalho e seria fundada na união entre trabalho manual e intelectual. Desse modo, garantir-se-ia o mesmo preparo para todos os indivíduos, que teriam as mesmas oportunidades profissionais. Dentro dessa proposta, ele também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a auto-educação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe trabalhadora, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução.

  123. Thais Leite de Melo Rodrigues disse:

    Os aparelhos hegemônicos dos Estado impõe sua ideologia como universal. Gramsci vai além ao dizer que o popel do estado entava em ser um aparelho de hegemonia da classe dominante. Desse modo, seria garantido o mesmo preparo para todos os indivíduos, oferecendo as mesmas oportunidades profissionais. Gramsci também defendeu a necessidade de organização das instituições proletárias com o intuito de promover a auto-educação dos trabalhadores, que conduziria à sua emancipação humana em relação ao Estado capitalista por meio do surgimento de intelectuais dentro da classe proletária, que por sua vez defenderiam a transformação da sociedade capitalista por meio da revolução, exigindo seus direitos e igualdade.
    Para Gramsci a escola é considerada como um aparelho hegemônico a favor da classe dominante, uma vez que permite que ela exerça o domínio sobre a classe dominada através da alienação.Gramsci foi quem melhor desenvolveu o conceito”hegemonia” e o define como: liderança cultural e ideólogica de uma classe sobre a outra; não se pode pensar a hegemonia sem luta de classes.
    Gramisci também afirma existir uma ilusão de harmonia social, parece que todos tem liberdade e os aparelhos do estado são feitos para contribuir com a vida do trabalhador, no entanto, todos tem uma função social que está ligado ao sistema que vivemos. A escola para Gramisci deveria formar um indivíduo de forma integral considerando suas potencialidades e possibilitando o conhecimento de todas as áreas do conhecimento.

  124. Nicole Sangalli disse:

    Hegemonia significa, para Gramsci, a relação de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade. O domínio se caracteriza por dois elementos: força e consenso. A força é exercida pelas instituições políticas e jurídicas e pelo controle do aparato policial-militar. O consenso diz respeito sobretudo à cultura: trata-se de uma liderança ideológica conquistada entre a maioria da sociedade e formada por um conjunto de valores morais e regras de comportamento. Segundo Gramsci, “toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”, isto é, de aprendizado. A hegemonia é obtida, segundo Gramsci, por meio de uma luta “de direções contrastantes, primeiro no campo da ética, depois no da política”. Ou seja, é necessário primeiro conquistar as mentes, depois o poder. Isso nada tem a ver com propaganda ou manipulação ideológica. Para Gramsci, a função do intelectual (e da escola) é mediar uma tomada de consciência (do aluno, por exemplo) que passa pelo autoconhecimento individual e implica reconhecer, nas palavras do pensador, “o próprio valor histórico”.
    Uma parte importante das reflexões de Gramsci sobre educação foi motivada pela reforma empreendida por Giovanni Gentile, ministro da
    Educação de Benito Mussolini, que reservava aos alunos das classes altas o ensino tradicional, “completo”, e aos das classes pobres uma escola voltada principalmente para a formação profissional. Em reação, Gramsci defendeu a manutenção de “uma escola única inicial de cultura geral, humanista, formativa”. Para ele, a Reforma Gentile visava predestinar o aluno a um determinado ofício, sem dar-lhe acesso ao “ensino desinteressado” que “cria os primeiros elementos de uma intuição do mundo, liberta de toda magia ou bruxaria”. Ao contrário dos pedagogos da escola ativa, que defendiam a construção do aprendizado pelos estudantes, Gramsci acreditava que, pelo menos nos primeiros anos de estudo, o professor deveria transmitir conteúdos aos alunos.

  125. Carolina Longo disse:

    Para Gramsci o processo de dominação de classe envolve além da sociedade política, formada pelos mecanismos que garantem o monopólio da força pela classe dominante, a sociedade civil, formada pelos agentes ideológicos socialização: escola, meios de comunicação de massa, religião, família, etc. Gramsci considera a educação não como uma realidade separada, mas como parte da totalidade social em que ela está imersa, considerando suas articulações com a economia e a política. O princípio educacional para Gramsci é o trabalho: a capacidade para trabalhar ao mesmo tempo intelectual e manualmente numa organização educacional única, diretamente ligada com as instituições produtivas e culturais da sociedade adulta. Em sua concepção de escola, Gramsci redimensiona o valor da escola como um campo de conscientização do processo social contraditório, de superação de valores e de mudança histórica.

  126. Carolina Puga disse:

    O conceito de Hegemonia para Gramsci, é o domínio de uma classe social sobre outra. É uma capacidade de coordenar ou subordinar classes sejam elas aliadas ou inimigas. O processo da hegemonia se instala tanto no plano do movimento quanto no plano das instituições. Gramsci afirmava que “não adiantava mudar a estrutura sem mudar a essência das pessoas”, a escola, portanto, tem um papel muito importante. O trabalho é visto como um ponto importante em termos educacionais. Ele propõe a junção do trabalho manual com o trabalho intelectual. A escola deve estar combinada com a realidade prática dos trabalhadores e ser instrumento de mudança histórica, na medida em que deve mudar a essência das pessoas. Para Gramsci, o proletariado deveria abandonar interesses imediatos e particulares a favor de um plano nacional operário.

  127. Alan da Silva Marques disse:

    Gramsci, pensador marxista italiano do Século XX, formula a “escola unitária” que é uma escola que supera as escolas capitalistas, a escola unitária reúne o trabalho manual e o trabalho intelectual, pois para ele não existe diferença de trabalho manual e intelectual, pois os dois tipos de trabalho são tipicamente humano e devemos ser seres integrais.

  128. Danielle Oliveira disse:

    Gramsci acredita que a hegemonia é a base política fundamental para o controle das classes dominantes. Através da educação, cultura e religião, a classe dominante tenta amenizar a extrema desigualdade que existe na sociedade capitalista.
    Ele crê que para a sociedade exercer seu poder, deve existir uma revolução na educação, transformando a escola em unitária, o que acarretaria numa formação completa do ser humano. Assim essa escola unitária trabalharia com o princípio educativo, tornando o indivíduo autônomo e capaz de desenvolver um senso crítico perante a sociedade, saindo do senso comum. Isso traria uma formação omnilateral aos indivíduos, que seriam conscientes dos seus direitos e deveres sociais.

  129. Maria Paula disse:

    Gramsci (1891 – 1937) foi um líder socialista e pensador crítico da sua época que sofreu, e muito, com as perseguições políticas, chegando a ser exilado e enviado para a União Soviética e Áustria, já que o fascismo do governo de Mussolini estava cada vez mais forte na Itália. Apesar de ter tido uma saúde precária e infância difícil – por ter nascido em uma família pobre e, por este motivo, ser forçado a largar a escola aos onze anos para ajudar os pais no sustento da família -, consegue cursar uma universidade, se formando em Humanidades, se destacando por seu talento para os estudos. É nesse período que Gramsci torna-se um socialista revolucionário que, junto a outros que tinham os mesmos ideais, funda a revista L’Ordine Nuovo (A Nova Ordem), cujo lema se resumia em organização, ação e consciência dentro de uma luta pela mais alta e nova organização social. Além disso, Gramsci contribuiu para o desenvolvimento na área de estudos das relações entre a infraestrutura econômica e as superestruturas ideológicas da sociedade, para a elaboração de assuntos educacionais tratados por “educação como hegemonia”, em que ocorre o domínio de uma classe social pela outra e, mais ainda, para o desenvolvimento do princípio pedagógico do trabalho, propondo que o trabalho manual não seja dissociado do trabalho intelectual.

  130. Marina Casadore Bianchi disse:

    De acordo com Gramsci, a escola é um dos aparelhos hegemônicos utilizado pela classe dominante para impor ao proletariado sua ideologia. Deste modo, Gramsci propõe uma contra-hegemonia, defendendo o modelo de escola unitária, que proporcionaria uma formação omnilaterial do homem, promovendo uma ligação entre trabalho e educação.

  131. Júlia Neves Ferreira disse:

    De acordo com Gramsci, a escola seria um meio de alienação das pessoas de sua condição humana, já que ela faz parte dos aparelhos hegemônicos do Estado, à medida que perpetua nos seus objetivos de ensino e aprendizagem a hegemonia cultural e ideológica da classe dominante sobre a dominada, ou seja, a burguesia é detentora do poder. A educação para Gramsci, portando, desempenha um papel fundamental na consolidação dessa hegemonia. Gramsci sugere a contra-hegemonia que é formada por trabalhadores, propondo a ideia de uma escola unitária onde o trabalho manual e intelectual eduque um indivíduo para tornar-se responsável, construindo sua consciência moral e social e com autonomia para revolucionar a sociedade capitalista.

  132. Ana Cláudia de Oliveira Pereira disse:

    Gramsci propõe a escola unitária – humanista onde o homem será formado omnilateralmente, uma educação que incentiva e desenvolve todas as possibilidades da criança. Para que essa educação ocorra é necessário devolver ao aluno o que faltou. Essa escola precisa ser pública e vai superar as contradições do capitalismo, combinando a realidade prática dos trabalhadores com a educação. Essa educação pretende acabar com a hegemonia imposta pela burguesia que aliena o ser humano e o distancia da superação.

  133. Natália Diniz Feltrin disse:

    Gramsci em sua teoria salienta que a escola é um dos aparelhos hegemônicos, pois é usada pela burguesia para impor os seus valores diante da sociedade. Deste modo, o grande pensador italiano pregava uma escola unitária, em que o homem seria formando omnilateralmente, ou seja, teria uma formação plena, tendo o trabalho e a educação em único processo ( também é proposta na pedagogia do trabalho de Marx), colocando um fim na alienação exacerbada do capitalismo.

  134. Adriane Ruis da Silva disse:

    Gramsci é o fundador de uma nova ideologia / de uma nova realidade. Ele acreditava que pouco adiantava mudar a estrutura econômica do país, se não houvesse mudança na essência, nas ideias e comportamento da população. Para Gramsci a escola permite a superação de valores e a mudança da sociedade, e o ensino que consegue unir o que ele acreditava ser o ideal é ensino politécnico, o qual uni o trabalho manual do trabalho intelectual. O ensino politécnico associa a realidade prática (a vida cotidiana dos alunos) com os conceitos teóricos que são necessários para a vida. No processo de trabalho multilateral moderno cresce um novo homem e nesse processo ele obtém conhecimento; esse trabalho associa o homem ao mundo inteiro. E então cresce milhões de crianças do movimento dos pioneiros e se realiza o ensino no processo de luta, no processo de construção.

  135. Edmar Ferreira Dias disse:

    Gramsci considera a hegemonia como o predomínio da ideologia burguesa (classe dominante) sobre a classe subalterna na sociedade civil. Essa ideologia é propagada na sociedade através do EstadO e se reflete na escola. Nessa concepção a escola funciona como um aparelho hegemônico do Estado, visto que divulga uma única concepção ideológica, ou seja, a ideologia dominante. Fortalecendo a luta de classe e a desigualdade social pela dificuldade do diálogo.

  136. Maísa Gonçalves Lima disse:

    Para Gramsci a hegemonia trata-se da imposição da classe dominante contra todos os outros seguimentos sociais, seja através, da economia, da cultura ou da educação. Nesse sentido a educação enquanto ferramenta do Estado também está organizada visando a manutenção do poder e por isso perpetua a hegemonia da classe dominante. Para Gramsci não adianta uma mudança econômica radical sem que seja mudado também o comportamento das pessoas, uma vez que elas naturalizam as relações dessa sociedade e não conseguirão se adaptar a uma nova economia, sendo assim, Gramsci acredita ser necessárias ações contra-hegemônicas, onde através da cultura o comportamento e visão das pessoas são sendo modificados. A educação em Gramsci passa pela ideia de uma escola unitária, de formação omnilateral, totalmente contrária á existente.

  137. Thainá Carmona disse:

    Gramsci trouxe à discussão pedagógica a conquista da cidadania como um objetivo da escola. Para Gramsci, hegemonia seria a relação de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade. Esse domínio se caracteriza pela força e pelo consenso. A força é exercida pelas instituições políticas e jurídicas e pelo controle do aparato policial-militar. E o consenso diz respeito sobretudo à cultura: trata-se de uma liderança ideológica conquistada entre a maioria da sociedade e formada por um conjunto de valores morais e regras de comportamento.
    Segundo Gramsci, é necessário primeiro conquistar as mentes, depois o poder para se obter a hegemonia. Desta forma, a função do intelectual é mediar uma tomada de consciência que passa pelo autoconhecimento individual e implica reconhecer.

  138. Thailene disse:

    Gramsci propõe sua superação na síntese (já proposta por Marx) de uma escola única, inicial, de cultura geral, humanística e formativa, em que estejam equilibrados de forma dinâmica: o trabalho manual e intelectual. A escola unitária deve assumir a tarefa de colocar os jovens nas atividades sociais, elevando seu grau de maturidade, criação intelectual/prática e autonomia de orientação e iniciativa.
    Tal proposta educacional somente é possível às expensas do Estado. Segundo Gramsci (2000a, p.36), “…a inteira função de educação e formação das novas gerações deixa de ser privada e torna-se pública, pois somente assim ela pode abarcar todas as gerações, sem divisões de grupos ou castas”.
    Todavia, conforme Gramsci, é somente no “Estado ampliado”, onde existem as condições objetivas da liberdade de expressão e atividade, que estão postas as possibilidades da escola pública, na qual o vínculo ativo entre professor, aluno e cultura sistematizada projeta-se como uma relação de hegemonia.

  139. Verbênia Dias Araújo disse:

    Considerando que para Gramsci, a hegemonia está no domínio que uma classe tem sobre outra. A educação será fundamental para essa hegemonia, fazendo com que o poder das classes dominantes se mantenha no sistema capitalista. Portanto, nas instituições educacionais são ensinados conceitos a fim de que a hegemonia das classes dominantes se perpetue e os valores que são impostos à classe dominada não possam ser enxergados de uma maneira crítica. Isso faz com que não aconteça a revolução. Gramsci está de acordo com a educação omnilateral, mas como isso seria possível, já que o Estado é quem implanta a ideologia da classe dominante e expande essa hegemonia? Para o educador Gramsci seria necessário que a classe dominada criasse a sua hegemonia, além disso ele propõe uma escola que possa relacionar o trabalho intelectual e manual, sendo assim a escola unitária.

  140. Amanda Vivan disse:

    Gramsci considera que a hegemonia não está relacionada apenas à economia e política, mas também à ideologia e à cultura. Ele enxerga a escola como suporte ideológico do capitalismo, mas também como a possibilidade de construção de outra ordem hegemônica (contra-hegemônica) que visa superar a ideologia burguesa, preparando o homem para um novo modelo de produção posterior. Assim, ele propõe o modelo de escola única, voltada para a formação integral, que proporcione acesso ao conhecimento produzido pela humanidade, articulando trabalho intelectual e manual.

  141. Cristiane Lilian disse:

    Gramsci lutava pela hegemonia da classe trabalhadora, e acreditava que esta mudança se faria possível através da Educação emparelhada com o Estado (já com as visões socialistas). Em sua concepção não bastava que o poderio estatal e econômico fosse tomado, mas também e principalmente, era necessária a conscientização de toda a sociedade sobre a questão de classes, bem como a incorporação, pela classe trabalhadora, de um sentimento de pertença e de grupo. Para ele a mudança cultural seria a base da perpetuação do sistema que estava em fase de implementação, pois sabia a necessidade de que as pessoas se engajassem nas mudanças efetivas que deveriam ocorrer rumo à consolidação do Socialismo. Em sua visão o trabalho manual e o intelectual tinham o mesmo valor, já que todos somos intelectuais por natureza (todos pensamos e objetivamos), e defendia a valorização de ambos dentro da escola.

  142. Wanessa B. Cardozo disse:

    Levando em conta que para Gramsci a educação é o instrumento fundamental necessário a luta entre classes sociais pelo exercício do poder, ou pela hegemonia, já que esta entende-se como a supremacia de uma poco sobre outros; Ele acreditava que a educação omnilateral seria a ideal, contudo isso seria impossível, visto que o Estado é quem implanta a ideologia da classe dominante sobre a classe dominada, portanto, Gramsci visava serem necessárias ações contra-hegemônicas, isto é, ações nas quais através da cultura e por meio dela, o modo de penar e agir das pessoas seriam modificados.

  143. Luis Henrique dos Santos Barcellos disse:

    Para Gramsci as desigualdades de classes estão postas nesse sistema capitalista, pautado pelo liberalismo e que uma escola é pensada para essa classe dominante que tem por fim formar os intelectuais que manterão o poder hegemônico, e além disso esse pensamente de manutenção do poder se instala na classe proletária que não consegue formar seus intelectuais orgânicos. É necessário a formação de intelectuais orgânicos nessas classes dominadas e também a ocupação dos espaços culturais, sendo a escola um lugar impar nesse sentido.
    A educação para Gramsci deve se pautar pelo valor do trabalho e superar as dicotomias, o classismo da sociedade. A escola deverá então ser uma escola unitária, humanística, pública, sem distinção de classe, que dê a mesma educação a todos, que forme o aluno a trabalhar manual e intelectualmente, uma formação omnilateral.

  144. Rayane Silva disse:

    Para Gramsci que era um grande educador que desempenha papéis fundamentais na educação, entendia a hegemonia como um poder daqueles que detinham o domínio ideológico (a burguesia), entendendo a sociedade como uma totalidade e a escola dessa sociedade como transmissora dessa hegemonia. O Estado é o fator fundamental na questão da divisão da sociedade, servindo como instrumento para aumentar o poder da classe dominante. Gramsci constrói suas propostas para promover mudanças especialmente à escola, analisando como a hegemonia dos dominantes utiliza-se da coerção e da persuasão nos meios culturais e intelectuais sobre a classe dos dominados. E propõe a construção de uma escola onde o trabalho manual e intelectual eduque um indivíduo para tornar-se responsável, construindo sua consciência moral e social e com autonomia para revolucionar a sociedade capitalista, modificando as relações humanas entre dominantes e dominados, propondo a formação do homem omnilateral.

  145. Aline Stelzer disse:

    Gramsci deu ao estado e a educação publica uma nova importância, parte do conceito de hegemonia da sociedade civil de Marx para explicar o funcionamento do capitalismo.Para Gramsci a natureza da sociedade civil é a chave para a compreensão do sistema capitalista. A hegemonia do estado emana da burguesia como classe dominante. Na educação Gramsci propõe uma escola humanística, publica, igualitária que de a mesma educação a todos, a educação é pautada no trabalho.

  146. Tainara Rosa Teixeira Leandro disse:

    O conceito gramsciano de hegemonia tem dois significados principais: o primeiro é um processo na sociedade civil pela qual uma parte da classe dominante exerce o controle, através de sua liderança moral e intelectual (a burguesia), sobre outras frações aliadas da classe dominante e o segundo é a relação entre as classes dominantes e dominadas. Para Gramsci o Estado, como superestrutura, torna-se uma variável essencial na compreensão de sociedade capitalista, sendo um instrumento principal para a expansão do poder da classe dominante e uma força repressiva que mantém os grupos subordinados fracos e desorganizados.
    A escola deve oferecer uma educação para todos, unitária e humanista, que mantenha relação com o trabalho.

  147. Thalita Blanco Penha disse:

    A hegemonia para Gramsci está no controle de uma classe sobre a outra, assim a educação estando sobre o poder de classes dominantes defende seus interesses e mantendo assim essas classes com poder no sistema capitalista.
    Gramsci propõe para combater esse sistema que a classe que é dominada crie também uma hegemonia e que possam ter uma visão mais critica fugindo do que a classe dominante propõem a eles.
    O autor também busca uma escola unitária, com a união do trabalho intelecto e manual.

  148. Andréia Centurion disse:

    Antônio Gramsci foi um político italiano que nasceu em Ales, na Sardenha em 1891, marxista fundador do Partido Comunista Italiano (PCI). Ele afirmou que o trabalho intelectual não pode ser separado do trabalho manual. Ao formular a Escola Unitária em que a formação humanista e “desinteressada” se articula com a formação profissional, ele estabelece esta relação entre teoria e prática como fundamento da formação do homem;
    Assim, a hegemonia para Gramsci é o poder da classe dominante que utiliza a escola para transmiti -lá, sendo a escola então, um aparelho hegemônico

  149. Tainara Rodrigues disse:

    A relação entre educação e hegemonia, ressaltada em Gramsci, se encontra definida a partir da problematização encontrada pelo autor nos modelos capitalistas de escola, caracterizadas pelas classes sociais encontrarem-se divididas em setores econômicos, sendo uma preponderante sobre a outra. Esse modelo capitalista tinha o intuito de propiciar apenas a formação manual e o intelectual na medida certa para a definição de cada classe social em seu devido lugar. É nesse contexto que Gramsci salienta a necessidade do modelo de escola Unitária, de formação omnilateral, de maneira a unificar trabalho manual e intelectual, objetivando assim, a extirpação da hegemonia brutamente presente nas escolas sobre o domínio das classes dominantes.

  150. Talita G. O. Ribeiro disse:

    Grasci define a hegemonia pela capacidade de dominação de uma classe sobre a outra. Nesse sentido ele aponta que a classe dominante- burguesia- forja em suas escolas os seus intelectuais, preparando-os para a dominação de classe. Para ele os trabalhadores devem estar ligados de maneira orgânica e sensível a sua classe para que consigam elaborar suas próprias experiências e forjar sua intelectualidade orgânica. Ele propõe um modelo de escola, diferente da escola burguesa, que rompa com a dicotomia entre o saber manual e o saber intelectual, e permita a formação integral do ser: a escola unitário que permita as crianças aprenderem a partir do trabalho mas não excluindo os conhecimentos.

  151. Vivian Blanco disse:

    Gramisci acreditava na escola como um lugar para estabelecer a contra hegemonia, pois a educação deveria explorar outros planos, rompendo com o modelo de escola burguesa dominante homogênea. Portanto Gramisci visava a formação igualitária Omnilateral.

  152. POATAN PINOTI disse:

    A hegemonia cultural, de acordo com Gramsci, constitui-se num conjunto de ideias dominantes de uma determinada conjuntura social, política, cultural e econômica. Ela não é permanente, mas o Estado, e seus líderes, são o resultado desse somatório de forças em disputa. Neste jogo estão presentes a sociedade civil e a sociedade política. Desta maneira, estando a escola inerente ao meio social, esta instiuição impõe a visão de mundo burguesa como universal e molda os interesses da classe trabalhadora de acordo com seus próprios interesses, de modo a garantir a perpetuação de seu domínio econômico e hegemônico.
    Na escola prevista por Gramsci, as classes desfavorecidas poderiam se inteirar dos códigos dominantes, a começar pela alfabetização. A construção de uma visão de mundo que desse acesso à condição de cidadão teria a finalidade inicial de substituir o que Gramsci chama de senso comum. Foi Gramsci quem trouxe à pedagogia o conceito de formação da cidadania como um dos objetivos da escola.

Deixar um comentário